Artigos

Modelo petista de Segurança Pública: 20 mortos em 18 horas

Durante um show do Olodum, uma mulher ficou CEGA DE UM OLHO após ação truculenta da PM da Bahia. O estado, como se sabe (mas não se diz muito, porque queima o filme), é governado pelo PT. Nesses casos, também como se sabe, a população não recebe o mesmo amparo da militância petisto-fúcsia 2.0.

Uma pena para o cidadão baiano.

E isso vale para a greve da mesma PM, deflagrada agora, que já resultou em VINTE MORTES em DEZOITO HORAS. Um recorde. O governador petista, Jacques Wagner, está viajando por Cuba, na companhia de Dilma. Quando ele voltar do passeio, quem sabe, a situação possa ser solucionada. Por enquanto, está assim:

Esse pessoal empunhando revólver é gente da PM da Bahia.

 

Loja saqueada em Salvador.

Ah, mas é coisa da greve? Bom, não é. Infelizmente, não é. Isso porque, óbvio, a greve em si já é um descalabro – algo inaceitável por parte de agentes públicos de segurança e policiamente. Mas basta checar os índices que se percebe um padrão.

Como é a Segurança Pública nos governos petistas?
Dica: uma merda. Vejam aqui (pdf) levantamento do Instituto Sangari, o tradicional “Mapa da Violência”, cujos dados abrangem o período entre 2001 e 2010:

O PT governa Bahia, Pará, Piauí, Sergipe e Acre. São CINCO estados para uma amostragem da competência do partido na Segurança Pública. Vejamos:

BA – Ao tomar posse (2007), o PT encontrou o índice de 23,5 mortos por 100 mil habitantes; em três anos, esse número saltou para 37,7.

PI – O PSB governa com o PT na vice, e o mesmo PT foi governo desde 2003. Ao assumir, havia 10,9 homicídios por 100 mil habitantes. Em 2010, saltou para 13,7.

PA – Carepa, a governadora petista, tomou posse em 2007 e recebeu uma taxa de homicídios, por 100 mil habitantes, de 29,2 e “devolveu” com o índice de 45,9 – não foi por acaso que perdeu chance de reeleição.

AC – Governado pelo PT desde 1999, o Acre é um daqueles rincões que seriam, com o perdão do termo, a VITRINE do PT. O índice de 2000 é o mesmo de 2010: 19,4 homicídios por 100 mil habitantes. Dez anos e… nada! Talvez o partido considere um número razoável.

SE – Marcelo Déda, do PT, assumiu o governo em 2007 com Sergipe no patamar de 29,8 mortos por 100 mil habitantes. Em 2010, porém, esse número já subiu para 33,3. Mas a Rita Lee foi presa.

ACREDITEM OU NÃO, há petistas que acham razoável falar da Segurança Pública em SP. Ah, mas e os dados? Opa, taí:

Em 2000, SP tinha uma taxa de 42,2 homicídios por 100 mil habitantes. Em 2010, o número foi para… 13,9! Caiu! E drasticamente! Continua ruim, é óbvio, pois qualquer morte é uma desgraça, mas não se deve deixar de aplaudir quando tais números caem.

O PT vaia. Não porque esteja ligando para esse tipo de coisa, mas porque quer o poder – e talvez fazer de SP o que fez com a Bahia, destruindo tudo. Ou com Sergipe. Enfim, escolham…

Enfim
Durante uma única greve, VINTE MORTOS NO PERÍODO DE DEZOITO HORAS. No decorrer de anos, AUMENTO DA TAXA DE MORTALIDADE. Esses são os dados do PT na segurança pública. Eles não são bons nisso.

Além de tudo, a militância classemédiopetista de tuíter e feicebuque, grita a plenos pulmões qualquer ato da PM de onde não governam, mas estão aí calados – mas sem vergonha alguma disso – em relação à pilha de cadáveres resultantes da péssima segurança pública de seu partido do coração.

Isso sim é massacre. Pena que a vida é relativa – e o índice de relatividade é o partido que governa. Isso, claro, para a turminha ~descolada~ que luta pela sociedade compartilhando publicação no Feice.

Agora, resta fazer como a polícia da BA: dar umas porradas nos números, para ver se ficam quietos ou ao menos cegos.

To Top