Implicante

/ Blog

11 de abril de 2011

Conheçam Gabriel Chalita!

white 15 Conheçam Gabriel Chalita!Kindle

chalitaplaca Conheçam Gabriel Chalita!

Há menos de um mês, o Estadão (por Daiene Cardoso) informou que Gabriel Chalita, ex-tucano, atualmente no PSB e neodilmista pentecostal da sétima hora, poderia mudar de partido (novamente), indo agora para o PMDB. Seguem trechos:

PMDB formaliza convite a Chalita de olho em 2012 – Em reunião ontem pela manhã no escritório político do vice-presidente da República, Michel Temer, em São Paulo, a direção estadual do PMDB decidiu que todos os diretórios municipais da sigla serão obrigados a lançar candidatos a prefeito ou a vice-prefeito no ano que vem (…) Na capital, o PMDB busca um nome conhecido do eleitor. “Tivemos uma conversa muito boa com o Chalita para que ele possa vir a ser o nosso candidato a prefeito de São Paulo”, disse Rossi, referindo-se ao deputado federal Gabriel Chalita, do PSB. Outro nome do PSB que também foi convidado a se tornar peemedebista é o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf.”

(grifos nossos)

Um nome “conhecido” do eleitor? Então, ora pois!, que o eleitor CONHEÇA um pouco mais sobre Gabriel Chalita, ex-tucano e neodilmista! A ver:

Rombo de R$ 4 milhões
(escândalo “Canal do Saber”)

Algumas reportagens da Folha, publicadas em setembro de 2008, explicam o caso. Vejam trechos desta (somente para assinantes):

Gestão Chalita deixou rombo de R$ 4 milhões – Fundação para o Desenvolvimento da Educação cobra verba referente a 3.233 parabólicas pagas (…) Auditoria interna da FDE (Fundação para o Desenvolvimento da Educação), órgão ligado à Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, identificou um rombo de R$ 4,08 milhões, fruto de contrato assinado em 2006 para fornecimento de antenas parabólicas, durante gestão do então secretário Gabriel Chalita, no governo de Geraldo Alckmin (PSDB). A FDE foi à Justiça cobrar a devolução do dinheiro ao erário. Entre os citados a pagar o valor está o ex-diretor Milton Dias Leme, que disse em depoimento ter sido convidado para o cargo, após entrevistas, por Chalita (…) A fundação assinou, em janeiro de 2006, contrato para fornecimento de 5.500 antenas e 5.500 receptores para implementar nas escolas estaduais o projeto Canal do Saber, que reproduziria programas educativos de TVs para os alunos. Antes mesmo da comprovação de que as antenas haviam sido entregues, houve um aditamento, em 27 de abril de 2006, de mais 1.375 antenas e 1.375 receptores. Tudo deveria ser entregue, de acordo com a ação, até 3 de julho de 2006, e os equipamentos seriam pagos até 30 dias após o recebimento. “Todos os valores devidos à contratada, inclusive o aditado, foram pagos, e esta não entregou os equipamentos na sua integralidade”, sustenta a fundação na inicial do processo. Segundo levantamento da FDE, foram pagas, mas não entregues, 3.233 antenas e 4.695 receptores. Apesar da contratação total de 6.875 antenas e 6.875 receptores, São Paulo tinha cerca de 5.300 escolas. Candidato a vereador, Chalita foi escolhido para ser o “puxador” de voto do PSDB para a Câmara neste ano. Em seu site, ele cita como realização de sua gestão a “implantação do Canal do Saber nas 5.306 escolas, levando programação exclusiva à rede estadual de ensino”. Pelos materiais pagos e não entregues, a cobrança é de R$ 4 milhões, em valores já atualizados. Mas a FDE também teve um custo de R$ 4,6 milhões para a produção dos programas e mais R$ 2,5 milhões para a transmissão via satélite…”

(grifos nossos)

E desta (também para assinantes):

Canal do Saber era de Chalita, diz sucessora – Maria Lucia Vasconcelos, secretária de Educação da gestão Lembo, cancelou programa ao saber que antenas não foram entregues – Ela diz que fundação paga projetos, mas que secretário tem que acompanhá-los; Chalita diz que equipamento já estava sendo entregue – Maria Lucia Vasconcelos, secretária da Educação do Estado de São Paulo entre abril de 2006 e julho de 2007, cancelou o programa Canal do Saber em novembro de 2006, após a identificação de um rombo gerado pelo projeto. O canal reproduziria programas educativos de TVs para os alunos e professores das escolas estaduais (…)

FOLHA – Por que a sra. decidiu cancelar o Canal do Saber?
VASCONCELOS – Assumi em abril e fui conhecer todos os projetos. Fui informada da possibilidade de falar com as escolas pelo canal, porque me disseram que ele levava as imagens que a gente produzisse. Ora, quis falar com as escolas. Só então me informaram que nem todas estavam equipadas. As coisas foram sendo esclarecidas. Não vi sentido em continuar a produção de programas e o custo de transmissão. Produzia e não tinha condição de aproveitar. Por que continuar com aluguel de satélite?

FOLHA – O aditivo de mais 1.375 antenas e receptores foi assinado em 27 de abril, pelo ex-diretor Milton Leme, na gestão da sra.
VASCONCELOS – De fato. Mas a solicitação do aditamento foi feita no dia 23 de março e no dia 24 foi solicitada a autorização prévia ao Planejamento e à Fazenda, para ver se o dinheiro estava disponível. Portanto, todas as ações já estavam decididas. Se eu assumo em abril, há um tempo para conhecimento. Era uma ação em curso. O projeto é da gestão anterior.

FOLHA – Quando foi suspenso?
VASCONCELOS – Em novembro. O canal não estava instalado. Fomos informados que a empresa que fabricava as antenas não fabricaria mais. Instauramos os procedimentos. A opção foi não investir mais em algo que não tínhamos como colocar em um prumo adequado…”

(grifos nossos)

Imaginem esse exímio gestor diante de uma prefeitura como a de São Paulo… Haja parabólica, não é? Bom, nem tanto. Afinal, elas nem precisam existir…

 

Jatinho e Helicóptero… SEM LICITAÇÃO
Nem todos os católicos apostólicos romanos seguem de forma muito rígida os preceitos de humildade e não-ostentação. E nem todos fazem licitação quando contratam aeronaves, como se verá pela reportagem da Folha, a seguir:

“Secretário de Alckmin voa sem licitação – Quatorze dias depois de assumir a secretaria da Educação, em 9 de abril passado, Gabriel Chalita, 33, determinou a contratação de serviços de locação de aeronave (helicóptero e jatinho) com dispensa de licitação. O serviço foi executado 15 vezes, entre os 23 de abril e 14 de agosto deste ano. O secretário explicou que a dispensa de licitação ocorreu em razão de o preço de cada um dos trechos voados ser inferior a R$ 8.000_ valor mínimo estabelecido pela Lei das Licitações (8.666) para fazer concorrência pública. Para o Ministério Público, a prática é ilegal. No relatório anual, enviado às secretarias, o Tribunal de Contas do Estado condena essa prática, chamada de “fracionamento” de licitação, que é a contratação constante do mesmo objeto sem concorrência pública. O secretário voou de jatinho e helicóptero para 28 cidades do interior paulista. Pelo menos 12 vôos foram realizados para cidades localizadas a menos de 150 quilômetros da capital, onde fica a sede da secretaria. As viagens somam, segundo Chalita, R$ 79.399,67 (uma média de R$ 4.000 por trecho voado) (…) A Folha teve acesso aos dados do Sigeo (Sistema de Informações Gerenciais da Execução Orçamentária do Estado), programa que registra os gastos do governo mensalmente. Os dados mostram que, entre janeiro e junho deste ano, a Secretaria da Educação gastou R$ 170.126,00 com locação de veículos e aeronaves, mais do que dobro gasto no mesmo período do ano anterior. Só no mês passado, a despesa somou R$ 117.485,00 (…) Nas palestras, cujo principal tema é a “educação pelo afeto”, o secretário _que é um orador fluente_ recita poemas, letras de música e compromete-se a acabar com medidas da gestão anterior, tidas como impopulares pelos professores. No final, a platéia aplaude e as professoras se aglomeram para cumprimentá-lo e tirar fotografias ao seu lado. (ver texto abaixo). O livro “Educação: a solução está no afeto”, escrito por Chalita, já vendeu 14 mil exemplares e está entrando na sexta edição. Desde que ele virou secretário de Estado, as vendas aumentaram 30%, segundo a editora Gente, responsável pela publicação (…)”

(grifos nossos)

Chalita contratou jatinhos e helicópteros sem licitação, prática considerada ilegal pelo Ministério Público. As viagens eram para palestras, nas quais o ex-secretário falava da “educação pelo afeto”, nada menos que UM TEMA DE LIVRO SEU.

Aí fica difícil, né?

 

Apê Milionário e Investigação da Evolução Patrimonial
Tudo começou em duas notas de Monica Bergamo (somente para assinantes) sobre o “apê”:

DOCE LAR 1 – Gabriel Chalita, secretário da Educação e um dos mais prestigiados da equipe do governador Geraldo Alckmin, está de casa nova. Ele comprou um deslumbrante dúplex, de 1.500 m2, numa das esquinas mais charmosas de São Paulo, a da rua Rio de Janeiro com a avenida Higienópolis. A cobertura tem até uma piscina e uma das vistas mais lindas da cidade. O imóvel custa mais de R$ 4,5 milhões. O secretário diz que negociou o preço e deu imóveis que recebeu de herança como parte da negociação.

DOCE LAR 2 – Chalita diz que tem uma coleção de 15 mil publicações que vai levar para o lugar.”

(grifos nossos)

Depois, o deputado Afanásio entrou com denúncia contra Chalita, como demonstra trecho da reportagem a seguir (também da Folha):

“O deputado estadual Afanázio Jazadji (PFL) entrou com requerimento no Ministério Público do Estado de São Paulo questionando a variação patrimonial do secretário da Educação, Gabriel Chalita, e a compra de um apartamento de R$ 4,5 milhões, revelada pela Folha no começo do mês. Do círculo pessoal de Alckmin, Chalita é um dos cotados para o governo do Estado em 2006 (…) Imóvel luxuoso – Na representação, foram anexadas cópias do “Diário Oficial”, onde foi publicada a declaração de bens do secretário. O patrimônio dele passou de R$ 741.413, em 2000, para R$ 1.928.576, em 2002. Afanázio Jazadji, que faz parte da base governista de Alckmin, questiona a origem dos recursos para a compra do imóvel, localizado em Higienópolis, um dos bairros mais nobres de São Paulo. Segundo coluna de Mônica Bergamo, na Folha, o apartamento é um dúplex, com piscina, e tem 1.500 metros quadrados. “Só estou questionando como ele comprou o imóvel. Disse que vendeu outros herdados. Isso não consta da declaração. Pelo que sei ele vem de uma família humilde do interior paulista“, disse Jazadji. A assessoria de imprensa de Chalita não comentou a variação patrimonial do secretário. Em nota enviada à Folha, disse: “A representação tem motivação política e é baseada em informações falsas. Isso fica claro numa simples consulta ao cartório de imóveis”. Também não informaram qual o valor pago pelo apartamento na capital.”

(grifos nossos)

O sucesso pessoal e profissional de alguém deve ser sempre aplaudido. Em alguns casos, é claro, há certas controvérsias. Vejam trecho de reportagem da “IstoÉ Gente” sobre Chalita, falando de sua origem humilde e da infância em Cachoeira Paulista/SP:

“Ele ainda cursava o Ensino Médio, quando passou a lecionar na escola onde o pai havia sido servente…”

(grifamos)

É uma dúvida legítima, portanto, querer saber os motivos pelos quais herança não tenha aparecido na época em que seu pai trabalhava duro como servente de uma escola. Enfim, a grana só veio depois, e permitiu a Chalita comprar o apê de 1500 metros quadrados, com piscina e tudo.

 

Enfim
Se São Paulo evoluir seu patrimônio nessa mesma velocidade, convenhamos, New York se tornará um mero vilarejo perto da capital bandeirante. Mas vale lembrar que tudo depende de uma boa, generosa e oportuna herança.

E como o PMDB trata Chalita como “um nome conhecido do eleitor”, fizemos o favor de resgatar alguns detalhes dessa personalidade política ímpar, para torna-lo ainda mais conhecido.

compartilhe

Tópicos

9 Comentários

  1. LEMES SILVA13 de julho de 2011 às 00:25

    SOBRE ESSA POLITICA:

    DECEPISSÃO

  2. Maria17 de abril de 2011 às 16:53

    Antes de mais nada quero deixar claro que não gosto do senhor Chalita. Nas últimas eleições a máscara, que já estava torta – PSDB é partido de socialista – , CAIU ao apoiar uma abortista.
    O pai dele era servente. Só que, até onde sei pelas palavras do próprio Chalita, o pai tinha um comércio no qual o nobre político começou a trabalhar aos 12 anos de idade. A família já estava com sua vida financeira indo muito bem obrigada. O FINAL do texto dá a entender que o “pobre” Chalita sempre foi humildezinho e teve que lutar duro para (só a título de informação) se formar nas cinco faculdades. Entre elas, acho que tem 2 ou 3 doutorados. Então, ele não é o filho de servente que estudou e foi lecionar. Nem sei se o pai chegou a vê-lo formado na faculdade. Mas ele era, já aos doze anos, filho de um comerciante

  3. Maria17 de abril de 2011 às 16:51

    Antes de mais nada quero deixar claro que não gosto do senhor Chalita. Nas últimas eleições a máscara, que já estava torta – PSDB é partido de socialista – , ao apoiar uma abortista.

    O pai dele era servente. Só que, até onde sei pelas palavras do próprio Chalita, o pai tinha um comércio no qual o nobre político começou a trabalhar aos 12 anos de idade. A família já estava com sua vida financeira indo muito bem obrigada. O texto dá a entender que o “pobre” Chalita sempre foi humildezinho e teve que lutar duro para (só a título de informação) se formar nas cinco faculdades. Entre elas, acho que 2 ou 3 doutorados. Então, ele não é o filho de servente que estudou e foi lecionar. Nem sei se o pai chegou a vê-lo formado na faculdade. Mas ele era, já aos doze anos, filho de um comerciante.

  4. Algrac14 de abril de 2011 às 17:52

    O tal Alexandre poderia enviar o material que ele tem dos dois citados não? Falar besteira é fácil. Apresentar provas e documentos… ah… aí tem que ler, pesquisar… dá uma preguiça…

  5. alexandre12 de abril de 2011 às 19:39

    colocaria ? me engana, que eu gosto !!! então coloca um post sobre o Barros Munhoz e o Paulo Preto !!!

    (Gravz: Boas pautas, deixa só encerrar os escândalos do governo federal. Mas obrigado pela orientação editorial :))

  6. Luz no Fim12 de abril de 2011 às 08:50

    A petralhopédia é dividida em ESCÂNDALOS E PETRALHAS. Poderiam criar uma nova subdivisão: APETRALHADOS, que são os petralhas de outros partidos.

  7. alexandre11 de abril de 2011 às 22:23

    se o chalita estivesse ainda no psdb, vc colocaria este post ?

    (Gravz: Ué, sim. Pq não?)

  8. Sandro P11 de abril de 2011 às 22:20

    Ô Gravata, pare de pegar no pé do cara. Todo esse dinheiro ele juntou com a venda dos 855 livros que escreveu. Hehehehehe…

  9. Vinicius Duarte11 de abril de 2011 às 17:11

    Olá, amigos!

    Que pena que o Implicante não tenha sido criado no ano passado, pois aí teríamos DOIS canais de denúncia contra Gabriel Chalita, o outro é o NaMariaNEWS OH WAIT

    http://namarianews.blogspot.com/search/label/Gabriel%20Chalita

Publicidade
Publicidade