Implicante

/ Blog

19 de janeiro de 2012

Haddad em campanha: Problemas no último Enem? Culpa dos professores. Problemas com o PRÓXIMO Enem? Culpa da… Justiça!

white 15 Haddad em campanha: Problemas no último Enem? Culpa dos professores. Problemas com o PRÓXIMO Enem? Culpa da... Justiça!Kindle

Haddad e Mercadante Haddad em campanha: Problemas no último Enem? Culpa dos professores. Problemas com o PRÓXIMO Enem? Culpa da... Justiça!

O ministro da Educação Fernando Haddad deve se desincompatibilizar do cargo na próxima segunda-feira (23) para ser o candidato petista à prefeitura de São Paulo. Mas Haddad vem tentando há algum tempo se “desincompatibilizar” também do histórico de incompetência do Ministério comandado por ele. No episódio do vazamento de questões do Enem, em outubro ele afirmou que tudo era culpa dos professores do colégio Christus, em Fortaleza. Mesmo diante das evidências surgidas há meses de que alunos de outros colégios também tiveram acesso a questões da prova, Haddad voltou a afirmar hoje que foram apenas “casos pontuais” e a eximir o MEC de qualquer responsabilidade sobre os problemas.

Diante da possibilidade de o próximo Enem, marcado para abril, ter de ser cancelado, o ministro preferiu culpar a Justiça. Notícia da Folha.com:

O ministro Fernando Haddad (Educação) afirmou nesta quinta-feira que a decisão judicial que determinou o acesso de todos os candidatos à redação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) dificulta ainda mais a possibilidade da realização de dois exames neste ano, como estava inicialmente previsto.

O próprio Haddad já havia dito na semana passada que a nova edição do exame no primeiro semestre, nos dias 28 e 29 de abril, não estava garantida.

Agora, no entanto, o ministro transmite parte da responsabilidade pela possível não realização dos dois exames aos pedidos recentes do Ministério Público Federal do Ceará, que foram aceitos pela Justiça.

Na terça-feira (17), a Justiça Federal acatou o pedido da Procuradoria e concedeu liminar obrigando o ministério e o Inep, órgão responsável pelo Enem, a fornecerem acesso à prova de redação e ao espelho de correção para todos os 4 milhões de candidatos do último exame. O governo informou que vai recorrer.

O ministro, que vai deixar o cargo na próxima terça-feira para concorrer à Prefeitura de São Paulo, reforçou que não há condições técnicas atualmente para oferecer a redação para todos os candidatos.

“O coroamento do Enem passa por duas edições no ano e nós sabemos disso desde 2009. Mas não podemos colocar a máquina em fadiga, sobretudo com essas novas exigências que estão sendo feitas pelo Ministério Público”, disse o ministro logo após participar do programa “Bom Dia Ministro”, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência.

Haddad criticou o fato de que as exigências que estão sendo feitas ao Enem não se repetirem em nenhum outro vestibular.

“Por que um vestibular que tem 30 anos ainda não se preparou para isso e o Enem que tem três precisa se preparar no dia da divulgação do resultado?”, questionou o ministro, que chegou a levantar a hipótese de que as ações contra o exame sejam políticas.

“Dá quase a impressão de que é uma questão ideológica que está por trás e não uma questão técnica séria. Será que é isso?”. Ele também considerou que a decisão da Justiça Federal do Ceará “desconsiderou” outra de um juiz de Brasília que homologou um termo entre o ministério e o Ministério Público do Distrito Federal.

Segundo esse acordo, o MEC seria obrigado a exibir as vistas da prova pela internet a partir do exame deste ano –mas não especificou se isso aconteceria na prova de abril, se ela acontecesse.

Durante o programa, Haddad respondeu a perguntas de âncoras de rádios de todo o país, entre públicas e privadas. O ministro aproveitou para fazer um balanço de sua gestão e ressaltar os programas que implantou no ministério.

Quando questionado sobre as falhas no Enem, o ministro voltou a afirmar que os problemas foram “pontuais” e repassou as críticas para o professor do colégio Christus que foi indiciado sob suspeita de estelionato por ter vazado questões no último Enem.

“Nos Estados Unidos, as próprias escolas aplicam o teste. E aqui você tem um professor de uma escola de elite que aproveita uma oportunidade para cometer um crime de estelionato, segundo a Polícia Federal”.

O ministro afirmou que gostaria de ter avançado mais na educação da população do campo e disse que um projeto para esse público, chamado Pronacampo, está pronto e já foi repassado ao seu sucessor.

Agenda oficial a serviço da campanha

O anúncio de que Haddad sairá do governo na próxima semana coincidiu com a intensificação do uso da máquina pública do governo federal para promover seu nome. Em solenidade ontem (18), o ministro ouviu elogios exagerados da presidente Dilma e do governador Sergio Cabral (PMDB-RJ). Hoje, Haddad falou durante uma hora no programa Bom Dia Ministro, produzido pela Presidência através da EBC e veiculado pela NBR TV e estações de rádio de todo o Brasil.

Também está previsto no cronograma da pré-campanha oficialesca uma cerimônia de “despedida comemorativa”, como descreveu o presidente do PT Rui Falcão, para Haddad no Ministério.

Sai o incompetente, entra o aloprado

Encerramos parabenizando a presidente Dilma pela indicação do “irrevogável” Mercadante para o lugar de Fernando Haddad. A Ciência e a Tecnologia agradecem…

compartilhe

Tópicos , , ,

1 Comentário

  1. Thiago19 de janeiro de 2012 às 20:22

    “Por que um vestibular que tem 30 anos ainda não se preparou para isso e o Enem que tem três precisa se preparar no dia da divulgação do resultado?” … Calma ai! Ele pode estar falando que o ENEM virou “vestibular” a três anos e que não se preparou como deveria e assumir a culpa por não ter capacidade técnica para ser diferente dos vestibulares tradicionais. Afinal, se quer ser “melhor”, tem que mostrar capacidade e ter competência para substituir algo falho né? Ou, na cabeça de vento do ministro, basta continuar com os erros de sempre dos vestibulares que tá bom e tasca um F0#@-$&?

    E ainda fala em ação política! É revoltante! Tudo tem que ter motivos escusos para esses esquerdistas! A justiça não pode ser só justiça, tem que vir acompanhada de algum ato contra o governo esquerdista que está no poder há 10 anos e não mudou nada nesse país!

    Incompetência é pré-requisito para ser ministro do PT né? Só pode! ¬¬”

Publicidade

Enquete

Quem você acha que Lula indicaria hoje para o STF?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
Publicidade