Implicante

Blog

29 de abril de 2014

Doleiro Youssef prometeu ajudar em indicação de delegado para o DEIC… se Padilha ganhar a eleição!

padilha anjos vargas gleisi Doleiro Youssef prometeu ajudar em indicação de delegado para o DEIC... se Padilha ganhar a eleição!

anjos existem

A situação de Alexandre Padilha fica ainda mais complicada. Segue trecho de reportagem de Daniel Haidar, publicada agora na Veja:

Doleiro Youssef prometeu cargo no ‘governo Padilha’ – ‘Se o Padilha ganhar o governo, ajudo ele e muito’, disse Youssef a Nelma Kodama, que queria indicar um delegado para o Deic – O doleiro Alberto Youssef prometeu à também doleira Nelma Kodama ajudar a beneficiar um delegado da Polícia Civil caso Alexandre Padilha, pré-candidato petista ao governo de São Paulo, seja eleito em outubro. A promessa foi feita por Youssef no dia 5 de março, em conversa por Blackberry Messenger, e aparece em relatório da Polícia Federal sobre as mensagens interceptadas, com autorização da Justiça, durante a operação Lava-Jato. “Se o Padilha ganhar o governo, ajudo ele e muito”, disse Youssef na mensagem para Nelma, por volta das 13 horas. A conversa começou com uma pergunta da doleira: “Você tem acesso ao delegado-geral do Estado de São Paulo?”. Ela estava interessada em indicar um delegado para trabalhar no Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), unidade especializada no combate a organizações criminosas como as chefiadas por Youssef e Nelma. O nome do apadrinhado da doleira não foi mencionado na conversa (…) Em dezembro do ano passado, o Labogen, um laboratório de fachada comandado por Youssef, conseguiu assinar um contrato com o Ministério da Saúde para produzir um medicamento em parceria com a EMS e o Laboratório da Marinha. O negócio permitiria um ganho de 31 milhões de reais. A parceria foi cancelada pela pasta depois que as investigações da operação Lava-Jato mostraram que laranjas do doleiro tiveram contato com diretores do ministério. O Labogen chegou a contratar Marcus Cezar Ferreira de Moura, ex-assessor de Padilha no Ministério da Saúde, para atuar como lobista em Brasília. Em conversa do deputado federal André Vargas (PT-PR) com Youssef, Vargas diz que Moura foi indicado para contratação por Padilha.” (grifo nosso)

E agora, Padilha?

compartilhe
28 de abril de 2014

Paulo Henrique Amorim é condenado novamente

paulo henrique amorim vai se retratar com heraldo pereira 105608 545x338 Paulo Henrique Amorim é condenado novamente

Informação do Consultor Jurídico:

O blogueiro e apresentador Paulo Henrique Amorim foi condenado pelo crime de injúria por ter se referido ao colunista do jornal O Globo Merval Pereira como “jornalista bandido”, em texto publicado em seu blog. A pena fixada foi de 1 mês e 10 dias de detenção, mas foi substituída por restrição de direitos. A decisão é do juiz Ulisses Augusto Pascolati Junior, do Juizado Especial Criminal de São Paulo, no dia 10 de abril. Por ter perdido a primariedade — ele já tem pelo menos mais uma condenação criminal — Amorim corre o risco de ir efetivamente para a cadeia em nova condenação, já que ha outras ações penais em curso.

Em 2012, Amorim publicou em seu blog “Conversa Afiada” um texto de título “CPI da Veja. Dias a Merval: vale-tudo não vale nada”, em que publicou um foto de Merval Pereira, Aécio Neves e Tasso Jereissati com a ofensa que gerou a Ação Penal. Em sua defesa, Amorim disse que não há justa causa para a Ação Penal já que o ataque seria contra outro jornalista (Policarpo Junior, da revista Veja). O blogueiro acrescentou que quem exerce atividade de interesse da coletividade está sujeito à crítica jornalística.

O juiz Ulisses Augusto Pascolati Junior reconheceu o direito à liberdade de expressão e informação, mas afirmou que esse direito não é absoluto e é limitado por outros direitos individuais e constitucionais como a honra e a imagem.

Segundo o juiz, o jornalista deve retransmitir a informação da maneira mais responsável e fiel possível sem fazer qualquer tipo de adjetivação ou utilização de termo pejorativo. Na decisão, o juiz entendeu que ao ofender Merval Pereira, Amorim extrapolou o direito à livre manifestação do pensamento, o exercício do direito de crítica e ultrapassou a informação de cunho objetivo.

Amorim foi condenado a 1 mês e 10 dias de detenção, mas como não reincidente em crime doloso, a pena foi substituída por uma restritiva de direitos. Ele deve pagar dez salários mínimos à instituição pública ou privada de destinação social.

Injúria racial
Em junho, Paulo Henrique Amorim já tinha sido condenado pelo crime de injúria racial pela 3ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. Na época, a pena de 1 ano e 8 meses de prisão também foi substituída por uma restritiva de direitos. Nesse caso, Paulo Henrique publicou no seu blog que o jornalista Heraldo Pereira da TV Globo era “negro de alma branca” e que não conseguiu revelar nada além de ser “negro e de origem humilde”.

Por abusar indevidamente da liberdade de expressão, o blogueiro Paulo Henrique Amorim já foi condenado diversas vezes na área cível. Só o financista Daniel Dantas, em seis ações, já condenou Amorim, provisoriamente, ao pagamento de 660 mil reais. O desfecho dos processos pende de recursos.

Em dezembro, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal manteve sentença que o havia condenado a pagar indenização de R$ 50 mil. No caso, por ter ofendido o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes.

Como nos processos anteriores, em que o blogueiro foi condenado por ofensas a Gilmar Mendes, Heraldo Pereira, Ali Kamel, Nélio Machado, Daniel Dantas e Lasier Costa Martins, entre outros, Paulo Henrique Amorim é descrito como um empresário que usa a atividade jornalística para alavancar os negócios de quem o remunera e fulminar a reputação dos desafetos de seus clientes. Na entrevista que o ex-presidente Lula deu ontem aos chamados “blogueiros sujos” Amorim não estava entre os perguntadores. É que Lula não o perdoa por ter sido chamado de “ladrão” quando o apresentador, que apoiava o governo Fernando Henrique Cardoso, trabalhava na Rede Bandeirantes. Pouco tempo depois, Lula só concordou comparecer a um debate na emissora mediante pedido de desculpas formal do dono da emissora — o que encerrou o contencioso judicial que já estava em curso.

Em outra ação, também ajuizada por Gilmar Mendes contra o blogueiro, Amorim foi igualmente condenado a pagar outros R$ 50 mil. Responsável pela sustentação oral em defesa do ministro, o advogado Sérgio Bermudes afirmou que “Gutemberg se envergonharia se soubesse que sua invenção seria usada para tramoias como essa”. E mais: que Amorim já foi um dia um jornalista de respeito, mas que hoje se resume a um “negociante que vive de raspas e restos”. A atuação de Paulo Henrique Amorim em seu blog é constantemente discutida na Justiça. A queixa dos advogados é que o valor das condenações parece ser inferior às quantias que o blogueiro aufere com o que ganha para publicar os textos que lhe são encomendados.

Na semana passada, o Tribunal de Justiça de São Paulo mandou executar a condenação contra Amorim em um processo movido por Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto. O blogueiro foi condenado a pagar R$ 30 mil por chamar o ex-diretor de Engenharia de Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa) de “Paulo Afro-descendente” e ter divulgado o endereço dele, em São Paulo.

Clique aqui para ler a decisão.

Histórico

Confiram aqui o impressionante histórico de processos e condenações sofridos recentemente pelo apresentador da TV Record e ‘blogueiro progressista’ Paulo Henrique Amorim.

25 de abril de 2014

Na Cracolândia de Haddad, traficante circula com crachá da prefeitura

safe image.php  Na Cracolândia de Haddad, traficante circula com crachá da prefeitura

Esta é a reportagem do SBT Brasil:

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=vxhp-Ws4tgk[/youtube]

E esta é a propaganda da prefeitura de São Paulo sobre o programa:

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=k6eEw-RxkcU[/youtube]

Uma pequena diferença, não?

24 de abril de 2014

Ex-ministro Padilha indicou executivo do laboratório de doleiro, diz PF

vargas e padilha 600x338 Ex ministro Padilha indicou executivo do laboratório de doleiro, diz PF

Matéria da Folha de S. Paulo:

Um relatório da Polícia Federal aponta que o ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha, indicou, em novembro do ano passado, o principal executivo do laboratório Labogen, de propriedade do doleiro Alberto Youssef. O executivo, Marcus Cezar Ferreira de Moura, havia trabalhado com Padilha na coordenação de eventos no Ministério da Saúde.

Um mês depois da indicação, o ministério firmou uma parceria com a Labogen para produzir um medicamento pelo qual o laboratório receberia R$ 31 milhões em cinco anos. A parceria envolvia também a EMS, empresa farmacêutica que faturou 5,8 bilhões em 2012, e o laboratório da Marinha.

O ministério cancelou a parceria depois que a Folha mostrou que o doleiro tinha participação no negócio. A Labogen também foi usada pelo doleiro para fazer remessas de dólares ao exterior, segundo a acusação do Ministério Público Federal, aceita na quarta-feira (23) pela Justiça Federal do Paraná.

O relatório da PF cita também que o doleiro tinha relações com outros dois deputados petistas. Cândido Vaccarezza e Vicente Cândido, ambos de São Paulo. André Vargas chegou a participar de uma reunião com Vaccarezza, em Brasília, na qual o doleiro era aguardado.

Cândido é citado no episódio em que deputado e o doleiro buscam recursos em São Bernardo do Campo (SP). A tentativa fracassou, segundo mensagem de texto interceptadas pela PF.

(…)

(grifos nossos)

Abaixo a reportagem do Jornal Nacional sobre o assunto:

[youtube]http://youtu.be/ufZMQThHMsU[/youtube]

24 de abril de 2014

Marco Civil: teles poderão cobrar por acesso diferenciado. Vocês foram enganados pela militância.

molon e dilma Marco Civil: teles poderão cobrar por acesso diferenciado. Vocês foram enganados pela militância.

Quem acompanha o IMPLICAS, sabe que já falamos disso (na verdade, fomos o ÚNICO veículo que mencionou esse aspecto do Marco Civil). Pois é:  tal como aprovado nas duas casas e sancionado pela Dilma, ele NÃO GARANTE A NEUTRALIDADE DA REDE. Vamos lá, repetindo: NÃO GARANTE A NEUTRALIDADE DA REDE. Era tudo conversa-fiada da militância (que, claro, foi contemplada também pela lei). As empresas poderão oferecer contratos com cobrança diferenciada.

Vejam trecho de reportagem da FSP:

Teles dizem que texto permite a cobrança por acesso diferenciado – O Marco Civil da Internet, sancionado pela presidente Dilma Rousseff ontem, já causa conflitos de interpretação. Questionando um dos pontos centrais, a neutralidade da rede, as operadoras de telefonia dizem que poderão vender serviços diferenciados, cobrando mais de clientes que acessam conteúdo específicos, caso queiram. A neutralidade é um princípio que garante a isonomia aos internautas. No acesso à rede, segundo o texto, teles não podem limitar a quantidade de dados acessados nem discriminar a velocidade de acordo com o conteúdo (vídeos, e-mails, chats). Relator do Marco Civil, o deputado Alessandro Molon (PT-RJ) nega que a redação da lei traga qualquer brecha para esse tipo de interpretação defendido pelas teles. “Isso é quebrar a neutralidade da rede”, disse. “Não pode fazer”, afirmou.” (grifos nossos)

Apesar do peremptório “não pode fazer” do deputado Molon, na verdade pode sim. A lei permite, como notaram os advogados das teles que, por óbvio, conferiram a BRECHA GIGANTESCA deixada pelo artigo 9º. Se alguém não leu, segue novamente o link com nossa análise sobre os dispositivos.

O Marco Civil foi vendido e difundido como algo bom, maravilhoso, uma lei para garantir a liberdade. E a maior prova disso seria a “neutralidade da rede” – um nome lindo para, na prática e trocando em miúdos, dizer que as empresas seriam obrigadas a não baixar a velocidade de quem acessa o Youtube (nem cobrar a mais de quem quisesse um youtube rapidão).

Mas, obviamente, elas podem fazer tudo isso. Em primeiro lugar, porque não há lei que IMPEÇA dois particulares de fechar contrato nesses termos e, independentemente de fatores constitucionais que poderiam ser suscitados, o texto do Marco Civil abre brecha (um rombo genérico, na verdade) para cobranças diferenciadas. Haverá quem diga que a regulamentação presidencial não permitirá isso – o que é novamente falso, pois nessa etapa não é cabível mudar a lei que, repita-se, GARANTE às empresas o direito de cobrar por isso.

Os militantes que GARANTIAM a impossibilidade dessas cobranças deveriam pagar nossos boletos com aumento (ou diferenciação). E, seja por genuína ignorância ou pura má-fé, deveriam a essa altura parar de fingir que a lei não diz o que nela está dito, porque já está ficando feio pra eles.

E a conta, como sempre, será nossa.

23 de abril de 2014

Depois do cubano, o governo brasileiro quer financiar porto no Uruguai

dilma mariel raul castro Depois do cubano, o governo brasileiro quer financiar porto no Uruguai

Após financiar praticamente sozinho o Porto de Mariel, em Cuba, o Brasil está em vias de ceder US$ 1 bilhão do BNDES para ajudar o Uruguai a construir seu próprio superporto. Segundo a matéria d’O Globo, há muitos fatores que atraem o país para o negócio.

Maior oferta de frequências marítimas, fretes mais baratos, tempo de deslocamento menor e, principalmente, possibilidade de alcance do mercado asiático pelo Estreito de Magalhães (na extremo sul do continente), em condições de concorrência com o Canal do Panamá, atraem o Brasil.

Operadores portuários, no entanto, temem que essa concorrência prejudique os portos nacionais. O financiamento pode ainda causar atritos entre o Brasil e seus colegas do Mercosul, já que eles também seriam afetados.

O empreendimento será construído em Rocha, cidade a 288 quilômetros de Rio Grande (RS), onde está um dos mais importantes portos brasileiros. O projeto uruguaio, segundo os estudos atuais, é ousado: calado (profundidade) de 20 metros, que permite a atracação de navios com capacidade para até 180 mil toneladas. Os portos do Sul do Brasil têm, no máximo, 14 metros de calado e recebem navios com capacidade de até 78 mil toneladas. O porto uruguaio pode sugar cargas da região, afetando Sul e Centro-Oeste do Brasil, Paraguai, Bolívia e Norte e Centro da Argentina.

De acordo com o site do governo uruguaio, em 2025 o porto deve movimentar 87,5 milhões de toneladas, mais do que a soma dos terminais de Paranaguá e Rio Grande juntos. Apesar disso, o governo segue preferindo investir no exterior, destinando para todos os portos brasileiros, ao longo de quatro anos, um total de US$ 16 bilhões, o que dá uma média de somente R$ 260 milhões para cada um.

Enquanto isso, o Porto de Mariel, que ainda nem foi inaugurado e cujo financiamento foi classificado como secreto, já está sob suspeitas de contrabandear armas para a Coreia do Norte, violando assim sanções internacionais.

Num tempo em que o governo brasileiro habituou-se ao uso do “não sabia” como desculpa para má gestão e desvios de ética, o eleitor precisa se manter atento a projetos do tipo. A seis meses das eleições, ainda há tempo de reverter este quadro.

23 de abril de 2014

As más companhias de Gleisi Hoffmann e as confusões em que ela se mete

gaievski dilma gleisi As más companhias de Gleisi Hoffmann e as confusões em que ela se mete

Dilma, Gaievski e Gleisi.

O nome de Gleisi Hoffmann, ex-ministra da Casa Civil do governo Dilma, vem se notabilizando como o de coadjuvante em vários grandes escândalos que tomaram as manchetes no último ano. O caso mais recente é o do deputado André Vargas, acusado de atuar com doleiro por contrato com ministério. A chapa de Gleisi, candidata do PT ao governo do Paraná, tinha o agora não bem quisto deputado, que concorreria ao cargo de senador com o apoio da ex-ministra. À procura de um novo nome, ela afirma que o caso não afetará sua campanha.

Tudo isso diz respeito ao André Vargas. E a campanha ainda está longe, temos a Copa do Mundo no meio. A maior parte das pessoas não está nem pensando em eleições ainda, só quem lida profissionalmente com política.

Nos últimos tempos, houve mais duas polêmicas envolvendo a candidata. Uma delas ocorreu durante as disputas da CPI da Petrobras, apoiada pela oposição para apurar os recentes escândalos da estatal. De acordo com a ex-ministra, as investigações da Comissão Parlamentar só tinham propósitos eleitorais.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) voltou a atacar a oposição e a proposta de instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) exclusiva para apurar as denúncias de corrupção sobre a Petrobras. Durante audiência no Senado, que nesta terça-feira, 15, recebe a presidente da Petrobras, Graça Foster, Gleisi voltou a dizer que o pedido da CPI tem “interesse eleitoral”.

A outra polêmica envolve o IBGE e a nova metodologia para medir o desemprego no país. A divulgação da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), que veio para substituir a Pnad Anual e a Pesquisa Mensal de Desemprego (PME), revelou um índice de desemprego de 7,1% – chegando a 15% entre os jovens. Os números ruins assustaram parlamentares – entre eles, Gleisi -, que pediram uma revisão da metodologia e suspenderam a Pnad Contínua.

Segundo o instituto, a suspensão foi motivadas por questionamentos feitos por parlamentares e tem como objetivo fazer uma revisão na metodologia de coleta e cálculo da renda domiciliar per capita. O IBGE explica que o cálculo atual prevê margens de erro diferentes para a pesquisa entre os estados, o que prejudica a comparação entre os resultados.

A decisão causou problemas entre os funcionários do instituto. Alguns pediram exoneração e outros ameaçaram deixar seus cargos.

A presidente do IBGE, Wasmália Bivar, disse em entrevista que ainda não pode afirmar se conseguirá evitar a saída coletiva dos coordenadores, mas que vai explicar as motivações para a decisão. A medida já motivou o pedido de exoneração da diretora de Pesquisas do IBGE, Marcia Quintslr, e da coordenadora-geral da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (Ence), Denise Britz do Nascimento Silva. Ambas integravam o conselho diretor do IBGE, ao lado de Wasmália e de outros cinco membros.

Mas um dos casos mais graves do envolvimento de Gleisi com pessoas erradas é o de Eduardo André Gaievski. Convidado por ela para ser assessor especial da Casa Civil da Presidência da República, o ex-prefeito de Realeza, no Paraná, está preso e sob investigação de estupro de vulneráveis. Segundo ele, as denúncias foram armadas por adversários para prejudicar a ex-ministra. No entanto, o clima não anda bom entre os parlamentares. É o próprio André Vargas quem andou desabafando por aí: “Gleisi não me transformará em um novo Gaievski“.

18 de abril de 2014

Tá tudo dominado: dilma nomeia advogado de petista no Mensalão ao TRE/SP

dilma boca Tá tudo dominado: dilma nomeia advogado de petista no Mensalão ao TRE/SP

tá feia a coisa

Há três dias, comentamos o fato de que Dias Toffoli, que já foi advogado do PT, será o presidente do Tribunal Superior Eleitoral durante as eleições. Agora, reportagem da FSP revela o seguinte:

Advogado de petista no processo do mensalão é nomeado para TRE-SP – A presidente Dilma Rousseff escolheu o advogado Alberto Zacharias Toron para assumir cargo de juiz no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo. A nomeação, que será publicada no “Diário Oficial” da União, foi informada na noite de anteontem ao criminalista pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (…) Em entrevista à Folha, o advogado afirmou que a atuação em casos de grande repercussão deram consistência ao seu currículo. Para ele, a defesa de um petista no mensalão não contribuiu para a escolha de seu nome. “O fato de tê-lo defendido pesou contra mim, porque poderia levantar a tese de que seria nomeado em razão disso. Foi necessário mostrar que atuei em outras causas e defendi pessoas de outros espectros políticos”, disse.” (grifos nossos)

De fato, Alberto Zacharias Toron é um excelente advogado, jurista de renome, com atuação de décadas. Ele, por óbvio, não tem qualquer “culpa” por ser indicado. Mas, também vale salientar, é inquietante que a Presidente da República, diante de outros tantos excelentes juristas, resolva nomear ao tribunal eleitoral (responsável, por óbvio, a julgar questões referentes às eleições) justamente um advogado que atuou na defesa de um petista no processo do mensalão. Soma-se a isso algumas outras indicações e a inquietação se acentua.

Torçamos para que Toron, assim como Joaquim Barbosa e alguns outros (infelizmente, a minoria), atue com independência e, mais ainda, sempre de acordo com seus conhecimentos jurídicos de fato notórios. E torçamos também para que, depois das eleições, Dilma perca a prerrogativa de nomear quem quer que seja.

17 de abril de 2014

Ciência sem Fronteiras traz de volta 110 bolsitas por deficiência em inglês

jose henrique paim mercadante Ciência sem Fronteiras traz de volta 110 bolsitas por deficiência em inglês

Após lançar o programa Inglês sem Fronteiras a fim de que os interessados no Ciência sem Fronteiras aprendessem esse idioma – em uma aparente estratégia para alcançar a meta de 100 mil estudantes enviados ao exterior –, o governo Dilma Rousseff agora precisa lidar com o fracasso da iniciativa, já que pelo menos 110 bolsistas terão de voltar ao Brasil por falta de proficiência na língua.

Os estudantes estão morando no Canadá e na Austrália desde setembro de 2013 e já custaram mais de 2,6 milhões de reais aos cofres públicos — cada um deles recebeu 12.000 dólares, além de passagens aéreas e seguro saúde. Esse investimento não retornará ao país em forma de capacitação profissional e acadêmica, que seria a contrapartida do programa.

Esses alunos foram aprovados em edital para universidades de Portugal, mas o país foi excluído do programa em função do número de estudantes que já estavam lá sem dominar um segundo idioma. Dessa forma, 3.445 bolsistas foram obrigados a escolher outro país cuja língua não conheciam e acabaram, por culpa do próprio governo, desperdiçando verba pública – que, a propósito, foi desviada de outras áreas a fim de bancar o programa.

Os bolsistas convocados para voltar reclamam que a prova de certificação foi antecipada. De acordo com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgão do MEC responsável pelo programa, os prazos foram respeitados. Em nota, a pasta diz que os testes começariam a ser aplicados “a partir de fevereiro de 2014″.

De uma forma ou de outra, o governo Dilma demonstra irresponsabilidade e arbitrariedade com relação aos programas, aos estudantes e ao dinheiro público. A duração de exatos 4 anos e a meta de 100 mil participantes, mesmo não havendo no Brasil essa quantidade de alunos com domínio de um segundo idioma, entregam os objetivos eleitorais da iniciativa. Por priorizar a propaganda em detrimento do benefício à nação, este, que tinha tudo para ser um grande projeto educacional, precisa encarar notas negativas como essa.

16 de abril de 2014

Dengue volta a crescer em São Paulo e gestão Haddad tenta terceirizar a culpa

haddad padilha Dengue volta a crescer em São Paulo e gestão Haddad tenta terceirizar a culpa

Haddad e outro “novo” que tentarão empurrar neste ano.

Segundo reportagem da Folha de São Paulo, os casos de dengue na cidade de São Paulo passaram dos 1.100 no primeiro trimestre de 2014, representando um aumento de 15,4% em relação ao ano anterior. Por mais paradoxal que soe – uma vez que o mosquito transmissor precisa de água parada para se reproduzir –, o secretário José de Filippi Jr tentou associar o crescimento à falta de chuvas no período, jogando a culpa para o governo do estado:

“Nossos agentes da Lapa identificaram a população reservando água em recipientes desprotegidos, se precavendo por causa da escassez de chuvas”, disse Fillippi Jr.

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde classificou de “absurda” e “ofensiva” a tentativa da prefeitura de São Paulo de não assumir o problema.

“A secretaria municipal de saúde deveria compreender que não é do interesse público jogar sobre os cidadãos ou sobre outras esferas de governo uma responsabilidade que lhe é exclusiva”, diz a nota.

Um ano antes, a mesma Folha de São Paulo alertava que a prefeitura de São Paulo havia reduzido a ação contra a proliferação de mosquitos na região, o que gerou protestos dos moradores.

Reclamações sobre o “boom” de pernilongos são frequentes em bairros da zona oeste, como Vila Madalena, Pinheiros e Butantã – ao lado do rio Pinheiros, criadouro ideal da praga.

Moradores são unânimes em dizer que, neste ano, a situação está pior. E a culpa não é só do calor recorde. Agentes da prefeitura que realizam vistorias e o controle dos insetos não são vistos com frequência pelas ruas.

Sob condição de anonimato, os funcionários que atuam na região oeste confirmam que as visitas diminuíram.

(grifos nossos)

A situação chegou a tamanho absurdo que até a subprefeitura da Lapa vem sendo vitimada pelo avanço da Dengue. O SPTV fez uma reportagem em vídeo sobre o ocorrido. Os funcionários do órgão não se deixaram filmar, mas confirmam que estão todos trabalhando munidos de “raquetes eletrônicas” para se defenderem dos ataques que sofrem. Já há um caso confirmado e ao menos duas outras suspeitas.

Screen Shot 2014 04 16 at 3.13.23 PM Dengue volta a crescer em São Paulo e gestão Haddad tenta terceirizar a culpa

Osasco, município vizinho à Lapa e que também se encontra sob o comando do PT, é citada no vídeo como tendo uma suspeita de foco de dengue num terreno da prefeitura. Mas, mesmo com os mosquitos atacando os próprios funcionários públicos, em outra fala do secretário, José de Filippi Junior tenta convencer que a doença estaria vindo de Campinas, município que fica a 100km de distância da capital.

Na conta atualizada, os casos de dengue em 2014 já estariam em 1.745 contra 1.229 para o mesmo período um ano antes.

Página 17 de 70« Primeira...10...1516171819...304050...Última »
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Enquete

Escolham os nomes dos dois mascotes olímpicos do Rio:

Ver Resultados

Loading ... Loading ...

Arquivos

Publicidade

Em Rede

Publicidade