Fundo do Baú

Treze anos antes do 11 de Setembro, Rambo 3 foi dedicado aos “guerreiros do Afeganistão”

E, claro, precisaria mudar a dedicatória após o atentado

No terceiro filme da série, Rambo assume a missão de resgatar o Coronel Trautman, então refém do exército soviético. A produção veio ao mundo em 1988, ou três anos antes de o Bloco Soviético ruir por completo. Mas Sylvester Stallone achou por bem contextualizar aquela aventura na Guerra Fria. Um problema, contudo, ocorreria dali a apenas 13 anos.

Porque Rambo contou com o auxílio de rebeldes afegãos. E, na cena antes dos crédito, um agradecimento surgia em tela:

“This film is dedicated to the brave Mujahideen fighters of Afghanistan.”

A tradução seria algo como:

“Este filme é dedicado aos bravos guerreiros Mujahideen do Afeganistão.”

Já estão percebendo o problema, né? Mas ele começa por outro: “mujahideen” pode também ser traduzido como guerreiro, ou combatente, assumindo ou não uma conotação religiosa. Isso mesmo. A depender da leitura, Stallone dedicava o filme aos jihadistas do Afeganistão. O mesmo Afeganistão envolvido diretamente no ataque ao World Trade Center em 11 de setembro de 2001.

A solução foi mudar os créditos no DVD para “Este filme é dedicado ao nobre povo do Afeganistão”.

É o que dá se meter com política. O Implicante não indica.

Fonte: IMDB

To Top