Blog

A “cultura” que desgraça o país é a da impunidade

Ela é a causa de todas as demais “culturas” terríveis do Brasil.

impunidade

Quando se analisa o quadro de crimes do país, muitas vezes a discussão se restringe à observação da lei penal. Quantos anos de prisão determinado crime geraria e assim por diante. No papel, se for ver, temos uma legislação quase razoável.

Mas não é esse o problema.

No Brasil, o principal entrave para a conclusão da justiça não é somente uma lei penal forte, mas EFETIVA PUNIÇÃO. Simplesmente, a regra por aqui é NÃO SER PUNIDO. Vejam, como exemplo, os homicídios. São cerca de 60 mil ao ano, o que nos faz nada menos que O PAÍS DO MUNDO ONDE MAIS PESSOAS SÃO ASSASSINADAS.

Desse imenso total, menos de 10% são esclarecidos. Por “esclarecidos”, leia-se: chegam à conclusão de quem seria o principal suspeito. Aí, dessa margem pequena, tira-se da conta os que não são efetivamente condenados. Em suma: é estatisticamente “fácil” matar alguém por aqui e não ser preso, nem mesmo apontado como suspeito.

É essa “certeza da impunidade” que faz do Brasil uma terra propícia ao crime – seja qual for. Mesmo a corrupção, só bem recentemente combatida com êxito (palmas para a Lava Jato!), até bem pouco tempo atrás era também um desses casos clássicos de nosso país: “ah, isso é assim mesmo, não vai dar nada”.

É preciso, portanto, deixar de ser o lugar onde “não dá nada”. E, para isso, é necessário que se deixe de lado a contaminação ideológica esquerdizante, segundo a qual a punição não resolve nada. Resolve, sim. Prova disso é que nosso país, campeão da impunidade, é também campeão do crime.

Outro passo: permitir ao cidadão que se defenda. Mas vamos por partes, não é mesmo? É preciso vencer a primeira batalha, que seria pra lá de óbvia em qualquer lugar (menos aqui): estabelecer que punir criminosos seja algo bom para evitar crimes.

Depois passamos à etapa seguinte. Quem sabe, em alguns longos anos, saímos da barbárie.

Mais Lidas

To Top