Blog

Angola tem o seu primeiro “Lulinha”, diz Forbes

Assim como o “Ronaldinho” de Lula, filha de presidente angolano conquistou patrimônio fazendo negócios com operadora de telefonia

files

Informação do portal G1

A filha mais velha do presidente de Angola, Isabel dos Santos, de 40 anos, tornou-se a primeira bilionária africana, segundo a revista norte-americana Forbes.

A publicação, que realizada frequentemente rankings dos maiores bilionários do mundo, afirma que a fortuna da empresária atingiu o valor de ao menos US$ 1 bilhão após a compra de mais ações de empresas de capital aberto em Portugal, incluindo participações em um banco e em uma empresa de TV a cabo (veja aqui o texto original, em inglês).

No ranking das 40 maiores fortunas da África, divulgado em novembro de 2012 pela revista, ela aparecia na 32ª posição e patrimônio estimado em US$ 500 milhões.

Isabel estudou engenharia na Kings College, em Londres, onde vivia com sua mãe, que é divorciada do presidente da Angola, José Eduardo dos Santos, no poder há 33 anos. Santos. Ela abriu seu primeiro negócio em 1997, aos 24 anos, um restaurante chamado Miami Beach, em Luanda.

Em maio de 2012, a empresária aumentou a sua participação na ZON Multimedia, maior companhia de TV a cabo de Portugal, de 4,9% para 14,9%. Mais tarde, ela voltou a aumentar sua participação na companhia através das empresas Kento e Jadeium, e agora detém 28,8% da ZON, no valor de cerca de US$ 385 milhões, segundo os cálculos da Forbes.

Além de ser a maior acionista da ZON, empresa. A filha do presidente da Angola também é dona de 19,5% do Banco BPI, um dos maiores bancos de capital aberto de Portugal. de capital aberto, o que acrescenta ao seu patrimônio cerca de US$ 465 milhões.

Em Angola, Isabel dos Santos é membro do conselho do Banco BIC e, segundo a Forbes, teria uma participação de 25% na instituição, no valor de US$ 160 milhões em estimativas conservadoras. Fontes afirmaram à revista que a empresária seria ainda acionista da Unitel, uma das duas redes de telefonia móvel de Angola, com participação de 25%.

(grifos nossos)

Leia mais aqui.

To Top