Blog

Cairá atirando? Cunha prometer despachar todos os pedidos de impeachment na próxima terça

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Após ser seguidamente desmentido pela imprensa ao afirma que não possuía contas na Suíça, talvez seja essa sua última/única bala.

No jornalismo, andam chamando de “preparar armadilha” a tática cada vez mais comum de ter um montante de informação apurada, jogar um naco numa primeira manchete, esperar o alvo soltar um desmentido, soltar outra fatia de informação, ver o personagem principal tropeçar nas próprias pernas e, numa cartada final, encaixar um golpe fatal. Por mais que Eduardo Cunha demonstre segurança quando sabatinado por jornalistas, comportou-se nos últimos dias como um sofrível amador. Resultado? A imprensa passou a semana deitando e rolando com uma mesma notícia, trazendo a cada dia novos detalhes que tornavam a coisa toda cada vez mais crível – e o presidente da Câmara cada vez mais mentiroso.

Os milhões de dólares que Cunha escondeu na Suíça soam centavos quando comparados com a mais grossa parte dos escândalos recentes envolvendo o PT. Até mesmo com a atualização das “pedaladas fiscais”, que só em 2015 já chegam a R$ 38 bilhões. Mas nada disso impediu a imprensa de tornar o fato o mais importante desta sexta-feira. E de cobrar a renúncia do peemedebista como se fosse mais urgente que a da própria Dilma, a presidente que enfiou o Brasil numa recessão que já deve comer 3% do PIB em 2015 e desempregou um milhão de brasileiros.

Claro que o próprio Cunha tem culpa no cartório e merece pagar por isso. E não só por ter mentido na CPI da Petrobras e escondido grana no exterior. Mas por ter sido ele mesmo um defensor do governo que hoje o queima para se salvar. Quando milhões ocupavam as ruas em março e abril, ele chamava a ideia de um impeachment de Dilma de “inconstitucional”.

Qual a saída numa situação dessas? Por muito menos, Roberto Jefferson contou tudo o que sabia e levou para cadeia outros 24 mensaleiros. Cunha, ao que tudo indica, quer levar pelo menos um petista para fazer-lhe companhia no chão. Ou uma. Segundo Fernando Rodrigues, esse é o medo da própria Dilma. Porque o presidente da Câmara prometeu despachar na próxima terça-feira todos os pedidos de impeachment que ainda restam em sua mesa. Inclusive o principal: o de Hélio Bicudo.

A estratégia era arquivar todos liberando a oposição para entrar com um recurso e, via maioria simples, colocar em pauta processo de impedimento de Dilma. Mas… E se ele aceita um dos pedidos? E se aceita logo o de Bicudo, mais bem fundamentado com o auxílio de Janaína Paschoal e Miguel Reale Jr? É esse o principal temor do Planalto. Porque assim a oposição ganha um enorme tempo e ainda conseguirá aproveitar uma semana na qual Dilma enfileirou derrotas estrondosas nas mais variados instâncias.

Ao PT, restaria repetir o que já grita por aí: “Que moral tem Eduardo Cunha para pedir o impeachment de alguém?” Bom… Num caso desses, cada parlamentar poderá enfrentar as câmeras de todo o Brasil e responder, durante a votação, se os desvios de conduta do presidente da Câmara são motivos fortes o suficiente para manter Dilma na Presidência da República. No mais, cabe a pergunta: que moral tem o PT para exigir moral de alguém?

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Leia também | Ao chamar impeachment de “golpe democrático à paraguaia”, Dilma azeda relações com o Paraguai

Mais Lidas

To Top