Blog

Dólar alto? Inflação? Relembre os produtos clássicos do Paraguai!

Sabe aquele comércio clássico – e “extraoficial” – dos tempos da moeda superdesvalorizada e crise econômica? Pois os “bons” tempos estão de volta!

Nas décadas de 1980 e 90, o dólar estava nas alturas, viagens internacionais eram algo luxuosíssimo, importações eram dificultadas por impostos e barreiras e, além de tudo, havia muita inflação e crises econômicas sucessivas.

Isso lembra alguma coisa, não? Pois é: já que Dilma Rousseff instituiu um clima RETRÔ em nossa economia, e também considerando que precisamos de alguma forma desanuviar, soltamos esta lista com 10 produtos clássicos da época em que os importados eram quase sempre provenientes do nosso vizinho e amigo Paraguai (“Paráguas”, para os íntimos).

Vamos lá!

Acepipes Diferentes
Quando alguém aparecia com essas “iguarias” da culinárias “saudável”, havia apenas uma certeza: alguém da família tinha ido para o Paraguai – ou, no máximo, tinha passado no muambeiro do bairro (todo bairro tinha um).

Era infalível a presença do CHICLETE DE BOLINHA, do CHICLETE DE METRO e da BATATINHA “PRÍNGÔUS”:

E o susto quando abríamos a batata pela primeira vez e ela "estourava" por causa do ar comprimido?

E o susto quando abríamos a batata pela primeira vez e ela “estourava” por causa do ar comprimido?

Bônus: dava muita raiva quando algum idiota fazia isso (e sempre tinha algum idiota que fazia isso):

chiclete_rolo_mordido

Tenis e Boné
A galera menos abastada ganhava o glorioso FORWARD, que durava exatamente 3 partidas de futebol (há relatos de um forward que, sem ficar completamente destruído, teria aguentado 5 jogos – mas isso circula apenas como lenda):

Tenis-Forward

Quem tinha mais grana, por sua vez, trazia os cobiçadíssimos REEBOOKS e NIKES, não raramente com nomes diferentes como REDOK, NAKE e afins. Na imagem, um original, mesmo:

Rebook-antigo

E, por fim, no final dos 80s veio a moda do BASQUETE AMERICANO, impulsionada por nomes como Magic Johnson e Michael Jordan. Ostentar um boné como este da imagem era coisa finíssima nas mais variadas turminhas (e a coisa chegou ao ponto de que era comum ver até FLÂMULAS de times da NBA, NFL e até HOQUEI nas casas da rapaziada, sem que ninguém de fato torcesse ou acompanhasse qq coisa daquilo):

BONE_NBA

Brinquedos
Hoje, estamos todos acostumados com a infinidade de bonequinhos, bonequinhas e demais brinquedos de todo tipo oferecidos na rua, por camelôs, ou ainda a preços razoáveis até nas lojas de shopping. Mas houve um tempo em que eles eram bem caros e, mais ainda, inacessíveis.

Aí o jeito era recorrer aos amigos da SACOLA, que vinham de PUERTO STROESNNER com coisas do tipo:

Muitas vezes as "barbies" e "gijoes" não eram propriamente originais e vinham com, vamos dizer, alguns defeitinhos aqui e ali

Muitas vezes as “barbies” e “gijoes” não eram propriamente originais e vinham com, vamos dizer, alguns defeitinhos aqui e ali

Games
Depois do Atari, certamente uma grande febre, veio o Master System, contra o qual também surgia o Phanton System. No chute, podemos afirmar que o Master ganhou breve dianteira, mas a concorrência acabou levando a melhor. Motivo: as fitas do NINTENDO eram compatíveis e, contra elas, não havia como competir.

Mas eram caras, difíceis. Aí a solução era mandar trazer lá de vocês sabem onde:

games

Material Escolar
Até coisas chatas – como fazer dever de casa ou até mesmo ir à escola – ficavam menos modorrentas assim que a molecada ganhava os materiais provenientes da fronteira. Vale destacar dois deles: a caneta de DEZ CORES (cuja tinha ainda por cima tinha cheirinho de chiclete químico), a “uni-ball” com a qual a rapaziada fazia tatuagem fake (que durava exatamente 5 minutos) etc.:

canetas

Relógios
Assim como o tênis Forward, os relógios do Paraguai não eram exatamente famosos pela resistência. Qualquer descuido poderia ser o fim dessas peças. Selecionamos dois verdadeiros ÍCONES da relojoaria sul-americana: o de joguinho de carro de corrida e o G-SHOCK (este, por sua vez, diziam que aguentava tudo e mais um pouco):

relogios

Whisky
O governo acaba de aumentar a tributação sobre o uísque vendido no Brasil, fazendo lembrar os “ótimos” tempos de décadas atrás. Quem quisesse tomar um uiscão mais-ou-menos, pagaria uma fortuna nas importadoras daqui ou… pois é, trazia da nação irmã.

Não era raro que o líquido no interior da garrafa fosse um tanto diferente daquilo que constava de sua descrição (em alguns casos, era perfeitamente possível colocar no tanque de uma Kombi e ela andaria numa boa por dois quarteirões). No destaque, dois grandes nomes dessa era:

whiskies

Perfume
Por mais que a propaganda dissesse que, com Avanço, elas avançariam, a rapaziada ainda assim tinha lá seus critérios para escolher o OLOR a ser exalado nas festinhas. Desse modo, e considerando a total inacessibilidade aos produtos importados por aqui, acabavam por adquirir fragrâncias como estas:

Estatisticamente, era mais provável acertar na LOTO (a megasena da época) que comprar alguns desses realmente originais lá no paráguas.

Estatisticamente, era mais provável acertar na LOTO (a megasena da época) que comprar alguns desses realmente originais lá no paráguas.

VHS e Fita Cassete
Antes da revolução digital, as coisas eram um pouco menos fáceis e bem mais “românticas”. Ver filme, por exemplo, era algo que dependia do que houvesse na TV (e só havia TV aberta) ou do que pegaríamos na locadora (sim, já existiu isso). Mas, de todo modo, era preciso ter o aparelho e ele era caro.

Menos no Paráguas. Lá, algo assim era acessível (e o Zé da Muamba também tinha para vender algumas PACOTEIRAS com várias fitas para poder gravar pegadinha do Silvio Santos, filme do Supercine, entre outros):

Eram comuns os relatos de videocassetes trocados por MINÉRIO (vulgar pedra) na hora de embalar. O cara abria aqui e ficava meio chateado.

Eram comuns os relatos de videocassetes trocados por MINÉRIO (vulgar pedra) na hora de embalar. O cara abria aqui e ficava meio chateado.

O mesmo vale para os gravadores de FITINHA CASSETE:

E a raiva quando você tava gravando uma música e o locutor falava em cima? Oloco!

E a raiva quando você tava gravando uma música e o locutor falava em cima? Oloco!

Mini TV
O artefato em comento é hoje visto em portarias, pontos de táxi e que tais. Mas, acreditem, já foi um produto de ALTÍSSIMO LUXO. Além da diferença entre classes sociais, havia uma outra fundamental: não pegava nada. Era simplesmente impossível ver qualquer coisa nessa tevezinha. Era só chuvisco. Aí ficavam só no rádio, mesmo:

TV-Radio

Não há um único registro de mini TV dos 80/90 que tenha funcionado com mínima nitidez, mas ainda assim muita gente comprava.

Enfim, os “bons” tempos estão de volta! Inflação disparando, dólar nas alturas, crise econômica deflagrada, mais e mais pessoas em busca de alguma atividade diante do desemprego… Não tardará para que a atividade MUAMBEIRO DO PARAGUAI retome a força das décadas passadas.

O jeito é rir para não chorar.

Mais Lidas

To Top