Blog

Nova fase da Lava Jato prende ex-senador que Dilma queria colocar no TCU

Gim Argello (PTB-DF) foi um dos principais articuladores no primeiro mandato de Dilma; ele é acusado de receber dinheiro para melar CPI da Petrobras

gim266_187634

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça a 28ª fase da operação Lava Jato, denominada Vitória de Pirro. O principal alvo é o ex-senador Gim Argello (PTB-DF), acusado de receber dinheiro de empreiteiros, disfarçado de doações eleitorais, para evitar a convocação deles para a CPMI da Petrobras em 2014.  A CPMI, que tinha Gim Argello como vice-presidente, não convocou nenhum empreiteiro e acabou em pizza.

De acordo com a PF, o nome da operação “remete à expressão histórica que representa uma vitória obtida mediante alto custo, popularmente adotada para vitórias consideradas inúteis. Em que pese a atuação criminosa dos investigados para sentido impedir o sucesso da apuração dos fatos na CPI/Senado e CPMI/Congresso Nacional, tal fato mostrou-se inútil frente aos resultados das investigações realizadas no âmbito da Operação Lava Jato.”

Gim Argello, que ganhou a vaga no Senado porque era suplente de Joaquim Roriz quando ele renunciou para evitar a cassação, foi um dos principais interlocutores de Dilma no primeiro mandato. Em 2014, quando seu nome já aparecia na investigação da Operação Zelotes, o governo tentou indicá-lo para uma vaga no Tribunal de Contas da União (TCU), mas o próprio Gim acabou desistindo após pressões de membros do tribunal.

Notícias Recentes

To Top