Blog

O patético “desfile aberto” sem povo

O desfile de 7 de setembro deste ano serviu para evidenciar que Dilma já se arrasta em seus próprios escombros políticos.

Já se sabe que a Presidente da República é a mais mal avaliada de todos os tempos, desde o início da série histórica desses levantamentos. Já é sabido, também, que qualquer aparição na TV gera panelaços pelo país inteiro, em todos os bairros e classes sociais. Por fim, também são de conhecimento geral as multidões que vão às ruas contra o governo e o número pífio dos que se apresentam publicamente em seu apoio.

Ainda assim, certamente ninguém esperava um fiasco tão retumbante no desfile de 7 de setembro deste ano. Ninguém suporia imagens tão evidentes da ruína política desta gestão.

Dilma Rousseff manteve-se longe das pessoas, que precisaram ficar atrás de um muro de aço, já chamado “MURO DA VERGONHA”. Por perto, apenas sua equipe e alguns poucos convidados escolhidos a dedo. As imagens a seguir, ambas de Alan Marques (Folhapress), dão o tom ridículo, do quanto este governo se tornou uma caricatura patética de representação popular:

Dilma Rousseff - 7 de setembro - Alan Marques - Folhapress

Dilma Rousseff - 7 de setembro - Alan Marques - Folhapress2

Pois é. Um “desfile aberto” pra lá de surreal, já que não há qualquer pessoa além dos seguranças e soldados com seus veículos. Reparem, a rua está totalmente vazia, protegida do alcance de qualquer ciadão comum, não há ninguém além das autoridades e sua “guarda”.

Uma “líder popular” sem povo. Um país sem liderança.

To Top