Blog

Pais respondem à professora que considerou “justiça divina” a morte de sua filha de 2 anos

E há pesos e medidas curiosos na divulgação do caso por parte da grande imprensa.

A quem não está por dentro do episódio, aí vai o resumo: uma professora de história da rede estadual do Rio de Janeiro disse que foi “justiça divida” a filha de um PM, de 2 anos, morrer com uma bala perdida. Ao ser criticada pela postagem, ainda comentou:

“Ah, esqueci de dizer, podem xingar à vontade, Deus já fez a parte dele. A você só resta xingar mesmo. Kkkkkk”

Sim, o sinal “kkkkk” é usado para gargalhada. Diante disso, a mãe da menina morta disse o seguinte:

“Vou ser muito sincera com você: não estou com tanto ódio do bandido. Ele não pensou: ‘vou matar uma criança’. Mas essa mulher riu de uma criança morta. É inaceitável. Em momento algum minha filha vai pagar por morte de ninguém. Ela é um anjinho. Essa mulher nos agrediu física e moralmente”

E o pai:

“Minha filha não poderia ser culpada de um crime dos colegas. Ela não tem nada com isso. Não tenho raiva, não tenho ódio. A minha filha me ensinou muito amor. Mas ela foi muito infeliz no comentário e tem que ser punida, sim, pelo erro”

Desnecessário dizer que a professora é esquerdista e é também inócuo salientar que a grande imprensa praticamente não menciona isso. Para piorar, há histórico. Ela já teria feito algo parecido quando houve uma explosão em Angra, cravando: “Morador da Barra? Que morram!”

A professora pediu desculpas pelo comentário e o objetivo não deve nunca ser o de crucificá-la. Mas, sim, o caso chama atenção para o seguinte: se fosse alguém de direita, dando opiniões ideológicas radicais, exatamente como aconteceu agora (mas pelo lado canhoto), é claro que os grandes veículos destacariam isso logo na manchete.

Mais Lidas

To Top