Blog

Procurador, sobre o amadorismo dos terroristas brasileiros: “Não conheço suicida experiente”

“Para dirigir um caminhão e atropelar 80 pessoas não precisa muita técnica”

É melhor prevenir do que remediar. Assim parece ter pensado Rafael Brum Miron, procurador que, na operação Hashtag, deteve 12 terroristas que tinham interesse em cometer atentados nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Questionado a respeito do amadorismo dos envolvidos, lembraria aos repórteres que não há como se profissionalizar quando, me jogo, podem estar os atentados suicidas:

“Eles são amadores, são. Mas não conheço suicida experiente. Eles não têm técnicas muito apuradas, mas para dirigir um caminhão e atropelar 80 pessoas não precisa muita técnica. Essa é a preocupação. Existe a preocupação, neste processo ela é séria, por isso essas pessoas estão presas.”

O que não é sério no Brasil é a imprensa brasileira, que tenta fazer pouco caso da ameaça como se a vida de muitos brasileiros e até mesmo estrangeiros não estivesse em jogo.

Enquanto o jornalismo brasileiro se embebe do mais delinquente esquerdismo, o governo monitora outros 50 potenciais terroristas com interesse em cometer atentados nos Jogos Olímpicos.

Mais Lidas

To Top