Blog

Resultado prático (e irônico) da destruição em Brasília: Michel Temer sai fortalecido

A esquerda nunca perde uma oportunidade de perder uma oportunidade.

Foto: Ueslei Marcelino / Reuters

Ontem, em Brasília, não houve meramente uma manifestação, mas sim ATO TERRORISTA. Reiteramos: temos de chamar a coisa pelo nome. E também dissemos o óbvio: o povo é contra isso, o povo detesta isso, o povo quer distância disso – embora a esquerda insista na tática.

Resultado prático: Michel Temer saiu fortalecido. E muito mais fortalecido do que se presume.

Em seu pior momento desde que assumiu a Presidência da República, viu-se (e vê-se) envolvido num escândalo pesado. Chegou a fazer pronunciamentos em dois dias seguidos (sexta-feira e sábado passados), e acabou recuando quanto à propositura exposta num deles (o segundo: afirmou que requereria a suspensão do inquérito no STF, mas não o fez).

Uma desgraça, portanto. Impossível sair dessa. Certo? Errado.

Como a esquerda nunca perde uma oportunidade de perder uma oportunidade, a turma resolveu então destruir Brasília. Imagens chocantes de prédios incendiados, com ameaça concreta à vida dos trabalhadores, pontos de ônibus destruídos, banheiros químicos em chamas. Uma cena de guerra que culminou na convocação das Forças Armadas (falaremos disso ainda hoje).

O ato terrorista, portanto, “caiu do céu”. Fez com que surgisse um “inimigo público” mil vezes pior que Temer e, ao enfrentá-lo, o Presidente ficou do lado do povo. Por outra: se terroristas são contra as Reformas, então algo de bom elas devem ter.

Adeptos de teorias conspiratórias podem supor que o próprio Temer teria planejado tudo. Mas bobagem. A esquerda é insuperável quando se trata de estragar tudo com a opinião pública.

Temer apenas agradece.

Notícias Recentes

To Top