Blog

Viciados recebem dinheiro da prefeitura e preço do crack INFLACIONA

A pedra, que custava R$ 10 havia anos, passou a custar R$ 20 no dia em que os viciados em crack receberam a grana do programa de Haddad. Houve quem gastasse em outra coisa, mas o aumento na demanda chegou a inflacionar o preço da droga.

Haddad e outro "novo" que tentarão empurrar neste ano.

Haddad e outro “novo” que tentarão empurrar neste ano.

(atualização necessária: acreditem ou não, houve gente do DCE apena atida ao FATO DE QUE O PREÇO SUBIU – como se isso fosse um fenômeno independente. Vamos explicar: o aumento do preço se deu por AUMENTO DA DEMANDA, ou seja, houve um AUMENTO NA PROCURA PELA DROGA. Entenderam agora? Os de boa-fé, creio que sim, os demais podem continuar esperneando em defesa de um programa que nasceu furado)

O programa “Braços Abertos” é um daqueles casos em que o otimismo (seja inocente ou partidário) acaba vencido pela realidade dos fatos. Dar dinheiro na mão de viciado em crack, e ainda por cima sem a existência ou exigência de qualquer tratamento, não parecia dar certo. E não deu.

Vejam trechos de reportagem da Folha de São Paulo (curiosamente – ou não tão curiosamente assim – simpática ao programa, mesmo relatando o fiasco):

Pagamento de viciados em programa da prefeitura gera ‘inflação do crack’ – O preço da pedra de crack chegou a dobrar já no primeiro dia de pagamento dos 302 usuários da cracolândia que trabalham no programa Braços Abertos, da prefeitura. A pedra, que custava R$ 10, sofreu variação de preço na tarde de ontem e chegou a custar até R$ 20, segundo relatos de usuários à Folha no fluxo (local de venda e consumo). De acordo com a prefeitura, 302 usuários receberam, em dinheiro, R$ 120 pela semana de trabalho na varrição de praças e ruas (…) O fluxo de dinheiro na cracolândia também reforçou uma prática comum entre os usuários: a compra e revenda de pedras de crack. No fim do dia, após o frenesi provocado pela circulação de dinheiro novo, a pedra já podia ser encontrada mais barata, a R$ 10. O pagamento resultou numa injeção de R$ 36.240 na economia da região.” (grifos nossos)

Sim, a reportagem incluiu TODO O VALOR RECEBIDO – não apenas aquele gasto no comércio de produtos legais e razoáveis – no que chamou de “injeção na economia da região”. A “injeção” foi tanta que até inflacionou o preço da pedra. E o fiasco se deu exatamente um dia após a operação que visava prender traficantes e recebeu protestos dos cracudos – e de parte do DCE da Internet.

De um lado, prender traficantes; de outro, jogar dinheiro na mão dos viciados, sem tratamento, “injetando capital na economia da região”. Há quem defenda, a sério, a segunda medida. E há quem defenda por cegueira partidária – ou puro oportunismo. Chegaram a fazer circular notícias de viciados que teriam guardado dinheiro no banco, tal e coisa.

Bobagem. O aumento da demanda foi tanto que o preço da pedra DOBROU. Aconteceu o esperado. Deu lógica. Fim. Mas não esperem aceitação por parte dos que, até hoje, não aceitam – entre outras coisas – que o Muro de Berlim caiu há quase 25 anos.

Por fim, há certa tragicomédia que as besteiras desse partido inflacionam tanto a macroeconomia quanto os preços da Cracolândia.

Que talento…

Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 50% OFF (com desconto máximo de R$ 20) em 3 corridas.

To Top