Notícias

Incompetência petista faz transposição custar mais de R$ 7 bilhões

Falhas no projeto original e ausência de planejamento resultaram na deterioração das estruturas já construídas para a transposição do rio São Francisco. Na tentativa de salvar o que foi feito até agora, e reconstruir os trechos danificados, o governo petista fará novas licitações bilionárias. Pelos cálculos, o valor total da obra deverá ultrapassar os R$ 7 BILHÕES. Outras informações estão na reportagem de Marta Salomon publicadas em O Estado de São Paulo. Leiam um trecho:

BRASÍLIA – Para tentar terminar as obras da transposição do Rio São Francisco em mais quatro anos, o governo Dilma Rousseff recorrerá a uma nova licitação bilionária de obras já entregues à iniciativa privada. O custo estimado do negócio é de R$ 1,2 bilhão, informou aoEstado o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, responsável pela obra mais cara do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) bancada com dinheiro dos impostos.

A obra começou em 2007 como um dos grandes projetos do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A transposição desviará parte das águas do São Francisco por meio de mais de 600 quilômetros de canais de concreto para quatro Estados: Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco.

(…)

O custo inicial da transposição, estimado em R$ 5 bilhões, já saltou para R$ 6,9 bilhões, calcula Fernando Bezerra, incluindo a nova licitação. “Só vamos ter certeza do valor quando concluirmos o processo licitatório e fecharmos os contratos”, avalia o ministro. Ele espera lançar as novas licitações até março.

Relicitar parte dos trechos entregues a grupos de empreiteiras foi a forma que a equipe de Bezerra encontrou para concluir as obras e evitar que a transposição do São Francisco se transforme em um elefante branco.

Os oito consórcios privados, responsáveis por 12 lotes da obra, não conseguiriam terminar o trabalho para a qual foram contratados mesmo que o valor pago fosse aumentado em 25%, limite legal autorizado para aditivos contratuais. O ministro optou, então, por eliminar parte das tarefas previstas originalmente em contratos. Os consórcios receberão apenas pelo serviço feito. “Todos toparam”, conta Fernando Bezerra. “Houve uma negociação e uma negociação que não foi fácil”, destaca.

Desde que assumiu o cargo, no início do ano, Fernando Bezerra tenta renegociar os contratos. “Numa primeira avaliação, vimos que teríamos de fazer aditivos de até 60%”, disse o ministro. “Não diria que foi erro de projeto, mas o projeto básico não estava detalhado e foi incapaz de identificar as situações de campo. O número de sondagens foi insuficiente para garantir o tipo de solo que seria encontrado”, alegou.

Íntegra aqui.

Comentário:

No início deste mês, publicamos uma declaração da presidente Dilma Rousseff proferida durante comício no Rio Grande do Norte. Em determinado momento do discurso, a presidente chega a afirmar que as obras de transposição já estavam concluídas. Assistam o trecho logo abaixo:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=gb0ZDV7FA4o[/youtube]

Notícias Recentes

To Top