Notícias

Na despedida de Dilma, volume de serviços prestados teve o 14º resultado negativo seguido

Queda de 6,1% em relação a maio de 2015

Mesmo com o segundo semestre concluindo a segunda semana, só agora tem-se noção do que ocorria com o Brasil em maio, quando Dilma Rousseff ainda tocava o terror nas contas públicas, senão para evitar o afastamento no impeachment, ao menos para deixar uma herança para lá de maldita a Michel Temer. Quem sofria mais com isso? Claro, o brasileiro, a quem sufocos econômicos primeiro atingem.

O IBGE revelou que, no mês do afastamento, o volume de serviços prestados apresentou o 14º resultado negativo seguido, configurando o pior desempenho para maio na série histórica iniciada em 2012. A queda observada em relação a 2015 chegou a 6,1%. Ao todo, o recuo está em 4,8% quando se considera os últimos 12 meses, ou de 5,1% em 2016, o que não deixa de ser assustador.

A única boa notícia: foi a última vez que se buscou o dado sob a gestão de Dilma Rousseff.

Não será estranho o recorde negativo continuar sendo batido. Mas a economia já vem dando alguns sinais positivos desde que Michel Temer assumiu o comando do país. Dias melhores virão.

Notícias Recentes

To Top