Notícias

O governo vem espionando manifestantes para garantir a realização da Copa

E a criação de uma tropa de choque de 10 mil homens apoiará as polícias militares nas 12 cidades-sede dos jogos

luladedo

Na última sexta-feira, 7 de fevereiro, o ex-presidente Lula afirmou que os protestos não impedirão que a Copa do Mundo seja realizada com êxito no país. De acordo com ele, apesar dos protestos a que todos têm direito, o Brasil fará a melhor Copa já vista.

A confiança de Lula no sucesso do evento pode vir do trabalho que o governo vem realizando junto aos manifestantes.

As forças de segurança brasileiras estão usando agentes à paisana, interceptando e-mails e monitorando rigorosamente a mídia social para tentar garantir que protestos violentos contra o governo não arruinem a Copa do Mundo, disseram autoridades à Reuters.

Embora os protestos, que adotaram o slogan “Não vai ter Copa”, tenham sido menores ultimamente, ainda provocam atos de vandalismo, com destruição de estabelecimentos comerciais e confrontos entre os manifestantes e a polícia. Com isso, a competição pode ser prejudicada e os turistas, afugentados.

Por isso, o Ministério da Defesa, em caráter sigiloso, passou a fazer vigilância para tentar minimizar as consequências das manifestações.

Além de monitorar as comunicações do grupo no Facebook e outras mídias sociais, agentes da inteligência se infiltraram no movimento e passaram informações para a polícia antes e durante recentes manifestações, disseram dois funcionários.

Outra medida tomada pelo governo a fim de controlar os ânimos dos manifestantes é a criação de uma tropa de choque de 10 mil homens que apoiará as polícias militares nas 12 cidades-sede dos jogos.

São os PMs que integram a Força Nacional de Segurança Pública, treinados desde 2011, segundo o diretor da unidade, coronel Alexandre Augusto Aragon. Eles tiveram o aperfeiçoamento intensificado neste ano após as manifestações de junho, durante a Copa das Confederações.

Comparado ao efetivo das tropas de choque dos estados, que são de 100 a 200 homens com esta qualificação, o número de policiais designados para o controle dos protestos é significativo.

Até mesmo São Paulo, que possui a maior Tropa de Choque do país (3 mil homens) e que, mesmo durante ataques de facções criminosas, nunca pediu apoio federal na segurança pública, deve contar com homens da Força Nacional, diz o secretário nacional de segurança para grandes eventos, delegado da Polícia Federal Andrei Augusto Passos Rodrigues.

A Força também adquiriu um minirrobô espião, pequeno e de borracha, que se infiltrará nos protestos para realizar filmagens e ajudar a identificar pessoas envolvidas em atos violentos.

“Não posso dar detalhes de como funciona, para que não seja envolvidos. Mas suas imagens vão nos ajudar a entender o que está acontecendo”, diz o coronel Aragon.

Apesar da confiança no trabalho em andamento, a atual postura governamental não deixa de ser um derrota dos planos do PT quando garantiu com verba pública a vinda da Copa e das Olimpíadas para o país. O próprio slogan em uso nasceu após perceber que o público não compraria a conversa inicial do legado que se deixaria para o país. No entanto, vir a público com tanta veemência confirmando a ocorrência da competição – como fez o ex-presidente Lula – soa uma provocação aos radicais que seguem se preparando para fazer ainda mais barulho no meio do ano.

To Top