Notícias

Para manter o apoio de centrais sindicais, Dilma precisará quebrar um pouco mais o país

Sindicatos condicionam apoio ao abandono do ajuste fiscal.

É a chamada sinuca de bico. O povo vai às ruas contra Dilma Rousseff e, para fazer um contraponto, centrais sindicais e movimentos liderados politicamente saem em sua defesa. Ok, disso todos sabemos, mas agora entornou o caldo.

Os “pró-Dilma” impuseram uma condição complicada: só continuarão apoiando a presidente se ela abandonar o ajuste fiscal. Ocorre que, se ela fizer mesmo isso, o Brasil quebra ainda mais.

Qualquer um considera impossível reerguer o país sem uma profunda reforma nos gastos públicos e em toda a estrutura do estado brasileiro. Mas as centrais sindicais não seguem a lógica pura e simples, mas sim a determinação ideológica. E a última pessoa que poderia reclamar disso é a própria Dilma, já que se elegeu fazendo promessas de impossível cumprimento, justamente NEGANDO qualquer ajuste.

Agora, ela que lide com isso: aplique de fato uma reforma (algo que não fez em 2015 e nos custou caro demais), ou abandone tudo, quebre de uma vez por todas o Brasil, mantendo assim esse “apoio” a fazer contraponto ao povo que não se atrela a sindicatos ou ONGs pró-governo.

Dilma Rousseff - TCU - Pedaladas Fiscais

Caso Dilma considere o dilema muito complicado, poderia renunciar de uma vez. Olha que coisa simples e boa! De quebra, ainda daria ao Brasil uma mínima chance de recuperação.

Notícias Recentes

To Top