Notícias

Prédios para vítimas do Morro do Bumba ameaçam cair

Edifícios do programa Minha Casa Minha Vida ainda nem foram entregues aos desalojados em São Gonçalo (RJ) e já estão condenados

2013032094390

Matéria do jornal O Globo sobre a reportagem do Jornal Nacional de ontem (20):

RIO – Depois de quase três anos vivendo em situação precária no 3º Batalhão de Infantaria (BI), em São Gonçalo, parte das 89 famílias sobreviventes da tragédia do Morro do Bumba, em Niterói, vê a possibilidade de enfim se mudar para uma casa própria se distanciar. A entrega de apartamentos do programa Minha Casa Minha Vida prometida para julho deste ano deve ser adiada pela construtora, após dois dos 11 prédios erguidos no bairro do Fonseca apresentarem rachaduras, como mostrou ontem o “RJ-TV”, da TV Globo. Pelo menos um deles terá que ser inteiramente demolido e reerguido. Em relação ao outro, ainda está sendo analisado se será posto abaixo ou se há possibilidade de ser recuperado. Cada edifício custou R$ 2 milhões da verba total de R$ 27 milhões liberada pela Caixa Econômica Federal para a construtora Imperial Serviços Limitada.

Os conjuntos habitacionais Zilda Arns I e II, na Rua Teixeira de Freitas, terão 454 apartamentos. Cada edifício tem cinco andares. As rachaduras foram flagradas nas unidades do Zilda Arns II, que consumiu quase R$ 22 milhões dos investimentos. Representantes da CEF e da Imperial Serviços se reuniram ontem para discutir os problemas no projeto. A construtora alegou que um deslocamento no solo causou as rachaduras. Na reunião, a empresa não apresentou novo prazo para a entrega das unidades, já que os prédios precisarão passar por tratamento diferenciado, para evitar a volta dos problemas. O GLOBO não conseguiu contato com a Imperial.

Um dos conjuntos será entregue em abril

Já os apartamentos do Zilda Arns I, que não foram afetados, têm previsão de entrega para abril deste ano. O conjunto habitacional terá 83 unidades. Segundo a assessoria de imprensa da Caixa Econômica Federal, não haverá mudança nesse cronograma.

Na hipótese de se confirmar que os problemas nos dois prédios foram causados exclusivamente por alagamento, os custos de demolição e da reconstrução dos blocos serão arcados pela seguradora. Caso contrário, o ônus será da construtora.

Enquanto isso, as 268 pessoas, sendo 144 crianças, instaladas no 3º BI vivem em meio ao lixo e sem condições de higiene, como mostrou um reportagem publicada pelo GLOBO domingo. Num dos banheiros, três dos quatro vasos sanitários foram retirados. O único restante está quebrado. Como resultado, o chão está repleto de fezes e urina, e um forte mau cheiro toma todo o local. Uma ratazana foi vista no banheiro.

Nos últimos 12 meses, duas crianças que viviam no 3º Batalhão de Infantaria morreram de pneumonia, após serem internadas no Hospital Getulinho, no Fonseca. Há denúncias também de diversos casos de hepatite e de dengue, e de pelo menos um episódio de tuberculose, entre outras doenças.

Construtora já foi investigada

A construtora Imperial Serviços, responsável pelos empreendimentos financiados pelo programa Minha Casa Minha Vida em Niterói, foi investigada pela Polícia Civil, em 2009, com outras 11 empresas acusadas de fraudar licitações. Na época, policiais especulavam que o grupo teria lucrado até R$ 20 milhões desde 2008. O caso ainda não chegou ao Tribunal de Justiça e pode estar a cargo do Núcleo de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro, segundo informou a assessoria de imprensa da Polícia Civil.

Em 2009, as evidências apontavam para uma combinação entre as empresas, que se reuniriam e decidiriam previamente aquela que sairia vitoriosa numa licitação. Agora, a construtora está à frente do empreendimento aguardado pelos ex-moradores do Bumba, comunidade erguida sobre um antigo lixão que desmoronou em abril de 2010. Quarenta e sete pessoas morreram e mais de três mil ficaram desabrigadas. O lixão funcionou no Morro do Bumba de 1970 a 1986. Com sua desativação, foi proibida a ocupação do local, mas aos poucos, por falta de fiscalização, foram construídas pequenas casas de alvenaria. Com os anos, a comunidade cresceu.

(grifos nossos)

Notícias Recentes

To Top