Notícias

Reabilitado! Palocci volta a participar de reuniões com Dilma e Lula

O “tesoureiro informal” da campanha de Haddad mantém conversas secretas com núcleo petista

Reportagem da Folha de S. Paulo:

Distante das discussões partidárias desde que deixou a Casa Civil em 2011, o ex-ministro Antonio Palocci voltou a participar de reuniões da cúpula do PT, ao lado de Lula e da presidente Dilma Rousseff.

Ele tem participado, nos últimos meses, de encontros para deliberar sobre os rumos das eleições municipais, avaliar o impacto do julgamento do mensalão e discutir o cenário eleitoral de 2014.

As reuniões reservadas ocorrem em São Paulo, na sede do Banco do Brasil, onde fica o escritório da Presidência da República. Já houve quatro encontros do gênero. Segundo aFolha apurou, Palocci esteve em todos.

Na semana passada, Lula e Dilma voltaram a reunir o grupo, dessa vez com a presença de um não petista, o ex-ministro de Lula Franklin Martins (Comunicação Social).

De Brasília, Dilma costuma levar aos encontros os ministros Aloizio Mercadante (Educação), Fernando Pimentel (Desenvolvimento), Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) e Marco Aurélio Garcia, assessor especial. O presidente do PT, Rui Falcão, também participa.

Interlocutores de alguns dos atuais integrantes do grupo relatam que Palocci é sempre discreto. Fala muito pouco. Há uma ordem expressa nesses encontros: o conteúdo das conversas deve permanecer sob sigilo. Nenhum dos presentes quis revelar o teor das discussões.

Sob Lula, essas reuniões costumavam ocorrer no Palácio da Alvorada.

QUEDA

Palocci deixou o posto mais importante do governo Dilma em junho de 2011, após aFolha revelar que ele multiplicara por 20 seu patrimônio em quatro anos. Parte dos ganhos veio em 2010, quando já coordenava a campanha de Dilma à Presidência.

De lá para cá, evita ao máximo aparecer. Vez por outra, porém, é acionado por Lula.

Ex-ministro da Fazenda, ele mantém o status de petista com maior trânsito no mundo empresarial. Costuma fazer a ponte quando o ex-presidente precisa falar com alguns empresários. Internamente, é visto como analista político pragmático.

Nesta campanha, manteve comunicação constante com o marqueteiro do candidato petista Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo. Foi Palocci quem, em 2006, trouxe João Santana para tocar a reeleição de Lula.

Segundos interlocutores de Dilma, ele se mantém afastado das discussões no governo justamente para não causar polêmica.

Até a conclusão desta edição, a Folha não havia localizado o ex-ministro.

(grifos nossos)

Comentário

É necessário fazer um reconhecimento aos méritos de Palocci. Desde que foi noticiada sua participação como “tesoureiro informal” da campanha de Haddad, a arrecadação e os gastos do candidato petista em S. Paulo dispararam. Somente as empreiteiras doaram quase R$ 1 milhão ao candidato mais caro do Brasil – prato cheio para o pessoal do “jornalismo cidadão comunitário investigativo” que desconfia de interesses de especuladores imobiliários por trás de incêndios em favelas.

Adivinhem quem vai pagar esta conta caso o ex-ministro de Lula seja eleito.

To Top