Notícias

Retrospectiva 2013: agosto, o mês em que a câmara manteve o mandato de um deputado preso

A votação foi secreta, mas isso não impediu que a mídia descobrisse algumas manobras de políticos que convenientemente evitaram se pronunciar sobre o assunto.

28ago2013---o-deputado-federal-natan-donadon-ex-pmdb-ro-faz-discurso-de-defesa-no-plenario-da-camara-1377734026043_615x300

Agosto de 2013 começou com Haddad encabeçando as principais manchetes por ter gasto quase 38 milhões de reais em propaganda no primeiro semestre. Em assuntos relacionados, Dilma superou Lula em despesas semelhantes, gastando ambos R$ 16 bilhões em publicidade. Mas seu ex-ministro da educação fez barulho mesmo quando desistiu de sua principal promessa de campanha.

Na economia, o Banco Central decretou a liquidação do Banco Rural. Já o governo estudou o pedido de socorro a bancos para cumprir promessa de Dilma para desconto na conta de luz. Os gastos chegariam a R$ 17 bilhões, enquanto o desembolso para cobrir custos das termelétricas chegavam ao dobro. Tudo isso e mais um pouco fez com que o real liderasse ranking de desvalorização.

A farra com os cofres públicos se manteve e o Brasil investiu mais de R$ 18 milhões em filmes que ninguém viu. Marta Suplicy liberou R$ 2,8 milhões da Lei Rouanet para desfile de moda em Paris. E na política externa, descobriu-se que o Brasil perdoou dívidas de ditadores que gastavam em compras o dobro do que deviam.

Mais do que nunca, o Mais Médicos esteve na pauta. Numa primeira tentativa de gerar o número de profissionais esperados, não chegou a 6% de sucesso. Isso findou incentivando o maior negócio de Cuba, a exportação de médicos.

Naquele agosto, os custos da Copa do Mundo ultrapassaram os das copas da Alemanha e África do Sul juntos. Enquanto isso, a PF apontou desvio de R$ 6,6 milhões do Ministério da Educação. Como não podia faltar, a Petrobras também recebeu denúncia de propina de lobista do PMDB. E descobriu-se que Lewandowski interferiu em processo para ajudar Dilma e o PT.

Provando que 2014 estava mais próximo do que nunca, funcionário petista da Assembleia Legislativa organizou protesto contra Alckmin em São Paulo. Já em Santo André, suspeitou-se que o PT teria contratado telemarketing para ligar na madrugada em nome de candidatos adversários.

Mas as notícias mais assustadoras de todas talvez tenham sido a prisão de assessor do Planalto por estupro de menores e a não cassação do mandato de Donadon.

Para ler os acontecimentos do mês de julho, clique aqui.

Mais Lidas

To Top