Ponto de Vista

Desde que o brasileiro reelegeu Dilma, o desemprego só cresceu

Já são oito trimestres de seguidas altas

Historicamente, os gráficos de desemprego no Brasil viviam uma rotina curiosa: com pico no verão, caíam trimestre a trimestre até a chegada do natal, com a economia aquecida gerando uma porção de vagas temporárias.

Essa realidade, contudo, mudou desde que Dilma Rousseff assumiu o segundo mandato. O desemprego estava em 6,5% no 4º trimestre de 2014. E, de degrau em degrau, chegou a 12% no natal de 2016.

  • 2014 – 4º trimestre: 6,5%
  • 2015 – 1º trimestre: 7,9%
  • 2015 – 2º trimestre: 8,3%
  • 2015 – 3º trimestre: 8,9%
  • 2015 – 4º trimestre: 9%
  • 2016 – 1º trimestre: 10,9%
  • 2016 – 2º trimestre: 11,3%
  • 2016 – 3º trimestre: 11,8%
  • 2016 – 4º trimestre: 12%

Já há números em suficiência para afirmar que o impeachment de Dilma Rousseff permitiu, com uma nova equipe econômica, reverter o desastre econômico legado pelo PT. Com isso, espera-se que o mercado reaja, produzindo novas vagas de emprego.

Em outras palavras, deve demorar mais um pouco. Mas esse jogo também vai virar.

Fonte: Poder 360

To Top