Implicante

/ Notícias

19 de setembro de 2012

Após greves, ações e apreensões da PF despencam no país

white 15 Após greves, ações e apreensões da PF despencam no paísKindle

wmX 480x320x3 5022702741a126d1ce4381932d5a13b89bf87e32faf74 Após greves, ações e apreensões da PF despencam no país

Categoria está parada há quase três meses. Reportagem da Folha de S. Paulo:

O número de operações da Polícia Federal e de apreensões de drogas despencou desde o início da paralisação de agentes, escrivães e papiloscopistas (especialistas em identificação), em 7 de agosto.

A categoria é a única ainda parada no funcionalismo federal, que no primeiro semestre fez uma onda de protestos.

A paralisação reduziu drasticamente o número de operações policiais. Em média, de janeiro a julho, foram 23 por mês; já em um mês e meio da greve, houve apenas 13.

No início do ano, o ritmo estava lento, mas o número disparou em seguida, com 33 ações em março, 38 em maio e 25 em julho. Após a greve, foram 9 em agosto e 4 neste mês.

Segundo os grevistas, o movimento causou ainda redução expressiva no número de drogas apreendidas, sobretudo nas fronteiras.

A média mensal de cocaína e maconha retidas no país, por exemplo, caiu para menos da metade da registrada de janeiro a julho.

No Paraná, em Mato Grosso do Sul e em Mato Grosso –Estados que concentram as maiores apreensões–, a PF apreendeu até julho, em média, 4.024 kg de cocaína e maconha por mês.

Do início da paralisação até 5 de setembro, foram apenas 30,7 kg.

A queda de operações, dizem grevistas, prejudica investigações contra crimes como colarinho branco, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

“Para muita gente, é melhor a PF estar parada. Ela acaba prendendo pessoas envolvidas com o poder, que bancam campanhas de políticos. Parada, não vai prender esse tipo de gente”, afirma Marcos Wink, presidente da Fenapef, federação que reúne agentes, escrivães e papiloscopistas.

A entidade não representa os delegados –carreira que ocupa postos de comando e que não fez greve.

Os grevistas afirmam que a situação pode piorar. Ontem, por exemplo, 150 policiais federais do Rio Grande do Sul entregaram os fones usados para acompanhar as escutas telefônicas.

A Fenapef afirma que há falta de disposição do governo em negociar, por isso a continuidade do movimento. Os grevistas não aceitaram o reajuste médio oferecido, de 15,8% em três anos.

Neste mês, a categoria já espera corte de ponto. Entre as reivindicações estão aumento de salário e reconhecimento de funções investigativas.

INALTERADO

A direção da Polícia Federal informou que o número de operações especiais neste ano permanece inalterado, em comparação a 2011. “Foram 175 operações até 14 de setembro nos dois anos”, diz.

Segundo a PF, além da greve, dois eventos incomuns deslocaram policiais das investigações: a greve da Polícia Militar na Bahia e a segurança da Conferência Rio+20.

Sobre as apreensão de drogas, destaca a “mudança de estratégia”, especialmente os acordos com países vizinhos.

Como a Folha revelou em agosto, a PF tem agido diretamente na erradicação de folhas de coca e de pés de maconha, “com o objetivo de impedir o ingresso de entorpecente em território nacional”.

O Ministério da Justiça afirmou que o ponto dos grevistas será cortado e que “permanece aberto ao diálogo, embora já não seja possível atender a qualquer reivindicação que implique elevação nos custos em 2013, por determinação legal”.

Conforme a pasta, “a maioria dos servidores –inclusive delegados, peritos e servidores administrativos da própria PF– aceitou o reajuste proposto pelo governo federal e apenas a Fenapef recusou”.

Agentes, escrivães e papiloscopistas, categorias paradas, são o maior efetivo da PF, somando 8.000 servidores do total de 11.260.

(grifos nossos)

compartilhe

Tópicos , ,

Publicidade

Enquete

Quem você acha que Lula indicaria hoje para o STF?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
Publicidade