Notícias

Caixa Econômica pagou R$ 600 milhões para ser sócia de empresa prestes a falir

Cálculo mostra que, em 2008, empresa precisaria ter sete vezes mais caixa para saldar dívidas.


Notícia da edição deste domingo (25), da Folha:

A Caixa Econômica Federal usou R$ 600 milhões do FI-FGTS para investir na Rede Energia, em 2010, e se tornar sócia de uma companhia insolvente que sofreu intervenção da agência reguladora do setor dois anos depois.

O FI-FGTS é um fundo de investimento formado com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço.

(…)

Juntos, BNDES e Caixa adquiriram 41% do capital total do grupo. Têm 16% e 25%, respectivamente. O controlador, Jorge Queiroz de Moraes Jr., tem 29%, e o restante está pulverizado no mercado.

Hoje, Moraes Jr. negocia a venda de sua participação para a Equatorial Energia e a CPFL por R$ 1.

Os títulos perpétuos da companhia emitidos no exterior estão cotados a 37% de seu valor, mesmo com as negociações em curso. As ações da Caixa e do BNDES despencaram. No caso da Caixa, perderam metade de seu valor.

CURTO-CIRCUITO

No ano em que a Caixa comprou sua participação na Rede Energia, a elétrica já precisava faturar seis vezes mais para cobrir dívidas, principalmente com governo e fornecedores. Isso sem considerar os investimentos.

Se os investimentos fossem incluídos no cálculo, seria preciso um caixa quase 20 vezes maior no final de 2011, segundo a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), seis meses antes da intervenção, ocorrida em agosto.

Sucessivos prejuízos levaram a atrasos no pagamento de tributos, de encargos setoriais e de fornecedores. Resultado: perda de qualidade de serviço, que culminou no aumento do número de apagões, cada vez mais longos.

O Ministério Público Federal do Pará move ação acusando a Aneel de omissão e o grupo de “sucatear” a Celpa.

A distribuidora paraense foi a única que entrou com pedido de recuperação judicial, escapando, assim, da intervenção federal e possibilitando sua venda para a Equatorial Energia por R$ 1. A Celpa era responsável pela maior parte da dívida total.

A Aneel não interveio antes nas oito distribuidoras devido à inexistência de legislação. Isso só ocorreu em agosto, com a publicação de medida provisória pelo Ministério de Minas e Energia.

Enquanto isso, a situação financeira só se agravou.

Folha pediu que um analista do setor, que não quis se identificar, calculasse o grau de endividamento do Grupo Rede, incluindo impostos, encargos setoriais, fornecedores, entre outros atrasados.

O cálculo mostrou que, em 2008, a companhia precisaria ter sete vezes mais caixa para saldar dívidas. Essa relação caiu para seis vezes, em 2010, mantendo-se em 2011.

Nesse cálculo, foram excluídos investimentos. A conta só mostra o valor necessário para cobrir o rombo. As avaliações feitas por bancos de investimentos só consideravam a dívida financeira.

O governo tinha conhecimento dessa situação. Em seus relatórios, a Aneel menciona que, considerando os investimentos, a companhia precisaria baixar sua relação entre dívida total (e não só financeira) e a disponibilidade de caixa para cinco vezes.

Os investidores consideram essa relação “saudável” quando é de duas vezes.

Leia a íntegra aqui.

Notícias Recentes

To Top