Notícias

Colunista diz que governo usa o Google durante o processo de seleção de ministros

Duas notas do jornalista de “Veja” Lauro Jardim revelam qual é o “controle de qualidade” do governo Dilma na seleção de ministros. De acordo com o colunista, os indicados seriam “investigados” através de pesquisa no Google, para só depois passarem pelo crivo da Abin (Agência Brasileira de Inteligência). O resultado, pelo visto, não é dos melhores.

Abaixo as notas:

O sistema de seleção do Planalto

Sempre que pinta a necessidade de escolher um novo ministro (algo recorrente nos últimos meses), o Planalto deflagra a mesma estratégia: um grupo de assessores vai para o Google digitar o nome do candidato entre aspas.

Aí, dependendo dos resultados, o futuro ministro de Dilma Rousseff cai ali mesmo, exatamente como aconteceu na escolha do último ministro do PMDB (leia mais em Dilma e o santo Google).

Aprovado no Google, o candidato a ministro vai então para as mãos da Abin, que puxa a ficha criminal. Fuça daqui, fuça dali, só depois disso é que sai a aprovação. Um interlocutor palaciano, no entanto, ironiza:

– Parece rígido, mas como falha esse sistema.

Link aqui.

Dilma e o santo Google

Manoel Junior, o escolhido de Henrique Eduardo Alves para o Turismo, perdeu a chance de virar ministro porque caiu em desgraça no Google. É isso mesmo. Pesquisa da vida pregressa de futuros ministros no Planalto também se dá no Google. E, no caso de Junior, as notícias de envolvimento com a pistolagem foram demais para Dilma Rousseff.

Gastão Vieira, por exemplo, só virou ministro porque não foi encontrado nada contra o nome “Gastão Vieira” – assim mesmo, entre aspas — nos resultados da pesquisa no site. Na situação de Dilma, que tinha de escolher o substituto de Pedro Novais entre 79 deputados do PMDB, não encontrar nada contra configurou imensa qualidade. Encontrar algo a favor, bem, aí já era pedir demais.

Link aqui.

Comentário:

Oficialmente, o governo diz analisar minuciosamente os currículos dos postulantes. A prática parece revelar o contrário. Tão logo o governo anunciou o nome do novo ministro das Cidades, nós do Implicante já havíamos detectado que o escolhido enfrentava problemas na justiça.

To Top