Implicante

/ Notícias

2 de abril de 2012

Ex-assessor especial do ministro da Saúde recebeu propina de R$ 200 mil

white 15 Ex assessor especial do ministro da Saúde recebeu propina de R$ 200 milKindle

20120401104821 587 550x412 Ex assessor especial do ministro da Saúde recebeu propina de R$ 200 mil

Da Folha.com:

Assessor especial do ministro Alexandre Padilha (Saúde) até dezembro, Edson Pereira Oliveira admitiu ter recebido R$ 200 mil de propina para pagamento de dívida de campanha.

De acordo com reportagem da revista “Veja”, Oliveira afirma que passou, desde então, a ser alvo de chantagem de um grupo de parlamentares do Rio de Janeiro que teriam o objetivo de manter um esquema de corrupção em órgãos de saúde do Estado.

Em entrevista na manhã de ontem, Padilha afirmou que só soube da história ao ser procurado pela revista, na segunda-feira, e que pediu investigação à Polícia Federal ainda na semana passada.

Segundo ele, uma auditoria da CGU (Controladoria Geral da União), ainda em andamento, avalia todos os contratos de empresas e laboratórios com os seis hospitais federais no Rio, foco dos desvios, segundo a revista.

“Consideramos o fato extremamente grave, que se associa a outros fatos graves que o ministério detectou desde que começou a reforma administrativa dos hospitais do Rio, em fevereiro de 2011″, disse o ministro da Saúde. “Os fatos serão apurados até o fim, vamos tentar reaver os recursos desviados da saúde”.

Sobre a guerra partidária pelo controle dos recursos e dos hospitais federais no Rio, que segundo a “Veja” envolve o PT, partido do ministro, e PMDB, sigla de seu ex-assessor especial, Padilha afirmou não acreditar em uma guerra político-partidária. “Há um combate contra o desperdício do dinheiro público na saúde”.

Segundo dados do Ministério da Saúde, 40 contratos da pasta com instituições médicas –como contratos de obras, locação de equipamentos e fornecimentos de medicamentos– foram suspensos desde o início do ano passado. A revisão de contratos teria resultado em economia de mais de R$ 50 milhões.

Amigo de Padilha desde os movimentos estudantis, Oliveira acusa os deputados Nelson Bornier (PMDB), Aúreo (PRTB) e Marcelo Matos (PDT) de exigirem a indicação de diretores de hospitais federais no Rio de Janeiro, especialmente Bonsucesso, Lagoa e Ipanema, com objetivo de obter uma mesada.

Oliveira disse que foi chantageado após aceitar dinheiro de um deputado hoje sem mandato, Cristiano (PTdoB), para pagamento de uma dívida de sua campanha a uma prefeitura no interior da Bahia, nas eleições de 2008.

Procurado pela Folha, Bornier nega que tenha chantageado o ex-assessor do ministro: “Padilha está querendo virar o jogo. Encontrei esse Edson uma vez. Nunca pedi nomeação. Pedido de nomeação se faz em papel”.

(grifos nossos)

compartilhe
Publicidade
Publicidade