Notícias

Sob Dilma, investimentos no PAC despencam

Apesar de ter sido apelidadada “mãe do PAC” por Lula durante a campanha, desde que Dilma assumiu a presidência as verbas das principais obras do Programa de Aceleração do Crescimento têm diminuído. Reportagem da Folha de S. Paulo:

(…)

Sob o impacto de acusações de desvios de verbas que derrubaram a cúpula dos Transportes no ano passado (…), os recursos para rodovias e ferrovias despencaram e puxaram a queda geral dos investimentos federais.

Em valores corrigidos pela inflação, as obras do PAC receberam R$ 8,4 bilhões do Tesouro Nacional no primeiro semestre, de acordo com dados preliminares da execução orçamentária pesquisados pela Folha.

O valor é inferior aos R$ 9,6 bilhões do mesmo período do ano passado e, mais ainda, aos R$ 10,1 bilhões aplicados nos seis meses iniciais do ano eleitoral de 2010.

A redução chega aos 35% nos investimentos em transporte rodoviário, ferroviário e hidroviário, que encabeçam a lista dos projetos do PAC bancados com dinheiro da arrecadação de impostos e caíram de R$ 6,7 bilhões para R$ 4,4 bilhões.

O balanço oficial será salvo pelo pagamento em atraso de subsídios para o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, que até o ano passado eram contabilizados em separado nas estatísticas.

No primeiro semestre, foram desembolsados R$ 10,5 bilhões com o Minha Casa, a grande maioria referente a financiamentos contratados em anos anteriores. O montante, recorde, passou neste ano a inflar os números do investimento do Tesouro, embora tecnicamente seja um gasto de outra natureza.

“MÃE DO PAC”

Mais delicado, no entanto, é explicar a segunda queda anual do volume de obras no mandato da presidente Dilma Rousseff, “mãe do PAC” na propaganda brasiliense.

Lançado em 2007 para enfrentar as deficiências da infraestrutura nacional, o PAC reuniu um conjunto de projetos considerados prioritários em setores como energia, logística e urbanismo.

Essas despesas foram liberadas das metas fiscais do governo e cresceram, ano a ano, até o final do governo Lula. Mas, mesmo no pico de 2010, ficaram muito abaixo dos resultados prometidos, e o Brasil permanece um dos países com menor taxa de investimento do mundo.

PROJETOS À VISTA

Procurado pela Folha, o Ministério do Planejamento argumentou que um novo ciclo de obras foi iniciado com a troca de governo e há projetos importantes aguardando apenas o licenciamento ambiental para serem iniciados no segundo semestre.

A justificativa é genérica, mas os resultados da gestão das obras variam muito de área para área. Além da derrocada nos transportes, os investimentos caíram em urbanismo e saneamento.

Já novos projetos em educação e saúde, mais recentemente incorporados ao PAC, tiveram aumento dos desembolsos desde o ano passado.

E EU COM ISSO?

O impacto mais visível da lentidão das obras do PAC deverá se dar nas rodovias federais, a maioria dependente de dinheiro público aplicado a fundo perdido.

Além dos transtornos para os usuários, as deficiências de infraestrutura aumentam os custos das empresas e os preços dos produtos, dificultando o crescimento da economia.

(grifos nossos)

Notícias Recentes

To Top