Blog

A estranha escala de Dilma em Portugal

A assessoria da presidência só emitiu nota após a passagem ser descoberta pela imprensa. Dilma saiu pela porta dos fundos.

dilma-rousseff

Após negar Davos por três vezes, Dilma finalmente aceitou o convite para participar do Fórum Econômico Mundial. A intenção era melhorar a imagem do país no exterior após 3 anos de um governo que já não consegue convencer investidores minimamente críticos. Segundo a BBC, o discurso soou correto, mas a plateia se mostrou cética diante das promessas da presidente.

Antes de rumar para Cuba, onde muda de lado e transforma-se, graças ao BNDES, em investidora dos aliados políticos – contribuindo com 682 milhões de dólares dos 957 milhões necessários para as obras de modernização do Puerto de Marie –, Dilma fez uma controversa parada em Portugal. A hospedagem não prevista na agenda oficial divulgada pela assessoria na última sexta só ganhou alguma explicação do Planalto na tarde de domingo, após ter sido descoberta por alguns veículos brasileiros.

A desculpa oficial citou a necessidade de respeitar a autonomia de voo do Airbus 319 presidencial, mas o que chamou a atenção da grande mídia mesmo foram os custos elevados da estadia. Dilma e sua comitiva ocuparam 45 quartos em dois dos mais caros hotéis de Lisboa com custos que teriam chegado a 71 mil reais. Sem dar explicações, a presidente partiu para Havana saindo pela porta dos fundos do Hotel. O PSDB, principal partido da oposição, emitiu nota criticando o ocorrido:

“É uma gastança desnecessária, que não condiz com a situação econômica do nosso país e muito menos com as dificuldades com as quais os brasileiros são obrigados a conviver todos os dias, como inflação alta e serviços públicos precários, problemas que Dilma não consegue resolver. São esses mesmos cidadãos que, obrigados a passar por privações e dificuldades financeiras, estão bancando o final de semana da presidente e de seus assessores.”

O PT e Portugal

Não é a primeira vez que uma passagem de um presidente petista por Portugal levanta suspeitas. Em dezembro de 2012, chamou atenção o depoimento de Anthony Garotinho que dizia saber de fontes seguras que Rosemary Noronha teria visitado o país com 25 milhões de euros em uma mala diplomática. Seria tanta grana que autoridades alfandegárias teriam sugerido o transporte por intermédio de um carro-forte. A viagem teria ocorrido na companhia de Lula. A quantia teria sido depositada na agência central do Banco Espírito Santo em Porto.

Rosemary tinha ficado mais famosa um mês antes, quando estourou o “Rosegate”. Na época, foi indiciada pela Polícia Federal por crime de corrupção ativa e ameaçada de prisão a qualquer momento. Sobre o assunto, só deu entrevista um ano depois, sempre se dizendo inocente. Ela havia chegado à chefia do gabinete da presidência da República, em São Paulo, por indicação do próprio presidente Lula após 12 anos de serviços prestados a José Dirceu.

Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 50% OFF (com desconto máximo de R$ 20) em 3 corridas.

3 Comentários

3 Comments

  1. Douglas Corrêa

    27 de janeiro de 2014 at 18:15

    O motivo para a paradinha técnica em terras lusitanas é que o avião presidencial não tem autonomia para ir direto da Suíça para Cuba – sendo a distância entre Zurique e Havana de 8.199 quilômetros.

    O probleminha editorial e matemático é que na página oficial da Aeronáutica está escrito que o FAB 001, um Airbus A319 Corporate Jetliner – A319CJ , usado pela Presidência da República, é uma aeronave transcontinental, com autonomia de voo de até 11 mil quilômetros, dependendo do número de passageiros:

    “Com sua elevada autonomia de voo, maior que a do A319 comum operado pela TAM, elimina muitas escalas técnicas para abastecimento. Permite voos de Brasília a Paris, a Nova York, a Quebec ou a Washington, sem escalas. Assim, demanda da FAB reduzido apoio logístico”.

  2. António José Rebelo

    27 de janeiro de 2014 at 06:58

    Julgo que esta mulher, Dilma, devia expressamente ser proibida de entrar em Portugal, depois do comportamento arrogante que teve perante as autoridades deste país, na ultima vez que cá esteve. O desprezo que teve pelos nossos órgãos de soberania levam-me a que, como cidadão de pleno direito no meu país, Portugal, julgue que é inoportuna a vinda ou passagem desta senhora por este país. Rua com esta senhora! Já!

  3. Roberto

    27 de janeiro de 2014 at 05:48

    A parada deve ter sido para se inteirar sobre a Quinta (chácara) que um certo barbudo tem por lá.
    De repente ela está pensando em comprar uma para si também…

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top