facebook
...
Blog

A morte de Kadafi, “amigo, irmão e líder” de Lula

por Flavio Morgenstern

Washington ainda aguarda que um oficial americano veja o corpo de Kadafi (Gaddafi ou whatever) antes de confirmar a morte do  ditador líbio no poder desde 1969 (quando a ditadura militar brasileira trocou Costa e Silva por Garrastazu Médici, o que prova sem querer querendo o que a Folha disse sobre a ditabranda e Roberto Campos já afirmava sobre as ditaduras de esquerda, muito mais duradouras).


É um bom momento para relembrar do que ninguém gostaria de lembrar: Lula (o nosso Lula), na Cúpula da União Africana em 2009 (saindo do olho do furacão da crise americana e antes da primavera árabe), que deveria ficar sentado entre Muammar Kadafi e Mahmoud Ahmadinejad, embora este último tenha cabulado o encontro, começou seu discurso como convidado dizendo a Kadafi: “Meu amigo, meu irmão e líder”  A notícia foi dada no Estadão Online:

Lula começou seu discurso dizendo a Kadafi: “Meu amigo, meu irmão e líder”. Logo de início, o presidente elogiou “a persistência e a visão de ganhos cumulativos que norteia os líderes africanos” e ressaltou que “consolidar a democracia é um processo evolutivo”.

A partir de então, o presidente deu início a repetidas críticas aos países industrializados. Lula afirmou que “a crise financeira e econômica mundial revela a fragilidade e o caráter perverso da atual ordem internacional” e parafraseou o primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, ao sustentar que “o consenso de Washington fracassou”.

 “As instituições e pessoas que sempre foram pródigos em nos dar conselhos hoje estão contabilizando a falência de suas políticas”, sentenciou Lula. “Durante muito tempo, os países ricos nos viram apenas como uma periferia distante e problemática. Hoje somos parte essencial da solução da maior crise econômica das últimas décadas. Uma crise que não criamos.”

 Minutos depois, em entrevista a jornalistas brasileiros, Lula respondeu às críticas feitas sobre sua proximidade com ditadores africanos, como Muammar Kadafi. O presidente ironizou a imprensa pelo não comparecimento de Ahmadinejad, afirmando que as críticas que recebera eram “preconceito premeditado”.

Lula disse ainda que ausências como a do líder iraniano não tinham sido boas. “Eu não trabalho com preconceito, porque se trabalhasse não estaríamos nem na ONU, tamanha é sua diversidade”, afirmou o presidente. (grifos nossos)

Comentário

É uma sorte que Lula saiba o que é o Consenso de Washington, pois 99% da esquerda que o apóia o desconhece plenamente. Mas o que surpreende é a visão fantasmagórica que se apresenta apenas dois anos depois das afirmações liliputianas de Lula. Kadafi, este sanguinário financiador de terroristas (e ele próprio maestro a distância da explosão de um avião) é “amigo, líder e irmão” de Lula. Não é a imprensa golpista quem afirma isso: é Lula. A imprensa só noticia – e, por isso, é criticada e ironizada.

Quando a primavera árabe começou, quase uma década após o 11 de setembro, o establishment esquerdista só pôde ficar calado – embora Lula, matraqueador, tenha considerado, por exemplo, que os protestos com mortes após “eleições” fraudulentas que deram mais um mandato a Ahmadinejad foram “choro de perdedor” (mais uma vez: a galera que reclama da Folha chamar a ditadura de “ditabranda” não deu um pio) e que era apenas uma briga entre “flamenguistas e vascaínos”, mais uma vez na saída de um discurso na ONU (do Estadão Online):

“Não é o primeiro país que tem uma eleição na qual alguém ganha e quem perde faz protesto. No Brasil, isso está virando moda. As pessoas que ganham as eleições perdem na Justiça e a oposição toma posse”, alertou o presidente.

 “Eu não posso avaliar o que aconteceu no Irã. Agora veja, Ahmadinejad teve uma votação de 61% ou 62%. É uma votação muito grande para a gente imaginar que possa ter havido fraude”, apontou Lula.

 “Eu não conheço ninguém, além da oposição, que tenha discordado da eleição no Irã. Não tem número, não tem prova. Por enquanto, é apenas uma coisa entre flamenguistas e vascaínos“, disse o presidente, durante uma entrevista em Genebra depois de participar de reuniões na ONU. (grifos nossos)

Já a famosa intelligentsia da esquerda, aquela que defende o PT e ditadores socialistas e teocracias muçulmanas haja o que houver, ficou um pouco confusa quando Hosni Mubarak caiu no Egito, e a na Líbia a população rebelava-se violentamente contra seu ditador, Muammar Kadafi. Parte dela, que sempre associa o que é mal no mundo a “EUA” e “neoliberalismo”, afirmou imediatamente estar em apoio aos “rebeldes” líbios (a imprensa poderia usar um substantivo melhorzinho, não?), enquanto outra parte, que sabia ao menos algo antes de falar, sabendo que Kadafi aplicava um regime socialista baseado em seu “Livro Verde”, tratou de apoiar Kadafi e sua “resistência” (ou “persistência”, como afirmou Lula).

Cartazes de partidos de esquerda em faculdades de Humanas contradiziam-se, uns afirmando que Kadafi era “financiado pelo imperialismo estadunidense”, enquanto outros gritavam pela “resistência anti-imperialista” do socialismo árabe. Exatamente quando o Implicante™ International Group of Golpist Media foi criado, afirmei que Mubarak ou Kadafi mereciam o Nobel da Paz. Um dos espertalhões que sabiam que Kadafi é um grande representante da esquerda multiculturalista mundial foi Hugo Chávez, que “pediu” que Kadafi “resistisse” (sabemos como se dá essa “resistência”) e afirmou que o país não seria tomado, e o ditador não deixaria a Líbia, como afirma que o socialismo do séc. XXI irá vencer a crise econômica mundial (também no Estadão Online):

Chávez convocou os países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), os governos de esquerda da América Latina e os Estados africanos a unirem forças para interromper a “barbaridade” desencadeada pela Otan na Líbia. “Temos de formar uma contraofensiva mais coordenada para deter esta barbárie“, disse ele, sem dar maiores explicações. (grifos nossos)

Para Chávez e Lula, a violência é culpa da mídia. Estão certos. Não fosse a imprensa e a internet, que noticiam o que antes só ficava nos desvãos de conversas secretas palacianas, além de torturas em porões de teocracias, a primavera árabe não teria ocorrido. O maior acerto dos EUA na guerra contra o terror não foi a trilionária captura de Osama bin Laden e Saddan Hussein, mas o fato de a promoção da democracia em países que nunca ouviram falar no conceito gerou revoltas e fez líderes como Mubarak e Kadafi caírem, sem precisar de ocupação americana – como expliquei mais detalhadamente no aniversário do 11/9, desmistificando o que sobrou do 11 de setembro.

Quando Lula fala sobre a “crise [financeira] que não criamos”, tem a sorte de ter seu mandato acabado antes da captura popular de Kadafi – e mais sorte ainda com a amnésia coletiva brasileira, além do voto de silêncio que domina a mídia que ele chama de “golpista”. Essas informaçõez acima não estarão hoje no Jornal Nacional. Mas, sobretudo, não estarão na Carta Capital, no blog do Luis Nassif, do Paulo Henrique Amorim, de Luiz Carlos Azenha, de Brizola Neto ou da “blogosfera progressista”, aquela que afirma que, na América Latina, vota em quem apoiar Chávez (este é o único critério). Nós, que afirmamos o que Lula afirma, somos derrotistas. Agora imagine-se o que aconteceria se um presidente, ou sequer um deputado não-petista chamasse Kadafi de “meu líder”

Só existe um motivo para a esquerda, sejam os “progressistas” ou os revolucionários, odiarem a imprensa: de Cuba à Líbia, da Venezuela ao Irã, o único governo esquerdista que funciona é aquele que ainda não existe, e onde foi aplicado gerou um morticínio – mas, se houver “persistência” e “luta”, um dia certamente funcionará.

(com ajuda e dedurações de @NegoOsvaldo e @MarceIoMeireIes)

 

Flavio Morgenstern é redator, tradutor e analista de mídia. Na torcida entre ditadores, torce sempre contra todo mundo. No Twitter, @flaviomorgen

Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 50% OFF (com desconto máximo de R$ 20) em 3 corridas.

75 Comentários

75 Comments

  1. francisco ramos

    28 de outubro de 2011 at 18:14

    Perfeito ! Jamais faria apologia da violência. Mudando de assunto, Flávio, está havendo repressão policial
    no campus ? Estou meio por fora.

  2. francisco ramos

    28 de outubro de 2011 at 13:36

    quando eu falo …”sangue”, estou me referindo ao sangue dos outros.

    • flaviomorgen

      28 de outubro de 2011 at 13:43

      Nem isso. Prefiro humilhar nas palavras, sobretudo com platéia.

  3. francisco ramos

    28 de outubro de 2011 at 10:01

    Pena que o ambiente esteja com esta polarização sanguínea e ameaça de fraudes. Fui muito ativo no movi
    mento estudantil, no período das trevas, e tenho alguma experiência. Eu aqui gostaria que a chapa com a
    qual você se integrou ganhasse as eleições. Eu votaria sempre numa chapa que tivesse o Sr. Flávio Morgen stern como integrante. Sugestão:quando seus eleitores potenciais perguntarem o que você tem a oferecer,
    lembre-se do “Grande Homem”, ou seja, “SANGUE, SUOR E LÁGRIMAS”. Reitero meus votos de boa sorte !

    Abs

  4. francisco ramos

    27 de outubro de 2011 at 22:36

    Tomei a liberdade de acessar o link de sua chapa. Além de todas as qualidades, você ainda é um líder estu
    dantil? Achei muito interessante . Quando vão ser realizadas as eleições? Você é “cabeça” da chapa ?
    De qualquer forma, boa sorte! E aposte sempre na democracia.

    Abs

    • flaviomorgen

      27 de outubro de 2011 at 22:59

      Não, Francisco. Na verdade, como não quero cuidar de burocracia, estou me integrando a outra chapa, que infelizmente não tem essa voltagem tão outsider. As eleições serão em breve e prometem mais sangue e fraudes do que nunca. Obrigado!

  5. francisco ramos

    27 de outubro de 2011 at 22:24

    Flávio, você agora me tranquilizou. Eu nunca desejei errar tanto um diagnóstico, como agora. (em verdade
    houve um exagêro de minha parte para contrabalançar os exageros da sua).
    Acabei de falar com o Robson, este meu amigo que é cobrão em computadores e ele ficou de passar aqui em casa. O curioso é que, quando estou digitando, não há “quebra” de linhas. Elas se superpôem perfeita
    mente. E, quando comparada com outras postagens, fica estranho. Você tem razão. Vamos ver o que o
    amigo pode fazer. Mas imaginar que estou usando de qualquer fraude para veicular ideias, ´e forçar um pou
    co.

    Abs

  6. alexandre

    27 de outubro de 2011 at 18:58

    Mudando um pouco de assunto. Se lembra daquele post sobre polítca estudantil . Leio agora no Reinaldo Azevedo (eu gosto de ler pessoas que pensam diferente de mim) que uma chapa não-esquerdista ganhou na UnB. Foi o que disse na época : Se os estudantes estão insatisfeitos com a direção estudantil, corre atrás e ganhe eleições. Foi o que essa garotada fez. Ainda acho que a direita reclama muito e age pouco. Apesar que taí uma galera para mostrar que estou errado !

  7. francisco ramos

    27 de outubro de 2011 at 18:48

    Flávio, você tem certeza de que está em pleno uso de suas faculdades mentais? Que papo esquisito é
    êste de “colar do word”…,” linhas quebradas” porquanto eu estaria “apertando a tecla ‘Enter”” Cidadão, o Sr.
    é responsavel por um Blog. Tente repassar ideia de saúde mental para seus visitantes. O que você falou aí é
    coisa de louco e confesso que, tècnicamente nem sei como proceder esta espécie de fraude (como é a
    segunda vez que você delira neste sentido, mesmo delirando deve ter alguma experiencia no assunto).
    Meu filho de onze anos entende mais de computador do que eu. Eu trabalho com ideias, de preferência
    combatendo indivíduos como você . Flávio, Bolsa Família à parte, assunto onde desnudei de forma admirá
    vel suas contradições idiotas, procure um tratamento médico. Você é muito valioso como ser humano e se
    ria uma tragédia ver um adversário tão interessante engolfado pela loucura total. Será que êste terxto foi
    “colado” do word também ? Olha os alienígenas, estão entre nós, cuidado com discos voadores. AGHH [email protected]

    • flaviomorgen

      27 de outubro de 2011 at 19:51

      Sim, Francisco, continua com as linhas quebradas. É esquisito esse troço de ler
      “esquisito é
      êste de ‘colar do word'”
      Com verbo e predicado em linhas distintas. Como todos os seus outros textos. Como não sou o único a notar, creio que seja um problema da sua digitação, e não das minhas faculdades mentais. Diagnóstico errado, doutor. Abs

  8. francisco ramos

    27 de outubro de 2011 at 08:57

    Detalhe: você não precisa de tietagem de pessoas como o adolescente SANDRO, dá até pena, para massa
    gear sua auto estima.

  9. francisco ramos

    27 de outubro de 2011 at 08:51

    Flávio, não apele ! O que eu apenas coloquei, com bastante clareza, e o meu estilo ao escrever e mesmo
    ao falar é reconhecido por meu amigos, como bastante inteligível, é que um homem da sua envergadura
    intelectual, com quem já aprendi muito, precisa se desvencilhar deste alter ego, o Lula, pois, em minha ma
    neira de entender, êsse impasse está prejudicando sua extraordinária capacidade analítica, que é um dom
    seu. Vide a confusão que você isoladamente aprontou em relação à Bolsa Família. Primeiro você afirmou
    que foi obra de liberais e ultra liberais e disponibilizou o excelente artigo, ao qual eu apenas ponho restrição
    ao leitmotiv (apesar de ser um termo para mim de óperas wagnerianas, você é fluente em alemão e sabe
    muito bem do que estou falando) para implementação dessa medida social: “combater o comunismo”. Depois
    você afirma que Lula não inventou a tal “Bolsa”, quando jamais eu falei coisa semelhante. Numa outra hora
    você afirma que a mesma tem o caráter “esmolista”, para concluir: “se o Friedman aprova, quem sou eu para
    discordar”, ou coisa semelhante. Acabei de reler a minnha última postagem. É um direito seu discordar. Mas
    dizer que não consegue entender, é injusto de sua parte. No geral a sua ideologia é facílima de compreen-
    der, não tanto quanto alguns artigos seus, pois são , por vezes, muito eruditos, com epígrafes em idiomas
    que não dominamos e conceitos complexos que, por sermos inferiores, não conseguimos entender: VOCÊ É
    UM LIBERAL EXTREMADO, para quem, qualquer defensor da intervenção do Estado na economia deve, de
    pois de severamente admoestado pela Congregação da Fé (aquela da Inquisição medieval), ser atirado nu-
    ma belíssima fogueira. Quanto a mim, sou apenas um burro idiota, com baixíssimo quociente de inteligência
    e indigno, portanto, de postar qualquer coisa no “Implicante”. Jamais tive intenção de lhe ofender.

    Abs

    • flaviomorgen

      27 de outubro de 2011 at 17:17

      Continua sendo difícil entender o que você escreve, Francisco. E, aliás, se você não copia tudo do Word e depois cola aqui, por que todo comentário seu tem quebras de linha fora do lugar? Você anda digitando “Enter” no fim de cada linha da caixa de mensagens? Pois não faça isso, é melhor deixar que o negócio se corrija sozinho. E atentei sobre duas coisas distintas: a forma como o programa foi aplicado no Brasil e ainda expliquei motivos tanto para seu sucesso, como para seu fracasso (as áreas urbanas já economicamente fortalecidas). Também em resposta ao alexandre. Creio que até ele entendeu.

  10. Thiago

    27 de outubro de 2011 at 01:38

    Não sei porquê é tão difícil de entender que não se é contra o programa, mas se é contra a forma como ele é utilizado e administrado. Talvez o jeito de raciocinar dos esquerdistas pudesse ser fonte de estudo cientifico sobre a evolução dos seres humanos … >_<

    E lembro de uma entrevista do FHC em que ele comenta sobre o Bolsa Família, o Lula praticamente só deu o nome ao programa, pois no final do mandato do FHC já estavam unificando as bolsa para que o governo pudesse ter um maior controle sobre o programa (nem isso o Lula fez! Ele já pegou a parada praticamente pronta! ¬¬" )

  11. Sandro P

    26 de outubro de 2011 at 22:37

    Flávio,
    Você está ferrado!
    Agora eles atacam em dupla. Hehehehehe

  12. francisco ramos

    26 de outubro de 2011 at 17:26

    UM MOMENTO AÍ LEANDRO ! QUE PAPO É ESSE …”COM A BURRICE DE T O D O S OS COLABORA

    DORES DESSE SITE”. LEIA MINHAS POSTAGENS E ME TIRA DESSA !

  13. francisco ramos

    26 de outubro de 2011 at 17:07

    Flávio: a sua fixação contra o ex-Presidente Lula por vezes turva sua extraordinária capacidade analítica. Por
    um momento, o programa social em questão foi criado por ultra liberais e parece ter funcionado. Em outra a-
    bordagem você atribuiu a aplicação da Bolsa Família no Brasil ao ex-Presidente Fernando Henrique Cardo-
    so, não ficando claro então se êle o fez com propósitos “eleitoreiros, populistas e esmolistas” (em relação ao
    Lula, que deve ocupar cerca 90 por cento de sua implicância, parece não haver dúvida alguma), mas admitin
    do que a distribuição dessa renda criou condições para melhoria generalizada (distante ainda do que todos
    os sere humanos merecem) dos miseráveis. Isto garoto ! As pedras do quebra-cabeça começam a se encai
    xar. Objetivamente, sem idéias pré-concebidas, o capitalismo extremado ( o laissez faire ), controlado pelas
    forças herdadas da ancestralidade animal, não funciona. Leia com atenção esta frase do Sr. Eike Batista :
    “A crise americana decorre em grande parte, por falta do contrôle do Estado sôbre os Bancos”
    Abs.

    • flaviomorgen

      27 de outubro de 2011 at 00:50

      Francisco Ramos, se você considera que meu pensamento é difícil de entender, convido-o a reler o que você mesmo me obriga a tentar escarafunchar alguma coisa que possa ser chamada de “sentido” dessas mensagens. Abs

  14. francisco ramos

    26 de outubro de 2011 at 10:39

    Flávio: por vezes fica difícil lhe compreender. Para o Alexandre você afirma que a Bolsa Família que, segun
    do o próprio artigo que você gentilmente me disponibilizou foi criado por ultra-liberais (“..para combater o co
    munismo…”) não adianta, por deixar um monte de famélicos ainda mais pobres. Para mim você afirma que
    não poderia ser contra a Bolsa Família, pois afinal “o Friedman” é a favor. Não entendi. É muito confuso !
    Ou você é a favor, entendento a natureza e a abrangencia do programa e o seu impacto no mercado inter
    no (isto é Keynes puro !), ou você é contra e fundamenta suas razões. O que não dá, é abrigar em sua cabe
    ça duas posições excludentes. E mais: a concentração de renda no Brasil (a maior do planeta) ameaça sèri
    amente a manutenção do Contrato Social, conforme já alertei neste Blog, ideia esta coadjuvada por vários
    autores de expressão no campo da Economia Política. Para terminar, A Bolsa Familia jogou no mercado milhões, talvez bilhões de reais, robusteceu o consumo interno e, de certa forma, reforçou a blindagem con
    tra a grave cirse econômica que grassa no planeta, com liberais, ultra liberais e tudo.

    • flaviomorgen

      26 de outubro de 2011 at 14:07

      Francisco, eu disse que sou contra a forma como o Bolsa Família foi implantado no Brasil (eleitoreiro, populista, esmolista sem uma porta de saída). Quem sai do Bolsa Família sai mais graças a uma economia que cresce em sua região do que ao programa, especificamente. Note que o Bolsa Família nos EUA pagou mais a cada família. E não, isso é liberalismo puro – não ache que qualquer coisa que dê mais dinheiro para pobre seja social-democracia. Ninguém enriqueceu mais os pobres no mundo do que os lliberais.

  15. alexandre

    26 de outubro de 2011 at 05:39

    Leia essa reportagem que saiu no jornal valor econômico. Não foi muito divulgado em outros jornais por motivos que nós conhecemos. É uma boa notícia. E vc pode até ser a favor do bolsa-família mas tem uma galera liberal que a detesta. Já li várias críticas ao programa (que o programa é eleitoreiro e que incentiva as pessoas a não trabalhar). Aliás a relação entre uma parte da oposição e o bolsa-famílias é ambígua. Tem horas que ela critica e chama o programa de eleitoreiro e assistencialista. Em outros momentos, ela diz que quem criou o programa na verdade foi o FHC e não o Lula. Então o FHC criou um programa assistencialista e eleitoreiro ?

    https://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2011/10/17/renda-sobe-e-2-2-milhoes-de-lares-saem-do-bolsa-familia/

    • flaviomorgen

      26 de outubro de 2011 at 14:01

      Não vi essa reportagem especificamente, mas já vi diversas outras sobre o assunto. Um estudo que vi fala uma coisa meio óbvia: quem recebe Bolsa Família e consegue sair do programa mora em áreas urbanas. Conclusão: só porque a economia JÁ estava mais avançada que as pessoas saíram do Bolsa Família. Senão, vira esmolismo mesmo. É legal dar dinheiro pra população miserável, óbvio (dava pra tirar o dinheiro de todo o Ministério da Cultura e transformar em Bolsas Família), mas se você não diminui impostos, leva empresas e produtos baratos lá pro sertão ou pro Pantanal, não vai adiantar muito.
      Não posso responder por todos os liberais também, e esse argumento de “incentivo a não trabalhar” é de gente, na melhor das hipóteses, muito burra. O Bolsa Família não paga a conta de luz de quem diz isso. Mas, sim, FHC criou muita coisa assistencialista, que joga o dinheiro do contribuinte no lixo (e não, ele passa muito longe do liberalismo), e muitos liberais brasileiros são favoráveis ao Bolsa Família. Exemplo: https://www.ordemlivre.org/2010/02/uma-perspectiva-liberal-do-bolsa-familia/

  16. alexandre

    25 de outubro de 2011 at 19:45

    Se foi um ultra-liberal que inventou o bolsa-família, porque vcs aqui no Brasil são contra ?

    • flaviomorgen

      25 de outubro de 2011 at 23:35

      Eu não sou contra. Sou contra: 1) acharem que foi o Lula que fez, e que antes dele esse país só tinha miserável; 2) o caráter eleitoreiro do programa brasileiro. Não adianta criar uma Bolsa assistencialista que só mantenha um monte de famélicos ainda pobres, sem adentrar de fato a zona economicamente ativa, mas achando que agora possuem um “salvador”.

  17. Be g.

    25 de outubro de 2011 at 14:01

    Não te lamentes nem tampouco te vanglories da MORTE DE NINGUEM CRISTÃO OU MULSUMANO CATOLICO SEJA LA QUEM QUER QUE SEJA são todos criaturas de Deus o Poderoso – na palavra diz: não mataras a opressão exercida por ele quem suportou foi o seu povo- e quem com o ferro fere será ferido pelo fio mortal de uma espada, no final todos são ou somos mortais e pagaremos por boas ou mas obras- é terra por cima e na horizontal.

  18. Sidney

    25 de outubro de 2011 at 09:48

    O Lula para completar a sua safadeza deveria ter lançado em seu Desgoverno a BOLSA CORRUPÇÃO, pelo menos evitaria da PresidANTA Tampão Dilmarionete de demiti-los, pois a pior coisa para o ser humano é demitir os Cumpanheiros.

  19. francisco ramos

    25 de outubro de 2011 at 09:16

    …;”quel seria o mal EM replicar…

  20. francisco ramos

    25 de outubro de 2011 at 09:15

    Daí a vantagem de “brigar” com o Sr. Flávio Morgenstern. É lucro! Excelente artigo do Sr. Alceu Speranza !
    Excelente, sobretudo, no que se refere ao leitmotiv dos capitalistas americanos para implementarem suas
    medidas sociais. Achei genial o tal “imposto negativo”.´Só não entendi qual seria o mal de replicar alguns
    desses programas bem sucedidos aqui no n Brasil, pelo ex-Presidente Fernando Cardoso ou o ex-Presiden
    te Lula. Quem foi o pai da criança é irrelevante. De qualquer forma valeu o belíssimo artigo ! Tanta informa
    ção num artigo relativamente curto.
    Abs

    • flaviomorgen

      25 de outubro de 2011 at 23:34

      Francisco, mas não falei que foi ruim. Eu mesmo sou favorável ao Bolsa Família (se é coisa do Friedman, quem sou eu pra achar ruim?).

  21. francisco ramos

    24 de outubro de 2011 at 18:28

    Bom, Flávio: não me surpreenderia se um ultra liberal criasse qualquer programa da abrangência, por exem
    plo, da Bolsa Família ou similar. Existem pessoas sensíveis e inteligentes capazes de conceber um grande
    projeto social e, por vezes, têm o rótulo de “liberal”. Afinal, a sobrevivência do capitalismo depende muito
    dessas pessoas de visão de longo prazo.
    Dá uma dica ! Cita a fonte onde o ultra liberal, expôe suas ideias de um programa social abrangente.
    Abraços

  22. annette bernardes

    24 de outubro de 2011 at 17:35

    O Molusco foi tao reverenciado e elogiado pela Midia Internacional e pelos lideres Mundiais, nao foi a toa.. Eles sempre elevam o EGO de certas criaturas sem estrutura e Intelecto, por puro Interesse… Somente isso.. Puro interesse Comercial com o Brasil, vide toda essa crise Americana e da Comunidade Europeia… O que sobrou foi nosso Pais , como parceiro comercial… Tudo é interesse… valendo ate mesmo reverenciar o Lula…Quando eles nao precisarem mais, puxam o tapete dele, e colocam ele no devido lugar… Como eles ja tem noçao das amizades Cubanas e Venezuelanas, alem das Arabes, .. com certeza sabem o que esperar desse GRANDE IRMAO>> E LIDER BRASILEIRO>>> Coitado do nosso povo.. tao sofrido, nao bastando nossos SUPER IMPOSTOS, Nossos REPRESENTANTES CORRUPTOS< e todo o descaso com a saude e Educaçao… Nos somos Terceiro Mundo MEsmo e se continuarmos somente com essas BOLSAS de M, que temos no momento, vamos ser pra sempre Terceiro Mundo…com os politicos mais Corruptos e Milionarios do Planeta…

  23. francisco ramos

    23 de outubro de 2011 at 17:14

    Pô Flavio ! Você não encontra mesmo nenhuma, NENHUMA, qualidade no ex-Presidente Lula?

    • flaviomorgen

      23 de outubro de 2011 at 21:28

      Sim, Francisco: ter abandonado o tom socialista que manteve contra Collor e ter mantido todas as (poucas) coisas boas que o PSDB lhe deixou de herança. Incluindo os programas sociais, que só acreditando na propaganda oficial foram criados pelo PT. Aliás, uma recomendação: já que você adora o Krugman, veja quem foi o primeiro ultra-liberal a criar um programa a la Bolsa Família. Você irá se surpreender.

  24. francisco ramos

    23 de outubro de 2011 at 12:56

    Por favor! Onde está escrito “exitaram” leia-se HESITARAM.

  25. Leandro

    22 de outubro de 2011 at 23:27

    Desonestidade pouca é bobagem.
    Mas vamos lá, vamos ver umas fotinhas…
    O ditador com o Berlusconi, ídolo dos direitinhas:
    https://2.bp.blogspot.com/-DZBX7UzjJ3M/TWJEO7JlizI/AAAAAAAAAkM/8BfY4PyGpFI/s1600/kadafi_berlusconi_.jpg
    O ditador agora com o Sarkozy, outro heróizinho fuleiro
    https://blog.foreignpolicy.com/files/sarkozy_5.jpg
    E agora, o ditador com o herói, querido amado salve salve, George Bush:
    https://www.straightblastgym.com/blog/uploaded_images/bush_kiss-761118.jpg

    Agora vai lá, Flavinho leite com pera da mamãe, faça seus malabarismos lógicos e justifique essas fotos.
    Afinal, vocês são burros demais pra entender como funciona a política externa.
    Cada dia que passa eu fico mais e mais admirado com a burrice de todos os colaboradores desse site, meus parabéns de verdade.

    • flaviomorgen

      26 de outubro de 2011 at 14:12

      Leandro, não sou fã de Berlusconni, nem de Sarkozy, nem de Bush. Só o fato de você me considerar defensor de qualquer um desses (e ainda achar que sou rico e criado a leite de pêra da mamãe) já mostra quem por aqui anda fazendo malabarismo lógico. E uma coisa é ter encontro com ditador (coisa que qualquer político faz), outra é chamá-lo de “meu amigo, meu irmão e meu líder”.

  26. francisco ramos

    22 de outubro de 2011 at 21:59

    Flávio. li seu artigo sôbre o Iraque, seguindo o link que você disponibilizou e, provàvelmente foi um dos me
    lhores artigos sôbre o conflito que li. Fica explícito os laços do complexo industrial militar com as campanhas
    eleitorais, apenas para citar um dos aspectos. Detalhe: em nenhum momento eu disse que você não teria
    escrito artigo sôbre o Iraque. Disse, sim, que não tinha lido uma linha sequer , partindo de sua pena, sôbre
    o assunto. Agora já li. Muito bem fundamentado e original.
    Mas você querer desmerecer o Lula, que é reconhecido, até em círculos internacionais, como Estadista, é
    muito rigor de sua parte. Êle tem recebido prêmios internacionais e isto é um dado objetivo. A incorporação
    de milhões de brasileiros na classe média (os empresários babam !) é um feito keynesiano notável e de re
    conhecimento universal.
    Gostaria apenas de acrescentar que, quando era Chefe do Almirantado, o Churchill sofreu fragorosa derro-
    ta em Galípoli, Mármara, sendo defenestrado em 1945 do Cargo de Primeiro Ministro pelos próprios compa
    triotas.(Existe a célebre discussão com o Grande Homem e uma proeminente Senadora Trabalhista no Par
    lamento, que disparou: “Se eu fôsse sua espôsa, colocaria veneno no seu chá”. Ao que Churchill respondeu:
    “E se eu fosse seu marido, eu beberia !”).
    Por outro lado, durante a invasão da Polônia, o seu Grande Estadista, juntamente com o Sr. Daladier, exita-
    ram vergonhosamente em atacar a Alemanha, visto que ela deixara pouquíssimas divisões em suas frontei-
    ras ocidentais, o que, segundo vários historiadores, teria posto fim à guerra. O resultado desta omissão todos
    conhecemos, qual seja a debandada vexatória em Dunquerque ( de 29 a 3 de junho) em direção à Inglaterra.
    Mas não há o que lamentar. Apesar do êrro de cálculo terrível de Churchill e Daladier e mesmo perdendo 27
    milhões de vidas, em 02 de maio Yegorov e Kantaria hastearam a bandeira soviética no tôpo do Reichstag .
    Imagine o Lula cometendo erros que implicariam na morte de milhões de pessoas !
    Mas, inègavelmente, Churchill , sobretudo durante a segunda guerra mundial, foi um líder, corajoso, tribuno
    inigualável, e Estadista, talvez o maior do século !

    • flaviomorgen

      23 de outubro de 2011 at 16:52

      Não disse que Churchill foi perfeito (melhor que não o seja, ou viraria Deus). Mas seus erros se justificam por falhas de cálculo, não por populismo e “prêmios” da organização internacional mais corrupta do planeta – a ONG-mãe, a ONU e seus discursos vagabundos.

  27. butter

    22 de outubro de 2011 at 18:36

    Simplesmente ridículo, jogar duas bombas no japão e matar milhares é heroísmo, matar palestino é segurança….povo medíocre ….. suas alternativas cristãs imbecis não correspondem a nada , vcs nem sabem o que acontece fora a internet de merda que leva a noticia do jeito que ela quer…..estou aqui…o povo chora….nasceu um martir……

  28. ARISTIDES DE OLIVEIRA TORRES

    22 de outubro de 2011 at 08:07

    UM CRIME , COMANDADO PELA QUADRILHA AMERICANA!
    PRIMEIRO FOI O PRESIDENTE DO IRAQUE, DEPOIS O KADAFI (TODOS ELES CONTRÁRIOS A POLÍTICA IMPERIALISTA AMERICANA!
    O MUNDO TEM QUE SE REBELAR CONTRA OS AMERICANOS!
    VIVA FIDEL CASTRO! QUE NUNCA SE CURVOU AO IMPERIALISMO NORTE AMERICANO!
    HUGO CHAVES QUE COMANDA A FRENTE CONTRA O GOVERNO MEDÍCORE DOS EUA!
    NÃO PODEMOS COMPACTUAR COM OS CRIMES DESTES AMERICANOS, VAMOS LEVÁ-LOS AO TRIBUNAL MUNDIAL!
    A ONU, REPRESENTA OS GRANDES , É UMA FARSA QUE ENGANA OS PAÍSES DO TERCEIRO MUNDO!
    O IMPÉRIO NORTE AMERICANO, ESTÁ CHEGANDO AO FIM!
    ABRAÇOS
    SAUDAÇÕES
    ARISTIDES
    ABRAÇOS
    FIDEL CASTRO

  29. Anonimomesmo

    22 de outubro de 2011 at 02:09

    Mahmoud Ahmadinejad deve ser o próximo. Foi “tocado pelo Homem” do Pântano.
    Desgraça certa. (Vide Brasil).
    Ele é um Midas ao contrário.

  30. Walfrido Lourenço de Souza

    22 de outubro de 2011 at 00:27

    É interessante notar como os ditadores e seus simpatizantes reagem. Como esse pulha do Chaves vindo afirmar que “Kadafi será um mártir”. Só se for para ele. O povo líbio que o diga. E não venham tirar proveito para condenar os Estados Unidos como mentores de nenhuma “chacnia” para tomarem o petróleo da Líbia: foi o Conselho de Defesa da ONU que autorizou a intervenção da OTAN, porque viu legitimidade na ação, o povo líbio queria. Tanto que comemoraram a morte de Kadafi com grande estrondo, inclusive os líbios residentes no Brasil e, quiçá, no mundo (fora da Líbia). E os Estados Unidos não participaram! Vê-se que o radicalismo não tem limites. Eu não sou um fanático defensor dos Estados Unidos, mas vejo que o antiamericanismo ultrapassa as raias da loucura. Co mo os “donos do Irã”, que manifestaram a favor da morte de Kadafi mas condenaram a ação da OTAN! Não são mesmo umas bestas radicais?

    • flaviomorgen

      22 de outubro de 2011 at 18:18

      Walfrido, repare que esse discurso clichê que você critica não demorou a aparecer por aqui mesmo – basta ler alguns outros comentários…

  31. willian

    21 de outubro de 2011 at 21:02

    sao tudo farinha do mesmo saco…… infieis

  32. antonio

    21 de outubro de 2011 at 20:28

    A te quando os países que tem como base a democracia ira ficar indiferente perante a incitação de caça e execução de chefe de estado dos países que detém reserva de petróleo.
    A democracia ressa que todos temos direto e deveres .
    Se a moda de caçar e executar pegar podemos ter uma lista de caçados.
    Os países de que tem como base a democracia não devem se desviar do assunto.

    • flaviomorgen

      22 de outubro de 2011 at 18:15

      Dos 15 maiores países exportadores de petróleo do mundo, o único que sofreu intervenção ocidental foi o 10.º colocado (o Iraque), Kadafi caiu por revolta iniciada pela população civil líbia (12.º lugar em exportações) – a ajuda externa só veio depois, e sequer foi responsável pela captura de Kadafi.

      Claro que há um discurso clichê de que os EUA intervieram no Iraque “buscando petróleo”. Curiosamente, o primeiro lugar em que a administração Bush torrou trilhões foi no montanhoso e paupérrimo Afeganistão (que tem menos petróleo que São Paulo). Ninguém também nota que os EUA, mantendo relações amigáveis ou não com o cartel da OPEP, não está tentando dominar a força os maiores exportadores de petróleo do mundo (o que, depois de Arábia Saudita e Irã, inclui países paupérrimos como Nigéria, Angola, Argélia e Venezuela), e ninguém nota que o preço do barril de petróleo aumentou cerca de 500% desde que a guerra do Iraque começou. Se foram para lá atrás de petróleo, parece que não encontraram.

      Curiosamente, os países que mais exportam petróleo são autoritarismos com população pobre: seria até bom para o povo local uma intervenção americana, mas, felizmente, os EUA não se metem a gastar rios de dinheiro em intervenção que causariam uma catástrofe. Lembrando que a única democracia plena exportadora de petróleo do mundo é a Noruega, em 5.º lugar (não faz parte da OPEP).

  33. francisco ramos

    21 de outubro de 2011 at 19:25

    Mas uma vez eu não me fiz compreender. De início vou rerbater esta estupidez de sua parte no sentido de
    que eu comparei Churchill com Lula. É interpretação sua, devaneios cerebrinos. Mas como sei que você é
    uma pessoa dotada de inteligência incomum, vou evitar a palavra descortês “retardismo”.
    Repito, para quem não entendeu ou não se fez entender: a nível de relações de Estado, a liturgia penhorada
    mente agradece se um líder portar-se de forma elegante com outro líder da Nação visitada.
    Responda-me: qual a consequencia desta “amizade” ou “irmandade”, que tanto você insiste em repisar?
    O Brasil tinha interesses comerciais com a Líbia (um sobrinho meu chegou a trabalhar em Benghazi) e zelar
    por esses interesses é função de homem de Estado. Xingar ditadores de direita ou de esquerda, é função
    nossa, não de um Presidente.
    Por outro lado, nunca vi o Sr. Morgenstern, escrever uma linha sequer sôbre a invasão do Iraque (“fundamen
    tada” em quarenta mentiras), que custou a vida de centenas de milhares de vidas iraquianos, incluindo aí o
    inefável Saddam, apoiado outrora, de forma ostensiva, pelos próprios invasores.
    Reitero que não concordo com o enfoque e a superestima que você emprestou às palavras “amigo”, “irmão”
    e “lider”.

  34. Salomão Camalata

    21 de outubro de 2011 at 19:56

    Ate quando a AFRICA terá independencia?

  35. Fernando

    21 de outubro de 2011 at 18:34

    Há uma coisa que chama a minha atenção muito mais do que o fato de o molusco se referir ao ditador líbio como “amigo e irmão” e que ninguém está comentando:

    A morte de Kadafi foi a segunda execução extra-judicial cometida em menos de seis meses. É óbvio que Bin Laden e Kadafi eram irremediáveis facínoras-filhos-da-puta, mas mesmo eles têm direito a um julgamento, assim como teve Saddan. Os preceitos jurídicos mais básicos não devem ser abandonados em função do grau de filhadaputice do sujeito.

    E por que ninguém está falando nada sobre o assunto? A meu ver, a única explicação possível consiste no fato de a Casa Branca ser momentaneamente ocupada por um presidente chamado Obama; ou alguém tem dúvids sobre o escândalo que seria feito caso o presidente dos EUA fosse um republicano?

    As mesmas pessoas que vociferavam contra Bush e que tanto se indignaram com a execução de Saddam – que obteve um julgamento justo – não aparecem agora para condenar a execução exta-judicial de Kadafi. O que só serve para mostrar como os princípios dessa gente são flexíveis e negociáveis…

  36. CARDOSO

    21 de outubro de 2011 at 18:12

    Lula é um puxa-saco sem noção, que o que deseja mesmo é aparecer nas manchetes, sejam elas quais forem. É um ignorante, boçal que infelizmente o “povinho” o colocou como magistrado da nação. Um dia a verdade virá a tona. Lembro que Kadafi já foi o salvador de sua nação e agora, tá apodrecendo numa geladeira de um IML. Aguardem!

  37. Ismael

    21 de outubro de 2011 at 15:42

    Pra mim Lula nunca teve noção das implicações morais de apoiar Ahamdinejad, Chavez, Fidel ou Kadaffi pelo simples fato de não ter norte moral sobre política. Nesse sentido, Lula nunca foi nem será ESTADISTA. Lula se fez à sombra de acordos tutelados pelo regime militar. Mesmo quando estev preso, todso sabiam quem ele era. O próprio Lula se definiu quando disse que a presidência da república era o máximo que um ser humano poderia almejar na vida. Ao afirmar isso se entende como seu amor profundo pelo poder e pela bajulação o joga no colo de tiranetes, os mais medíocres, e hoje o joga no colo de empresários que lhe pagam régias esmolas (ou bolsas cafajestes) para que eel os divirta com seus auto elogios e histórias idiotas dos bastidores do poder. Finalmente, a sorte de Lula foi que nenhum destes ditadorezinhos tenah sido responsável por uma nova hecatombe, mas ainda há tempod e Ahamdinejad estarrecer o mundo com uma nova guerra niclear, aí pelo menos um dos amigos de Lula ficará famoso e nosso Hyundai da política sairá discretamente de banda dizendo, – Quem eu? nunca fui amigo dele….

  38. 5152

    21 de outubro de 2011 at 15:14

    Ahh… diria o Jeca Tatu:
    – Vi o Ronald Reagan na TV, definindo os talibans como “guerreiros da liberdade”.

  39. Mauricio Alves

    21 de outubro de 2011 at 14:10

    Sabemos que temos um grande número de imigrantes árabes em nosso País. Quando teremos um PaTriota, com um DNA líbio que se disponha arrumar, também a nossa casa? Afinal, a República ClePTocrática do Brasil já encerrou o seu SEGUNDO TEMPO. Acorde, Brasil!

  40. Idevam

    21 de outubro de 2011 at 13:50

    Lula pode ficar despreocupado logo logo um outro Tirano vai o ocupar o lugar de Kadafi um istilo Hamadineja do Irã outro irmão de Lula o amigão dos Ditadores e enimigo das Democracias.

  41. maria

    21 de outubro de 2011 at 07:39

    ele deveria ir lá e enterrar o que sobrou do seu amigo,irmão e líder.

  42. Dhiogo

    20 de outubro de 2011 at 23:32

    Depois que o Lula falou que sobrava democracia na Venezuela, eu parei de duvidar dos universos alternativos que ele cria.

  43. 5152

    20 de outubro de 2011 at 22:55

    Kadafi caiu porque se acomodou. Pintava o cabelo e usava botox. Ficou frouxo, ponto.
    E o Lulla? Ahhh… fez turismo de 1ª. classe e proselitismo, alimentou a vaidade, posou de independente e pode ter encaminhado alguns acordos pe$$oais. O q mais esperar de um Presidente do Brasil?

  44. Nãofuieu!

    20 de outubro de 2011 at 22:45

    Cá pra nós, o “sapo barbudo” é um grande estadista, carismático e de uma personalidade incrivelmente magnética, que atraiu milhões ao seu redor, mas que só fazia (e ainda faz) aumentar o rancor daqueles que sempre sabem tudo, mas quando tiveram sua chance (e olha que não foram poucas) só fizeram cagadas e afundaram o país na merda e o entregaram ao FMI para limpar. Nem no mapa estávamos. Lula saiu angariando apoio internacional, simpatizantes de peso e elevou a nossa ex-república das bananas a nível internacional. Quando ele apoiou Zelaya em Honduras, caíram de pau. Se o Brasil permitisse que o presidente deposto fosse entregue aos golpistas para ser morto, é óbvio que o criticariam muito mais. E por aí vai…

  45. francisco ramos

    20 de outubro de 2011 at 20:59

    Flávio, discordo completamente do enfoque do seu artigo. Os homens de Estado têm uma liturgia a seguir.
    Você queria o quê? Que o Chefe de Estado da República Federativa do Brasil tratasse o Chefe de Estado Lí
    bio (Chefe para o bem ou para o mal) por torturador, genocida , terrorista e ensandecido ditador -vide o seu
    último discurso na ONU – o que de fato êle era? No relacionamento entre Estados, aplica-se a pílula amarga
    do pragmatismo. Quem apoiou o Saddam contra o Irã? Fomos nós? E, por outro lado, quantas pessoas o
    Lula matou, quantas torturou? Lula contribuiu, assim como o Prof. Fernando Henrique Cardoso, ou não, pa
    a consolidção da democracia brasileira?
    Veja êste belo exemplo histórico: Churchill, um dos mais anti-comunistas Homem de Estado do século XX,
    que cunhou inclusive , numa Universidade Americana, a célebre expressão “Cortina de Ferro, assim descre
    veu seu primeiro encontro com Stalin: “Vi pela primeira vez o grande Chefe Revolucionário e profundo esta –
    dista e guerreiro russo com quem, nos próximos três anos, eu manteria uma associação íntima,rigorosa, sem
    pre animada e às vezes genial” ( Alexander Werth, A RUSSIA NA GUERRA, Vol. 1, pág 519.. Editora Civili- zação Brasileira, Trad de J.M.Costa, 1966). Por acaso o grande líder inglês nada sabia dos expurgos,das tor
    turas em larga escala, dos crimes inomináveis que transformou este georgionao num dos maiores assassinos
    em massa de todos os tempos? Isto é política, no relacionamento a nível de Estado. Vá implicar com outras
    coisas!

    • flaviomorgen

      21 de outubro de 2011 at 12:28

      Francisco, uma coisa é dizer que você terá uma relação cordial (como metade da Europa teve com Khadafi). Outra coisa é chamar o cara de “meu amigo, meu irmão e meu líder”. Isso é bem diferente de uma relação genial, buscando derrotar um inimigo em comum do porte de um Adolf Hitler. E comparar Lula a Churchill é simplesmente retardismo.

  46. alexandre

    20 de outubro de 2011 at 20:32

    Vc tem toda a razão : O Lula errou em elogiar o Kadhafi e o Armadinejad. Por mais que as relações internacionais se paute por uma certa hipocrisia, não era necessário chegar a tanto de elogar dois ditadores. Mas me desculpe mas o “ditabranda” da folha foi uma coisa horrorosa. Com se ditadura tivesse nível de gradução. Senão vamos falar que existe uma “ditabranda” na Venezuela chavista ? Não há liberdade de imprensa lá e o cara faz de tudo para se perpetuar no poder ! Mas por enquanto não matou ninguém. Aí pelo método folha de sp, seria uma “ditabranda” ? Claro que não.

    • flaviomorgen

      21 de outubro de 2011 at 12:27

      alexandre, a questão apontada pela Folha foi de gradação. Existem, sim, graus de ditadura (a ditadura do Pinochet foi bem mais pega-pra-capar do que a brasileira, que foi bem mais sanguinária do que a venezuelana é hoje, e ambas ainda são brincadeira de criança perto dos fascismos europeus e, sobretudo, do comunismo). Se você afirmar, hoje, que o comunismo matou mais do que o fascismo (cerca de 150 milhões de mortos contra cerca de 15 milhões), as pessoas te olham torto. Foi isso que a Folha quis demonstrar – aliás, ela aponta claramente que a ditadura brasileira foi, afinal, uma ditadura, e não elogiou ninguém, ao contrári do que você afirma. O que não dá é pra cair nos colóquios flácidos para acalentar bovinos de professor de ensino médio e faculdade, que adora tratar a ditadura como fascismo, fala mal de “totalitarismo” e só usa o 3.º Reich como exemplo (não teve nenhum outro?) e acaba defendendo, justamente… o totalitarismo mais sanguinário de todos.

      Aliás, também há graus de democracia: você tem dúvidas de que a democracia inglesa é bem mais consolidada do que a brasileira, que por sua vez é bem mais democrática do que a Bolívia?

  47. Divino

    20 de outubro de 2011 at 17:00

    Que pena,se foi tão bom para o mau poderiamos ter tido um grande estadista para o bem.

  48. Bruno Guerra

    20 de outubro de 2011 at 16:34

    Caros Implicantes,

    O Banco Mundial se solidariza com o site e vem assim “implicar” com o Brasil tb.

    Na sua recente publicação “Doing Business 2012” imaginem…..imaginem qual a posição do Brasil em comparação com o resto do mundo…..dou uma dica: fica naquela coluna aonde já só tem paises de 3º mundo mesmo !!

    Se quiserem fazer uma matéria, segue o link para analise: https://www.doingbusiness.org/~/media/FPDKM/Doing%20Business/Documents/Annual-Reports/English/DB12-FullReport.pdf

    Abr, BR

    • flaviomorgen

      20 de outubro de 2011 at 17:59

      Faltam mesmo algumas análises econômicas por aqui. Se bem que a galera costuma sair correndo quando vê que estou falando economês… :)

  49. Tia Dora

    20 de outubro de 2011 at 15:06

    Eu acho que o MOLUSCO deveria ter o mesmo fim.Acorda Brasil.

  50. Imelton

    20 de outubro de 2011 at 14:17

    EU ACHO QUE O LULA DEVERIA VIAJAR AINDA HOJE PARA A LIBIA E EXIGIR MAIS RESPEITO AOS RESTOS MORTAIS DE SEU AMIGO, IRMÃO E LÍDER.

  51. leo

    20 de outubro de 2011 at 12:56

    Eu não posso avaliar o que aconteceu no Irã. Agora veja, Ahmadinejad teve uma votação de 61% ou 62%. É uma votação muito grande para a gente imaginar que possa ter havido fraude”, apontou Lula.

    Baseado nisso, podemos concluir que aquela eleição em que o Saddam Hussein teve 100% dos votos foi a mais democrática da História, certo?

    • flaviomorgen

      20 de outubro de 2011 at 13:27

      Como todas as do Fidel, com 317 candidatos para 317 cargos.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top