Blog

Protestos em São Paulo e as janelas quebradas: nenhuma preocupação com a tarifa do ônibus

Sob um discurso de “manifestação pacífica” que só por acidente se desvirtua em vandalismo, os protestos escondem uma lógica que nada tem a ver com a tarifa.

Janela do metrô quebrada

“Se você acha que o transporte coletivo é caro hoje,
espere até você ver o que custará quando for grátis.”
— Roberto Chiocca

Os protestos em São Paulo parecem apenas mais um na rotina de protestos interditando a Avenida Paulista. Como já é consabido, manifestantes ocuparam a avenida contra o aumento das passagens de ônibus, de R$ 3,00 para R$ 3,20. Colocadas na perspectiva correta, as coisas tomam outra grandeza.

Barricadas foram armadas, ônibus foram incendiados (tentou-se até invadir a garagem de uma companhia no parque D. Pedro), a principal avenida do hemisfério teve todas as pistas fechadas, estações de metrô foram destruídas, lixeiras pegaram fogo, palavras de ordem e discursos de políticos foram proferidos, símbolos revolucionários foram pichados e bandeiras de partidos políticos comunistas pregando marxismo desabridamente foram vistas por todos os lados comandando a revolta.

Fazendo as contas, o aumento de R$ 0,20 (meia pra estudante) dá R$ 146 por ano (ida e volta), R$ 73 pra estudante. Quanto gastaram no protesto hoje? A conta simplesmente não bate. Incrivelmente, absolutamente nenhum jornalista até agora parece ter feito a mesma conta e concluído o inescapável: este protesto nada tem a ver com o preço da passagem.

Sob um discurso que conquista até os jornalistas que estão narrando a própria violência (como o aumento da passagem), propaganda partidária do PSOL, PSTU, PCO, UNE (comandada pelo PCdoB) e afins grassaram a olhos vistos.

Quando atos de violência destróem o patrimônio da população, reivindicando algo que custa muito menos do que o próprio protesto, cabe sempre fazer três perguntas, que nos dão o prisma completo da situação: quem quebra? Quem paga? E, se quem quebra e quem paga são pessoas distintas, quem sai ganhando com isso?

Quem quebra

Existe uma famosa teoria de criminologia chamada Teoria das Janelas Quebradas. Basicamente, ela diz que se um edifício tem janelas quebradas por vândalos, a tendência é que outros vândalos quebrem mais janelas. A lição óbvia é para consertar os problemas enquanto são pequenos para evitar vandalismo. A lição óbvia, mas nem sempre lembrada, é que um crime que cause algum resultado (nem que seja chocar a sociedade) é imediatamente repetido (vide os casos recentes de pessoas queimadas por não terem tanto dinheiro quanto os ladrões queriam – três apenas nos últimos 2 meses).

facebook lança

Os comentários deixados no ar basicamente se resumem a uma cantilena repetida ad nauseam: “Sou a favor de protestarem, mas não pode haver vandalismo”. Os organizadores destes protestos não são ingênuos a este ponto: sabem muito bem que a pancadaria vai acontecer – do contrário, seu lema não seria “Se a tarifa não baixar, a cidade vai parar”. Não é claro o suficiente? Dêem o que eles querem, ou as pessoas da cidade, inocentes, trabalhadores, terão a vida infernizada.

protesto pm linchadoIsto é uma forma de reivindicação chamada terrorismo. A tática do medo generalizado, da destruição em massa, do pânico social. É o mesmo que o “flanelinha” que cobra para que o seu carro, estacionado na rua, não seja destruído, mas feita em grandes proporções, a ponto de virar notícia. Era o que Lenin chamava de “propaganda armada”. O governante, diante de atos de terrorismo, pode aceitar o delicado pedido ou reprimir manifestantes espalhados, que não são um exército uniforme longe de civis inocentes como numa guerra. Qualquer atitude que tome, os terroristas saem ganhando e posando de heróis sociais e vítimas da truculência obscurantista, quando eles causaram a violência.

É a já comentada “agressão mínima”, como bem definida pelo professor de filosofia da USP João Virgílio. Cria-se uma situação de incômodo máximo, de impedimento completo da normalidade, que só pode acabar com alguma reação com alguma violência. Imediatamente passa-se a criticar a agressão de revide, posando-se então de vítima. Como foi com o surpreendente caso do PM que quase foi linchado pelos terroristas (vídeo impressionante, vejam). Enquanto isso, conforme relato da Folha, outro vândalo “desferiu cinco ‘voadoras’ até conseguir quebrar um dos vidros da entrada da estação Trianon do metrô. Após destruir o vidro, sacou seu iPhone e registrou o feito.”

protesto galaxy 2

Essa violência, como janelas quebradas (nesse caso, não em sentido figurado), tende a ser repetida, cada vez com força maior. Quando se tem um projeto de poder abertamente comunista (é a tal “Juventude Marxista” que está lá, fazendo propaganda dos partidos políticos PSOL, PSTU, PCO, da UNE controlada pelo PCdoB e apaniguados), não se pode pregar simplesmente uma Revolução violenta. Toda a população tem horror ao que essa gente defende (e não costumam ter 1% dos votos). Todavia, a cada motivo encontrável para fomentar uma revolta, mesmo um motivo cuja conta não feche como os centavinhos do ônibus, estarão lá os partidos fazendo propaganda, aprendendo com Gramsci a comer o poder pelas bordas e se meter nas frinchas do Estado aos poucos, ao invés do papo de armas e casernas de Lenin.

protesto marxista

Não é à toa, portanto, que os organizadores desses protestos sejam os mesmos que usam de uma retórica de relativismo moral absoluto quando crimes acontecem. Porque o objetivo final dessas manifestações não é outro senão minar o poder constituído (a chamada “lei burguesa”) e a cultura de certo e errado que o sustenta.

protesto-pstu incêndioQuando dentistas e motoristas são queimados vivos por não terem muito dinheiro quando são assaltados, estes formadores de opinião acabam por retirar a culpa dos bandidos de maneira cuidadosa, pelo choque que aquilo causa à população (como o blogueiro do UOL Leonardo Sakamoto dizendo que é uma fatalidade, que quem fez isso deve pagar pelo que fez, mas apenas criticando a sociedade e terminando paradoxalmente afirmando que não acredita que exista culpa). Entretanto, este é um crime individual, que exige muito sangue frio, e apenas posteriormente se tem uma multidão de formadores de opinião aliviadores e a portadecadeiosfera para defendê-los de maneira não muito direta.

Contudo, isso gera uma sensação de liberação da violência. Vide quantos vândalos, com muitos hormônios e pouca responsabilidade, se jactam dos atos que cometeram até no Facebook? Ninguém (ainda) tem coragem de dizer “queimei um dentista hoje!”, mas encontramos no Facebook quem diga “queimamos 2 ônibus hoje!”, com comentários reclamando de terem tirado as pessoas do ônibus antes. Que tal lembrar que essa é apenas uma forma retórica bonita para não dizer “queimamos vários inocentes de uma vez hoje”?

protesto queima onibus paulo 1

protesto queima onibus paulo 2

Estes partidos políticos estão pouco se lixando para o preço da tarifa. Se assim o fosse, a UNE, controlada pelo PCdoB, não precisaria estar nas ruas com… bandeiras da UNE e UJS (igualmente do PCdoB). Poderia apenas mandar um e-mail para a vice-prefeita, por sinal prefeita em exercício enquanto Fernando Haddad está em Paris, que é do próprio PCdoB, e pedir pra conversar. Eles não querem conversar. Eles querem desgastar o governo e fazer propaganda partidária e comunista.

protesto une partidos

protesto ujs n

Fazendo seus forrobodós apenas quando há uma causa inatacável por trás (como preços altos, que ninguém, afinal, quer pagar), até mesmo as pessoas mais contrárias à violência e à concentração de poder através de violência caem na esparrela do discurso bonzinho, e separam a organização de um protesto da violência que esse próprio protesto gera, protegendo a causa alardeada – ou seja, acreditando em propaganda partidária, tão somente porque ela é feita no meio da rua, e não no horário eleitoral. Não importa que slogans, palavras de ordem, discursos revolucionários de candidatos por partidos sejam proferidos, ou que símbolos, faixas e bandeiras comunistas sejam hasteados e apareçam até no Jornal Nacional, na cara de todo mundo: enquanto ainda falam em “manifestantes” neutros, aparentemente ninguém percebe que o objetivo da manifestação, afinal, não tem a mais remota conexão com o preço da tarifa de ônibus.

protesto filmar manifestação

Como bem definiu Janer Cristaldo, o protesto, “na verdade, só beneficia o atual prefeito. Haddad apela a Dona Dilma – como já apelou – e, se esta se digna a soltar algum lastro, ele se transforma no prefeito que foi sensível aos apelos populares”. Mais uma vez, os ideólogos que sabem fazer controle social como quem joga Sim City saem ganhando de um jeito ou de outro. Não há “sonhos” românticos nem utopias: há vandalismo e inconseqüência. Os organizadores, até um “estudante” de 19 anos, não ganharam as primeiras páginas dos jornais, não deram suas primeiras entrevistas para a imprensa na vida? Acham que isso não teve mais impacto na vida deles do que 20 centavos a menos por dia, aproximadamente 25 vezes menos do que dão para um trombadinha não riscar o carro do papai na balada do fim de semana?

protesto corpo

Se fosse possível desvincular o protesto da violência, não veríamos Leonardo Sakamoto reclamando de alguém sugerir um protesto onde não haveria quebra-quebra e não se atrapalharia a população, como o Parque do Ibirapuera (e por que atrapalhar a população inocente, senão com o objetivo de ter quebra-quebra?). Nem veríamos, nas páginas dos organizadores da baladinha, até uma enquete discutindo se é para ter vandalismo ou não (!!!).

protesto enquete vandalismo 2

Quem paga

Outro teórico que também tem uma teoria sobre janelas quebras é o grande economia Frédéric Bastiat. Em seu livro O que se vê, o que não se vê, Bastiat explica sua teoria de economia justamente com uma vidraça quebrada.

Teorias com aparentes excelentes intenções como a social-democracia costumam querer criar empregos artificiais, como compilados na famosa idéia de Maynard Keynes: é preciso pagar para algumas pessoas cavarem buracos e outras para tapá-los. Curiosamente, costuma-se pensar que a social-democracia enriquece os pobres ao invés de mantê-los sem oportunidades, mas ninguém pergunta por que essa teoria mantém os trabalhadores geradores de riqueza pagando para manter operários e, por que não, até quem limpa banheiros em suas pobres funções.

Você acha que alguém limpou o lixo pós-protesto, ou deixaram para os garis?

Você acha que alguém limpou o lixo pós-protesto, ou deixaram para os garis?

Bastiat mostrou o erro, através da superstição comum de seu tempo (de que uma vidraça quebrada gera riqueza, porque garante o trabalho do vidraceiro). O que uma pessoa gasta com o novo vidro, afinal, ela gastaria com outra coisa, se a janela não tivesse sido quebrada. Assim, se vê uma relação econômica (a compra de um novo vidro) e não se vê outra (a compra que poderia ter sido feita).

Ora, o tal “Movimento Passe Livre”, que organiza a patifaria, tem a idéia francamente panaca de haver “condução de graça”, idéia que nem o mais radical dos regimes comunistas tentou pôr em prática. O preço da tarifa é calculado através do preço pago pelo usuário, mais subsídios. O subsídios são “concedidos” pelo Estado, com o dinheiro que arranca da população (não é da carteira do Haddad que sai). Diminuir o preço da passagem é aumentar os subsídios – ou seja, fazer a população pagar de todo jeito, mas sem saber quanto está pagando. Pior: para o Estado e sua estrutura fechada, cheia de corrupção. O que é mais sensato, senão diminuir subsídios, que acabam financiando empresas cupinchas da prefeitura, com um cartel livre de concorrência – o que impede que outras empresas entrem no mercado com serviço mais barato e mais eficiente, mas não podem por causa do monopólio do Estado?

Então privatiza essa porcaria, fia!

Então privatiza essa porcaria, fia!

Escondendo a conta de quem paga a cota, é possível realizar outro truque que as pessoas de esquerda cometem sem perceber: a inversão radical de sujeito e objeto da ação humana. Como fazem no caso de um assalto frio (a culpa é da vítima, porque ela “ostentou”), assim também podem inverter direitos: pedem por bens públicos destruindo patrimônio público, pedem direito de ir e vir atrapalhando o direito de ir e vir das pessoas e até mesmo consideram que o tal direito significa que toda a população tem obrigação de lhes pagar sua passagem.

protesto ir e vir

Fica-se a dúvida: para passagem grátis São Paulo-NY, temos de quebrar o quê? Afinal, de celulares até uma carona, o que é fomentado é uma cultura de hedonismo, em que a distância entre o desejo e a conquista do objeto desejado deve ser encurtada à força, e às custas alheias. Assim, a vontade de gratuidade e a lei do menor esforço (até para descobrir quem paga a conta) de jovens pouco inteligentes se torna poderoso instrumento de achincalhe político. Obviamente que eles próprios contarão a história.

Óbvio, pedem alguns centavinhos a menos sob slogans batidos, e causam prejuízos astronômicos. Destróem bancas de jornais, portas de lojas, causam engarrafamentos (poluição e gasolina queimada), além do rastro de destruição com pichações de símbolos comunistas para todos os lados. Destróem o que deixarão para o povo pagar, dizendo que lutam pelo povo – para se ter uma idéia, cada barril que incendiaram em uma animada algazarra, sob bandeiras tremelicando o número de suas legendas, custa mais de R$ 700. Os cones saem pela bagatela de R$ 112, o que pagaria mais de um ano e meio de passagem para um estudante. Enquanto isso, fazem tranqüilamente propaganda partidária no meio do caos que criaram, sabidos de que ninguém investigará se estão infringindo o art. 243 do Código Eleitoral. PCdoB, PSOL, PSTU, PCO e congêneres podem dormir tranqüilos depois da divertidíssima festinha dessa semana.protesto psol incendio

Quem ganha

Claro que as dezenas de milhares de pessoas que vão à manifestação não têm um mínimo lampejo do que está acontecendo. Se consideram no máximo de sua “consciência política” por não querer pagar a mais pelo ônibus (este óbvio que um neném já tem consciência). Apenas são massa de manobra útil a quem organiza as pessoas, os ânimos e os confrontos.

Os partidos, demonstrando um desprezo monumental pelo preço da tarifa de ônibus, demonstram apenas querer poder para o partido. Não é à toa que estão mais preocupados em “repetir Porto Alegre” (o caos que instauraram na cidade) com bandeiras até com o número de votação do PSOL do que fazer algum comentário sobre quem vai pagar a gasolina para os ônibus andarem. Afinal, por que não protestam contra a Petrobras, ou pedem para mais empresas privadas poderem competir e oferecer serviços mais baratos, ao invés de um cartel criado pelo próprio governo com suas concessões?

protesto juntos

Aliás, como mostrou Reinaldo Azevedo, a Associação Alquimídia, que é dona do domínio na internet do Movimento Passe Livre, que organiza essa manifestação, recebe verba da Petrobras, do MinC e da Lei Rouanet. E será mera coincidência que paulistas queiram “repetir Porto Alegre” com tantas bandeiras da associação Juntos!, do PSOL, quando o domínio do negócio é da própria Luciana Genro?

protesto luciana genro

Além de uma nova roupagem para a violência como arma política (o que Herbert Marcuse chamava de “tolerância revolucionária”), os discursos e os atos das massas coordenadas pela esquerda são unificados apenas com vias a garantir a unidade do grupo e seu fortalecimento. Vide que todas as pessoas, quando comentam o acontecido, precisam se justificar. É de se duvidar que alguém tenha ouvido uma única pessoa não declarar sua opinião na base do “Protestar é legítimo, mas sem vandalismo…”, como se fechar todas as pistas da principal Avenida do hemisfério não fosse, justamente, conquistar um território onde tudo se torna lícito longe da polícia.

Os atos dos manifestantes, não fazendo sentido economicamente, mas conseguindo granjear uma larga massa de manobra, apenas marcando quem é do grupo contra quem não é – ainda fortalecidos por um tema sensível, o que faz com que ninguém se posicione contra o protesto em si (só contra “o vandalismo”, como se fosse um desvio, e não o objetivo verdadeiro do próprio protesto). Não importa que usem de fatos que se contradizem, fora a conta econômica que não bate.

Flávio Gomes, por exemplo, é um sujeito único no mundo. Todas, absolutamente todas as suas opiniões sobre Fórmula 1 parecem as mais sensatas possíveis – nem Koen Vergeer ou Dennis Jenkinson, muito mais bem informados, costumam ter opiniões tão acertadas. Aí Gomes sai das pistas e… nunca fala uma única coisa que preste. Sobre os protestos, para defender “alguma coisa” indefinida, saiu-se com essa:

tweet flaviogomes 01

Claro que Flávio Gomes sabe que a tal “juventude direitosa” não fecha avenidas nem hasteia bandeiras comunistas e de partidos de extrema-esquerda, portanto, estava apenas tentando limpar a barra dos esquerdistas que causaram o furdunço. A função de sua frase não era nem exatamente ser contra o protesto, mas apenas garantir a seus amigos limpinhos: “até parece que a violência seria de esquerda, se começa o quebra-pau, naturalmente vire de direita”..É só ver uma foto do Estadão para tentar analisar se “direitosos reaças” usam bandeiras comunistas tão apreciadas por Flavio Gomes:

protesto comunas

Horas depois, Gomes sai-se com essa:

tweet flaviogomes 02

Como disse o @roberto_alm, mas não era a “juventude direitosa reaça” que estava no protesto? É a tal “direitona” que adora quebrar coisas, ferir pessoas e incitar o caos pela cidade? Pela lógica, isso é um paradoxo evidente, mas serve ao pensamento dialético de pessoas preocupadas tão somente em proteger seu partido: se o protesto tem causa justa, é de esquerda. Se mostra sua real cara, basta dizer sem motivo algum que é “de direita” (o inimigo do grupinho). Se o resultado foi ruim, é de esquerda, mas dá munição para a direita (?!). O que importa é proteger o grupo com a mentira que for a todo custo.

Obviamente, Gomes parte da confusão entre significante e significado dos termos “esquerda” e “direita” sem se perguntar, afinal, “what’s left?”. É assim que a esquerda trabalha: dividindo a sociedade com discursos prontos e unificados pelo dog whistle, como já explicamos aqui. Assim, toda vez que você critica algo, mesmo a maior violência (e cada vez conseguem mais violência, como mostra a teoria das janelas quebradas), acaba automaticamente caindo em outro grupo, pelo discurso deles. Vira “direitoso reaça”, “tucano”, “fascista”. Tem sempre de justificar por que discorda de algo facilmente discordável, e é associado com o que mais odeia ser associado. É assim que a esquerda nos domina e nos prende.

E é por isso que esses protestos existem. Não por 20 centavos.

Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 50% OFF (com desconto máximo de R$ 20) em 3 corridas.

451 Comentários

451 Comments

  1. Mariana Corrêa

    24 de junho de 2013 at 22:23

    Muito bom o texto! Concordo plenamente mas isso foi há dias atras e o rumo das manifestações mudaram, as bandeiras de partidos cada vez mais extintas pois o próprio povo não tem permitido.o que vejo hoje é a mídia lavando acabeça das pessoas com o vandalismo que propriamente dito não é feito pelo manifestante que não ganha nada com isso, estou feliz pelo rumo dos protestos terem mudado hoje temos uma causa maior que 0,20 que o tal do Passe Livre defende e agora com este texto entendi a palhaçada que fizeram até chegar a Dilma!

  2. Fabiane Monteiro

    23 de junho de 2013 at 09:59

    Que coisa, não? Há pouco li um artigo que atribuía a violência das manifestações a uma direita fascista que, ajudada pela rede Globo, estaria querendo distorcer as verdadeiras razões que levaram tanta gente às ruas, citando a hostilidade sofrida por partidos de esquerda. Você, ao contrário, atribui a violência das manifestações aos partidos de esquerda, como se fosse uma espécie de conspiração comunista. O protesto é apartidário, portanto não pode ser vinculado a qualquer partido. Se tem gente da esquerda ou da direita aproveitando-se da situação, em alguns lugares do país, é porque a situação meio que fugiu do controle. Aliás, nem existe mais esquerda e direita, em um país em que todos os partidos se unem quando querem garantir um lugar no poder…

  3. Ana

    21 de junho de 2013 at 22:39

    Flávio,

    Gostei de teu texto e estou me sentindo muito oprimida por ser uma jovem avessa às manifestações e, por isso, fico muito ansiosa com tudo isso que está havendo e me cansam. Os acusadores em questão se utilizam de frases prontas industrializadas pela própria mídia. Já estou com medo de expressar minha opinião contra tudo isso. A questão é: O que fazer e oque dizer a essas pessoas que não tem por cidadão expressivo, aqueles que não apoiam essas manifestações escandalosas, para fazê-los compreender esta posição?

    Grata,
    Ana.

  4. Isadora

    18 de junho de 2013 at 22:59

    Concordo muito com esse texto!!
    Para mudar o país é necessário EVOLUÇÃO e não REVOLUÇÃO!!
    O que muda um país não é sair quebrando tudo se dizendo contra violência, corrupção e levantando bandeiras partidárias e fazendo propaganda política, é você estar atento no momento que você esta votando, você conhecer quem você esta elegendo para ser nosso presidente, você pelo menos ter uma noção mínima de política,
    afinal, mesmo sendo um assunto que muitos não se interessam é o que diferencia aqueles que votam para políticos que nos trazem benefícios ao invés de cotas – que torna o povo ainda mais dependente do governo – daqueles que votam para políticos “carismáticos” que dizem querer tirar o pobre da pobreza mas acaba dando a eles “benefícios” que os deixam estagnados sem possibilidades de crescer economicamente (dá comida na boca, com bolsa tudo ao invés de dar educação que torna o indivíduo independente capaz de procurar emprego e não viver às custos dos outros).
    Eis o momento onde vai ter certas pessoas que vão falar coisas tipo “é, e ser explorado pelo porco capitalista!”. Esse argumento é uma das razões porque as pessoas deviam procurar saber mais sobre política! Empresas com benefícios do governo que são partidárias e roubam para chegar no topo são empresas corporativistas! Para uma empresa ter a possibilidade de se aliar com o governo de tal forma, não se pode ter um livre mercado (ESSÊNCIA do Capitalismo). Corporativismo necessita de um grande poder de Estado (o que a esquerda presa).

    O que acaba acontecendo com uma revolução é você tirar quem esta em poder e colocar aquele sujeito que subiu na cadeira no meio do jantar exigindo seus direitos em um tipo de pedestal. E se por um acaso acontecer de um desses partidos conseguirem o poder?
    Nossa que puta democracia ein! Aposto que é o que todo mundo queria já que não foi necessário o meu voto nem o do resto do Brasil.

  5. josé

    18 de junho de 2013 at 18:32

    Essa penultima imagem que mostra detalhes do domínio juntos.org.br pdoe ter sido alterada pois acabei de fazer a colsulta no registro.br e lá constam os seguintes dados:

    domínio: juntos.org.br
    entidade: ASSOCIACAO 19 DE SETEMBRO
    documento: 010.781.229/0001-64
    responsável: Evelin Minowa

    Para confirmarem essa informação basta acessar ww.registro.br digitar o dominio e clicar na opção Whois.

    Abraçosa todos e #vemprarua

  6. Fabricio

    17 de junho de 2013 at 19:23

    Muito bem escrito o texto e bem detalhado, gostei :)

  7. Gabriel

    17 de junho de 2013 at 01:30

    Li tudo. Tenho o meu direito de não concordar, óbvio. Qual seria a solução da situação, então?

  8. Junior Rocha

    16 de junho de 2013 at 20:06

    Mais uma tentativa de Flávio Morgenstern e Cia. do Implicante em descaracterizar movimentos. Vai e se junta a Jabor e boa parte da imprensa na lista dos insignificantes da sociedade.

    Imagine se esse protesto fosse na Espanha, Grécia, Turquia, Síria, com certeza teu ponto de vista seria outro? ou não?

    • Flávio Morgenstern

      17 de junho de 2013 at 12:07

      Não.

  9. Daniel

    16 de junho de 2013 at 19:19

    Comecei a ler o comentário da Karen e parei na quinta linha. Ela, acredito, é um bom exemplo da juventude desprovida de talentos intelectuais, que acreditam piamente na propaganda comunista inserida na sociedade através de tantas décadas.

    Querida, entenda de uma vez por todas: os manifestantes não tiraram os rabos do sofá em defesa de nenhum direito. Eles o fizeram, sim, para defender os partidos comunistas por trás desses protestos. Conscientemente ou não.

  10. Liana Netto

    16 de junho de 2013 at 19:15

    o brasil não merece o Brasil!

  11. Liana Netto

    16 de junho de 2013 at 18:56

    Eu queria é ver esse povo todo protestando para levar a Dilma ao Impeachment. Ela e toda a corja. Eu queria ver todos eles no dia do basta, no masp, protestando contra o pec. Mas eu duvido muito… tive que rir de cada comentário abestalhado e sem fundamento que eu li por aqui…

    Abraços.

  12. Liana Netto

    16 de junho de 2013 at 18:53

    Flávio,

    muito bom esse artigo, vale a pena ler inclusive cada um dos comentários contra e a favor! Isso sim é falar com propriedade… cada uma das respostas aos comentários conseguem ser melhor ainda! Tudo que falei até agora a respeito desses protestos… concordo em gênero, número e grau. E o que fica é um imenso ponto de interrogação: até quando o Brasil vai ser ignorante politicamente falando?

    Tive que compartilhar… muito sábias as suas palavras!

    Simplesmente DEMAIS!

    • Flávio Morgenstern

      17 de junho de 2013 at 12:08

      Liana, muito honrado com suas palavras! :)

  13. Juliana

    16 de junho de 2013 at 17:07

    Li o texto inteiro e alguns comentários também. Muito cansativo e repetitivo.
    Discordo de você e espero que respeite a minha opinião e sabe porque? Não é o dono da razão!!!
    Acho muito triste pessoas como você, perderem tempo criticando a manifestação.
    Você é daqueles que critica tudo,
    PORQUE AO INVÉS DE CRITICAR A MANIFESTAÇÃO, VOCÊ NÃO DÁ UMA SOLUÇÃO? PORQUE AO INVÉS DE ABORDAR OS PONTOS NEGATIVOS DA MANIFESTAÇÃO, OPTOU POR EXPOR A OPINIÃO DA MÍDIA?
    CARA SE EU QUISESSE LER ESSE TIPO DE REPORTAGEM, EU LIGARIA A TV..
    As pessoas cansaram de aceitar pacificamente o que o governo quer impor. A minoria usou de violência querido, procure se informar.
    Grande perda de tempo minha passagem por aqui!!

    • Flávio Morgenstern

      17 de junho de 2013 at 12:09

      Opa, me avise quem na “mídia” está dando a mesma opinião que eu, pois preciso parabenizá-lo por finalmente fugir do lugar comum.

  14. Karen

    15 de junho de 2013 at 21:44

    Comecei a ler seu texto, mas tive que abandoná-lo na metade devido a tanta opinião esdrúxula escrita. Certamente, deve compilar com os mesmos ideais hipócritas de Arnaldo Jabor. Que população se revoltaria com o aumento de 20 centavos numa passagem? Tantas vezes a gasolina subiu, os impostos aumentaram e ninguém falou nada? O que acontece é que ninguém antes teve a coragem de tirar a bunda do sofá pra fazer alguma coisa. Falo como estudante universitária de uma instituição federal e parece que só lá aprendemos a ver fatos com outros pontos de vista. Por que será que estudantes da USP se manifestaram? Não é porque são maconheiros baderneiros, mas acho são as verdadeiras cabeças pensantes da maior cidade do Brasil. Há poucos meses houve uma greve dos professores federais que reivindicavam melhoria salarial e melhores condições de trabalho. Isso porque salas faltam carteiras, condições de conforto, falta material, falta produtos de higiene nos banheiros, faltam recursos, os restaurantes universitários não funcionam como deveriam, o professor é mal remunerado (salvo a minoria com doutorado), falta patrocínio e investimento, falta SEGURANÇA dentro da universidade. É o mínimo exigido pra uma classe que há 5 anos não recebeu reajuste salarial nem da inflação. E alguém soube disso? Alguém apoiou isso? Foram 4 meses sem aula para absolutamente nada! Prejudicados eles, prejudicados nós. Claro, porque quem não precisa desses serviços não precisa se importar. Agora, quando jovens vão às ruas com o pretexto inicial de querer justiça no preço de uma tarifa de transporte urbano, e é reprimida com violência, a causa toma uma proporção maior. Se você não enxerga que o que se busca é uma melhoria EM TODOS OS SETORES PÚBLICOS, meu querido, você é muito conformado. Se não forem eles lá tomarem balas em prol de uma melhoria para a população, você vai? Claro que não! É desgastante ver tanta comodidade e ninguém fazendo nada. Agora parece que uma parte da população acordou e ajuda como pode. Isso deve bastar para fomentar outras manifestações em outras cidades. Existem sim vândalos em meio a isso tudo, mas são minoria, só lutam com as armas que têm. Só não pense, meu caro, que essa luta é por mero capricho ou vaidade. Tem gente sim querendo que as coisas melhorem. E como já diziam, “se não for pra ajudar, não atrapalhe.”

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 22:16

      O que se busca é poder para partidos políticos. Basta terminar de ler (e aí sim tentar contra-argumentar).

    • Hay

      16 de junho de 2013 at 14:53

      Um dos membros do tal “Tarifa Zero” disse que pessoas presas tiveram a fiança paga com dinheiro da Conlutas (e da UNE, se não me engano). Se no seu mundo mágico das bolinhas a Conlutas é um movimento apartidário que só luta contra a corrupção… então tá, né…

    • Guevara de Calcinha

      16 de junho de 2013 at 19:23

      Karen,
      Greve de estudantes? Você não tem vergonha de você mesma?
      Segurança na USP? Quem vai fazer? As SA ou a SS – você nem deve saber o que é isso. Devia estar de greve na aula de história. Ou talvez você saiba exatamente o que significa isso e quer que a milícia do Maduro faça sua segurança.
      Se você acha que quebrar ônibus e metrô resolve alguma coisa, seu lugar é em Cuba, na Coréia do Norte ou algo que o valha.
      Você odeia a sua liberdade. Odeia as oportunidades que têm num país ainda livre.
      Vai lá, quebre uma estação, depois fume um beck. Parabéns pelo seu conceito irado de cidadania.
      Você não sabe nem tem idéia de como as riquezas de um país são produzidas. Não sabe o quanto outros povos sofreram e morreram para garantir a liberdade no ocidente – isso mesmo, no ocidente onde você vive. No oriente você estaria condenada a andar debaixo de um pano. Teria vergonha de ser mulher. É no ocidente que você pode escrever essas baboseiras – “greve de estudantes”.
      Mas como você odeia a sua liberdade, você pode tentar a sorte aqui pertinho mesmo, na Venezuela, na Bolívia…
      Ah, e tem mais, quando ninguém mais puder defender a sociedade, quando gente bem pior que você decidir que não basta botar fogo em ônibus, será tarde demais… Já terão ceifado os direitos. Nem mesmo greve de estudantes – hahahaha – será possível. Decidirão por você que música ouvir, que roupa vestir, que partido (único) apoiar… E você se lembrará do dia em que achava bonito greve de estudante e botar fogo em ônibus… E terá vergonha – e culpa.
      Obrigado por cuspir na liberdade que outros garantiram para você. Parabéns por apoiar a destruição dos meios públicos que sua empregada usa.

  15. Como Ousa?

    15 de junho de 2013 at 17:23

    Engraçado é que aqui mesmo no Implicante, tem postagem contradizendo este artigo… acho que o pessoal da equipe não conversa muito..

    https://www.implicante.org/blog/o-grande-protesto-nacional-nao-e-sobre-passagens-de-onibus/

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 22:03

      Não, isso se chama pensar com a própria cabeça ao invés de ser pau mandado de pauta que vem de cima. Mas até eu divulguei o Gravz por onde pude, no que ele me “contradisse”? Falou que a manifestação é nacional (portanto, nada a ver com a tarifa) e… ehrr… nada tem a ver com a tarifa.

  16. raimundo

    15 de junho de 2013 at 16:19

    beleza, pelo seu texto a grande maioria (ou senão todos) praticaram vandalismo, agora não entendi uma coisa. como um grupo de 10 MIL PESSOAS consegue quebrar algumas lixeiras, INCENDIAR UM ônibus, QUEBRAR ALGUMAS VIDRAÇAS. SINCERAMENTE NÃO ENTENDO ESSA SUA LÓGICA! se de fato a maioria (ou todos como vc confirma) fizesse o vandalismos, o SP estaria em ruinas! tu acha que 600 policiais teria alguma chance de segura DEZ MIL PESSOAS fazendo vandalismos? claro que não!!!

  17. Ricardo Wagner

    15 de junho de 2013 at 14:34

    Desculpe-me, Flavio, mas ainda continuo a achar o manifesto do KY quentinho mais fenomenal. ;-)

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 21:49

      Nunca chegarei naquele nível. :P

  18. Victor S

    15 de junho de 2013 at 14:30

    Agora eu sei de onde eu já tinha visto seu jeito de escrever. Reinaldo Azevedo. Me recuso a comentar sobre ele.
    Andei vendo seu site e percebi que você é aquele tipo de pessoa que escolhe uma posição em determinado assunto e acaba ficando obcecado. Qualquer opinião que não venha do “seu lado” não é nem avaliada, simplesmente já é vista como errada. Já recebe a noticia pensando que argumentos usar contra e quem vai receber a culpa. Vou me retirar pois sei que discussões com pessoas assim não levam a nada.
    Eu e minha “crença” formada por pensamentos baseados na psicologia encerramos o assunto.

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 21:48

      Sua única referência não-esquerdista é Reinaldo Azevedo. Tudo o que for claramente anti-esquerda será Reinaldo Azevedo. Você nunca saberá diferenciar alguém que se inspira por H. L. Mencken de alguém que se inspira por G. K. Chesterton, porque pra você o estilo não conta – só o conteúdo “não é a esquerda, a única coisa que leio”. Que dirá diferenciar estilos tão diversos quanto P. J. O’Rourke, Fernando Pessoa, Jeff Nyquist, David Horowitz, Ben Shapiro, Jeffrey Tucker, Jorge Luiz Borges… O que aparece pra você é “não esquerda”. É como animais cheirando as partes íntimas de outros apenas para definir se é do grupo ou se é “contra” o grupo.
      https://www.midiasemmascara.org/artigos/cultura/14107-a-animalizacao-da-linguagem.html

      • Luiz Mario

        16 de junho de 2013 at 15:03

        Flavio! Esta sua resposta foi o máximo!!!! Muito bem colocada! Se me permitir vou usá-la em meus argumentos! Parabéns!! Continue sua, nossa, luta! Luiz Mario

      • Flávio Morgenstern

        17 de junho de 2013 at 12:20

        O prazer é meu, Luiz!

      • Arthur

        17 de junho de 2013 at 10:24

        Sabe o que eu acho divertido? O Reinaldo, se você analisar muita coisa que ele fala, está bem “a esquerda” dentro da direita, pelo menos na minha opinião. Ele defende muitas coisas que muitos liberais e outros autores de direito não defenderiam sobre o papel e a atuação do estado. Ainda assim, pra esquerda que só tem o Reinaldo como referência de direita, ele é um extremista. Acho que se essa galera ler Jeffrey Tucker ou Rothbard, vão ter uma síncope…

  19. Edenilson

    15 de junho de 2013 at 13:18

    Lula, em Porto Alegre, deu risada que uma inflação de 5% ao ano. E agora, “manifestantes” quebram tudo por causa de um aumento de 6,66% (que mui provavelmente, será o aumento do ano). E agora, simpatizantes do Lula que apoiam esse movimento? Vão rir com o Lula ou desobedecer o mestre e quebrar tudo?

  20. André Souza

    15 de junho de 2013 at 12:31

    Concordo, não vamos protestar… Atrapalha o trânsito.. e também tá na hora da novela… Vamos esperar que o Batman vai aparecer e nos dar melhores condições de vida…

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 12:43

      Olha lá o título de novo e entenda: isso tem 0% a ver com “melhores condições de vida”, e sim com poder político.

  21. Daniel Lima

    15 de junho de 2013 at 12:25

    Aí está, Flávio, o comentário de um completo imbecil que incita à violência e à arruaça https://twitter.com/screamyell/status/345900009511862273

  22. Rodrigo

    15 de junho de 2013 at 10:19

    Passa o dia respondendo a comentários esdrúxulos, mas pra enfrentar uma das poucas réplicas relevantes, a do “Danilo”, ele “não tem tempo”. Só admita que você não tem embasamento teórico para discutir uma questão complexa como essa em alto nível. Fica menos feio, e você pode então se concentrar em sua vocação verdadeira: “comentarista” social de tuítes.

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 12:23

      Rodrigo, tenho trabalho a fazer. Se quiser me pagar para responder o Danilo, te passo minha conta e os outros 200 comentários aqui é que vão pra fila e só me preocupo com ele. Que tal?

    • ricardo henrique vitti

      15 de junho de 2013 at 12:39

      e MENINA MIMADA, vai ter que economizar na maconha agora pra pagar passagem de ônibus.

    • ricardo henrique vitti

      15 de junho de 2013 at 13:01

      rodrigo você fala de direitos, de réplicas relevantes, comentários esdrúxulos etc. Vai aprender um pouco de lei. Como a maioria que ali estava nem de ônibus anda, e 99% dos que ali compareceram são sustentados pelos papais e mamães, e gastam cerca 100 reais em uma garrafa de vodca. O que a Policia fez foi apenas manter a ordem prevista no artigo 144 da CF. E o direito de protesto todos temos, mais não temos o direito de interditar uma avenida tão importante como a paulista causando centenas de quilômetros de engarrafamento por causa de 20 centavos a mais em passagens. Olha o transtorno que esses estudantes mimados, e totalmente influenciados causaram pra cidade, prédios danificados, obras culturais como estatuas, arquiteturas centenárias pichadas, se guardarem o dinheiro que gastaram fazendo faixas, comprando spray para depredarem o patrimônio garanto que não tomaria cacetadas nas costas. E ainda digo mais VIVA O CHOQUE!

  23. Elienel Constantino

    15 de junho de 2013 at 08:48

    Flavio, bom dia!!!

    Li e concordo com o texto publicado por você.
    Quanto ao que li em alguns comentários, sem comentários de minha parte, seria estupido argumentar algo com esses mulekes mimados.

    Quero apenas sugestionar algo:

    Um protesto realizado em um ponto estratégico como é o vale do Anhangabaú, ao lado da prefeitura, organizado por um grupo sério que buscasse o dialogo com comando da PM, por que acredito que policiais militares não saem de casa esperando ter que degladiar com a população que legitimamente busca melhorias no nosso cotidiano, não atrairia o apoio popular ao contrario do que vem acontecendo nesses protestos violentos? E em isso acontecendo, o número de manifestantes seria bem maior e causaria um impacto extremamente mais contundente no governo não?

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 12:21

      Eilenel, creio que sim. Está sendo organizada uma manifestação pela desestatização do transporte público, querem ir pro MASP, mas sugeriria que fossem bem pro Largo da Batata, junto com a turminha da UNE.

  24. a verdade

    15 de junho de 2013 at 08:43

    opa alguem precisa aprender um pouco sobre historia aqui as diversas revoluções e revoltas populares que tiveram ao redor da terra é impediram a tirania de diversos modelos autoritarios, inclusive o brasileiro, e garantiram alguns direito basicos e infelizmente houve sangue e violência , nunca se esqueça você não tem a sua vidinha pq o povo ficou sentado na cadeira vendo tv não tá?

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 12:24

      Querida verdade, todo totalitarismo também começou com revoltas organizadas. Aliás, os que mais mataram no mundo usavam os MESMOS símbolos comunistas. Que tal acreditar que a sra. verdade não é a maior historiadora do mundo?

    • mpr

      15 de junho de 2013 at 15:00

      Sim, alguém precisa aprender um pouco sobre história. Sugiro entrar no Google e procurar por “Pol Pot” e/ou “Khmer Rouge”.

  25. Jonas

    15 de junho de 2013 at 08:20

    Por que tanto barulho? Democracia é isso mesmo, conflitos, protestos, reivindicações, gás lacrimogêneo, bala de borracha. Quer viver bovinamente, vai para Cuba, Coréia do Norte, China!
    Esse “espanto” por parte da mídia mostra um nítido despreparo.

  26. mpr

    15 de junho de 2013 at 08:16

    Muito bom, como sempre.

    Eu pego metrô e ônibus todos os dias. É óbvio que gostaria de pagar menos de R$ 2,50 (*) por passagem, mas essa turminha de bandeira vermelha do PSTU na mão e iPhone 5S no bolso não me representa.

    A população de São Paulo apóia a Polícia Militar.

    (*) bilhete único, oi?

    • Guilherme Nordi Colosio

      15 de junho de 2013 at 18:47

      Fale por si só no que tange à “População de São Paulo apóia a Polícia Militar”. Nem seu nome vc mostra!

      • mpr

        17 de junho de 2013 at 21:41

        Opa, falha minha, como é que eu fui me esquecer que falar em nome do povo é prerrogativa inalienável da esquerda? Mal aí.

  27. Renan Ugiie dos Santo

    15 de junho de 2013 at 07:06

    Parabéns pelo texto meu caro, conseguiu sustentar de maneira clara e concisa toda indignação que sinto, a grande verdade é que essas “amebas” que querem passagem grátis, não entendem absolutamente nada, de direito financeiro, plano plurianual, lei de diretrizes orçamentárias, lei de responsabilidade, enfim, não fazem ideia alguma de orçamento público, não se tocam que com nossa Constituição, “voltada pra justiça social”, que, segundo o nosso novo ministro do STF, só não trás a pessoa amada em 3 dias, tem um preço muito alto!!!

    Esse preço, foi denominado por Holmes e Sunstein como “the cost of rights”, e a nossa merda de legislativos nunca para pensar ,no verdadeiro custo dos direitos, ora, é muito simples, passagem grátis significa maior tributação, maior tributação significa inflação elevada, folha de pagamento onerosa, aumento do desemprego e desestímulo da economia. Um exemplo claro é a PEC que quer instituir educação fundamental em período integral, perguntaram ao grande parlamentar de aonde sairia a grana pra bancar isso? E ele respondeu do PRÉ-SAL! Claro os royalties nem estão definidos seu idiota, a União tem direito, o Estado até pode ter um pouco, mas e os Municípios?? aí aprova essa merda, e quem sofre é o juiz de primeira instância, que vai se deparar com um mandado de segurança exigindo a educação em tempo integral. Aí os políticos vão culpar o judiciário pelo ativismo judicial!

    Aí vem um diz que vai ter 100 mil que não são apenas os 1% de extrema esquerda! Cara São Paulo tem 11 milhões de habitantes segundo o IBGE no último censo!!! Façam as contas!!!

    Enfim, protestem por algo digno! Por inclusão social, por educação de qualidade, por creches para todas as crianças em todos os bairros da cidade, protestem por segurança pública, pela saúde, contra a copa, contra a isenção do ISS na construção do estádio do corinthians, contra o plano diretor, contra a corrupção!

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 12:42

      Renan, estava dizendo hoje no café da manhã, depois de uma operação, que a estratégia de Holmes e Sunstein queria o socialismo destruindo o Welfare State por dentro, fazendo o crédito aumentar tanto que o sistema não se agüenta. Por isso fomentam tantos direitos para grupinhos. Exatamente a ideologia que a UNE compra, vende, sai na rua dizendo que é legítima e pessoas bem intencionadas e inteligentes caem na conversa, sem saber que estão comprando propaganda partidária concentradora de poder na base da violência.

  28. Augusto Gabriel

    15 de junho de 2013 at 05:22

    Flávio,soube mostrar muito bem o que está ocorrendo de fato…cada vez mais o Brasil está se aproximando do comunismo,é engraçado ver o que ocorreu esses dias com o bolsa familia…a caixa adiantou os pagamentos do mês seguinte,coisa que NÃO É de costume ser feito,depois de um tempo,tiraram o adiantamento,a grande massa entrou em desespero,ai depois vem a dilma falar que quem falou que o bolsa familia ia acabar é um ato criminoso,pra mim,bolsa familia é a maior compra de votos que existiu nessa historia do Brasil,acho difcilmente que o PT saia do governo tão cedo,agora todo mundo é de esquerda,acho que só um golpe militar com quem tem mão de ferro pra botar ordem na casa poderia mudar o rumo de nossa história,por que a grande população está perdida,até quem tem diploma hoje não passa de um analfabeto funcional,que não ve,não ouve e não fala,hoje tudo é manipulado,por trás das cortinas,quem bota a banca são eles,é o pais do pão e circo…https://www.facebook.com/photo.php?fbid=196785420401276&set=a.180799935333158.47125.173393819407103&type=1&theater

  29. marcelo b

    15 de junho de 2013 at 04:49

    bem reacionario esse post!
    e tb, ideologicamente, em cima do murão do partidarismo, pois, da-se a entender que é algum tucano, ou simpatizante da causa deles…
    p/ vc, seria melhor que o nosso país fosse invadido por americanos, ou afins, e decretassem lei marcial, e administrassem td, como no panama, porto rico, costa rica…
    como vc ficou em cima do muro, só dando pedradas, tb ñ sei se seria melhor uma lei marcial em nosso Estado, p/ acabar c/ a prole, esquerdopatas e afins!

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 12:38

      Seu argumento é me chamar de reacionário? Obrigado, prefiro mesmo ser como Borges, Fernando Pessoa, Mencken, Chesterton, Scruton…
      Seu argumento é que quem não apóia vandalismo é “algum tucano”? Opa, talvez seja uma boa propaganda para eles usarem nas próximas eleições.

      • Amália

        18 de junho de 2013 at 01:01

        “Seu argumento é me chamar de reacionário? Obrigado, prefiro mesmo ser como Borges, Fernando Pessoa, Mencken, Chesterton, Scruton…”

        Como já disse outro anteriormente: Esta sua resposta foi o máximo!!!!

        Não esquecerei da próxima vez que algum idiota me chamar de reaça achando que está contra-argumentando!!

  30. Roger Marques

    15 de junho de 2013 at 04:22

    Flavio, excelente texto, é de se aplaudir em pé. Acho que até agora não li nada que descrevesse melhor a situação do que aqui. Parabéns.

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 12:37

      Muy honrado!

  31. Victor S

    15 de junho de 2013 at 03:34

    Bom, vamos lá de novo. Agora falando das minhas conclusões, e não cobrando a sua resposta a pergunta de outra pessoa.
    Seu texto é grande e da voltas e mais voltas. Você repete as mesmas coisas por duas ou três vezes. (blábláblá, quem ta por trás disso é o PSOL, o partido x e o y, blábláblá). Isso deixa o seu texto um tanto quanto massante de se ler.
    Mas enfim, vamos começar as críticas as ideias e não ao seu jeito de se expressar.
    Começando com seu argumento favorito. Quem está por trás do protesto. Sim, estou ciente que partidos tem os seus interesses em usar esses protestos pra fazer propaganda e também para desestabilizar o governo atual. Mas eu te digo que essa “tática” não trás muito retorno pra eles. Existem bandeiras no meio do povo? Sim. O povo em geral as apoia? Não. Eu não sei se você acompanha de perto, mas eu posso te dizer com plena convicção que mais de 90% dessa “massa de manobra” (palavras suas) não apoia a propaganda dos partidos. Mesmo que eles estejam diretamente ligados na organização da manifestação. E quanto a desestabilizar o governo atual. Desde quando isso é de interesse somente de outros partidos políticos? Isso pode ser sim de interesse do povo. A anos e anos o governo é dominado alternadamente por políticos do PT e do PSDB. E o que vemos são escândalos atrás de escândalos. Absurdos atrás de absurdos. Serviços péssimos e promessas não cumpridas. O povo tem muitos motivos pra querer desestabilizar o governo e tentar coisas novas. Correto?
    Agora falando sobre não ser um protesto contra os vinte centavos a mais da passagem. Não, não é sobre os vinte centavos a mais da passagem. O protesto se trata do povo finalmente liberando o seu desgosto, sua revolta, seu nojo pela politica no Brasil. Caso a passagem realmente volte a custar três reais, o governo pode muito bem tirar do povo esses vinte centavos por meio de outro imposto. Claro que pode. Mas a questão não é essa. A questão é que o povo vai criar um sentimento de união, um sentimento de justiça sendo feita. O povo vai finalmente acreditar que sim, eles podem mudar alguma coisa. E isso vai mudar a mentalidade do brasileiro, fazendo com que em um futuro próximo, ele possa lutar por um direito dele que vai realmente fazer com que o país mude.
    Você está analisando tudo muito pelo lado econômico e esquecendo completamente do lado psicológico. Abra sua mente.
    Obs: Uma última coisa que eu queria te dizer. Da próxima vez que for escrever um texto. Evite generalizar as pessoas e escrever coisas como “carro do papai na balada do fim de semana”. Me da um pouco de vergonha ver gente teoricamente “não ignorante” escrevendo coisas do tipo.

  32. Weber K.

    15 de junho de 2013 at 02:14

    Cara, na boa…
    Acho que você tem tino para senso crítico… Senão nem estaria preocupado em escrever tanto…
    Então… Gostaria de conversar contigo…
    Não ia gostar de conversar com metade dos manisfestantes que iria defender fé apenas, mas com você sim…
    Quem disse que aqueles manifestantes que carregam bandeiras do Marx são Marxistas? Eles nem sabem o que Marx fez… Não fale mal do Marx, fale dos pseudo-marxistas… Não ficou claro no texto… Se quiser refutar Marx, faça isso, mas ideologicamente, ok?
    Se o violência é errada por natureza, então a revolução francesa foi errada? Como a monarquia absolutista estava correta? Explique.
    Existe revolução sem choque de valores? Como se muda a ordem social sem algumas pessoas pensarem que houve violência? Onde ocorreu isso na história mundial?
    Não se atenha aos acontecimentos em SP… Explique na história ou teoricamente.
    Cara… Não sou a favor de tudo que fizeram… Mas não sou a favor de tudo que o governo faz também…
    Na verdade, acho que precisa de mudança. Pra mim o país tá uma bosta, e temos tudo pra ser melhor, só falta coragem!

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 12:33

      Procure no Google por meu nome e Marx. Vai encontrar refutações que nem eu tenho capacidade de encontrar. Fora o que já fizeram Mises, Böhm-Bawerk, Nietzsche, Besançon, Kolakowski, Voegelin, Mircea Eliade, Gary North, Edmund Wilson, David Horowitz, Thomas Sowell, Benedetto Croce, Mário Ferreira dos Santos, Kierkegaard, Raymond Aron, Vicente Ferreira da Silva… cara bem fácil de refutar, diga-se, já que gente de tudo quanto é canto vai lidar com o negócio e joga no lixo.
      Sim, a Revolução Francesa e seu terror jacobino mataram mais em 2 anos do que a Inquisição em séculos. Confira também a obra de Guizot. E não, quando algo está errado, não significa que o seu inimigo está correto. Stalin não era inimigo de Hitler?
      Por fim, não, não quero mudar a ordem social na violência. Prefiro criar coisas para as pessoas do que agredi-las dizendo que é para o bem delas.

  33. Weber K.

    15 de junho de 2013 at 01:53

    O seu texto, começa igualando os lados…
    Por exemplo:
    Todos os manifestantes querem quebrar tudo… Vamos tacar fogo em tudo (ou nas pessoas)… Mas não é verdade…
    E os governos? Qual deles foi um pouco a favor e um pouco contra? Nenhum!
    O erro é este: Generalizou de um lado e do outro não.

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 12:26

      Weber, sequer afirmei que há dois lados. Está em negrito no texto que há organizadores da parada e uma massa nada versada em engenharia social que acredita na propaganda disfarçada (ou nem tanto) deles e acredita só em boas intenções. E estão lá, dando apoio e força. Isso é “generalizar” um lado? Ou será que você é que “generalizou” uma afirmação que deixei em negrito para apenas umas pessoas?

  34. Raul

    15 de junho de 2013 at 01:37

    Texto típico de paranoicos anti-comunistas. A histeria de Carlos Lacerda e Senador McCarthy infelizmente continuada.

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 11:53

      Os dois estavam errados. McCarthy, por exemplo, afirmou haver 500 comunistas da KGB atuando em altos postos. Depois que morreu, descobriu-se que existem mais de 6 mil.

      • Raul

        15 de junho de 2013 at 18:16

        As provas?

      • Flávio Morgenstern

        15 de junho de 2013 at 22:06

        Viktor Suvorov – Biographies & Memoirs.

  35. Cristina Dias

    15 de junho de 2013 at 00:59

    Genial.

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 11:53

      Muito obrigado! :)

  36. Roger

    15 de junho de 2013 at 00:58

    Porq tanto medo de comunista??

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 11:52

      Vai ver por que eles mataram umas 10 vezes o que os nazistas mataram…

      • Eduardo

        15 de junho de 2013 at 15:44

        Belíssimo motivo! Mas vc já computou o que a extrema direita também matou em todos os países (assim, o seu joguinho faz mais sentido estatístico)? Ou as monarquias? Pelos extremos, temos motivos para sermos paranóicos com todos os governos e filososofias políticas. O seu texto acima é muito bom. Para explicar um dos agentes da história, o dos esquerdinhas babacas e de quem se aproveita disso. Mas qualquer texto que não mencione nada disso (https://www.melhorquebacon.com/24-momentos-protesto-sao-paulo/) fica faltando um pedação da história. Na verdade, o mais importante de toda a história: o da violência policial institucionalizada (por PT, PSDB, etc), e o fato de que muita gente q só está cansada dos políticos estar tomando conta do movimento, e inclusive estão pedindo para o pessoal do PSTU e de outros desses partidecos ridículos não levantarem as suas bandeiras. Como qualquer movimento social digno de nota, desde a Revolução Americana, este começou por um motivo pequeno e por certas pessoas, mas está virando uma coisa muito maior e com outro significado. Me considero um liberal, como vc, mas acho q vc está paranóico.

      • Flávio Morgenstern

        15 de junho de 2013 at 21:53

        Eduardo, mas por que motivo preciso falar de extrema-direita, quando comento um protesto criado pela extrema-esquerda? Aliás, aproveitei para falar mal dela esses dias, mas colocando os nomes corretos nos bois:
        https://reaconaria.org/colunas/colunadoleitor/dia-d-69-anos-depois-whats-left/
        E a conta também é complicada. O comunismo matou uns 150 milhões, os nazistas não chegaram em 20… O problema real aí é: o protesto cresce PARA QUEM? De fato, começou com tarifa (poderia ter começado com fome no mundo – mas não seria melhor começar por, sei lá, dentistas queimados vivos?), e agora virou… protesto anti-Alckmin.
        https://abr.ai/1bF86Be

    • Guevara de Calcinha

      16 de junho de 2013 at 19:37

      Eu tenho medo de comunistas.
      Eles comem criancinhas
      Mas primeiro destroem ônibus e estações de metrô.
      Depois decidem o que posso falar, para onde posso ir e onde posso trabalhar. Eliminam o conceito de propriedade privada e livre iniciativa.
      Fuzilam toda e qualquer massa crítica.
      Tenho medo de comunistas.
      Especialmente desses que insuflam um bando de gente desocupada – quer dizer, até poderiam estar estudando e trabalhando, mas bricar de mudar o mundo é mais legal.

  37. Sérgio Gomes

    15 de junho de 2013 at 00:45

  38. Guilherme Roque

    15 de junho de 2013 at 00:12

    Parabéns pelo texto! Concordo contigo 100%. Já favoritei esse site aqui, não está tão fácil achar fontes de informação que não estejam comprometidas com a agenda do politicamente correto.

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 11:51

      Obrigado, Guilherme! Infelizmente se tornou algo generalizado, ninguém abre a boca senão comprando a retórica dos manifestantes integralmente antes. E aí chovem comentários para não se acreditar na imprensa citando… a imprensa dizendo isso.

  39. Victor

    14 de junho de 2013 at 22:37

    Texto muito bem embasado, mas recheado de generalizações e preconceitos.
    Já tive leituras menos perigosas aqui.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:43

      É sempre assim, dizem que está cheio de erros e nunca apontam um.

      • Rodrigo

        15 de junho de 2013 at 05:16

        Falou que começaram uma enquete na página, mas não citou que as opções “Sem bandeiras de partidos”, “Sem bandeiras do PSOL” e “Sem violência” tinham apoio da grande maioria. Ou seja, seu argumento de que o movimento é esquerdista já ficou pelo caminho, afinal, depois do 4º ato e da imbecilidade gigantesca da polícia, eu, um Capitalista Libertário das escolas de Von Mises, Bastiat e Milton Friedman, estarei no próximo protesto. Não vou defender passe livre, nem nenhuma outra babaquice comunistóide, vou pelo direito de expressão e para aproveitar um pouco, afinal num País onde o povo parece um gado descerebrado, ver uma galera saindo às ruas sem bandeiras partidárias, apenas para gritar sua insatisfação com o governo que economizo adjetivos para descrever, ah isso é de uma raridade inestimável.

      • Flávio Morgenstern

        15 de junho de 2013 at 12:40

        Claro que não falei, eu MOSTREI. Taí o print completo. Se quiser ir lá ajudar a UNE a conseguir mais poder político, vá, ué. Como eu sempre disse, libertários são apenas esquerdistas com menos noção política, por mais que entendam de economia. Aproveite e favoreça bastante o PT, ó:
        https://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/atencao-pt-vai-entrar-de-cabeca-na-pantomima-aparelhos-do-partido-de-trabalhadores-e-estudantes-estao-liberados-para-ir-as-ruas-na-segunda-a-ordem-e-nao-tocar-no-valor-da-tarifa-e-se-manifestar-con/

      • Eduardo

        15 de junho de 2013 at 16:12

        Sou da teoria de que quem usa link do Reinaldo Azevedo perde o argumento. Poderia ser a lei de Godwin parte 2. Mas vamos lá! Usando o Reinaldo Azevedo como argumento contra a sua teoria de que o movimento tá todo dominado pela esquerda partidária, vou usar ele. Reinaldo escreve “Os petistas tentam “assumir a liderança” do movimento em São Paulo, que consideram perigosamente fora do controle. Ao assumi-la, por intermédio dos movimentos sociais e lhe dar uma direção, pretendem mudar o eixo dos protestos.” Ou seja, atente para o verbo TENTAM. O foco e lideranças das manifestação não estão claras. Nem quem serão os mais beneficiados. Se os cidadãos cansados de corrupção, tramoia e ineficiência governamental, como o Rodrigo, eu (e talvez vc mesmo), entrarem no jogo (como estão entrando), as manifestações podem passar a mensagem de que o brasileiro comum (se é que isso existe) está querendo passar há muito tempo, sem ficar só no papinho de rede social e conversa de táxi e de bar. Posso estar errado (mas acho que, se estiver, será bem menos do q vc está), mas acredito que o centro de tudo isso não está mais com a turminha da esquerda partidária. Flavio, sai um pouco dos sites de extrema esquerda e de direitistas paranoicos q vc tanto gosta de ler, e vai procurar o que outro tipo de pessoa está escrevendo, pra ver o que está acontecendo de fato.

      • Flávio Morgenstern

        15 de junho de 2013 at 21:58

        Eduardo, o Reinaldo fala do PT, porque a manifestação partiu de partidos aliados, mas não do PT. Agora que os ânimos estão animados, basta alinhar o discurso. Afinal, por que uma manifestação da UNE, que é do PCdoB, reclamaria “da passagem” e só da passagem, se a prefeita em exercício é… do PCdoB? Não há um motivo para perceber só propaganda comunista aí? (não é paranóia minha, é o nome do partido)
        Mas, por acaso, será que foi essa a primeira manifestação que existiu no país? A primeira vez em que fecharam a Paulista? Será que o governo agora está morrendo de um medo inédito, porque finalmente o brasileiro acordou?

    • Agnaldo

      15 de junho de 2013 at 00:53

      Concordo em todas as proporções com o Victor. Os fundamentos existem, mas abordados de uma forma muito generalizadora, direcionar os holofotes para os comentários como ‘queimem os ônibus com as pessoas dentro’ não é cabível, visto que se tratando das massas você pode e vai ver de tudo.

      • Flávio Morgenstern

        15 de junho de 2013 at 11:52

        Não, estes são exemplos, e não “holofotes”. O foco é a lógica de quem organiza isso.

  40. Fernando

    14 de junho de 2013 at 22:18

    Sinceramente, eu duvido que muitos que protestaram (se é que pode chamar isso de protesto) usem transporte público.Aqui mesmo no RJ um dos “manifestantes” que foi detido conseguiu rapidamente dinheiro para pagar a fiança.
    Também teve bandeiras dos famosos partidos e até de faixas de coisas que não tem nada a ver, como uma do movimento internacionalista dos sem teto.
    O que me deixa mais impressionado é como a maioria da imprensa cai nessa conversa fiada de que eles “só” querem lutar por um preço justo (e mesmo que o objetivo fosse apenas esse não serviria de desculpas para fazer vandalismo -usando sempre a falácia de que “precisam provocar o caos para serem ouvidos”-).
    Flávio, eu não sei se você chegou a ler, mas o próprio Elio Gaspari escreveu um texto afirmando que quem começou a batalha foi a PM (e isso porque ele escreve para dois jornais considerados golpistas).

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:40

      Fernando, eu não duvido que a PM tenha “começado” o confronto, embora tenha “começado” no terceiro dia (disso esquecem). O que duvido é de que os manifestantes NÃO queriam isso. Tanto é que o próximo protesto será só contra a PM e o Alckmin.

      • Lucas Oliveira

        15 de junho de 2013 at 02:46

        Parece que agora eles esqueceram o motivo do processo em si e agora estão atacando a sua consequência, que é a ação da PM.
        Deixando de lado o fato de que destruíram todo tipo de patrimônio e só isso já justificaria a ação da polícia, é importante lembrar que a lei diz que qualquer evento que interrompa vias públicas precisa de autorização prévia para ocorrer, além de preparação adequada. Como ninguém possui essa autorização (até porque a CET não permitiria um deslocamento da forma que ocorreu, interrompendo várias vias paralelas, arteriais e importantíssimas em horário crítico) saíram por ai impedindo milhares de ir e vir. Agora não adianta ficar gritando “sem violência” depois que a PM chega para dispersar. Se não estivessem impedindo o tráfego ninguém teria o direito de impedir que se agrupassem, mas da forma com que isso está sendo estruturado é óbvio que vai ter bala de borracha. E eu te digo com absoluta certeza que esse MPL já calculava que todo esse caos aconteceria, mas nada fizeram. A função é justamente essa, causar o caos e reunir cada vez mais imbecis para causa.
        Não estou dizendo que não houveram excessos, mas a operação de dispersão em si é legitima. É lamentável que a senhorinha e a repórter tenham levado bala, mas isso é um risco aceitável em uma operação como essa.

      • Flávio Morgenstern

        15 de junho de 2013 at 12:35

        Exato, Lucas, a violência delas é o que faz a polícia estar lá (afinal, há deslocamento da polícia, não existe tanto policial junto no Centro se não fosse por eles). O fato de lincharem um policial quando ele é pego indefeso explica por que os PMs andam com armas, afinal. E olha que não rolou um tiro (enquanto bombas de manifestantes explodiram em pelo menos 3 lugares). Mas eles não esqueceram o objetivo não: como mostrei, o objetivo era justamente esse. Agora as MESMAS pessoas vão criar um novo protesto ignorando a tarifa (para não prejudicar o Haddad) e só pedindo impeachment do Alckmin. Exatamente como previ acima.

      • Eduardo

        15 de junho de 2013 at 16:24

        Deixa eu ler de novo, pra ver se realmente li direito. O cara escreveu que “É lamentável que a senhorinha e a repórter tenham levado bala, mas isso é um risco aceitável em uma operação como essa”? E depois vc concordou e disse que é inaceitável que o policial tenha apanhado, e q a violência institucional foi toda natural que acontecesse? Veja de novo o vídeo dessas coisas acontecendo, da polícia atirando nas pessoas que estavam nos prédios, do tiro nos repórteres… Me desculpe, mas não faça este tipo de papel. Vc é mais inteligente que isso. E depois ainda chamam de imbecil qualquer pessoa que tenha ficado indignada com o que a nossa polícia MILITAR faz? Não concordo, por princípio, com passeata que pare o trânsito na Paulista, por conta do número de hospitais na região (uma pessoa próxima ficou a menos de 30 segundos de morrer, antes de chegar no HCOR, por conta de uma obra em uma rua próxima). Mas, pra criticar quem vc odeia, está indo contra todos os princípios que diz que defende. Polícia agredir velhinhos, mulher que vai buscar filho no colégio, gente passando e jornalistas trabalhando é aceitável pra vc?

      • Flávio Morgenstern

        15 de junho de 2013 at 22:02

        Eu não falei que concordo com agressão policial, concordei com outra coisa dita. Não endosso o inimigo do meu inimigo automaticamente. Aliás, é exatamente como essa manifestação prega, podendo até explodir bomba em estação de metrô e todo mundo só repetir “polícia errou, polícia errou”…

      • Eduardo

        18 de junho de 2013 at 14:41

        OK, acho que aqui coloquei palavras na sua boca.

  41. Pedro Ivo

    14 de junho de 2013 at 21:39

    O dia que vc tomar um spray de pimenta na cara por nada vc vai entender o revide

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:36

      Já tomei muita agressão de comunista por nada, e aí?

  42. Carina Silva

    14 de junho de 2013 at 21:15

    Tentando não levar em conta toda a besteira que tu escreveu nesse texto, tu realmente acha que as pessoas que começaram protestando contra o aumento da passagem gostariam de voltar para casa machucadas? Claro que por trás do aumento abusivo da passagem de ônibus existe muitos outros fatores que fizeram ocorrer esse levante do povo contra o governo. Não diga asneiras tentando argumentar que se gasta mais indo ao protesto do que com o aumento da passagem se você sabe que muitas outras coisas coo corrupção, impostos abusivos e etc ocasionaram isso. Depois de sair para as ruas para conseguir para a população inteira que o valor da passagem continue o mesmo, as pessoas foram recebidas por uma polícia mal treinada que ataca quem grita “Sem violência” com bombas e balas de borracha. Óbvio que o protesto mudou, agora já tem mais esse agravante, o agravante de uma polícia sem nenhum preparo e totalmente violenta.

    Existem obviamente alguns partidos no meio dos protestos, assim como existe em qualquer lugar, até mesmo dentro dos ônibus. Existem comunistas e socialistas, óbvio, são as pessoas que não estão satisfeitas com esse governo e querem mudar o país para que TODOS possam usufruir de melhores condições de vida.

    Pegar uma citação de violência aqui, uma imagem contraditória ali não faz de ti um cara super inteligente, faz de ti alguém querendo impor teu pensamento guela abaixo de quem aceitar, de quem não for atrás de mais informações. O triste é saber que muitas pessoas vão te aplaudir e achar que tu é um cara fodástico sem nem ao menos procurar saber o que está acontecendo.

    São esperadas 100 mil pessoas no protesto de segunda-feira … trabalhadores como eu, como você, donas de casa, estudantes, comunistas ou apartidários. Enfim, 100 mil pessoas que não estão satisfeitas com o governo, que não estão satisfeitas com a polícia e que querem muito mais do país que vivem. Então me venha querer generalizar 100 mil pessoas e dizer que todos são comunistas, que eles não tem pelo que lutar, que eles são todos vândalos POIS NÃO SÃO.

    https://www.youtube.com/watch?v=_SnKe6TND58

    Mostra o outro lado da moeda antes de querer enfiar garganta abaixo esse teu pensamento ridículo e achar que está fazendo um grande bem a sociedade.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:35

      Carina, vem cá, se é uma manifestação legítima e espontânea contra a injustiça, por que não reclamaram de dentistas queimados? E se a lógica que eu deixei aí não é lógica e os partidos estão interessadíssimos no preço da passagem e nem estão preocupados em amealhar poder político, por que você eles MUDARAM o discurso e agora querem SE CALAR sobre a tarifa e só criticar o Alckmin e a PM depois de conseguirem o que queriam – ou seja, umas porradas? https://abr.ai/1bF86Be

      • Vinicius

        15 de junho de 2013 at 11:33

        Tu ta de sacanagem que você vai citar reinaldo azevedo da Veja como referência?
        É muito fascismo para uma pessoa só!
        Direitismo excessivo, assim como esquedismo excessivo são tão iguais e burros que dá pena.
        O mundo não é preto e branco, tons de cinza existem.
        Você tá tão alienado quanto os partidários do PCdoB que você tanto condena.
        Claro que não são 20 centavos só, que parte do “foi a gota d’água” você não compreende?
        Deixa de ser pelego, a conta das depredações do metro eles pagam em 1 hora de serviço (não que eu tenha apoiado ou depredado, pois não fiz mestrado para me rebaixar a esse nível). As concessões publico privadas dos governos do RJ e SP são absurdas. Os governos não estão com o povo e sim com as empresas. E ao que parece, você também.
        Sério, de que lado você está? São tantos escândalos de corrupção, desvio de verba, licitações indevidas e agora os malditos aumentos muito acima da inflação – veja documento do IPEA sobre isso https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/comunicado/110525_comunicadoipea94.pdf – que me surpreende alguém não ser a favor. do movimento.
        Abra sua mente, deixe de ser pelego.
        Ou você faz parte do governo do Alckmin e do haddad?

      • Flávio Morgenstern

        15 de junho de 2013 at 12:20

        Amigo, chamar tudo o que não concorda com você de fascismo é exatamente o que os fascistas fazem. E, como já mostra o TÍTULO do artigo, vocês estão sendo enganados por partidos que estão se lixando pro preço da tarifa, tanto que já soltaram ordem para ignorar o preço e só criticar o Alckmin agora. E não, quem discorda do que você pensa nem por isso faz parte do governo (é um só?) Alckmin-Haddad.

      • Rafael Leite

        15 de junho de 2013 at 19:33

        Muito bem exposto pela Carina, parabéns! É um protesto se todos, sem classe ou partido, que são minoria. Caro Flávio, concordo com vc quando vc diz que n é por 20 centavos. E não é mesmo! É pela dignidade de um povo que não agüenta mais!

        Vc é minoria, oq n te faz ter a razão. Senta e assiste a democracia em ação.

      • Flávio Morgenstern

        15 de junho de 2013 at 22:06

        Explodir bomba na estação Brigadeiro do metrô é democracia em ação?

  43. Olivia

    14 de junho de 2013 at 21:03

    Concordo com o seu texto, hoje escrevi sobre isso, Sinceramente não tem nada a ver com os R$0,20 de aumento de tarifa, se realmente essas pessoas tivessem essa conciência economica protestariam para acabar com a corrupção, com a falta de ética, contra a “lei de Gerson”, ops essa não pode porque o que todo mundo quer é levar vantagem, cultura popoular…. Mas parar a cidade, fazendo com que pessoas que nao tem nada a ver não consigam ir ou vir que nem andam de onibus, nao porque nao querem mas porque nao tem linha suficiente, quando quebram coisa que sairá do bolso de quem realmente paga imposto (pois duvido que essas pessoas que praticaram vandalismo paguem) se acham acima do bem e do mal, hj as empresas liberaram seus funcionarios mais cedo porque nao querem que as pessoas sejam refens dessas pessoas, ontem eu sai mais cedo para nao ser refem, quando o pais perde por conta disso? Legitimo seria protestar na urna, mas obvio que vao quebrar tudo e na hora de votar farão a urna de penico! Ah e a policia não vai dispersar os manifestantes usando algodão, infelizmente irão usar os recursos que dispoem, gas de efeito moral, bala de borracha…. mas nao da nem para esperar que ele falem um a um ah meu filho vai para casa… senao eu vou usar gas e vc vai chorar… hipocrisia das grandes achar que a policia tem que ir dispersar quem há dias vem quebrando tudo com flores…

    • Fernando Sabido

      14 de junho de 2013 at 23:57

      Perfeito, Olívia. Você foi concisa e disse tudo em poucas palavras.
      Quero ver esse “povinho” que estava nos protestos, quando eles forem às urnas na próxima eleição. Gostaria de saber se eles estão satisfeitos com a podridão moral que se apossou do País (com P maiúsculo, por favor), a ponto de termos que ser comandados por políticos sujos, podres, condenados, imorais.
      Darei razão a eles se eles portarem cartazes e bandeiras condenando os mensalões, os dólares nas cuecas, as festas com prostitutas nos melhores hotéis de Brasília, tudo com o NOSSO DINHEIRO DE IMPOSTOS.
      O dia que essa molecada começar a pagar impostos, se um dia forem trabalhar, quero vê-los fazendo passeadas, e aí sim vou aplaudi-los.

  44. Carolina

    14 de junho de 2013 at 20:24

    desculpa, não gostei do teu texto. muito forçado e cheio de coisas fora de contexto. mais uma vez pensando que os movimentos de esquerda são todos iguais, que só porque aparecem umas bandeiras de partido o protesto já tem teor político e muitas outras coisas estranhas. desculpa, mas não conseguiu convencer.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:45

      Magina, tem bandeira de partido mas o teor político é zero, foi tudo mera coincidência.

  45. Gabriela Candido

    14 de junho de 2013 at 20:15

    Perfeito o teu artigo, Flávio. Uma da manifestações mais lucidas que li a respeito do ocorrido em SP. É bom ver que, em meio aos absurdos que venho lendo na internet ainda há alguém que fale com propriedade, sem repetir palavras de ordem recicladas que no fundo não querem dizer nada. Poucas vezes vi uma parcela tão grande da população aplaudindo a barbárie de forma tão entusiasmada.
    Parabéns pela opinião e pela coragem.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:45

      A coragem é mais difícil que a opinião, Gabriela… :)

  46. Raphael

    14 de junho de 2013 at 20:14

    Tá de parabens com o texto, infelizmente haverão criticas (não-construtivas) por pessoas alienadas, q realmente não entendem o texto ou não querem entender (oq é pior) …

  47. Ulisses Farias

    14 de junho de 2013 at 20:13

    Vocês são muito estressados, de ambos os lados. Isso é o que acontece quando alguém escolhe um lado. Ninguém se lembra que não é necessário escolher um lado.
    A propósito, estou jogando Dishonored de PC, achei um jogo muito bom, vale a pena! Quem sabe vocês de esquerda ou direita, centro, cima, baixo etc. ficam mais calmos e tiram todo esse ódio desses corações. Tenham um ótimo final de semana!

  48. Rafael

    14 de junho de 2013 at 20:04

    Mano, quanta ignorância. Machucar pessoas é descabido (pros dois lados). Mas, me conte sobre o vandalismo e depredação que o Estado faz com você e a população há anos? Me conte sobre os mais de 150 dias que você tem que trabalhar no ano apenas para pagar impostos e não ter como retorno sequer UM serviço público de qualidade? Me conte sobre como é sair de casa as 6h da manhã e chegar as 22h (por conta do ótimo serviço publico) e não poder ver seus filhos pq eles estão dormindo?

    Ah, desculpa, você não deve usar os serviços públicos.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:46

      Uso e odeio pagar impostos. Por isso luto contra eles. Nem por isso, conforme mostra o texto, me alio a partidos políticos que, como mostra o TÍTULO, estão se lixando pro preço da tarifa.

  49. Frank

    14 de junho de 2013 at 19:46

    Ótimo texto Flavio!!! Tenho vários colegas no facebook que colocam fotos e compartilham texto em apoio desse vandalismo todo. Esse método de fazer política é bem conhecido em países como Perú (sou peruano), Bolivia e Equador. Se um grupo quer alguma mordomia ou um “ativista político” quer tentar lançar a sua candidatura pois vem ai a reivindicação social. Se vc tiver tempo procura o caso de Gregorio Santos, presidente da região (equivalente a estado) de cajamarca no Peru. E vc verá esse tipo de estratégia em outro nível.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:47

      Pois é, Frank: como vimos de ontem para hoje, terrorismo como propaganda armada funciona. Ninguém nem comenta sobre explodirem bomba na estação Brigadeiro, por exemplo. Agora são todos coitadinhos lutando por um ideal de preços justos.

  50. Fabiane

    14 de junho de 2013 at 19:36

    Olá! Amei seu texto.
    Infelizmente, essas pessoas só querem saber dos seus direitos e “esquecem”dos deveres.

  51. Oswaldo

    14 de junho de 2013 at 19:29

    O engraçado é que nós somos os fascistas, enquanto os partidos que pregam abertamente o totalitarismo de esquerda é que são os “libertários”…

  52. Farrel Kautely

    14 de junho de 2013 at 19:23

    Bem, até onde eu sei são empresas privadas (porque chamam de transporte público mesmo?)

    Nenhum lucro para o governo além de impostos suponho.
    Agora, muitas dessas empresas patrocinam campanhas eleitorais de politicos, logo, aumentam a tarifa, não aumentam as frotas, os salários dos funcionários ou condições.

    Não existe transporte público, porque são de empresas privadas (volto a dizer).

    A aumento de lucro de tais empresas se dá unicamente ao aumento das tarifas não é mesmo? A população não cresce tanto assim. Sendo sincero, a população que cresce é a que obtem seu próprio carro. Suponho que não há diminuições os que usam transporte coletivo, entretanto não é um aumento que justifique as tarifas novas.

    Em Belo Horizonte houve um aumento repentino (digo isso porque quando assustei já havia acontecido) de $0.15. A impressão que tive é que em um ano houve aumento de R$0.25.

    E outra, o aumento aqui foi exatamente após o fim das eleições que reelegeram o maldito prefeito da cidade.

    Isso não vem ao caso, porque não devemos atribuir culpa a quem não é culpado. Coitado do Marcio Lacerda ter seu nome citado na situação de São Paulo… deixemos isso para quando falarmos de BH mesmo. (comecinho do ano foram 15 centavos, espere por mais 10 ou 15, se nao for 20, no fim deste ano).

    Bem, falei pra caralho, falei até o que não precisava.

    Esta caro, uso porque sou obrigado, pois não concordo.
    Olho para as propagandas que dizem que esta maravilhoso (condições do serviço) e rio para mim mesmo pensando:

    “Tolice quem mente, tolice quem acredita”

  53. Ataxerxes Crisofano

    14 de junho de 2013 at 19:19

    Esses mesmos manifestantes são os mesmos da marcha da maconha que revoltados por terem sido reprimidos lá na marcha utilizaram agora de um tema politico para enfrentar policia, estado, sistema etc… é a revanche, peguem vídeos no youtube da marcha da maconha e comparem é os mesmos manifestantes, estamos aqui analisando as imagens minuciosamente e já reconhecemos vários.

  54. Julio

    14 de junho de 2013 at 19:10

    Prezado Flávio, sempre admirei seus textos, mas sua conta dos R$146 anuais foi bem simplória. Pense num cidadão que tenha 2 filhos que precisam pegar ônibus para ir à escola. Já é o dobro. Isso só nos 20 centavos, sem contar os 3 reais que dão R$ 1.095 na sua conta de 6ª série.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:25

      Julio, contei o aumento para uma pessoa. Se quiser somar dois filhos, basta somar mais 2 x R$ 146. Sexta série funciona.

  55. Victor S

    14 de junho de 2013 at 19:08

    Bom, vamos lá.
    Flávio, já deu pra perceber que você é uma pessoa inteligente e tem uma ótima escrita. Você defende uma opinião e conseguiu coloca-la de modo com que fique difícil receber uma resposta a altura. A maiorias das pessoas que não concordam (e as que concordam também) com sua visão, não tem o domínio da escrita e nem prática suficiente com argumentação. Mas enfim, isso não faz da sua opinião a verdade absoluta. Com o dom da palavra, pessoas conseguem convencer multidões de ideias absurdas.
    Agora chega de introdução. O que me fez escrever aqui, foi o fato de que estava lendo os comentários e li um texto de um homem chamado “Danilo”. Onde ele fazia perguntas inteligentes, sem tom acusador, esperando respostas a altura.
    Então peço que por favor o responda e eu vou fingir que não li o argumento ridículo (desculpa, não deu pra usar outra palavra) “E foi criada pelo MPL, que é apoiado por partidos. The End”.
    Caso sua intenção seja responder em outro horário, tudo bem. (Não que justifique a sua resposta ridícula, mas…)

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:23

      Victor, o rapaz me pediu um texto maior do que o que escrevi. Infelizmente meu trabalho me impede de redigir cartapácios a cada 10 minutos. Se querem respostas longas, please, esperem. (e sim, o MPL foi criado por partidos e está agora com ordem de partido para se lixar de vez para o preço da tarifa, conforme eu já havia antevisto: https://abr.ai/1bF86Be)

  56. NEIDE ALVES QUEIROZ

    14 de junho de 2013 at 19:07

    A história da humanidade está escrita com sangue, quantos crimes, quanta violencia praticada atraves dos séculos. Em nome da paz, quanto sangue derramado nas guerras. Sou terminantemente contra a violencia, geradora de destruição e dor. Sou a favor dos movimentos sociais, que trazem as grandes mudanças, eradoras de transformações para o mundo. Quando um povo se une em busca uma ideologia… se torna uma força gigantesca, são capazes promover grandes transformações para o mundo. Para isto não é necessário usar de violencia, contra seu proximo, contra os bens públicos, que são de nosso usufruto. A prática de barbáries, é totalmente desnecessária. O que está faltando são líderes que pensam com o cérebro e não com o braço, com a força física, para comandarem estes movimentos sociais tão necessários, para fazerem nossos governantes, entenderem que somos nós os patrões, somos nós que os indicamos no momento do voto, portanto eles estão onde estão para trabalharem em favor e não contra os ideiais e necerssidades da população, para isto pagamos os seus gordos salários.
    É claro que enquanto movimento, cada ser é um universo, enquanto há pessoas bem intencionadas nos grupos manifestantes , há criaturas que se aproveitam desses momentos, para extravazar instintos perversos, de destruição, atitudes assim são inadimissiveis, na nossa sociedade. São atitudes equivocadas que trazem grande prejuizo para nós mesmos, por que estão destruindo aquilo que já é nosso, adquirido com os impostos que ja pagamos e, com certeza se destruirmos vamos ter quepagar novamente, tudo que foi construido com o nosso suado diheirinho. Portanto vamos ter atitudes inteligentes, ao inves de dar murros contra a parede,ou sairemos ainda mais feridos!

  57. Julio

    14 de junho de 2013 at 19:04

    Parei de ler na sua conta esdrúxula de R$ 146 anuais. Se uma pessoa tem 2 filhos que precisam pegar ônibus para ir à escola em que resultado chegaremos? E quanto é o salário mínimo?
    Costumo admirar seus textos, Flávio, mas desta vez não deu nem pra continuar a leitura.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:12

      Salário mínimo não paga um mês direito de condução. E a conta é individual, aponte o erro.

  58. Farrel Kautely

    14 de junho de 2013 at 18:54

    Esse assunto já me encheu a paciência. São tantas coisas envolvidas que eu defender manifestantes estou errado em vários pontos, ou se for contra o mesmo repete-se.

  59. Mauricio

    14 de junho de 2013 at 18:40

    Flávio, eu concordo com tudo o que escreveu, mas fiquei com uma dúvida. Para você até que ponto este protesto seria justo? Ou fazer protestos apenas impondo cartazes surtiria o mesmo efeito diante das autoridades?

    Não questiono o que você falou, mas não pude compreender o que você pensa que deveria ser feito. Então a sua opinião é de que não deveria ter feito nenhum protesto, mas sim pedir pela privatização desses meios de transportes?

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:08

      Maurício, eu não concordo com um protesto que seja contra assassinato se ele estiver sendo realizado pelo Comando Vermelho.
      E se você não acredita no que estou mostrando (que é tudo manobra da UNE e de partidos políticos), dá uma olhada nisso…
      https://abr.ai/1bF86Be

  60. Richard

    14 de junho de 2013 at 18:24

    Cuidado! Vão querer queimar um Macbook Pro em protesto a este artigo, ainda mais porque os nomes, apesar do desfoque, ainda são legíveis.

  61. Mauro Pereira

    14 de junho de 2013 at 18:24

    Caro Flávio, boa noite.
    É a primeira vez que posto um comentário no seu blog, mas acompanho sua saga higienizadora pela Coluna do Augusto Nunes que vez ou outra brinda seus leitores com algum trabalho seu. Parabéns!
    Quanto as janelas, elas se estilhaçaram no dia 1.º de janeiro de 2003. Juntar os estilhaços poderá consumir toda uma geração, infelizmente.
    Continue firme e forte nessa sua cruzada em favor de um Brasil menos corrupto. Retroceder, sim. Render-se jamais!

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:06

      Muito honrado, Mauro!

  62. Cesar Nevor

    14 de junho de 2013 at 18:22

    Apesar de dizerem que as contas não batem e terem partidos tentando tirar proveito da situação, acredito que o movimento não seja só contra o aumento da tarifa, mas sim contra todo tipo de opressão e injustiça que o governo nos faz, pois a cada dia aumentam mais e mais os imposto e esse dinheiro quase sempre acaba sendo desviado pelos governantes para as próprias contas, como podemos ver diariamente nos noticiários. Sempre fazem CPIs e o resultado é sempre o mesmo ninguém é preso e o dinheiro nunca é recuperado, portando a maneira do povo lutar contra isso é questionar e se revoltar com cada centavo que vos for cobrado a mais. Como podemo ver em protestos no Rio de Janeiro, contra a criminalidade e revindicando mais policiamento, modelos de manifestações pacificas são ignoradas pelos governantes e no tem resultado algum. e o Rio esta pouco melhor hoje é por causa da copa que se aproxima e não por causa de manifestações pacificas feitas no passado . Manifestações contra governos e governantes devem sim causar destruição, pois desta forma o governo revela sua verdadeira face, a qual pode ser ou de negociador, paciente e afim de dialogar sobre soluções, ou de opressor, controlador, que sempre da um jeito de manipular a mídia para tirar o mérito da manifestação popular e que sem exitar solta seus cães(a policia) para atacar qualquer um que ouze questiona-lo.

  63. Bruno

    14 de junho de 2013 at 18:17

    Parabéns pelo texto. Exprimiu o que eu penso, mas que não consigo dizer tão bem, e muito menos sem perder a paciência, coisa que você parece ter de sobra. Pensei que só Reinaldo Azevedo e uns outros pouquíssimos tivessem os olhos sem vendas para enxergar por trás do que é dito e mostrado por aí. Que bom que eu estava errado. Passarei a frequentar seu blog sempre que puder. Mais uma vez, parabéns!

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 21:58

      Seja bem vindo, Bruno!

  64. Marcella

    14 de junho de 2013 at 17:57

    Seu texto mostra uma visão unilateral e um pouco desenformada! Sim existem os vândalos oportunistas sem ideologia a favor de queimar tido? lógico!!! Mas gostaria de saber como você acha que as pessoas deveriam fazer seu direito? Foi com pessoas assim, dispostas a saírem na rua, tomarem tiros, serem presas, perseguidas e torturadas que hoje você não vive em uma ditadura!

    Existem dois lados da moeda, lá também se encontram manifestantes que estão lá justamente para isso, manifestar seu direito, não é por 20 centavos por que se fosse por isso é só virar a situação , o que são 20 centavos para o governo?

    Em um mundo que voto não conta, abaixo-assinados são piadas, a mídia esconde, as pessoas tem que achar seu modo de serem ouvidas!

    A culpa de toda essa confusão foi do próprio governo que vem negligenciando o apelo da população, que cansou de sofrer suas injustiças, protestos silenciosos vem sido feitos em vão, riem de nós achando que temos o poder do voto.

    Estava na hora de uma atitude, o estopim pode ter sido os famosos 20 centavos, mas se você me disser que está feliz com esse país estará sendo muito hipócrita.

    Existem manifestantes totalmente contra a violência, a generalização disso é que gera ainda mais estragos.

    Ontem pessoas que filmavam de suas casa, sem qualquer participação nos protestos, levaram tiros, foram repreendidas apenas por registrar os fatos.

    Sou contra baixar a cabeça e aceitar a situação imposta a este país!!!!

    Assim como seus pais e avós um dia foram, para que hoje você pudesse ter o direito de fazer um testo como esse e expressar sua opinião!!!

    • Marcella

      14 de junho de 2013 at 17:58

      texto* ( ignore esses erros kkk)

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 22:50

      Marcella, você acha que eu prefiro pagar R$ 3,20 ou R$ 3,00 para voltar para casa? A resposta é óbvia, mesmo que você não me conheça. Mas, como mostra o TÍTULO do artigo, esse protesto NADA tem a ver com o preço da tarifa, apenas juntam poder político para encher o saco do governador. Tanto é que olha como será o próximo (pode me agradecer por já ter antevisto isso um dia antes da notícia sair): https://abr.ai/1bF86Be

  65. Nina

    14 de junho de 2013 at 17:55

    Como é bem intencionado esse Flávio, não é mesmo?
    Ele nunca quer dizer nada, nunca coloca as coisas no mesmo patamar e nunca usa de retórica tosca para justificar seu texto.

    Como é bem intencionado, o Flávio. Nunca quer dizer nada, coitado.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 21:57

      Quis dizer um monte de coisa que vossa interpretação de texto passou por cima.

  66. Luigi Sant'Anna

    14 de junho de 2013 at 17:54

    Olha cara, só tenho uma palavra: Parabéns.
    Você ganhou um fã. Simplesmente fantástico seu texto.

  67. Andre Segarini

    14 de junho de 2013 at 17:51

    Agora olha o absurdo! A Gaviões da Fiel chama seus integrantes e torcedores de outros times para protestar no próximo ato… q absurdo! Porque não protestaram quando a prefeitura abriu o cofre para o Corinthians construir o seu estádio? O dinheiro que cedeu em isenção de impostos poderia compensar o aumento da tarifa… é uma teoria simplista a minha, mas não é de se questionar??? concordo com seu texto. O problema é que a hora de morrer alguém nos protestos, ai a coisa muda de figura e o motivo da luta passa a ser outro, e na próxima eleição todo mundo usa os vídeos da truculência da polícia a seu favor… inclusive hoje o prefeito já tirou o corpo fora: “a policia é responsabilidade do estado!!!!”

    • TiagoCreed

      14 de junho de 2013 at 18:16

      Já foi lançado nota da Gaviões negando o apoio

  68. Marcelo

    14 de junho de 2013 at 17:44

    Totalmente fora de contexto tudo que foi retirado da internet. Querendo colocar todo um cunho politico num protesto até então apartidário. Óbvio que alguns vão tentar proveito da situação, mas não tente generalizar, pois se foram 20 mil manifestantes, faltaram pelo menos 19.500 bandeiras para dizer que são todos de algum partido. Agora o pior de tudo é a atitude Alkimista de dizer o “tudo isso por R$ 0,20”??? Não, todos sabemos que não é só isso, por favor, não insulte nossa inteligência.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:58

      O protesto é “apartidário” com bandeiras até mostrando a legenda dos partidos em que se deve votar, e quem é contra é “alckmista”? Puxa, quanto apartidarismo! Quanta coisa recolocada em contexto! Minhas desculpas, vou prestar mais atenção.

  69. Dougas Baldan

    14 de junho de 2013 at 17:27

    Mas que ótimo texto! Resume exatamente o que eu penso.
    Movimento popular? Pode ter sido no começo, mas já se afastou disso faz tempo.

    Os mesmos que adoram gritar que somos manipulados pela mídia e outros clichês, não percebem que, no final, são eles que são manipulados pela mais diversa sorte de crápulas.

    Que fazem parte do tal “sistema” que tanto dizem combater.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:28

      Tô achando engraçado tanto comentário falando que não se engana pela “mídia” citando… a mídia.

  70. Marco Aurélio

    14 de junho de 2013 at 17:07

    Só pelo número vagabundos que lhe criticou, o seu post funcionou, ninguém chuta cachorro morto.
    A militancia comuna é isto aí.

    Mas aprendi uma coisa na vida e vou falar, se vc quiser saber o que é certo e o que é errado, basta ver as principais mídias. Na maioria delas quando tem um debate leva um comuna de carteirinha, e um liberal meia boca (isto se levar).

    Quer um exemplo –

    Aquecimento Global vc já viu alguem contra falar algo a respeito? foi uma vez no canal livre e no Jô soares depois da 00:00hs

    Lei seca – já viu alguém que bebeu uma taça de vinho e provar que esta fisicamente apto a dirigir sem precisar fazer o teste do bafometro?

    Atropelamento de ciclistas – morrem 500 pedestres atropelados e ninguem para as ruas , um ciclcista folgado que que tem mais espaço do que eu que pago IPVA, dou dinheiro a petrobras gero milhões de empregos, morre a midia toda fala.

    Dizem que a liberdade de ter armas nos EUA leva as grandes tragédias, lá tem 300 mi de habitantes e 16 mil homicidios, aqui são 50 mil e só 8% desvendados os culpados.

    PCdoB, PT, psol, pstu, pco fazem doutrinação ideológica na TV, demais partidos contam historias, fizemos isto, aquilo ao inves de dizer toda a merda de mais de 100 mi de mortos de deixaram

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:38

      Marco, além disso, aprendi outra coisa hoje: não adianta escrever NO TÍTULO de um artigo que os protestos NADA têm a ver com a tarifa. Cerca de 99,9998% dos comentários comentarão que a tarifa está muito alta e que é bom se mobilizar contra a tarifa.

  71. Peter Ivan Jozsef Racz

    14 de junho de 2013 at 16:58

    Concordo com tudo que v. disse Flávio Morgenstern. Infelizmente parece que sou minoria, principalmente entre jovens .

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:24

      Resta tentar fazer o trabalho de formiguinha e explicar pra galera, Peter.

  72. Marcos

    14 de junho de 2013 at 16:56

    70 mil pessoas protestaram pacificamente em Brasília, e foram boicotadas pela imprensa. Está claro que os comunas estão fazendo uma demonstração de força, se apropriando das causas populares (o grass roots) e da mobilização da internet. Não importa o motivo, é um preenchimento de espaço político que eles sabem fazer muito bem.
    Com isso, eles tomam o espaço da discussão democrática, como já fizeram no campo com o MST.
    Na verdade, existe também um motivo imediato, que é o desgaste do Alckmin, o qual a pesquisa mostrou que nem o Lula bate.
    Os anarquistas e a molecada são apenas idiotas úteis, mas a cabeça são mesmo os partidos marxistas.

  73. Claudia

    14 de junho de 2013 at 16:47

    E a pergunta que não quer calar > Ganhou quanto para publicar esse texto?

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:23

      Perdi um tempão danado, mas fiz vários amigos. E você, também é dessas que acredita que, se você é contra vandalismo, é automaticamente fascista, apoiador de grupo de extermínio da PM e tucano nazista?

      • Dougas Baldan

        14 de junho de 2013 at 17:30

        SIm, hj essa dicotomia é o maior vício dos imbecis. Se vc não for a favor do vandalismo, vc é neoliberal, facista, etc. Se vc não for a favor do PT, “obviamente” é tucano.

        Esse pensamento booleano me cansa. É ser muito raso.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 17:41

        Foi o que expliquei no artigo. Mas vai pedir pra nêgo ler ao invés de vir com 20 pedras na mão, coquetel molotov e discurso pronto…

      • Daniel

        14 de junho de 2013 at 22:33

        Pq citar apenas a dicotomia do seu ponto de vista, que tal falar do pensamento de quem não é a favor da violência policial, é marxista, quem acha justo fazer um protesto, é do PT. É obvio que teria bandeiras de partidos político, afinal são todos aproveitadores de situações pra posteriores campanha, mas tbm tem o lado de gente que acredita em lutar pelo que acha justo!

        Só não acho legal generalizar 20.000 pessoas por uma duzia de bandeiras, ou pq alguém de algum partido foi associado à manifestação!! Entendo que tem aproveitadores, mas ainda tem gente honesta que acredita num protesto sem violência!!

        Apesar de não concordar, acho bacana ter uma visão de outro ponto de vista, digo “outro” pq não acho que é só direita e esquerda, mas tem vários lados!!

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 22:44

        O que mostrei é justamente que essas pessoas acreditam que estão lutando pelo que acham justo, mas estão sendo enganadas por partidos.

  74. alice

    14 de junho de 2013 at 16:37

    Enfim alguém que tem um ponto de vista parecido com o meu. Sou trabalhadora, só pago passagem quando vou passear, senão a passagem sendo 1 real ou 10 reais vão-se os mesmos 6% do meu salário. Será que as pessoas não enxergam que quando quebram o patrimônio público, o preço é pago por nós mesmos? Não vai ser o dono da empresa do ônibus que vai tirar o dinheiro do bolso dele e pagar a pintura dos prédios, nem tão pouco o prefeito. Como sempre digo, invés de superfaturarem um hospital novo, um posto de saúde ou uma escola não vão superfaturar a reconstrução daquilo que estava inteiro e foi quebrado. Os ônibus queimados serão pagos com novo aumento e não acho que o dinheiro de nosso impostos devam ser repassados para passe livre, porque aí sim as empresas vão ganhar rios de dinheiro mascarando números reais de passageiros por dia e alegando a necessidade de mais lucro. A empresa para o qual eu trabalho vai parar de me dar as passagens e quem vai pagar a conta passar a ser eu mesma…

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:22

      Pior é que não foi apenas ônibus que incendiaram. Teve estação do metrô, todo o lixo deixado, cones da CET…

  75. F C

    14 de junho de 2013 at 16:37

    Fascistinha de merda.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:21

      Como disse, para essas pessoas, existem “nós” e “os fascistas”.

  76. Katia Benahim

    14 de junho de 2013 at 16:21

    Aumento de passagens 2 vezes no mesmo ano, no Rio de Janeiro, é demais!!! Esses governantes são irresponsáveis. Às vésperas de começar a Copa das Confederações, estão achando que a população está alienada, por conta dos grandes eventos que vão acontecer no Brasil. O Arnaldo Jabor, disse que são pessoas da classe média, tocando terror por “causa” de R$0,20 (vinte centavos). Falar isso é fácil para ele, que na minha opinião, não passa de um excelente demagogo, e ele tem a cara da burguesia ultrapassada que tripudiava os problemas sociais. Isso é o estopim, a “caixa d´água” que está transbordando!!!

  77. Roberto Gomes

    14 de junho de 2013 at 16:16

    Parabéns pelo texto, Politicamente, você é 10. Futebolistica-bambimente, 0. Chupa que o Timão tem Libertadores.rs

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:09

      Mas eu tenho 3, Roberto. :)

  78. Francisco

    14 de junho de 2013 at 16:13

    Flávio Morgenstern Quando crescer quero ter sua paciência em tentar explicar para os esquerdistas e os massa da manobra.
    Pois, e flagrante que não querem explicação e sim concordância. Só tenho uma coisa para dizer para eles.
    “Eles que Venham. Por Aqui Não Passarão! “

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:09

      Não queira, é melhor ser impaciente e gastar o tempo com coisas mais higiênicas. :)

  79. Gabriel Pedroso

    14 de junho de 2013 at 16:09

    Adorei o texto!
    Li todos os comentários e é triste ver como tem tanta gente ignorante com acesso a internet.
    Muita gente que escreveu aqui não sabe nem o significado de algumas palavras. Lamentável!
    Continue com seus artigos!
    Parabéns!

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:36

      À luta, companheiro!

  80. Luiz Carlson

    14 de junho de 2013 at 15:59

    Flávio, me ajude a retrucar esse comentário de um cunhado meu:
    “Respeito tua opinião, Titi. A minha opinião é de que é um texto ridículo, alienado e de gente que tenta garantir que as coisas continuem exatamente como estão. E ao ver as imagens dos protestos de ontem em São Paulo, fiquei mais seguro disto ainda. Em especial quando ficou absolutamente comprovado que quem começou a violência foi a PM, atirando inclusive nos jornalistas e quebrando o vidro da viatura pra tentar incriminar os manifestantes. Se depender de mim, ajudo o Brasil a mudar na marra!

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:36

      Primeiro, fugiu da lógica explicada aqui no texto de que a violência é o objetivo, e não o desvio, desses protestos (afinal, se há violência policial, os manifestantes saem ganhando – onde errei até agora?). Segundo, parte do pressuposto de que defendo o statu quo dessa cidade – daqui a pouco vai dizer que defendo o Haddad e que sou rico (vide quantos comentários aqui fizeram isso).
      Aí é o polilogismo que Mises explicou: https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=283

  81. Slow Learner

    14 de junho de 2013 at 15:59

    Flávio, você chegou a ver o perfil dos 13 detidos que a Folha publicou?

    É interessante analisar alguns perfis, Há entre eles um proletário de Alphaville, um humilde jornalista que reside no paupérrimo bairro das Perdizes e uma moça de Rio Claro que, a despeito de se declarar desempregada e não sofrer os efeitos do aumento no preço da passagem em sua cidade, decidiu vir à capital protestar em plena quinta-feira. É muita solidariedade, não?

    É espantoso que alguém acredite que a real motivação dessas pessoas é o aumento no preço da passagem… Não dá para levar a sério. Tanto não dá para levar a sério que estão remodelando o discurso para “não são os vinte centavos, é a realidade que aí está posta!”.

    E assim vão ocupando espaços e avançando na “guerra de posições”, conforme ensinava o mentor deles, Gramsci…

  82. Mulholland

    14 de junho de 2013 at 15:57

    Só mais um comentário, juro!

    Cadê as dançarinas do Femen para protestar contra esse aumento machista?

  83. Slow Learner

    14 de junho de 2013 at 15:54

    Flávio, você chegou a ver o perfil dos 13 detidos que a Folha publicou? Há entre eles um proletário de Alphaville, um humilde jornalista que reside no paupérrimo bairro das Perdizes e uma moça de Rio Claro que, a despeito de se declarar desempregada e não sofrer os efeitos do aumento no preço da passagem em sua cidade, decidiu vir à capital protestar em plena quinta-feira. É muita solidariedade, não?

    É espantoso que alguém acredite que a real motivação dessas pessoas é o aumento no preço da passagem… Não dá para levar a sério. Tanto não dá para levar a sério que estão remodelando o discurso para “não são os vinte centavos, é a realidade que aí está posta!”.

    E assim vão ocupando espaços e avançando na “guerra de posições”, conforme ensinava o mentor deles, Gramsci…

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:34

      Não tinha visto isso, não… Mas que revolta popular espontânea sem fins ideológicos por trás, hein?!

  84. Pollyanna

    14 de junho de 2013 at 15:49

    Permita-me compartilhar esse maravilhoso texto!!! Sinceramente, ganhei o meu dia!! Parabéns triplicado a você, pelas sábias palavras e argumentações!!

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:06

      A honra será minha, Pollyanna.

  85. Mulholland

    14 de junho de 2013 at 15:47

    O mais engraçado disso tudo é que os organizadores do protesto são financiados com dinheiro público do MinC da Petrobrás.

    Se bem que o mais engraçado é que os manifestantes saem de casa com máscaras de gás lacrimogênio, depois reclamam chorando que a polícia usou gás lacrimogênio. Se querem começar uma guerra civil, esperem uma guerra civil, ora. Vão ficar no twitter e no facebook chorando “AIN O POLIÇIA JOGO SPREI DE PIMENTA NI MIM”? Cadê o soldado revolucionário que saiu de casa para lutar na guerra?

    O mundo está coxinha demais.

    • Mulholland

      14 de junho de 2013 at 15:54

      Saindo de casa, publica nas redes virtuais: “VAMOS QUEBRAR TUDO E ACABAR COM OS PORCOS FARDADOS”

      Voltando para casa, publica nas redes virtuais: “OLHA MEU DÓDÓI O PULIÇA DEU TIRO DE BALA DE BURRACHA, AIN MEU CORASSAUM”, enquanto mostra um hematoma no braço e faz uma cara de santo de barro.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:06

      Regra básica: se o protesto é pacífico, por que cobrem o rosto?

  86. Alex

    14 de junho de 2013 at 15:46

    Burguês que nunca pega ônibus: lixo!

  87. Marta Regina Ciorlia

    14 de junho de 2013 at 15:26

    Flávio, parabéns pelo corajoso texto. Ele traduz totalmente minha opinião. Obrigada. Peço licença para compartilhá-lo nas redes sociais, que erroneamente estão manipulando e mostrando só um lado da moeda, o das “supostas vítimas”.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:02

      Muito honrado, Marta!

  88. André

    14 de junho de 2013 at 15:26

    Outro ponto: não tivemos civis feridos. Alguém viu alguma imagem de manifestantes feridos, sangrando, sendo carregados?

    Não vi uma foto dessas dramáticas.

    Não é estranho que sete, repito, SETE, jornalistas apenas da FSP fossem feridos?

  89. ThiagoR

    14 de junho de 2013 at 15:24

    Só pra não variar, excelente texto, Flávio!
    Li os argumentos dos mentores do movimento na FSP e chega a dar dó a pobreza do raciocínio.
    Estava com saudade de ler seus escritos! Entender que os líderes desses movimentos querem, sim, sangue e porrada da polícia é essencial para enxergar a questão.
    Abs!

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:02

      ThiagoR, a honra é toda minha!

  90. Gabriel

    14 de junho de 2013 at 15:16

    Fiquei procurando por uma opinião lúcida sobre esse assunto o dia inteiro e finalmente encontrei. Parabéns pelo texto.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:01

      Muito obrigado, Gabriel!

  91. Eduardo

    14 de junho de 2013 at 15:00

    Que aula de raciocínio lógico. Esse é o primeiro texto que leio por aqui, mas pretendo apreciar todos os dispóníveis. Sem hipérboles: Genial.

  92. Lucas Paiva

    14 de junho de 2013 at 14:57

    “Se a tarifa não baixar, a cidade vai parar” Não é tão claro assim. Você pode parar uma cidade de diversas maneiras, não necessariamente pela violência. Em vários vídeos que vi, bastava a Tropa de Choque chegar e a pancadaria efetivamente começava. A sua lógica admite que fiquemos quietos e não causemos qualquer incômodo ao contribuinte que paga seus impostos. Quando todos nós somos abusados por exploração e abusos de preços. Quando você vê um jornalista com o olho edemaciado por uma bala de borracha, vc realmente acredita que os manifestantes causaram a violência??? Será que a PM não tem táticas de contenção um pouco menos agressivas e generalizadas?
    Ao video do PM que quase foi linchado eu te repondo com esse: (https://www.youtube.com/watch?v=043RmwFwero)
    No vídeo que vc postou, eu vejo manifestantes tentando conter a agressão. No que estou te mostrando, vc vê 7 PMs agredindo um jornalista. Agressão Mínima, não é? Só eu a resposta foi máxima. Estou justificando a violência de uns covardes contra o PM? DE JEITO NENHUM! Está certo destruir o patrimônio público ou privado nos protestos? NÃO! Mas, vem você me falar que há apenas revide da PM??? Sua lógica é de Coronel Nascimento. Se as lideranças partidárias desses protestos sabem que tudo irá acabar em pancadaria, do que sabe o Governador Geraldo A. quando envia a Tropa de Choque? Quer se basear em meia duzia de prints incitando destruição contra milhares de pessoas divulgando eventos de passeata pacífica? Quero ver você manter seu discurso de lógica incompleta quando tomar uma bala de borracha no olho e terminar num hospital sem saber se vai perder a visão ou se teve um comprometimento neurológico grave.
    Washington Luiz Já dizia: “A questão social é caso de polícia”. Temos um histórico que demonstra a maneira violenta com a qual é tratada toda manifestação que incomode. Qual sua sugestão, Flávio? Continuar em facebook? Assim basta deletar e bloquear os impertinentes que poluem seu feed de notícia? Acontece que se a impertinência ocorrer na Paulista, você não consegue deletar. A manifestação tem, sim, que causar incômodo. É exatamente esse o problema: comodismo.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:01

      Se querer parar minha vida, vai ter de usar violência. Então, está provocando isso de toda forma. Não falei em momento algum para ficarmos quietos, apenas mostrei quem organizou essa coisa e com quais reais objetivos, ao invés de acreditar em propaganda partidária. E mostrei que os manifestantes querem essa violência, e não lucrariam se a evitarem. Mostrar a PM agindo mal é desvirtuar a discussão com algo que nada tem a ver. É como mostrar esquadrões policiais na periferia. E sim, me baseio em quem organiza o movimento, não na massa inconsciente que não sabe o que está fazendo (por isso assim os diferenciei em negrito no texto).

  93. Carlos Alberto

    14 de junho de 2013 at 14:54

    Flávio, gosto de ler seus textos pois são inteligentes.
    Não sou comunista, socialista, petista, tucano, PC do B, PSOL esquerdista, mas vejo algo de positivo na manifestação do passe livre, a manifestação em si.
    Mesmo tendo partidos políticos por trás só o fato de ver o povo nas ruas já me faz acreditar que é possível mudar. Mudanças que podem demorar mas que podem acontecer.
    Procure divulgar seus textos que como já disse são ótimos.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 14:59

      Carlos, eu entendo esse ponto de vista, mas é contra esse discurso que foi criado (e tiveram objetivo estratégico de que fosse criado e massificado assim) que estou indo. Você apoiaria, por exemplo, uma manifestação contra a corrupção que fosse criada pelo PCC? É um perigo que, pelo andar da carruagem, 99,999999999% da população correria, pois parece que, se isso acontecer, essa galera toda vai apoiar do mesmo jeito.
      No mais, muito obrigado pelas palavras!

      • Patricia

        14 de junho de 2013 at 16:19

        Uma das poucas coisas escritas a respeito do assunto que demonstraram um esforço por parte de quem escreveu em ir além do que está sendo falado por um dos dois lados. Sempre que algo parece polarizado em dois lados opostos eu desconfio. Como bem escreveu Paulo Leminski há algns anos: viver é super difícil o mais fundo está está sempre na superfície.
        Parece que pouca gente se dispõe a dedicar um olhar aprofundado ao que está na superfície.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 17:09

        Obrigado, Patrícia!

  94. Pedro Rodrigues

    14 de junho de 2013 at 14:44

    A manifestação, eis o fato mais comentado nos últimos dias, seja por imprensa, comentários no facebook, roda de amigos ou até por pessoas que nem fazem ideia do que seja a reivindicação estão ciente de que algo está ocorrendo .

    Quero deixar claro, que isso nada mais é que uma opinião pessoal, não sou contra a manifestação e sim contra o que está sendo manifestado, por quem está manifestando e da forma que está sendo. Também não estou a favor das milícias ou do governo, seja ele PT ou ele TUCANO, sou da opinião que são farinha do mesmo saco.

    O grande fato é que a manifestação tinha tudo para ser algo bom e de revolucionário, até o segundo parágrafo onde houve erros gravíssimos.
    1º erro: Tratar o aumento da tarifa como um dos maiores problemas que temos hoje em São Paulo, como se já não tivéssemos ciência que iria haver esse aumento desde setembro passado, quando antes das eleições eram anunciados aumentos na tarifa.
    2º erro: Metade dos manifestantes são estudantes, muitos de classe média, não que isso interfira no ato de manifestação, mais como um estudante de classe média, me reclama de pagar 0,20 centavos a mais? É injusto o aumento? é , mais partindo do principio que ele é um estudante assim tendo direito a pagar meia tarifa e que muitos desses estudantes possuem o próprio meio de locomoção e pegam ônibus/trem/metrô uma vez por ano, mostra que o protesto tem algumas falhas, não são todos que estão engajados nele e que tem a ciência do que a mudança da tarifa realmente afeta.
    3º erro: A manifestação transcorria tudo bem no primeiro ato dela, até começarem a tirar as lixeiras e colocar ela no meio das avenidas e atear fogo, após isso começou as pichações em muros ônibus, pós pichações fizeram ônibus com trabalhadores e civis comuns descerem do ônibus para tentar atear fogo e pichar dentro do veiculo, logo os civis comuns e trabalhadores que estão sendo tão afetado quanto ou até mais que os manifestantes com o aumento da tarifa, sem contar que quebrando lixeiras, ônibus, pichando muros, estações você está deteriorando o patrimônio seu, que para ser “criado e instalado” já foi superfaturado, e a manifestação é em busca de melhorias e na baixa do preço, como alguém que está atrás de melhorias destrói algo que está ali para melhorar o ambiente e os acessos?
    4º erro: São Paulo vive o pior momento em sua segurança publico privada pós incidentes com o PCC, onde a cada 66hrs há um arrastão na cidade ou a cada 32hrs a um latrocínio em SP, onde professores recebem um salário irrisório avaliado ao que merecem para exercer sua profissão em escolas de “lata” ou ambientes que não facilitam a sua função, onde o índice de menores efetuarem assaltos/latrocínios/furtos teve um aumento de 47% segundo a folha de SP e os mesmos menores não serem punidos devido a sua idade.

    A manifestação tinha tudo para ser algo realmente um marco na sociedade paulistana , se não houvesse tantos “poréns” conforme citados acima, além do que a manifestação deixou de ser algo que visa a melhoria, para se tornar algo político, onde partidários aproveitam a atenção da mídia para expor falhas do governo atual e se autopromover em futuras candidaturas, onde na manifestação há bandeiras de grupos homossexuais hasteada (mais pera ai, não é a manifestação contra aumento “abusivo da tarifa”? o que há manifestantes protelando direitos homossexuais e homoafetivos?), a manifestação chamou atenção que queria da sociedade, porem se perdeu com isso, se juntou a manifestação diversos outros grupos que não estão a par da causa, apenas para promover entre a entrada de tantos outros que estão ali no meio apenas para tulmutuar ou efetuar quebra-quebras, enquanto muitos acham que estão deixando de ser alienados pela “rede esgoto de televisão”, estão se alienando por eventos sem estruturas criados através da massa do facebook, não que isso seja algo ruim, porem não há pessoas cientes da causa, o porque disso.
    Outra questão é que é muito fácil protestar e tudo mais, porem se a manifestação realmente você algo que busca a melhoria, ela deveria apresentar alguma solução para os problemas, a manifestação deixa de ser produtiva a partir do momento em que nela apenas há pessoas que criticam sem trazer a solução para a melhoria, criticar e ver os erros é fácil, mais achar as soluções para eles que é difícil.

    Pedro

  95. Mulholland

    14 de junho de 2013 at 14:34

    Prefiro o carnaval do Rio que essa micareta punk.

  96. J.C

    14 de junho de 2013 at 14:31

    Admito que me sinto aliviada de ter encontrado seu texto pela internet.
    Sou estudante de Jornalismo, tenho apenas 21 anos e termino a faculdade este ano. Nesse cenário, posso dizer com total convicção de que as salas de aula do curso de Jornalismo se fazem como terreno para que professores totalmente ligados à esquerda manipulem seus alunos. Me arrisco até, a uma singela estatística de que a cada 10 aulas, no mínimo em 8 a revista Veja é apedrejada e difamada.
    Graças ao meu pai, não caí na deles.
    Está estampado (literalmente em bandeiras e pichações) que esses tão falados 0,20 centavos pouco importam.
    Diferente do que muitos aqui vão falar, SIM eu uso condução, SIM eu pego ônibus lotado e NÃO, eu não acho o transporte público uma maravilha. Ora pois, engraçado que não houve nenhum “manifesto” querendo impedir que a Copa fosse realizada no Brasil. Enquanto gastam BILHÕES de reais em um estádio de futebol…quantos hospitais e escolas poderiam ser construídos?
    E não me venham com o papo de que “não é por causa de 0,20 centavos, isso foi a gota d’água, o povo acordou”…NÃO, sinto muito mas não acordou não. Pelo contrário, está dormindo cada vez mais. Gota d’água por gota d´água, porque não fizeram isso antes?
    Agora, dizer que não há politicagem em meio a esses atos IGNORANTES é muita falta de vergonha na cara.
    Eu APOSTO que muitos dos participantes não sabem nem explicar o que são todas essas siglas e todas essas foices pichadas nas paredes.
    Ah, mas isso não importa, não é mesmo? O importante é postar no facebook “VIVA A REVOLUÇÃO” e ganhar alguns “curtir”, ou ainda, tirar alguma fotinho de algum policial ameaçando um pobre manifestante. Foto essa, tirada de um iphone, claro.
    Porque não vão trabalhar e crescer? Já que ainda o podem fazer, visto que, em um regime comunista, quem cresce já é logo tratado como burguês.
    Sou nova, mas tenho minha opinião formada. Porém, com os recentes acontecimentos, é sempre ótimo ler artigos como os seus, sempre me ajudam a entender melhor e argumentar melhor a minha posição.
    Forte abraço.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:33

      J. C., você é nova, mas tem uma opinião extremamente mais embasada do que qualquer um com “consciência política” de não querer pagar mais pela passagem por aí (não digam, até um neném não quer!). Essa história de gota d’água é o fim, queimaram dentistas vivos (e mais um homem) e ninguém fez nada, agora acreditam que 20 centavos geraram uma revolta espontânea da população?! Oh, gosh….

  97. Carlos

    14 de junho de 2013 at 14:29

    Olá Marcelo,

    mimese de ideias conservadoras e conseguiu até escrever bem e se prolongar tendo como base o ínfimo recorte da realidade e print’s de comentários alheios no facebook/twitter (conseguiu até inaugurar uma nova forma de criar premissas pro “argumento”)! Mas, faz parte do debate, da tensão dialética. Uma minoria acredito que esteja ligado a esses partidos de extrema esquerda, mas generalizar (e ainda tendo como fonte de afirmações redes sociais, é lamentável) é errôneo. Sim, li todo seu artigo e como disse faz parte ter que ler artigos de cunhos opostos, mas esse REALMENTE me chamou muita atenção devido a uma escrita que tenta “falar difícil” e tenta tomar como centro corretíssimo da realidade. Apenas mimese, mimese (e com uma nova forma de se basear em fontes) e nada de ter uma experiência empírica sobre o que escreve. Deixe a posição de jornaleco e vire antropólogo de vertente evolucionista que aí sim fica mais compreensível!

    Até meu caro.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 14:34

      E nenhum contra-argumento de sua parte.

    • Amina

      14 de junho de 2013 at 16:57

      Perfeito.

  98. Rubia

    14 de junho de 2013 at 13:59

    Quanta merda escrita, QUANTA MERDA! Haha.

  99. JUSTIÇA JÁ!!

    14 de junho de 2013 at 13:51

    VOCES ACHAM MESMO ISSO, VOCES ESTÃO GENERALIZANDO TUDO!! ISSO É O QUE A TELEVISÃO QUER QUE VOCES ACREDITEM, PRA VCS VEREM EM SP 400 JOVENS FORAM ÀS RUAS APENAS 20 FIZERAM ISSO, E A TV MOSTROU O QUE MESMO? DESTRUIÇÃO. ISSO MESMO, PESSOAS NAO SÓ ESTAO LUTANDO POR, COMO DIZEM POR AI “R$0.20”, ISSO FOI SÓ O ESTOPIM, ISSO É FRUTO DE TANTA OPRESSÃO CAUSADA PELA EXPLORAÇÃO DO GOVERNO. VOCES SAO TODOS HIPÓCRITAS, QUANDO VEEM MOVIMENTOS EM OUTROS PAÍSES ACHAM MUITO LINDO, QUE ESTAO LUTANDO PELOS SEUS DIREITOS MAS NAO SAO CAPAZES DE ENXERGAR QUE ESSES PROTESTANTES ESTAO TAMBÉM, ESTAO QUERENDO PROVAR QUE O POVO BRASILEIRO AINDA TEM ALGUMA UTILIDADE, QUE AINDA PODEMOS SIM EXIGIR NOSSOS DIREITOS, QUEREMOS SER OUVIDOS, QUEREMOS SER VISTOS E EQUANTO PROVIDENCIAS NAO FOREM TOMADAS VAMOS CONTINUAR ASSIM!!!

    • Mulholland

      14 de junho de 2013 at 14:49

      “ISSO É O QUE A TELEVISÃO QUER QUE VOCES ACREDITEM”
      “HURR A GLOBO É A FAVOR DA POLÍCIA FASCISTA DURR”

      Não, a TV não se importa com o que nós acreditamos. Mostrou tudo, da prisão do jornalista da Carta Capital por “portar vinagre”, ao tiro de bala de borracha na repórter, até da depredação dos ônibus, mas TV é TV, de Datena a Globo News, o que dá audiência é porrada, da polícia ou do ladrão.

      O que a TV quer é Ibope. Mostrar um bando de maconheiro cantando “Kumbaya” na Av. Paulista não dá Ibope. Mostrar punk de máscara jogando e tomando bomba de gás, isso dá Ibope.

      • Rômulo Alves

        14 de junho de 2013 at 17:38

        Perfeito.

  100. Cérbero

    14 de junho de 2013 at 13:51

    Só pela quantidade de opiniões diferentes sobre o assunto, apoiando ou condenando o movimento, já é perceptível que isso não vai dar em muita coisa. Uma revolução? Seria uma revolução feita pela vontade de apenas uma parte da população e que, quando estivesse no poder, estaria no mesmo lugar dos poderosos de agora. Ainda não teci minha opinião sobre o movimento, afinal ainda nem sei do que se trata (se é realmente o que diz ser). Mas acho que limitar o direito de outros só vai aumentar a antipatia pela causa, seja lá qual for. Por que, ao invés de ocupar a Av. Paulista, impedindo passagem de pessoas que exercem seu direito de ir e vir, tão reclamado pela manifestação, eles não vão até à Prefeitura ou sede do governo estadual? Não considero ilegítima a manifestação, mas acho que poderiam pensar em ações mais efetivas. Fazer algo em relação a quem tem alguma responsabilidade ou poder sobre o objeto do protesto e não em relação a alguém que sequer, talvez, saiba o que está acontecendo.

  101. GSH

    14 de junho de 2013 at 13:49

    Bom, de um ponto de vista lógico histórico, já têm muitos anos que a população vem pedindo por mais justiça, segurança, educação e saúde, ao passo que os governos – federal, estaduais e municipais – nada fazem para sanar estes problemas, sob a desculpa de que “não há verba”.

    Pois bem, bastou uma Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos para fazer vir a tona a verdade sobre a administração pública: não tem dinheiro para as necessidades básicas do povo, mas tem para frivolidades. Também não existe democracia, existe totalitarismo.

    Se por mais de 10 anos as pessoas se manifestaram de diversas maneiras, com protestos pacíficos menores, 100% nos moldes da administração pública, atendendo a todas as exigências legais, em redes sociais, redes midiáticas não concessionadas pelo governo federal e nas ruas, se a mídia tradicional falhou em defender a verdade e a justiça para cumprir pauta e fazer a manutenção do seu relacionamento com os administradores públicos, só restaram duas opções lógicas para o povo:

    1. Resignar-se, como já o fez várias vezes
    2. Reforçar seu movimento

    Bem, desta vez o movimento cresceu e começou a doer no bolso, porque se SP para por 6h, o prejuízo é bem grande. Se 4 das capitais que mais geram retorno tributário para o país param, o prejuízo é muito maior, a ponto de tornar inviável as práticas correntes.

    Veja bem, nenhum grande movimento se faz sem liderança. Apenas a ingenuidade e a burrice (ou seria esquizofrenia) permitem o raciocínio de que qualquer manifestação se organizaria sem apropriada indução e condução.

    Isto só importa para o governo vigente, que está caminhando no fio da navalha, prestes a perder seu posto e seu lucro pessoal.

    Para o povo só importam seus direitos, a dignidade, a segurança, a saúde pública e a educação. Se tem líder ou não “é mero dissabor da vida cotidiana”, como já disse um Juíz do RS para uma vítima de estalionato.

    O grupo que está indiretamente governando o país está com medo de colher aquilo que plantou, mas depois de engordar o porco, agora vão ter que assar.

  102. Danilo

    14 de junho de 2013 at 13:41

    Olá Flávio,

    Se me permite, eu gostaria de tirar algumas dúvidas sobre o seu pensamento acerca dos últimos acontecimentos. Moro em São Paulo desde 2008 e nunca tinha visto algo parecido. Eu moro na Paulista eu fui dar uma olhada. Bom, gosto de pensar que o melhor a fazer nessas horas é ouvir todos os lado. Aí vão algumas de minhas dúvidas.
    → No seu diagnóstico, há um problema quando lideranças esquedistas se utilizam de uma mensagem simplista para manipular massas na busca por um objetivo mais profundo não divulgado. Realmente, não sei até que ponto isso se verifica, mas como, num universo de pelo menos 5.000 pessoas, um observador externo deve se comportar sobre a atuação desses? Digo, assim como verificamos pessoas comprometidas com a violência (já que esta é o objetivo necessário do desenvolvimento da “revolução” destes), verificamos muitas pessoas realmente comprometidas com a manifestação de uma ideia, ou no mínimo de manifestar sua opinião sobre a questão dos transportes.
    → Daí retiro três outras consequências. Uma sobre a caracterização da violência. Outra sobre a atuação do Estado, e uma última sobre ponderação de como enfrentar um problema sob óticas individuais e coletivas.
    1)sobre violência, acho que ficou claro do seu pensamento (me permita classificá-lo como vertente conservadora, já que foi o melhor texto que li desta vertente até agora, por favor, entenda também que eu não uso esse termo em nenhum sentido pejorativo), é que não é só violência física que deslegitima a mobilização, mas a violência simbólica, representada, p.ex, pelo fechamento de uma via pública. Desse modo, ainda que imaginemos um mundo em que não houvesse vandalismo nem repressão da polícia, ainda sim, haveria violência na atuação do movimento, vez que haveria o fechamento de uma via.
    1.No entanto, as estatísticas da CTC indicam que em dias normais a cidade já atinge números de lentidão semelhantes e maiores do que os verificados no dia das manifestações. Na quarta-feira, p.ex, a lentidão foi maior do que a registrada no dia do protesto. Assim, “parar a cidade” não seria um mérito exatamente atribuído ao movimento.
    2.Para além disso, o senhor propõe um tipo de manifestação que não entre em conflito com outros direitos igualmente constitucionais. Uma manifestação no ibirapuera, p.ex. Mas isto não seria uma tentativa de “ostracismo” o mesmo de sobrevalorização absoluta do direito de ir e vir sobre o de livre manifestação, de modo que o as manifestações só seriam legítimas se realizadas em determinado local para que ou ninguém seja afetado ou ninguém fique sabendo? Penso aqui no impacto prático de uma manifestação deste tipo, totalmente isolada. Como ela seria capaz de incluir novos argumentos no fluxo de informação? Pense que, p.,ex, exista uma situação em que os veículos de inclusão de argumentos no fluxo de informação são propriedade de poucas pessoas que pensam relativamente igual, como incluir novos argumentos, se essas pessoas não dariam atenção a um movimento que acontecesse longe da população? Desse modo, a população não estaria mais perdendo (informações e outros argumentos) do que ganhando (alguns minutos a menos no trajeto trabalho-casa)?
    3.Por fim, será que seria realmente tão absurdo que durante três ou quatro horas a paulista seja parada? Para mais além, será o caso, se o senhor concordar de que existe o absurdo, então nenhum tipo de manifestação do tipo passeata é legítimo? O elemento partidário é inerente ou uma deturpação? É impossível separá-lo? Essa última indagação implica a próxima dúvida.

    2)Sobre atuação policial. Digamos que concordemos que não seria “violento” o fechamento de avenidas, então por que não haver uma atuação policial destinada a barrar apenas os excessos?
    1.por um lado é extremamente difícil controlar 5.000 pessoas organizadas, mas por outro temos uma força policial treinada e organizada. Por que é tão impossível imaginar um tratamento (decorrente de uma estrutura pedagógica de treinamento das forças policiais) policial direcionado, para distinguir pessoas que só foram à rua para conhecer o movimento ou apenas demonstrar determinada opinião, de outras pessoas que possuem determinada vertente estratégica ou um olhar maquiavélico sobre a manifestação?
    1.p.ex, a paulista possui pelo menos 20 hospitais, será que é realmente impossível imaginar que a polícia possa organizar formas de que ambulâncias possam passar no meio da passeata? Por que não podemos ter uma força policial (para além do mero debate sobre policia, imagino uma ordem de coerção baseada em normas gerais de primárias e secundárias) capaz de garantir os critérios mínimos para que, nas palavras de John Rawls, “eu possa aceitar uma demanda que eu discordo de alguém que eu discordo absolutamente, mas que eu faça isso democraticamente e abrindo concessões recíprocas?”.
    2.Assim, é totalmente impossível conciliar a organização de manifestações de rua com outros interesses individuais? Ainda que exista uma perda dos dois lados? Lembrando a teoria dos princípios de Dworkin, depois atualizada e melhorada por Robert Alxey, a ideia não é que um princípio vença em absoluto sobre outro, mas que os dois possam concorrer e atuar conjuntamente, fazendo concessões recíprocas?
    3.Passo então a minha última dúvida.
    3)Ao que parece, o senhor em seu pesamento é de ascendência individualista. Assim, de forma extremante breve da minha parte, com todo perdão das generalizações, acredito que o senhor partiria do principio que a autorregulação individual é capaz de solucionar todos os problemas de convivência?
    1.Nesse sentido, como o senhor entenderia falhas econômicas? Situações em que mesmo agentes econômicos agindo comprometidamente de boa fé, racionalmente e com a efetividade do mercado, mesmo nessas situações o agir desses agente produz externalidades negativas que no longo prazo corroem a boa convivência ou levam a situações de monopólio, ineficiência e etc?
    2.O senhor não reconhece o trânsito como um problema desse nível?
    3.Transcrevo o argumento do jornalista Rafael Mafei Queiroz, do estadão. Achei suficiente, para contextualizar que o problema não seria exatamente por preços ou subsídios, mas pela escolha que a sociedade deve tomar pela organização tributária e na divisão dos recursos públicos a fim de que seja a mais desejada ou adequada, quando pensada coletivamente. Não é uma inclusão necessária, mas gosto de pensar como o Prof. John Rawls que nesses casos de “justiça social” a ótica deveria ser orientada pela situação de quem já esta na pior situação. No fundo restaria uma escolha política sobre organização da justiça em coletividade. Como o pensamento individualista lidaria com isso?
    4.Pensemos na população de uma cidade como dividia em quatro grupos:
    GRUPO A – Não utilizará transporte público nunca, por variadas razões: porque são muito ricos, ou se deslocam apenas à pé ou de bicicleta, ou não têm cultura de uso de transporte público;
    GRUPO B – Pode usar transporte privado (carro) se quiser, mas não desconsidera usar transporte público se for conveniente;
    GRUPO C – Tende a usar transporte público, mas pode, com considerável esforço financeiro, adquirir transporte privado (um carro simples, talvez usado, ou uma moto);
    GRUPO D – Não tem alternativa senão o transporte público, e mesmo este apresenta um peso considerável em seu orçamento.
    Porque somos uma sociedade desigual, podemos supor, com muita certeza, que o grupo D é muito maior que o C, que é maior que o B, que por sua vez é maior que o diminuto grupo A.
    Pois bem, qual o efeito de um aumento de tarifa nesse cenário? Como ele afeta a todos esses grupos?
    O Grupo D restringirá seu uso do transporte público, reduzindo-o ao mínimo necessário. Provavelmente deixará de usar o transporte nos fins de semana, para lazer, ou percorrerá parte do seu trajeto para o trabalho à pé. Em São Paulo, hoje, quem vai e volta para o trabalho com um metrô e uma perua gasta, no mês, entre 200 e 300 reais. Uma única pessoa. Não é pouco. Dispensando a perua, aumentará seu tempo de trânsito e reduzirá suas opções de deslocamento. Perdeu.
    O Grupo C terá estímulo para considerar a alternativa do carro usado ou da moto, porque a diferença no orçamento mensal entre o transporte público, agora mais caro, e o transporte privado diminuirá. Colocará mais carros e motos nas ruas, provocando mais trânsito, mais acidentes – mais custos para todos, enfim. Perdemos todos.
    O Grupo B, pela mesma razão, terá mais estímulo para deixar o transporte público, mas poderá fazê-lo mais confortavelmente, com um carro melhor ou um táxi aqui e acolá. Dá-lhe trânsito. Perdemos todos, de novo.
    O Grupo A, na medida em que tiver de botar o carro na rua, ficará preso no mesmo congestionamento, agora maior, que retém o pessoal do Grupo B e do Grupo C, e os ônibus que servem a todos, principalmente a turma dos grupos C e D. Mesmo sem entrar em ônibus, perdeu também. (Em tempo: por essa razão, vê-se como é equivocada a crítica a quem, mesmo não sendo pobre e podendo prescindir de 20 centavos, participa das manifestações. Na discussão sobre transporte público, mesmo quem é indiferente a 20 centavos é stakeholder, porque a ele dizem respeito, como a todos, as condições de deslocamento na cidade).
    Se levarmos em conta que um aumento de tarifa nunca faz aumentar o número de usuários do transporte, mas só o faz diminuir, ele é, por si só, a justificativa do próximo aumento: cada vez menos usuários terão de pagar cada vez mais tarifa para um sistema de transporte cada vez mais difícil de se sustentar pela via tarifária, segundo a qual paga quem usa.
    Um sistema mais fortemente subsidiado por tributos, ao contrário, reduziria a parcela dos custos que têm de ser suportados pelos próprios usuários e criaria condições para uma tarifa módica, ainda que não gratuita, ao repartir melhor seus custos entre todos. Enfim, distribuiria mais justamente os custos dessa empreitada comunitária que necessariamente afeta a todos: a quem ficou em casa porque não pode mais pagar a tarifa; a quem tem de pagar sempre mais para usar ônibus; e a quem fica por duas horas no trânsito porque um ônibus atropelou um motociclista (Grupo C), ou um ciclista (grupos A, B, C), ou um pedestre (todos os grupos) numa cidade em cujas vias não cabe mais um pensamento, mas que não para de receber novos veículos.

    Por fim, essas são minhas dúvidas sinceras, não sei como usar esses sistemas de comentários de blogs por nunca fiz, peço desculpas pela linguagem se ofensiva ou chula em algum momento. Tentei fazer um questionamento sincero de alguém que quer entender os argumentos dos dois lados. Obrigado.

    P.S: não sei como farei pra visualizar a resposta, se aqui no blog msm ou se recebo por e-mail, novamente desculpa minha ignorância, mas o senhor poderia me avisar quando me responder por esse e-mail: [email protected]. ? Muito obrigado.

    • Danilo

      14 de junho de 2013 at 13:53

      desculpe-me novamente, apenas esqueci de incluir mais 2 fatos interessantes que talvez ajudassem a separar aspirações estratégicas partidárias de pessoas que estão comprometidas com uma manifestação pacífica.
      1) o caso de várias enquetes nos fóruns dos evento indicarem que a maioria dos participantes rejeita o uso de bandeiras pólíticas como PSOL, PSTU, PCO e por aí vai na manifestação
      2) a manifestação seguiu “tranquila” por 2,5km, do teatro municipal até à consolação, era realmente impossível que ela não poderia ter continuado assim até o final? (lembrando que os excessos nesse percurso vinham sendo contidos adequadamente pela PM que arrestou pichadores p.ex.)
      é apenas um adendo a ser incluído na dúvida.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 14:33

        E foi criada pelo MPL, que é apoiado por partidos. The End.

      • Danilo

        14 de junho de 2013 at 15:11

        não entendi se isso foi uma resposta a todas as minhas indagações.

      • Walkyria Vegel

        14 de junho de 2013 at 16:26

        Flávio,
        Os questionamentos do Danilo foram bastante elaborados e abrangem a situação de forma bem imparcial. Você poderia responder às dúvidas dele para que possamos entender sua opinião sobre o assunto?

        Vi que você respondeu às perguntas ou comentários dos demais leitores, sempre e quando tivessem um ponto de vista similar ao seu.

        Acho importante, na construção de uma sociedade, e mais até para o próprio indivíduo, ele ser aberto às novas informações que chegam a todo momento. Essa abertura a análises mais aprofundadas sobre um determinado assunto faz com que ele cresça como pessoa, pois foi capaz de colher, analisar e compreender informações a partir de todos os ângulos, e não somente sobre um ponto de vista específico e pré concebido.

        Todos são livres para mudar de opinião a partir do momento que novos fatos são adquiridos e assimilados. Isso, claro, depende da vontade e a”abertura mental” de cada um. Ausência de estudos não é motivo para alienação. Falta de interesse, sim.

        Grande abraço.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 17:20

        Walkyria, pulei pois são longos. Fácil escrever duas linhas, não outro artigo. Isso consome tempo do meu trabalho. Fora do expediente eu tento comentar. Abraço!

      • Caio

        14 de junho de 2013 at 17:51

        parabens Danilo, tiro meu chapeu pra voce!!
        Resposta completa, imparcial, repleta de fatos concretos. Pena que voce nao se encaixe no perfil dos grandes jornais e revistas do pais

      • Lú Lopes

        14 de junho de 2013 at 22:36

        Parabéns, Danilo!

    • Flávio Morgenstern

      15 de junho de 2013 at 13:32

      Danilo, seu comentário exige mais tempo do que os outros para ser respondido (ou talvez até um outro texto), então queira perdoar este escriba por demorar mais para respondê-lo.

      O problema para um observador externo é que o discurso aqui está sendo colocado de uma maneira errada. Não se trata de tarifa x polícia.

      O grande mestre Georg Jellinek costuma diferenciar os atores da história daqueles que só agem sem essa consciência definindo os primeiros como aqueles que têm um plano histórico, gradativo (e às vezes defendendo coisas opostas em momentos distintos: vide a defesa da “capitalização” de uma Rússia ainda meio feudal por revolucionários como Trotsky antes de instituir uma economia socialista) e planejado. Outros só tomam essas ações, que já vieram planejadas e prontas lá de cima, aceitam o discurso e agem. Assim como na guerra há marechais e soldados, na história pacífica também os há.

      Assim, o que estou mostrando é que provavelmente mais de 90% de quem está apoiando essa manifestação não faz idéia do que ela, na verdade, é. Acreditam piamente que ela é apenas uma doçura de movimento sobre tarifa de ônibus, mas quem a criou é um movimento criado por partidos de extrema-esquerda que nunca conseguirão nada nas urnas, mas conquistam muito poder (e muito dinheiro, embora o poder seja mais importante do que dinheiro, pois com o primeiro se conquista o segundo) com esse tipo de manifestação.

      É o que se chama de massa de manobra. Uma galera que sabe desacreditar de toda propaganda partidária quando ela vem no horário eleitoral, mas acredita cega e acriticamente o discurso do partido assim que ele faz propaganda no meio da rua, fora do horário eleitoral (mas com as bandeiras lá, até marcando o número a ser votado). O preço da tarifa é o nome fantasia. A empresa verdadeira é o poder de achincalhe ao governo – tanto é que a próxima sequer falará da tarifa, e se focará apenas em reclamar do governador, tentando associá-lo à truculência da PM: https://abr.ai/1bF86Be

      Como acreditar, portanto, que isso tem alguma coisa a ver com a tarifa, e como desconfiar do que eu apresentei acima, afirmando que o que os manifestantes MAIS queriam era, justamente, a violência, e não evitá-la, sendo que agora conquistaram um poder político e estão com uma imagem de coitadinhos enorme depois destes confrontos – enquanto antes deles começarem, não eram conhecidos senão por quem se envolve com o DCE da USP? Como não perceber que eles saíram ganhando com os erros da PM (que eles próprios provocaram), e que teriam saído sem trunfos se a violência NÃO tivesse acontecido? Como não notar que, na semana passada, explodiram duas bombas em lugares cheios de civis inocentes (até dentro da estação Brigadeiro do metrô!!!!), e agora TUDO o que se fale seja de truculência da PM (até as notícias dos jornais são coisas como “Aclkmin ‘insiste’ na ‘tese’ de vandalismo”), e esquecem de toda a violência que esse movimento causou?

      Aliás, se ainda não fica claro que os organizadores planejaram a violência, que tal essa fala de uma organizadora: “Infelizmente, o vandalismo e a violência são necessários, para que apareça na mídia. Se saíssemos em avenidas gritando musiquinha, ninguém prestaria atenção”?

      Ou seja, agora, com violência, eles conseguiram o que queriam.

      Eu diria que um observador de fora, como eu e aparentemente também é seu caso, não caiam nessa propaganda. O inimigo do meu inimigo nem sempre é meu amigo. Stalin era inimigo de Hitler, afinal. Chaing Kai-chek e Mao Zedong se odiavam. Mas não aceite um discurso de tarifa (que esconde a verdadeira causa do negócio) sem falar: “Peraí, isso é propaganda partidária: TODO partido reclama de algo ruim atual na sua propaganda, nem por isso acredito nele”.

      É preciso reverter esse discurso, não se associar com qualquer um com um discurso bonito (você defenderia uma passeata anti-corrupção organizada pelo PCC, por exemplo?) e mostrar para as pessoas qual é a causa escondida por trás disso.

      Sobre a violência (sim, sou conservador e com orgulho, não tem uma única pessoa que leia mais do que 3 autores conservadores que não simpatize com a causa – por isso a esquerda, ao invés de refutá-los, simplesmente não os lê), fechar a Paulista não é violência simbólica, é física. Se eu quisesse atravessar a rua sem o risco de tomar paulada (e não é só da PM!) não conseguiria. Como assim “parar a cidade” sem obrigar inocentes a pararem? Uma coisa é ter trânsito, outra é NÃO ter, por que não se pode passar por uma via tomada por terroristas e pessoas que acreditam em sua propaganda.

      Claro que houve menos trânsito em SP durante o protesto: o comércio fechou mais cedo, as pessoas ganharam menos e voltaram para casa antes, por medo da violência (ou você manteria sua banca de jornal aberta no meio do vuco-vuco?). Ou seja, menos carros ali no horário de pico. Lembrando: bancas de jornais, lojas, agências bancárias: todas foram vandalizadas pelo “protestantes”.

      Como dividi o texto em 3, aqui também cabe fazer uma indagação econômica: quem recebe salário mínimo ganha R$ 4,50 por hora. Em duas horas que tiveram de sair mais cedo do trabalho por causa desses organizadores que estão se lixando pro preço da tarifa, quanto perderam?

      Sou contra, sim, manifestação que me impeça de ir e vir, a não ser por causas urgentes (não há como explicar a teoria toda aqui, mas basicamente, se uma lei causa injustiça, deve ser mudada; se um sistema te impede até a mudança, então aí sim a população ou se mexe sozinha, ou estará sofrendo injustiça; nitidamente não é o caso dos 20 centavinhos: até partida Portuguesa x São Caetano tem mais público). Não falei que só aceito manifestação no Ibirapuera, contudo: no texto, apenas mostrei que os organizadores aí QUERIAM a violência, pois manifestações no Ibirapuera já tiveram, sim, muito respaldo da mídia. Inclusive vários “Fora FHC!”, pedidos de salário etc.

      A Paulista é, sim, o coração da cidade. 24% dos leitos hospitalares ficam ali, já escrevi a respeito. Apenas, como mostrei logo no começo do texto, um tipo de violência gerada é logo repetida (janelas quebradas). Repetem tanto paralisações na Paulista que nos acostumamos (sic) a sermos agredidos. Não deveria ser assim. Muito menos se deveria parar a principal avenida da cidade por questões partidárias que enganam e escondem da população seu real intuito. Afinal, por que não dizem logo: “Somos um movimento do PSTU-PSOL-PCO-PCB-UNE (PCdoB), e nós, desses partidos, queremos criticar Alckmin e PM e também o preço da passagem”? Vai ver porque falar a verdade faria com que o protesto que eles organizaram, aí, não teria nem 1% das pessoas que foram lá da última vez, você não concorda?

      E sim, o movimento partidário é inerente porque FOI CRIADO por partidos, ora. É só ver as bandeiras ali. Ou afirmar que é apartidário impede as pessoas de verem as bandeiras? Faz todo mundo acreditar e ninguém lembrar de perguntar quem criou a porcaria do MPL? Que partidos ganham com isso? Se fossem outros partidos, duvido que alguém teria essa dúvida (será que não dá pra considerar apartidário, mesmo sendo etc). Curioso que são eles que chamam cada crítica de “tucana”, “financiada” e por aí vai.

      Sobre a polícia, são dúvidas técnicas dela. Agora, péra lá: a Tropa de Choque serve para dispersar multidões para desobstruir vias. Ela SÓ serve pra isso. Ela pede para uma rua ser reaberta, com licença, não saiu, sai da frente que agora vamos empurrar com escudos. Tem ordem judicial pra isso (descumprida, e isso “esquecem” de falar). Se eles não estivessem fechando a rua, a tropa sequer estaria ali, e nem teria ninguém para empurrar. Como eu escrevi, eles CAUSAM o conflito, depois reclamam da conseqüência. (houve mais de um relato de ambulância que ficou atravancada ali)

      Sobre falhas de mercado, Steve Horwitz: https://www.ordemlivre.org/2011/12/a-falha-da-falha-de-mercado/

      Sobre falhas de trânsito, o trânsito é um sistema auto-corrigível, como a educação. Com a diferença de que uma “falha” no trânsito pode gerar morte. Mas não entendi o que isso tem a ver com o que estava tentando dizer.

      Se fosse mesmo um protesto por causas econômicas, deveriam ter reclamado do preço do tomate. Ou, sei lá, quem sabe dos R$ 1,5 TRILHÃO de impostos tomados à força de nós todo ano. 20 centavos? Pior desculpa que já vi para um protesto partidário. Não foi a gota d’água: foi só mais um motivo pro PCdoB encher o saco.

      Sobre Rawls, fico com Nozick, que o esmerilhou lindamente. Um resumíssimo aqui, mas procure os textos do professor Diogo Costa sobre os dois: https://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/feira-livre/flavio-morgenstern-o-ego-de-lula-e-mais-faminto-que-um-buraco-negro/

      Rapaz, isso ficou mais longo que meu texto. Por favor, e peço com jeitinho e de coração mesmo, tente resumir melhor essas coisas, pois gastei praticamente uma hora redigindo isso na casa da minha namorada (brava assistindo TV sozinha) apenas para não passar por mal educado, e isso resumindo até a alma. Sabendo que se 5 pessoas além de você lerem isso será muito, acabo gastando muito tempo até do fim de semana a troco de nada.

    • Luciana

      15 de junho de 2013 at 14:01

      OI, Danilo!

      Você faz colocações extremamente interessantes.
      Seria muito enriquecedor se Flávio Morgenstern pudesse comentá-las…
      Abraço e obrigada pela reflexão que propõe!

    • Diogo R Santos

      15 de junho de 2013 at 20:42

      Olá Danilo

      Os pontos que você levantou no texto são bastante pertinentes e merecem ser analisados criteriosamente.

      Baseado no meu conhecimento alguns pontos.

      Sobre a questão da violência dos protestos, a questão das manifestações atrapalha sim o trânsito, entretanto não pode ser considerado como fator único como causador de congestionamentos monstruosos; é tentador falar em excesso de carros, mas o buraco é mais embaixo: acidentes, falhas mecânicas e até mesmo radares de velocidade são fatores que podem gerar adensamento de tráfego, fora o comportamento dos motoristas.

      Sobre a questão do direito de ir e o impacto dos protestos, eu partiria de outro princípio: direito ao protesto deve existir, mas não deve ser um direito absoluto, porque não apenas fere o direito de ir e vir das pessoas, mas com a própria questão de que outros são impedidos de não apoiar as manifestações – eis a questão principal da democracia – se todos podem falar, não há apenas uma voz, ou mesmo uma opinião. E quando se usa de “métodos violentos”, seja por parte da polícia ou mesmo dos manifestantes alguém está impondo no grito e não quer deixar ninguém responder ou contra argumentar.

      No âmbito filosófico, eu também tenho uma linhagem mais individualista, entretanto fazendo uma análise das falhas econômicas, elas podem acontecer por má fé, por incompetência e mesmo por situações que não estão sob o nosso controle. Talvez seja a maior evidência de nossas limitações como humanos. E por isso que não acredito em regulamentações do Estado, pelas limitações enquanto humanos e, pior, com o poder nas mãos, a probabilidade de fazer uma besteira, independente das intenções é muito maior.

      Agora sobre trânsito, é evidente que pessoas não gostam de ficar presas dentro de carro/ônibus, etc (pra mim nem chega a ser tanto um problema, pois tiro o tempo no trânsito para ficar preso em meus pensamentos – “ócio criativo”. Entretanto fala-se muito em excesso de carros, mas verdade seja dita, há quanto tempo não se investe em infraestrutura neste país? Não apenas em vias para comportar veículos, mas mesmo a reestruturação do transporte público, quanto a opções de linhas e de veículos – vamos combinar a tecnologia empregada na maioria dos ônibus é uma vergonha – a grande maioria são aqueles Mercedes montados sob chassis de caminhão, que não oferecem conforto ou refinamento… E fora os problemas no trânsito que não chegam nem ser a ser culpa do Estado – como a forma de dirigir dos motoristas, os acidentes, as falhas mecânicas….

      Enfim, eis as minhas opiniões sobre mobilizações e mobilidade

  103. rama

    14 de junho de 2013 at 13:41

    Jornalistas como você é que fazem esse país feder!!! rasga teu diploma!!!

  104. Adam Smith

    14 de junho de 2013 at 13:17

    Eu nao sei realmente se o PT nutriu o ovo da serpente que fugiu ao controle ou ainda tem controle efetivo desse grupo e nao age porque calcula que o dano ao governador sera maior, ou vale mais a pena que o desgaste do prefeito, tendo em vista as proximas eleicoes.

    O fato é que muita, muita gente esta se colocando a favor do protesto,e a adesão parece mais ser fruto de um insconciente coletivo, um espirito de barbarie, como se qualquer revolta violenta contra “o sistema” fosse justa ou fosse resolver aquilo que a maioria nem sabe ou ignora saber como funciona.

    Para muitos jovens, o espirito de revolta sem causa encontra-se amparada nessa situacao. Para muitos parece ser uma grande festanca, uma aventura onde eles se tornam herois, vide as poses e cenas como as flores para policiais, estudantes repetindo cliches e cenas de cinema. Todos querendo ser estrelas.

  105. Rodrigo

    14 de junho de 2013 at 13:16

    90% do texto achei muito bacana e esclarecedor. Mas não dá pra colocar a PM como vítima da história. Tanto os vândalos pseudo anarquistas quanto a PM contribuem para o caos.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 17:29

      Não coloquei como vítima, mostrei só a lógica de enfrentamento do protesto e quem ganha com esse enfrentamento.

  106. celso

    14 de junho de 2013 at 13:14

    Magnífico trabalho, Flávio. Bom seria se mais jornalistas tivessem essa dedicação em apurar os fatos e essa excelente capacidade de análise.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 13:31

      Muito honrado, celso! :)

  107. André

    14 de junho de 2013 at 12:57

    Excelente.

    Repare que agora o discurso já mudou.

    “Os 0,20 centavos de aumento não é o único motivo”

    Sempre assim.

    Na USP, na época da invasão à reitoria, o discurso era esse mesmo: “vocês acham que esse protesto é apenas pela maconha”?

    Canalhas. Usam meia dúzia de filmezinhos gravados em confrontos e postam “aquilo que você não vera na mídia tradicional”.

    Pronto, saíram como heróis.

    Pregação marxista asquerosa.

  108. Claudio

    14 de junho de 2013 at 12:55

    Os trabalhadores recebem o vale transporte das empresas, não são eles que estão nessa baderna e sim estudantes de classe media que tem seus gastos pagos pelos pais, não dependem de transportes públicos somente querem é desviar a atenção dos problemas maiores, por que não vieram fazer manifestações pelo cumprimento das penas pelos condenados pelo “mensalão”, quando pessoas condenadas e assumiram vagas na câmera federal, quando uma pessoa notadamente corrupta assume a presidência do senado, quando pessoas incapazes assumem a presidência de comissões na câmera etc. e tal. Em minha opinião este é o verdadeiro motivo destas manifestações em varias cidades do Brasil.

  109. André

    14 de junho de 2013 at 12:54

    Excelente artigo.
    Esses protestos foram organizados por partidos políticos, e só tinha muita gente lá porque infelizmente no Brasil existem muitos idiotas úteis.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 13:26

      Eles nem têm consciência de quem estão ajudando.

  110. Diego

    14 de junho de 2013 at 12:41

    Você tem certeza que os 20 centavos não pagam o protesto ??
    Multiplica 20 centavos por cada passageiro diario e me responde se não da pra construir tudo que foi destruido pelo menos umas 3 vezes

    • alice

      14 de junho de 2013 at 16:27

      Acontece que não são as empresas de ônibus que vão reconstruir, e sim o dinheiro dos teus impostos, invés de superfaturarem medicamentos o governo vai ter que superfaturar vidros quebrados durante o protesto…

    • Mário H C Soule

      14 de junho de 2013 at 18:41

      Acredito que vc não tenha intendido o ponto abordado pelo Flavio, Diego.
      A intenção dos manifestantes era economizar os 20 centavos já incluídos na tarifa (ou seja, reverter o custo para R$3,00 a passagem). Para isso eles causaram um dano a empresa, superior a R$100,00.
      O que o Flavio apontou foi que, para economizar 20 centavos por passagem, por um ano ou dois (140 à 280 reais), “gastaram” mais de 700 reais justificando futuros aumentos.

      Para a empresa (ou o governo) o custo da manutenção é irrelevante,eles ganham em questão de horas mais do que isso. Mas sendo um patrimônio PUBLICO, o custo para a manutenção sai dos mesmos bolsos que depredaram, ou seja, para economizar 140 reais cada um, fizeram TODOS gastarem mais de 700!

  111. Thomas

    14 de junho de 2013 at 12:32

    Ótimo texto Flávio. Lembrei de uma passagem de A rebelião das Massas e fui buscar pra ti:
    “Nas agitações provocadas pela escassez, as massas populares costumam procurar pão, e o meio que empregam costuma ser o de destruir as padarias. Porque, de fato, o homem vulgar, ao se encontrar com este mundo técnica e socialmente tão perfeito, pensa que foi criado pela Natureza, e nunca se lembra dos esforços geniais de indivíduos excepcionais que a sua criação pressupões.”
    Acho que ajuda bastante a entender grande parte dos ingênuos que participaram da arruaça,

  112. Marcelo Macedo Vieira

    14 de junho de 2013 at 12:28

    Perfeito

  113. Eric

    14 de junho de 2013 at 12:24

    o que eu vi nesse artigo foi que a maioria dos manifestantes tiveram sua imagem manchada por uma minoria que fez baderna, mas não mostrou uma imagem que esta sendo divulgada na internet de um policial quebrando o vidro da propria viatura para incriminar os manifestantes!
    bom, talves essa reportagem abaixo possa explicar se essa toda essa manifestação foi por apenas 20 centavos ou não!
    https://www.jornalggn.com.br/blog/ex-secretario-de-transportes-de-sao-paulo-afirma-que-tarifa-zero-e-possivel

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 13:25

      Não, o que o artigo mostrou é que essa violência, inclusive a resposta policial, é provocada e desejada pelos manifestantes. Leia de novo.

      • Lucas Jorge Muniz

        14 de junho de 2013 at 14:22

        Você não leu a matéria que o eric postou, ou não entendeu.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 14:33

        Você é que não sabe o que ela tem a ver com o que eu escrevi, pois não leu. Ou não entendeu.

  114. Maria Elisa

    14 de junho de 2013 at 12:24

    Sabe o que eu acho engraçado? Quem clama por protestos por causas mais “nobres” como corrupção, fome no mundo, etc etc, não tira a bunda da cadeira e os dedos do teclado. Cada um tem a sua luta, e a tentativa pouco embasada e esdrúxula de desmoralizar os atos que acontecem por todo país não vão impedir que cada vez mais gente se junte nas ruas. Dizem que os manifestantes estão incitando a Polícia a ser violenta para que eles sejam tidos como truculentos. Você, caro autor, se estivesse no ato, veria que os gritos que vinham de nós manifestantes diziam “sem violência, sem violência!”. Pessoas sentadas no chão, famílias com crianças, cidadãos “””do bem””” que não tinham nada que ver com a manifestação, foram recebidos com bombas de gás lacrimogênio e balas de borracha. A polícia contava com cavalaria, força tática, tropa de choque, Polícia Federal, Rota, etc etc etc. Jornalistas foram brutalmente agredidos. Bombas foram jogadas dentro de hospitais, dentro de estações de metrô, dentro de carros; e ao contrário do que vocês querem crer, não foram bombas caseiras, foram bombas de gás lacrimogênio com data de validade expirada jogadas pela polícia. Com todo o respeito, peço com humildade: antes de escrever qualquer coisa sobre o próximo ato, tente estar presente. Tente vivenciar a experiência e, a partir disso, ter bases etnográficas para redigir seus relatos.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 13:24

      Waw, vocês gritavam “Sem violência!” enquanto destruíam a cidade? Agora me convenci de que são pacíficos!

      • Caio

        14 de junho de 2013 at 17:28

        Levante da sua cadeira, desligue esse PC que deve ficar ligado 24hrs por dia, pegue sua camera, lapis e papel e vai la cobrir a manifestacao. SO assim voce tera uma opniao fundamentada.
        Aaaaaaaa, e nao esqueca o vinagre!!
        E poste uma foto com essa cara toda quebrada tambem de tanto tomar porrada de policial!

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 17:41

        É, só a polícia é violenta, até tacou fogo em ônibus.

  115. Júlio

    14 de junho de 2013 at 12:18

    Achei muito tendenciosa essa matéria do Implicante, chamando os manifestantes de “terroristas” , que é um ato que segundo a constituição nem mesmo existe neste país…na Líbia e no Egito e em todos os lugares do mundo manifestações e protestos são executados da mesma maneira, porque de fato não existem acordos e negociações, e a única solução é de fato “parar” as ruas, porém a violência não começa só do lado dos manifestantes, e parte em muito dos despreparados policiais que descontam em inocentes e tratam os manifestantes pior do que ladrão…Agora me pergunto…onde ficam os direitos humanos ?? Porque Alckmin e Haddad não fazem uma concessão…onde está a negociação ?? Acho muito fácil todos incentivarem tantas revoluções e revoltas, e quando de fato uma ocorre, aparecem mil pessoas para julgar como deve ou não ser executada, sem nem ao menos estarem no meio da confusão, estando confortáveis em seus sofás vendo sua TV e achando que isso tudo é nada mais, nada menos que um quebra-quebra de patrimônios público sem sentido…Infelizmente o nosso povo realmente não está acostumado com esse tipo de protesto, porq protestar por aqui é algo raro, e concordo que violência não é a solução, porém se não há negociação, como conter toda uma população, que já está revoltada com os abusos do governo, visto a falta de segurança, de educação, de saúde, e direitos iguais à todos há tempos…Nem os manifestantes e nem mesmo os políticos estão tão acostumados a lidar com tais situações e vira essa bagunça dos policiais descendo pancada em estudante e trabalhador como se fossem vagabundos…Não sou a favor da violência e do quebra-quebra, porém acho que é muito fácil para todos apontar o dedo para os erros, em vez de protestar ou ao menos apoiar, quem está lutando pela causa…Até parece que nunca nesse país , nenhuma situação saiu do controle, isso é algo totalmente comum…Comum é claro quando não é à favor do povo, pois, se vê todos os dias a barbárie de crimes contra a sociedade que rege e paga as contas desse país, enquanto que os políticos assistem a tudo de camarote, vendo o seu povo ser morto a sangue frio, adoecendo por falta de estrutura de seus hospitais, e tirando os livros das mãos das crianças e incentivando o uso de crack ! Infelizmente o povo já está de saco cheio e revoltado com tanta corrupção, falcatrua e palhaçada e o aumento da passagem foi só o estopim, para dar vazão à tanta indignação…Sinceramente…Até para se reformar uma casa, vce tem que quebrar uma parede….Não existe construção sem destruição, e isso é uma triste verdade no momento, mas que em breve se tornará uma vitória…e os chamados “baderneiros” ou “terroristas” serão exemplos, para quem sabe um impulso para novas manifestações, visando outras causas e condições de vida justas e melhores pra todos !

  116. Eduardo

    14 de junho de 2013 at 11:52

    Vendo os manifestantes pedindo mais governo na questão do transporte (ao invés de acabar com impostos sobre combustíveis, acabar com monopólio do petróleo, cortar regulamentações absurdas do setor, enfim..) chamando os inimigos deles de “fascistas”, permita-me adicionar umas citações do Mr. Fascism Himself.

    “O Fascismo é definitivamente e absolutamente oposto às doutrinas do liberalismo, tanto na esfera política quanto na esfera econômica.”
    Mussolini, Benito. A Doutrina do Fascismo, 1932

    “A intervenção estatal na produção econômica é feita quando a iniciativa privada é insuficiente ou débil, ou quando os interesses políticos do Estado estão envolvidos. Esta intervenção pode tomar a forma de controle, assistência ou gestão direta.”
    O Estado Corporativo e sua Organização, extraído da Carta del Lavoro (promulgada pelo grande conselho do Fascismo em 21 de abril de 1927).


    Curiosamente, essas idéias são perturbadoramente parecidas com as defendidas pelos “anti-fascitas”.

    No mais, brilhante artigo do começo ao fim. É o primeiro que li com que concordo de cabo à rabo, desceu a lenha e não caiu na armadilha de “eu considero o protesto legítimo, mas(…)”
    Legítimo my ass.

  117. Víctor R

    14 de junho de 2013 at 11:36

    Flávio. Parabéns pelo excelente texto. Não moro em são paulo, mas compartilho o sentimento de repulsa por esses vândalos esquero-pseudo-comunista. Continue com o ótimo trabalho. Abçs.

  118. Fábio Ribeiro

    14 de junho de 2013 at 11:29

    Desculpa, mas o único argumento que você tem pra rebater tudo é print de twitter e facebook?

    Ou seja…contra todas as imagens, fotos, VIDEOS e declarações das pessoas que apanharam, inclusive jornalistas, o que você mostra pra defender um ponto de vista é PRINT DE TWITTER?

    Poxa….esperava mais em?

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 11:45

      Não, tem toda a lógica que você ignorou. Para minha sorte, não esperava mais de quem acredita em manchete de jornal e nem lê o conteúdo.

    • Tiago

      14 de junho de 2013 at 13:17

      Coleguinha, se eu tivesse apanhado com ctz tbm utilizaria desses artifícios para me defender. Quanto à mídia, nós sabemos o quanto é manipulada. Lugar de vândalos é no chilindró.

    • João silva

      14 de junho de 2013 at 13:41

      FlaviOwned playboy!

    • rita

      14 de junho de 2013 at 15:35

      o pior que os prints que ele se refere não existem, por exemplo:
      o primeiro print é um rapaz de MG, o segundo é bloqueado mas nao tem foto nenhuma do que ele diz e ai vai, até que o ultimo nem existe a pessoa.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 17:05

        “O print não existe” x “é um rapaz de MG”. Encontre a contradição.

  119. Walbertty Afonso Lopes da Silva

    14 de junho de 2013 at 11:28

    Parabéns pelo texto. Um texto excelente só que tinha que ter deixado mais explícito que a causa é só ilusão se pensarmos bem estamos atacando uma consequência do monstro que nos assombra, o correto seria atacar a causa lutar contra a corrupção e não fazer de conta.
    Os protestos não tem sentido tendo em vista a destruição, os vândalos, afinal quem paga a conta no final somos nós, e ainda vem propaganda partidária isso é uma vergonha estão lutando pelos direitos dos cidadãos ou pela próprio benefício.
    Pontos como, a lavagem de dinheiro ninguém levanta uma bandeira, a PEC 37 muito menos, sem falar em super-faturação de obras, será que eles não enxergam.
    Contudo ainda existem discussões sobre partidos, bandeiras e etc. Pouco importa o partido se o povo for favorecido, a verdadeira face do protesto tem q ser benefício da população, mas com a má organização desse protesto, com os atos de vandalismo só mostra que poucas pessoas têm a capacidade de entender o que realmente está acontecendo, não é protesto e sim brigas eleitorais se utilizando da massa.

  120. Wilson

    14 de junho de 2013 at 11:11

    Por que a PEC 37, o mensalão e outras falcatruas não são objetos dos protestos????

    • Júlio

      14 de junho de 2013 at 12:12

      Você pode iniciar um se quiser…chame quem defende sua idéia, e proteste ao seu modo ! Boa sorte

  121. Eric

    14 de junho de 2013 at 11:07

    duvido muito que algum idiota teve a paciência de ler toda essa baboseira!

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 11:21

      Só dos que curtiram, mais de 3,7 mil desde meia noite. :)

      • Eric

        14 de junho de 2013 at 11:45

        com certeza essas 3,7 mil pessoas são uns conformistas que se acham ricos e estavam esperando algum idiota metido a intelectual escrever qualquer tosquice para expor sua opinião ou “curtir” qualquer baboseira que viesse contra os manifestantes!

      • Eric

        14 de junho de 2013 at 11:47

        e provavelmente só leram o título do texto!

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 11:47

        Isso aí, tudo gente pobre que se acha rica, porque tem tudo a ver com o que escrevi.

    • Víctor R

      14 de junho de 2013 at 11:37

      Idiota não tem capacidade para ler textos.. Sinto muito. Volta pro gibi da mônica ou pro site do pha.

    • Roberto

      14 de junho de 2013 at 11:42

      Os que não leram o texto são os que estão mais convictos que ele é uma baboseira…

    • Emerson

      14 de junho de 2013 at 13:11

      Não sou idiota, mas não só li todo o texto como concordo com tudo.
      Só porque o autor discorda da sua opinião não quer dizer que ele tenha escrito baboseiras, aliás porque será que você se ofendeu dessa forma? O texto te atingiu? A verdade dói, sempre que dita de forma a nos contrariar.

  122. João

    14 de junho de 2013 at 11:04

    Flávio,

    Parabéns (mais uma vez) pela coragem em desmascarar algo que, numa sociedade inebriada pelo esquerdismo, consegue se esconder com tamanha facilidade. A pilantragem por trás da “Primavera do Busão” (ou poderíamos chamar de “Revolução Jabuticaba”, tendo em vista o hábito de apelidar essas “primaveras” com algum nome vindo da flora) salta aos olhos de qualquer um que consegue enxergar além da ótica esquerdista.

    O que mais me preocupa é a facilidade que estes movimentos encontram pra transformar a PM em um espantalho de palha, aproveitando-se de suas fragilidades para gravar vídeos muitíssimo convenientes que serão rapidamente espalhados pelas redes sociais. Ao contrário do que eles (esquerdistas) dizem, a PM já é treinada para defender e respeitar os direitos humanos. Ela precisa ser treinada é para não cair nas cascas de banana de um grupo político claramente identificável.

    O (mui preocupante) futuro é aplicação do direito penal do inimigo de Jakobs contra nós, que cometemos o único “crime” de falarmos contra a esquerda.

  123. Luan Sanches

    14 de junho de 2013 at 10:58

    Muito bom o texto, bem argumentado, defendendo pontos e pontos de vista. Não tenho lado algum, nem defendo partido algum, muito menos político algum. Não tenho interesse em jogo.
    O que acredito que esteja ocorrendo(não estou em SP) é uma propaganda grátis de alguns ideais que visam atingir uma massa. Essa massa se mune de tal forma com esse ideal que o tenta justificar a qualquer preço, tenta enobrecer a sua atitude lamentável. O que eu consigo ver, em torno do que me é disposto é a minoria esperançosa em conseguir um pouco de voz para tentar lidar com uma apatia interna, esses, em minha opinião, tem uma razão para estar ali. São pensadores procurando uma voz que fuja à internet e que lhes dê uma satisfação moral(“Pelo menos eu tentei fazer alguma coisa”). A maioria dos baladeiros de plantão são detentores de um conhecimento compactado, e já mastigado, entregue sem sementes e sem raiz alguma. São pessoas que precisam justificar seus atos para se manter na ativa, são os que querem voz para falar merda. Alguns desses jovens são meus amigos e não fico com remorso algum de lhes falar que estão errados, lhes quero bem.
    Ao seguir uma ideologia compactada, nenhum jovem tem a capacidade de articular algum outro pensamento que não o que outra pessoa já o fez. Dali pouca gente sabe, realmente, o que Marx escreveu. Dali pouca gente sabe quem são seus representantes políticos. Dali pouca gente acompanha a vida política e econômica do país. Nada sabem sobre economia ou sobre truques de manipulação em massa. Tenho para mim que isso deve tirar o sono apenas dos líderes destas “Uniões”, porque eu não conseguiria dormir sabendo que eu plantei, na cabeça de milhares de pessoas, interpretações forçadas ou, na verdade, merdas.
    Tenho meus 18 anos, sou jovem como a maioria deles, mas, graças aos meus pais, não consigo ser manipulado de tal forma e nem consigo acreditar que tantas pessoas depositem sua fé nesses lideres(UNE, ANEL, CORDÂO, etc.). O que eu vejo de pior nesses protestos todos é que eles repercutem tanto nacionalmente quanto internacionalmente, e que existem milhões de jovens como esses(baseados em livros de bolso ou nos resumos de internet), que tentam enobrecer seus atos, que serão corrompidos por tal ideário. Seria de utilidade pública se o governo investisse em educação, porque o que eu vejo é que, nem na universidade, esses jovens conseguiram um pouco mais de senso crítico. E que a prova de que o povo só é massa se for de manobra, fica na palma da sua mão, na tela do computador e nas idéias, ingênuas, de quem sabe apenas reproduzir. Ah! ingenuidade! Eu também queria ser um pouco mais ingênuo pra vestir minha camisa vermelha, a minha bandeira de foice e gritar pra Deus e o mundo que aquilo ali era uma revolução. Eu seria tão mais feliz.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 11:13

      Luan, um alento ler suas palavras. :)

  124. pedro

    14 de junho de 2013 at 10:56

    vá lá então com suas luvas de pelica fazer frente ao choque.

  125. Rafael Guimarães

    14 de junho de 2013 at 10:52

    Não sou de esquerda, aliás, odeio marxistas.

    Mas sou a favor do objetivos que beneficiam o povo. O protesto é pelos vinte centavos, mas tem muito mais coisas por trás que a população não aguenta mais (corrupção, gastos Copa do Mundo, inflação…).

    Tem partido político por trás? Tem, como todos protestos e revoluções que ocorreram e ocorrem no mundo.

    Se você espera um protesto de pessoas puras e cândidas, sem interesses políticos, religiosos, econômicos, por trás, me aponte um na história mundial que aconteceu dessa forma e eu me calarei e lhe darei razão.

    Aliás, são esses protestos e revoluções sanguinárias, que tiverem interesses por trás, que fazem você poder escrever o que quer na sua coluna.

    E tem gente que mete o pau quando pela primeira vez em anos o povo brasileiro se levantou. Mas se for para Paris, vai ficar emocionado por visitar locais históricos da revolução francesa. Vai entender…

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 11:02

      Não, os protestos só se vestem da questão dos 20 centavos. Poderia ser contra a fome no mundo, contra as guerras ou contra a corrupção: ainda é um protesto só interessado em amealhar poder. Por que a UNE, nas ruas, que é do PCdoB, estaria “protestando” contra uma vice-prefeita… do PCdoB? E… “primeira vez em anos que o povo brasileiro se levantou”?!?!??!?!

      • Rafael Guimarães

        14 de junho de 2013 at 11:40

        Ué, e quando nos últimos anos o povão se uniu dessa forma?

        Todo esse seu discurso apenas evidencia que você é contra os que querem “amealhar o poder”, pois é a favor da “manutenção do poder”. Ou seja, você mesmo defende um poder então assuma isso de vez..

        Terrorismo pode ser encarado como subjetivismo. Basta ver os EUA, quando aviões atingem prédios em Nova Iorque, é terrorismo. Mas quando eles lançam bombas matando crianças e inocentes, é luta pela democracia.

        O governo defender interesses de empresas em detrimento do povo, mesmo através de violência econômica, é democrático. O povo lutar por seus direitos é terrorismo.

        Beleza.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 11:55

        Opa, defendo tanto o poder do Haddad que você não faz uma idéia, cara.

      • Mateus

        14 de junho de 2013 at 16:01

        E o Alckmin e a sua truculenta polícia? Você apóia?

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 17:28

        Não, e está no texto.

      • Leandro

        14 de junho de 2013 at 13:34

        Mesma coisa a turma da Dilma põe bomba em aeroporto, praticam roubos, matam = Libertários.
        Os moleques lá no EUA põe explosivo na panela de pressão = terrorista.

        Igual sua tese.

    • Rafael Guimarães

      14 de junho de 2013 at 17:41

      Até fora do Brasil o pessoal enxerga melhor do que muita gente que se diz esclarecida o que está acontecendo por aqui:

      https://ireport.cnn.com/docs/DOC-988431

  126. João Gabriel Veras

    14 de junho de 2013 at 10:48

    Flávio, quando você diz: “É de se duvidar que alguém tenha ouvido uma única pessoa não declarar sua opinião na base do “Protestar é legítimo, mas sem vandalismo…”, como se fechar todas as pistas da principal Avenida do hemisfério não fosse, justamente, conquistar um território onde tudo se torna lícito longe da polícia.”, te pergunto: como você sugere que movimentos (estejam eles de acordo ou não com a sua orientação política/ideológica) façam manifestações? Não é a rua o palco para que demonstremos o que gostaríamos que acontecesse?

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 11:00

      João, com 20 pessoas, os chamados “20 do MASP” se tornaram notícia nacional sem precisar atrapalhar as pessoas. Aliás, quem tem juízo ficou a favor deles justamente por isso. É preciso atrapalhar inocentes, então? Se for assim, podemos tudo – e depois reclamamos da truculência policial.

      • João Gabriel Veras

        14 de junho de 2013 at 11:16

        Flávio, discordo. As coisas não estão no mesmo status. Perder tempo no trânsito não é igual a levar porrada. Me desculpe.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 11:26

        Não as coloquei no mesmo status.

      • João Gabriel Veras

        14 de junho de 2013 at 12:45

        Outra coisa, você diz que a população tem horror às propostas de partidos como o PSOL, por exemplo, e cita que eles tiveram 1% nas eleições. Ao mesmo tempo, cita como exemplo um movimento que juntou 20 pessoas. Acho estranho.

        Outra coisa, quando você diz: ” É preciso atrapalhar inocentes, então? Se for assim, podemos tudo – e depois reclamamos da truculência policial.” Você colocou sim as coisas no mesmo patamar.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 13:26

        Não tem conexão lógica entre uma coisa e outra. E não, não coloquei.

      • Jaison

        14 de junho de 2013 at 12:17

        Faça um teste, experimente não querer perder tempo no trânsito para ver se você não toma porrada

      • Mateus

        14 de junho de 2013 at 16:11

        Sério que você considerou isso uma fato de relevância? Os 20 do Masp?

        Foi um “movimento” sem expressão alguma que só foi divulgado por causa do interesse da mídia.

        E sem o direcionamento de um partido, você vê que houve muita gente para o movimento…

        Deixe-se de se iludir, qualquer movimento grande tem participação partidária. O problema é que o PSDB e outros partidos de direita (sim o PSDB é de direita), são fragmentados e querem manter o status quo. Os filiados vão lutar pelo o quê? Vão lutar só contra o PT.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 17:08

        Já entendi que você quer brincar com os conceitos que só existem no seu imaginário sem se preocupar com a realidade. Chamar PSDB de direita é desconhecer de Tocqueville a Voegelin, de Burke a Sowell, de Peyrefitte a Scruton. Continue aí acreditando que só falar da sua crença vai fazer cócegas na realidade. E, claro, diga que quem estuda é que é iludido.

      • Mateus

        16 de junho de 2013 at 15:46

        Já li muito sobre Tocqueville, mas infelizmente parece que acha que o termo “direita” significa o mesmo daquela época. Sinto muito se você acha assim. Assim como deve achar esquerda com o mesmo valor de Marx.

        Continue achando os “20 do Masp” um protesto gigantesco que vai mudar o Brasil, enquanto este que atrai milhares um protesto de baderneiros. Você dá pena cara… sério.

        Só vim parar neste blog por causa de uns reacionários, e vi que você é mais um.

      • Flávio Morgenstern

        17 de junho de 2013 at 12:10

        Reacionário? Obrigado! Adoro o termo, pena que vocês nem façam idéia do significado antes de tentar usá-lo como xingamento.
        https://www.implicante.org/artigos/marilena-chaui-e-o-grito-primordial-eu-odeio-a-classe-media/

  127. Antonio Adolfo Carneiro Alvarenga

    14 de junho de 2013 at 10:48

    Que belo texto, permita-me compartilha-lo!?

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 10:55

      A honra será minha, Antonio.

  128. Robson

    14 de junho de 2013 at 10:42

    ….Continuando. Um Brasil com tanta desordem, crimes e crimes, mortes e mortes, roubos e roubos e vendo o próprio povo criticando o povo a favor de mentes sindicalistas e corporativistas. Começo a enxergar um futuro “stalinista” por aqui.

  129. Robson

    14 de junho de 2013 at 10:33

    O problema não é exatamente o aumento de R$ 0,20. O problema é um serviço péssimo com preço de país de primeiro mundo. Alias alguns países de primeiro mundo se dão ao luxo de ter a passagem de ônibus grátis, como em algumas cidades da Belgica por exemplo. Vejam, Todos nós precisamos nos locomover para viver numa cidade. Sem isso também não sobreviveriamos, concordam? O transporte é tão importante quanto a água e a energia.

    Os valores cobrados são absurdos e desproporcionais. Na pior estimativa, um ônibus em horário normal arrecada em torno de R$ 150,00 a cada 15 minutos, ou seja R$ 10,00 por minuto.

    Um ônibus urbano consome no máximo em horário de pico, em torno de 2 km por litro de diesel, de acordo com a fonte ofcial que consultei, abaixo. O litro diesel que já é absurdo, se comparado a países de primeiro mundo, está a R$ 1,95 no posto mais barato das grandes cidades. Ou seja, nesses 15 minutos (no horário de pico) o ônibus arrecadou de R$ 150,00 a R$ 200,00 e consumiu R$ 9,75 de Diesel.

    https://www.cbtu.gov.br/estudos/pesqu…/ac/arq131.pdf

    Pra resumir, qualquer cálculo que possamos fazer vamos ver que estamos sendo literalmente roubados.

    Agora pergunto para vocês.

    Qual a origem do Lula? Automotivas e Sindicatos.
    Qual a origem da Dilma? Petrobras.

    Pessoal, temos que acordar e parar de achar que está tudo bem e a vida segue em frente. Vivemos em um país superfaturado, onde os governos gastam bilhões com estádios de futebol em cidades que se quer tem times e fazem o povo pagar mais para andar de ônibus do que andar de carro. Tenha dó sr. Editor.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 10:55

      Não existe passagem de ônibus grátis, existe passagem de ônibus paga com impostos.

    • Thiago

      15 de junho de 2013 at 07:11

      Robson,

      Só tem custos do diesel?

      E a hora trabalhada do motorista, trocador, fiscal, administrativo mecânico e outros funcionários que mantem a empresa de ônibus funcionando?

      E a necessidade de manutenção, troca de pneus e outras necessidades do veículo sem contar o combustível consumido?

      É necessário entender que existem diversos custos, não é só fazer uma conta simples de: [(quantidade de passageiros x passagem) – consumo de combustível] = lucro do empresário … pois nessa sua simples conta você nem chegou perto do montante de coisas que entram nas contas… e nem vou falar dos impostos, porque ai você vai achar que a passagem é até barata!

  130. Gil T Maia

    14 de junho de 2013 at 10:31

    Quando um protesto por um ideal se transforma em vandalismo este protesto perde a sua razão de ser. Agora quem era vítima por consequência da própria ignorância se transformou em agressor, destruidor do patrimônio público e não obteve o respeito almejado. No início o que era bonito passou a ser ofensivo e perigoso. Devemos lutar por nossos direitos sim, devemos sim nos opor aos abusos de poder. Só não podemos sair destruindo tudo para conseguir o que queremos. Lamentável acontecimento!

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 10:49

      Gil, o problema é o apontado: o protesto NÃO “se transformou” em vandalismo. O objetivo do protesto É o vandalismo, só não vai dizer isso claramente – se camufla sob qualquer motivo besta, como centavinhos na passagem.

  131. David

    14 de junho de 2013 at 10:24

    Parabéns, um textos cretino e parcial. As contas não batem, é? Faça as contas com os R$ 3,00 que já pagamos, e veja quantos milhões vão para o bolso dos políticos todos os dias. ESSE É UM ARTIGO PRODUZIDO COM MEIAS VERDADES. ESCONDE-SE PARTE DA VERDADE PARA PRODUZIR UMA GRANDE MENTIRA.

  132. Lucas Fachinelli

    14 de junho de 2013 at 10:14

    Flávio, devo te dizer que achei seu texto fantástico. Na verdade, eu já a muito pensava o que tu escreveu. Foi muito bom ler meus pensamentos nas palavras de outra pessoa.

    De fato, ser contra esse protesto só irá atrair a raiva para ti de pessoas que acham que possuem alguma “consciência política”, e sendo um dos poucos estudantes de filosofia que tem uma posição mais voltada para a direita, devo te dizer que a minha situação é um pouco angustiante.

    É muito difícil para mim, ver todos os fatos que tu demonstrou, e mais alguns outros estampados nesse protesto, e ainda assim ver que as pessoas se comportam como massa de manobra. Nunca pensei que veria um movimento em que pessoas fossem usadas como massa de manobra tão próximo de mim.

    Acompanhei mais perto os protestos de Porto Alegre, e o que via era pessoas indo protestar justamente para tirar fotos e exibir em redes sociais como elas tinham “consciência política”. Ou definido em uma imagem de uma pessoa que tira a foto de seu rosto com a multidão atrás de si com a seguinte legenda “Eu aqui, fazendo história”.

    Isso só me deixa ainda mais angustiado. Ver que tudo nesse pais é só mais um jogo político para acumular cada vez mais poder. Acho que no final tudo se resume a isso, poder. E esses partidos políticos a muito tempo mostraram que estão dispostos a fazer de tudo para juntarem ainda mais poder.

    Parabéns pelo texto, e pelo blog em si. Adoro seus textos. Posso dizer que sempre me fazem ter uma reflexão e ajudam a eu construir um novo ponto de vista.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 10:25

      Lucas, é um alento ler palavras como as suas. Não paro de dizer, e deixo isso claro desde o título desse artigo, que as pessoas defendem algo, não tendo consciência de que, na prática, estão fomentando exatamente o contrário. Através da “consciência política”, estão sendo as mais inconscientes possíveis. Afinal, massa de manobra é isso: enganar trouxa. Se acham o máximo por não acreditarem em horário eleitoral, mas compram toda a propaganda partidária fora dele. Que fazer, senão explicar que todo seqüestrador aparece primeiro como amiguinho?

  133. Luis Pereira

    14 de junho de 2013 at 10:05

    Flavio,
    Parabéns pelo artigo, acredito que ele resume bem o momento que vivemos. Interessante analisar as consequências políticas e eleitorais que virão.
    abraços

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 10:23

      Obrigado, Luis!

  134. Kelvin

    14 de junho de 2013 at 09:54

    Cara você é burro!
    Seus seguidores são ignorantes!
    Fala de uma forma burra!

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 10:23

      Faltou “reacionário! Fascista! Tucano!”

    • Cris

      14 de junho de 2013 at 21:49

      Kelvin tu é mto inteligente. como pode que o MIT ainda não te chamou? argumentos brilhantes. não há como rebatê-los.

  135. Paulo A.

    14 de junho de 2013 at 09:53

    Parabéns Flávio, mostrou que as esquerdas estão no poder, e que o Brasil está cheio de idiotas úteis a começar pela imprensa que se vende por anuncios de emrpesas públicas, pena que o debate fique restrito, afinal pessoas com a visão não coletivista, tal qual vc, é raro hj em dia.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 10:23

      Paulo, pois é, vamos fazendo trabalho de formiguinha. Mas é isso ou morrer de joelhos.

  136. Daniel

    14 de junho de 2013 at 09:49

    Parabéns Flávio, finalmente um pouco de luz sobre as trevas da mais explícita e abjeta pelegagem político partidária que anda ocorrendo.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 10:22

      Muito obrigado, Daniel!

  137. Roberto Siqueira

    14 de junho de 2013 at 09:39

    Ah se fosse na França, na Inglaterra… seria lindo.

  138. Anselmo Heidrich

    14 de junho de 2013 at 09:25

    Parabéns! Texto VIGOROSO! Bravo!

    Agora, aqui, um post que ilustra de onde vem o combustível dessa ‘consciência’ que leva ao mostruário de injustiças à guisa de ‘manifestação pelo passe livre’:

    https://tomatadas.blogspot.com.br/2013/06/vandalos-se-sentem-justificados-pelo.html

  139. Alexandre Sampaio Cardozo de Almeida

    14 de junho de 2013 at 09:17

    São Paulo, 14 de junho de 2.013

    Prezado Flávio:

    Mais um texto primoroso. Ontem, presenciei a sucia baderneira infernizando São Paulo novamente. Uma vergonha! Veículos sendo chutados, pessoas ameaçadas verbalmente, sendo alvos de cuspidas pelos remelentos & Mafaldinhas…, e a culpa é da polícia militar…

    Para mim, um policial militar vale muito mais do que qualquer desses “manifestantes”.

    Triste…, o país está indo para o brejo esquerdista. Azar o nosso…, azar de todos!

  140. Josimar

    14 de junho de 2013 at 08:48

    Brilhante artigo !
    Não é à toa que o prefeito Haddad, que aumentou as tarifas, fala manso sobre os protestos, pois ele sabe das verdadeiras intenções…
    Concordo 100% com o texto, e digo mais, o protesto também tem objetivos mais concretos, a ideia é fazer o governo estadual cancelar o aumento no metrô e botar as finanças estaduais de joelho pra prejudicar a reeleição de Alckmim em 2014.
    Podem esperar, daqui há alguns dias Haddad irá cancelar o aumento das passagens e receberá logo em seguida verbas do governo federal pra custear o subsídio, enquanto Alckmim terá que bancar o prejuízo sem ajuda de ninguém.
    No momento que o PSDB denunciar esse complô o movimento acaba.
    Só não entendo por que Alckmim não jogou ainda esse abacaxi para o governo federal ?
    Por que ele não diz que cancelaria o aumento se o governo federal subsidiasse o metrô ?
    Por que ele não diz nada sobre o descontrole da inflação ?
    Por que ele não diz que o movimento é financiado pela Petrobras e pelo governo federal !
    Enfim, por que Alckmim trata esse movimento como um bando de arruaceiros e acha que a polícia resolveria esta questão ?

  141. Graziela

    14 de junho de 2013 at 08:39

    E onde estão os comentários de que não concordam com quebra quebra? Olhem no meu face porque eu tenho postado isso lá! Apoio o movimento, mas não a depredação do nosso próprio patrimônio! TOTALMENTE PARCIAL ESSE ARTIGO!

  142. Caroline Benta

    14 de junho de 2013 at 08:32

    Flavio Morgenstern, você deve ter sido muito bem pago pra escrever um lixo desse… não me dei ao trabalho de ler nem a metade.

  143. Mayke

    14 de junho de 2013 at 08:19

    Vocês ignorantes ainda acham que é por 0,20 centavos??? A luta é contra o estupro do governo à população. É contra a corrupção que corrói a história do Brasil.
    Nunca vi ninguém reclamando de quebra-quebra na Europa. Lá, são tratados como guerreiros da democracia. Aqui, são vândalos sem causa. O Brasil sempre será a terra de ouro, do lucro, e do sucesso, porque seu povo ainda não sabe que o ouro pertence a eles, o lucro é gerado POR eles e o sucesso, só depende deles.

    att

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 09:40

      Opa, estou agora mesmo reclamando dos vândalos sem causa da Europa!

  144. Maj Winters

    14 de junho de 2013 at 08:15

    Tenho uma amiga que faz parte de um grupo de ultra esquerda radical. Bem apessoada e de uma familia abastada, faz o que eu chamo de “Turismo de protesto”. Tem manifestação no Chile? Opa, lá vai ela até lá pra postar tudo em seu Facebook Tem protesto na Espanha? Passagem e albergue reservados (pq pega mal ficar em hotel, né?).
    Pelo que vejo dessa turma, acompanhando o facebook da minha amiga eles sonham com uma “primavera arabe” no Brasil. Sonham entrar em confronto com a policia e o governo opressor.

  145. Sebastião Corrêa

    14 de junho de 2013 at 07:49

    Estrela da Manhã, um homem iluminado. Só que não.

  146. Ivy

    14 de junho de 2013 at 05:11

    A cesta básica aumentou há muito tempo e esses manifestantes nem perceberam.
    Não houve nenhum quebra-quebra nos supermercados, nenhum hacker invadindo o sistema dos caixas exigindo que baixasse o preço.
    Esses estudantes precisam começar, no mínimo, a se informar sobre a vida adulta em vez de ficarem fazendo pirraça de “não leio revista tal, não leio jornal, odeio mídia”.
    O governo federal aumenta uma pá de coisas e eles nem prestam atenção.

  147. Lekkerding

    14 de junho de 2013 at 04:49

    Algo que achei bem estranho: em Porto Alegre, mesmo após conseguirem judicialmente suspender a tarifa aumentada, eles saíram às ruas. Os cartazes diziam: “se a tarifa não baixar, a cidade vai parar”.
    Só que a tarifa estava “baixada”. O que eles faziam na rua/ Não entendi.
    Passei o dia todo – é, tirei o dia pra ser à toa na internet – tentando dialogar com manifestantes. Eu acredito na sociedade jurídica, e defendo há muito tempo que a administração pode e deve ser controlada judicialmente, nos termos da Constituição Federal. Fui chamada de desinformada ao dizer que o Ministério Público não tem competência pra julgar casos e indeferir recursos, e que não pode forjar acordos como o que tentaram fazer em SP. Ouvi que a Constituição é um meio “paralelo” para fazer a vontade do povo. Até agora, não consegui entender o que eles querem. E por isso, disseram que eu era “manipulada pela mídia”
    Sempre os mesmos argumentos genéricos. Quando tentavam entrar no mérito, demonstravam uma ignorância profunda do funcionamento das coisas. Mas a líder não é estudante de Direito? Ela não deveria ter explicado isso?
    Não sou esquerdista, nem de direita, nem do meio, nem de trás e nem da frente. Sou jurídica. Não consigo entender o que acontece nesse movimento.

  148. Marcus Melo

    14 de junho de 2013 at 04:41

    E se for depender de quem é realmente pobre, nunca ocorreria manifestação nenhuma, pois estão muito ocupados com o medo de perder um emprego medíocre que necessitam pra sustentar sua família e ter o que comer todo dia.

    • Cris

      14 de junho de 2013 at 21:53

      melhor deixar a família morrer de fome, né?

  149. Marcus Melo

    14 de junho de 2013 at 04:28

    Bem, ao meu ver estás muito tendencioso.

    Apesar disso venho lhe dizer. 20 centavos não são nada, mas foi o suficiente pra que o povo acordasse.

    Nós pagamos 5 meses de salário pra impostos! Isso acrescenta mais um pouquinho, mas de pouco em pouco o rombo é alto. Não da passagem é claro, mas do aumento de TODOS os impostos juntos.

    Sem falar que essa manifestação não parará com esse motivo que é pequeno demais comparado aos reais problemas do país.

    Os próximos serão contra a PEC 37, entre outras coisas que tem muito mais importância.

    Porém, pra tudo tem que haver um passo. Você tirou fotos que continham bandeiras de partidos políticos. Óbvio, pra deixar essa seu artigo mais “convincente”. Os que estão na frente são apartidários, porém sempre tem gente que procura se aproveitar pra depois vir dizer que estavam lá. Isto é lógico. Mas não venha dizer que isto foi obra de líderes de partidos comunistas que vieram organizar o manifesto. Chega a ser ridícula essa sua afirmação e um tanto mostrada com uma parcialidade covarde.

    Suas palavras não são condizentes à realidade. Seus argumentos medíocres demais e insuficientes para formar opiniões de pessoas imparciais. Você não mostra lados, exceto o que lhe convém.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 09:37

      Você está esperando mesmo que os partidos que criam as PEC 37 e essas manifestações também vão criar uma manifestação contra a PEC? Assim, mesmo MESMO?

  150. Alexandre Ferreraujo

    14 de junho de 2013 at 04:12

    Acham os textos do Flávio gigantes? Pra mim são bastante condensados, às vezes corrido, para o que ele realmente quer dizer. Ninguém lê o tio Reinaldo Azevedo? rs

    Como é esse banho de loja em Paris que todo comunista adora fazer? Faz bem pra pele? Será que beijarão os pés de Haddad quando este pisar em solo brasileiro, como um salvador?

    Dicas para os que acham justo:
    1. Aprendam um pouco sobre inflação, não é um bicho de 7 cabeças.
    2. Jilmar Tatto avisou no começo do ano que subiria no mínimo para R$3,36; Haddad, 1 semana antes do reajuste, que iria para menos de R$3,44, aumentando mais R$400 milhões (na verdade acima disso) o subsídio para as empresas – cada partida (viagem de ida e volta) que cada ônibus faz é paga.
    3. O tal MPL quer passagem de graça. Eu sei, na verdade quer angariar idiotas úteis.
    4. Curiosidade incômoda: esse é o último mês da última licitação. Será que o “Andrade” gostaria de reativar ônibus da CMTC (atual SPTrans)? Duvido. Quê seria do João Rua Vaz, beneficiado pela última licitação (da Marta)?

  151. Jose

    14 de junho de 2013 at 03:22

    Esta de parabens vc disse tudo muito bom seu texto, essa molecada precisa aprender a ser gente e verdadeiramente saber pelo que e para que fazer protestos.

  152. Maria Cigana

    14 de junho de 2013 at 03:01

    R$146 por ano? R$146,40 por mês, queridos. Mais de 20% do nosso salário mínimo.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 03:07

      Nas suas contas, a passagem aumentou R$ 4,88, e não 20 centavos. No mais, o salário mínimo já não paga sequer o preço que a passagem já tinha.
      Façamos as continhas: https://reaconaria.org/blog/reacablog/imprensa-golpista-4-qualquer-inocente-pode-ser-vitima/

      • Thiago

        14 de junho de 2013 at 03:43

        Quanta asneira escrita em um só lugar…

    • Teógenes Luiz

      14 de junho de 2013 at 08:51

      É Maria, esse rapaz parece que; 1º, não sabe fazer conta e 2º não depender de transporte publico… É, mas viver em sociedade é isso mesmo, um eterno jogo de interesses, onde quem tem melhores “armas”, ganha o jogo… Parece que estamos perdendo, e a um tempão!!!!

    • Marcus pupo

      14 de junho de 2013 at 09:23

      0,40 x 30 = 146,00? Matemática moderna

    • Pedro Simacek

      14 de junho de 2013 at 09:34

      Maria, ele não se refere ao total gasto, mas sim ao acréscimo se dá anualmente.

      Vamos às contas:
      Aumento da passagem * número de viagens diárias * dias no ano.

      0,2 * 2 (ida e volta) * 365 = R$ 146,00 ao ano.
      Ou seja, por mês, mais ou menos, se tem um acréscimo de R$12,00. Foi isso que ele quis dizer.

      Leia, entenda, e não falte com respeito. Ninguém é seu querido aqui. Ironia não deve ser estandarte em uma conversa deste porte.

    • Luli

      14 de junho de 2013 at 09:34

      Matemática REALMENTE é teu forte em!!!

    • Bruno

      14 de junho de 2013 at 11:07

      E o vale transporte que o empregador paga? É impressionante que ninguém tenha se lembrado disso.

      Com o vale transporte o empregado paga no máximo 6% da remuneração e o resto do pagamento fica com o empregador.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 11:19

        Com o bilhete único, quem é pobre e mora na periferia e usava 2 ônibus gastava R$ 4,80 em 2004. Depois, gastava R4 4,20. Mas esse povo que faz isso não é pobre (aliás, eu comecei a andar de metrô ao invés de pegar um ônibus que gastava mais de 1 hora para atravessar a cidade graças a isso).

    • Cris

      14 de junho de 2013 at 21:58

      percebe-se que os estudantes que protestam e depois vem xingar o autor realmente não são trabalhadores. se fossem conheceriam o vale-transporte, mecanismo pelo qual o trabalhador paga no máximo 6% do salário pelas passagens que usa no mês.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 22:36

        Quem mora aqui na periferia e usava 2 ônibus pagava R$ 4,80 em 2002. Em 2004, pagava R$ 4,20.

  153. Caps

    14 de junho de 2013 at 02:55

    O Brasil não tem jeito! O que você escreveu, Flávio, é sofisticado demais para essa criançada que acredita que vai salvar o mundo das cáries. As mensagens de apoio ao tal “protesto” são de um infantilismo tão gritante que dá até desepero. Passei pela Consolação por volta das 23 horas e vi o que o tal protesto deixou: LIXO!!! Amanhã, os garis darão conta de uma parte do lixo. Quanto ao lixo ideológico, não há solução. A própria CBN (imprensa golpista?) estava dando corda para os bobocas que querem transporte público “gratuito”. Depois do ônibus movido a biodiesel (!), teremo o ônibus movido a maná. Alguém precisa privatizar a CBN… aquela bodega anda mais estatal e chapa branca que a Voz do Brasil!

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 03:01

      Caps, vou ser honesto: sempre tento escrever alguma coisa com embasamento de filosofia, mas focada num público só acostumado a ler título de noticia da Folha. Sempre acho que está compreensível. Inevitavelmente, sempre que publico, vejo que nêgo confunde tudo, não tem a mais remota capacidade de interpretar texto (veja só, coloquei no título dessa coisa aqui que os protestos não têm nada a ver com o preço da tarifa; procure aí quantos comentários falam que tem de protestar mesmo pelo preço da tarifa). Acho que farei uma versão desse texto for dummies.

      Coisa igual aconteceu quando fiz uma única lição de economia para o povo parar de pensar bobagem sobre desigualdade e exploração. Resultado: lá na FFLCH neguinho dizia que, se liberal “acredita” que o preço é subjetivo, a riqueza é subjetiva, portanto a URSS pode ser considera mais rica que a América. Dá pra acreditar que isso são universitários da USP?!
      https://www.ordemlivre.org/2012/08/uma-unica-licao-de-economia/

      • Rodrigo Padovanni

        14 de junho de 2013 at 11:44

        Culpa de um governo que não ensina ao seu povo a interpretar textos, pelo que eu entendi não tem haver com apenas o 0,20 centavos, isso serviu de estopim para que a sociedade acordasse, não sou a favor do vandalismo, mas também não sou favorável a ficarmos de braços cruzados esperando o governo tomar vergonha na cara e começar a prestar contas quanto aos altos impostos que pagamos nesse país. Achei ridícula sua postura em resposta à má interpretação de texto de algumas pessoas aqui, fazer uma versão “for dummies” creio eu que você não vem de uma família humilde e não sabe o quanto esses tão famigerados 0,20 centavos fazem falta no dia à dia.
        Mas enfim, você tem o seu ponto de vista filosófico nesse seu texto com um vocabulário rico e cheio de pompa, (vocabulário este que obviamente não vem de um sistema de ensino publico) eu tenho o meu, que é de um cidadão que está cansado de pagar altos impostos e quando por exemplo tem que fazer um exame médico tem que pagar por isso, porque o governo não dá a mínima à saúde publica, não só a saúde ou ao transporte publico (assunto este que é “a bola da vez”), que esta cansado também de ter que pagar para ter um estudo de qualidade, já que com o sistema de ensino publico deste país fica quase impossível entrar em uma universidade “publica” que de publica só tem o nome.
        Resumindo, cada um tem o seu ponto de vista, por isso vivemos em uma sociedade denominada “livre”, liberdade esta que só é mantida enquanto não incomoda quem esta no poder e mais uma vez achei tosca e infeliz sua resposta, espero que você que pelo que posso imaginar (após ler um texto tão “rico”), possui um intelecto de alto nível, comece ver o outro lado da moeda e se viu, comente sobre eles em seus próximos textos, pois não consegui ver essa parte em seu texto, mas como estudei em um colégio publico devo ter deixado passar despercebido.
        No aguardo da versão “for dummies” para ver se entendo ou enxergo os DOIS lados da moeda.
        Ps: Sou estudante e pago com o meu salário os meus estudos e estive no manifesto de forma pacifica, ao contrário do que muitos disseram nos comentários acima, não havia apenas “filhinhos de papai mimados” que não sabem o que falam ou fazem e sim cidadãos cansados de levar o país nas costas, enquanto apenas uma pequena parte desfruta de uma vida tranqüila e sem privações, acho que posso incluir você nesse “grupinho” após ler esse texto.
        Sem mais.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 11:56

        Mais um me chamando de rico! Mises estava certo:
        https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=283

      • Cristiano Foscarini

        15 de junho de 2013 at 21:53

        Parabéns pela citação.

  154. Petroni

    14 de junho de 2013 at 02:51

    Excelente texto!

  155. Hamilton

    14 de junho de 2013 at 02:38

    eu quero ver se esses mesmo manifestantes que nem sequer pegam ônibus vão fazer manifestação na mesma ou maior proporção antes da votação da PEC 37 ou será que vão ficar em casa com o rabinho entre as pernas e realmente mostra que são estumados como cachorros ou porque a PEC 37 é de menor interesse do POVO brasileiro.

  156. Lincoln Figueredo

    14 de junho de 2013 at 02:31

    O buraco é muito mais embaixo. Tem muita coisa oculta por trás destes 20 centavos.

  157. Riberto

    14 de junho de 2013 at 02:29

    estou achando isso tudo muito lindo. Não tem haver com vandalismo, não tem haver com certo e errado e fodam-se os vinte centavos.
    Tem haver com finalmente um povo bunda mole meter a mão na mesa e fazer-se ouvir. Quando se vê PT e PSDB juntos defendendo um mesmo discurso opressor, então é sinal que o povo está seguindo o caminho certo.
    Lógico que no meio de 14 mil pessoas, vai ter gente mau intencionada, vai ter gente ligada a partidos políticos, vai ter gente de todo jeito e toda cor, mas o que vale é a chacoalhada na cama para acordar as turminhas dos palácios de governos, de que são meros representantes, mas que quem manda nisso aqui somos todos nós.
    Como em qualquer outra mudança ou reforma, vai gerar transtornos para alguns, vai gerar alguma confusão e desconforto, mas no final, esperamos que o resultado seja para melhor, e se não for, tentamos de novo, pelo menos deixamos de ser pacatos espectadores de um estado de coisas tão desagradáveis e tão ruins para a maioria.
    Tenho certeza que após a onda de protestos país à fora, as coisas serão diferentes, se para melhor ou pior, só o tempo pra dizer, mas sendo diferente, por hora já me basta.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 02:35

      Ou seja, o que importa é uma baladinha bem animada.

      • Riberto

        14 de junho de 2013 at 03:19

        Ou seja, comentário evasivo sem nenhum conteúdo e recheado de silogismo.
        Somando ao seu enorme texto, mais uma gota de simplismo unilateral.
        Mas o blog é seu, só esbarrei com o link no Facebook e acabei lendo e comentando.
        Boa noite e boa diversão aí pra você também;

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 03:30

        Quando tiver um contra-argumento pode aparecer de novo, campeão.

      • tania melo

        14 de junho de 2013 at 07:55

        a ver,

    • Thiago

      14 de junho de 2013 at 04:39

      Tirar o sono dos governantes… Esses piadistas do “Zorra Total” e “A praça é nossa” são muito engraçados! Até parece que os governantes vão ficar sem dormir por isso…

  158. Flávia Morgensterna

    14 de junho de 2013 at 02:20

    Lixo. Repugnant. Não consegui ler nem até a metade. Me deu náuseas.

    • Allan Fernandes

      14 de junho de 2013 at 09:57

      Morgenstern, parabéns. Você conseguiu reproduzir o efeito da leitura de Chuck Palahniuk nessa criatura.

    • Cris

      14 de junho de 2013 at 22:03

      antes tivesse feito o esforço de ir até o final (sei que pra alguns deve ser difícil ler um texto um pouco mais longo) e teria aprendido alguma coisa.
      mas assim tb deve ser na faculdade, não lê os texto até o fim, e depois reclama do professor que não ensina direito.

  159. leonardo

    14 de junho de 2013 at 02:11

    o vídeo do policial apanhando sumiu da Folha de São Paulo…

  160. Danilo Angeloni

    14 de junho de 2013 at 02:02

    Excelente texto! Recomendo que já disserte acerca da nova desculpa propagada pelas redes de que “não é por R$ 0,20, é por tudo isso que está aí”.

    • Thiago

      14 de junho de 2013 at 04:41

      É, começou a surgir um discurso de que os protestos são por muito mais e blablabla… A coerência não é um dos fortes desses “estudantes manifestantes”…

  161. matheus

    14 de junho de 2013 at 01:50

    deixa eles, flavio. o aristoteles dizia que o cara tem que fugir do debate com quem falha em pontos fundamentais na busca da verdade, seja por ingenuidade e precariedade de raciocínio ou seja por mau caratismo.

    ótimo texto, mais uma vez. sábado vou a uma festa cheia de esquerdistas, estarão todos orgulhosos das façanhas gloriosas, obviamente uma hora não aguentarei e, comprovando teses, serei linchado…

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 01:56

      matheus, eu espero coisas engraçadas de esquerdistas para servirem de piada para os próximos textos, nunca argumentos. :)

  162. Heitor

    14 de junho de 2013 at 01:40

    Ah, outro exagero seu, na minha opinião: PSOL extrema esquerda? Acho que não, hein?

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 01:55

      Magina, socialismo é quase um centro, né?

    • Thiago

      14 de junho de 2013 at 04:43

      Po, a esquerda sempre vem com essa de que o outro partido não é a esquerda e mimimi… Da para definir quem é esquerda? … Porque até outro dia o PT era esquerda, ai virou centro esquerda e já tem gente falando que ele é de centro e alguns, mais extremistas, que eles são de direita ¬¬”

  163. Heitor

    14 de junho de 2013 at 01:33

    Cara, eu concordo com muita coisa que você disse, mas acho que você está dramatizando muito. A mídia nem mostrou tão amplamente assim as bandeiras desses partidos e não acho que por conta disso eles vão adquirir força política no Brasil , acho que você está dando muito crédito ao poder de manipulação dos mesmos. Mas que existe um viés partidário, disso não tenho dúvidas. Sabia que a juventude do PT apareceu por lá na concentração e foi hostilizada pelos manifestantes? Pois é, bem estranho.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 01:55

      Heitor, pelo contrário: a mídia deveria ter mostrado amplamente e dito os nomes, ao invés de não ter dito. Como escrevi, isso é propaganda armada (terrorismo), não é algo que precise de mídia (e nem esses partidos precisam de votos para parar a principal cidade do hemisfério).

    • Thiago

      14 de junho de 2013 at 04:47

      Os partidos não querem aparecer, não querem o foco neles! Eles querem continuar manipulando e incentivando tais práticas por trás dos panos… e se possível, acusando a mídia de manipulação e coisas do gênero.

      A juventude do PT foi hostilizada? Não é nenhuma novidade, pois estes estavam nos protestos quando o prefeito era o Kassab, e agora que é o Haddad, não podem fazer parte… cadê a tal liberdade de expressão que tanto berram por ai?

  164. osmar gatinha

    14 de junho de 2013 at 01:30

    Eu não sei se o texto é sério ou não, mas foi mais engraçado que os do Reinaldo Azevedo haha. Generalizando total.

    • ClaudioM

      14 de junho de 2013 at 01:43

      O texto é tão sério quanto seu nome, Gatinha.

  165. RIBEIRO

    14 de junho de 2013 at 01:26

    Não é por causa de 20 centavos não… é por tudo o que representa esse transporte corrupto, serviço mal prestado e financiador de políticos canalhas como os que vemos no poder municipal, estadual e federal… Transporte público é uma máfia assassina em qualquer município brasileiro… Qualquer um….se fizer uma investigação ainda que superficial, mostrará a podridão que rola… Não são só por 20 centavos não. Isso está sendo apenas a gota d’água no tanque já transbordando… pensem nisso. Podem até ter partidos com interesses escusos tirando proveito da minisfestação, sem dúvida… mas taxar todo mundo de baderneiro e colocar forças estatais de repressão como se lidassem com marginais, isso é radicalismo estatal e ação de ditaduras… Aliás, contra bandidos eles não fazem isso… No rio de janeiro, a Globo transmitiu Há pouco mais de um ano, uma ação de retirada tranquila por parte de centenas de traficantes armados com armas de guerra, enquanto a polícia fingia que nem era com ela… E o coitado do povo de São Gonçalo e Baixada Fluminense hoje vive em um verdadeiro inferno, por causa dessa ação covarde do estado corrupto maldito. Vamos com calma antes de taxar manifestações justas, contra abusos de poder de arruaças e badernas… Isso não é atitude de um cidadão democrático… O governo transtorna nossa vida muito mais que uma manifestação como essa. Torço para que o povo todo saia às ruas e toome consciência de COBRAR TUDO QUE ESTÁ ERRADO E que os citados 20 centavos, sejam abençoados por de alguma forma tirar o povo de seu estado de covardia coletiva, enquanto esse governo assassino destroça a sociedade com suas máfias malditas.

    • Paulo

      14 de junho de 2013 at 02:46

      Isso é falta de louça pra lavar. Vão trabalhar…buscar crescer como indivíduo. Se “marxismo” fosse grande coisa, a maior potência mundial seria a URSS ( opa, sucumbiu ) e Cuba seria um paraíso para viver. Falam bosta pra caralho e andam de iPhone e Galaxy no bolso. Cambada de hipócrita.

    • Thiago

      14 de junho de 2013 at 04:51

      Claro, se o governo faz a PM enfrentar os bandidos nas favelas cariocas e mata bandidos e morrem alguns civis, esse governo é violento, truculento, opressor do pobre e do trabalhador que não tem condições de morar em outro lugar em uma moradia digna e tal…

      Faz um favor e pensa fora da caixinha ideológica de esquerda! Foge da tal luta de classes, de estado opressor dos indefesos e coisas do gênero!

  166. joelrgpereira

    14 de junho de 2013 at 01:23

    Flavio

    excelente texto, esse sim é um serviço de utilidade publica.

  167. PIRATAS_BR

    14 de junho de 2013 at 01:16

    ESSE FLÁVIO GOMES ME BLOQUEOU NO TWITTER,POR QUE EU ANDEI DANDO ALGUNS ESCULACHOS NELE,COMO É O FERNANDO HADDAD QUE DECIDE SOBRE O PREÇO DA PASSAGEM,O TAL COMENTARISTA É UM FERRENHO DEFENSOR DO PT,ESTÁ SEM GRAÇA COM A SITUAÇÃO,UM DOS MAIORES FINANCIADORES DA CAMPANHA DO PREFEITO CHAMA-SE JOSÉ RUAS VAZ,QUE VEM SER DONO DE METADE DAS COMPANHIAS DE ÔNIBUS DE SP,NA HORA DE PEGAR O RICO DINHEIRINHO O PT ADOROU,AGORA QUEREM RECLAMAR,COM CERTEZA,TÁ NA HORA DE COLOCAR A TROPA DE CHOQUE NA RUA E COLOCAR ESSES VAGABUNDOS PARA CORRER………..

  168. Jean Pinheiro

    14 de junho de 2013 at 01:14

    Quer tenha bandeira partidária ou não, o povo tem que ir às ruas protestar contra o aumento de passagem de ônibus.
    O povo não aguenta mais pagar a conta para os ricos deste país.
    Que aumente o preço de produtos e tarifas que afetem os abastados financeiramente. Que tal aumentar bastante o champagne, o patê de fígado de ganso, o caviar?

    • Kagupe

      14 de junho de 2013 at 05:29

      Concordo plenamente! Hipocrisia pura! E falta de inteligência! Geração alienada na preguiça mental!

    • César

      14 de junho de 2013 at 10:12

      esse comentário é o maior exemplo da cretinice no entendimento (ou falta dele) de economia e política…

  169. Francisco

    14 de junho de 2013 at 01:14

    Morgenstern, não dá para subtrair uma palavra de seu longo comentário. Adicionaria uma pergunta: que raios de direita é essa, porque nos meus muitos anos, direita é fascista, um PP de Paulo Maluf, um PSC do Pastor Marcos Feliciano, um PSD do Gilberto Kassab. O resto é tudo esquerda, e a unica coisa que muda, de partido para partido, é o blá blá blá de socialismo, nisso ou naquilo, de privatização disso ou daquilo. Hoje o que rola é DINHEIRO, como vemos o ex Presidente garimpar por todos os lados, provavelmente procurando lastro para o que, desde 2008, a “Forbes” denuncia que ele tem, todos dizem que o filho dele tem, e mais uma curriola não muito numerosa mas abastada com erário público de procedência mais do que duvidosa. Achei sensacional os “nacos” de bobagens postadas que você incluiu na análise e te digo que não são poucos os que já já irão às ruas para acabar com essas coisas de malucos..

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 01:15

      Na verdade caminhamos para o fascismo e quem mais o favorece é quem mais se diz anti-fascista. Enquanto isso, a direita, que é o anti-fascismo por definição, está às mínguas. Veja só…
      https://reaconaria.org/colunas/colunadoleitor/dia-d-69-anos-depois-whats-left/

      • Francisco

        14 de junho de 2013 at 01:33

        Li sua recomendação e não posso deixar de comentar a similaridade entre Stalin e Hitler, aliados por 3 anos, não importa o nome que se dê a cada um. O primeiro preocupado com a hegemonia, e o segundo preocupado com um social utópico. Ambos usaram de meios escusos e um tentou usar o outro para buscar atingir seus objetivos, à custa de 60 milhões (40 na Russia) de vidas. Muitos dos que pregam política hoje sabem nada sobre a História e seu custo para a Humanidade. Abraços, parabéns novamente pela qualidade de seu texto.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 01:54

        Obrigado, Francisco! Infelizmente o que tentei mostrar em ambos os textos é como as pessoas favorecem o oposto do que pretendem ao aderir a causas fofinhas.

      • AnonymousBr

        14 de junho de 2013 at 01:50

        Não existe Direita ou Esquerda meu filho , os partidos politicos brasileiros são um só , é um ajudando o outro . so vc não percebeu isto.” me ajuda aqui , que eu facilito pra vc ali” e assim vai.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 01:56

  170. Pedro W.

    14 de junho de 2013 at 01:06

    Que texto ridículo. É óbvio que não é por causa de 20 centavos. Começou por causa dos 20 centavos, mas se tornou um protesto contra TUDO QUE TEM DE ERRADO! E isso é bom! Se tá errado, tem que mudar. Não concordo com vandalismo, em todo protesto obviamente veremos gente que só quer destruir e não se importa com o resto. Mas o governo precisa ter medo. A PM é ridícula, não tá nem aí pra nada. Gente gritando “sem violência” e a Polícia quebrando tudo, um absurdo. Dinheiro público será gasto por causa do vandalismo, mas nosso dinheiro já é gasto com político ladrão e com estádio superfaturado. Ou vocês acham que o Brasil não devia ter lutado pela independência pq “é muito violento”? Deixem de ser domados, vão a luta do que querem. Ah, mas eu acho que todo mundo que levantar uma bandeira de um partido em protesto devia ser escoltado pra casa ou levar uns tapas. Revolução deve ser em pró da própria ideia de revolução e só.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 01:08

      Amigo, quem achar que você está, assim, ERRADO, pode partir para a violência, segundo sua lógica?

      • Pedro W.

        15 de junho de 2013 at 00:05

        Não. Na verdade eu não gosto do vandalismo, acho errado. Eu disse isso no texto… Sempre haverão vândalos. E acho que a polícia deveria ir atrás somente dos vândalos, já que é nosso direito poder protestar, tá na lei. Nem os outros que estavam protestando deveriam deixar, mas não é fácil. Só acho que ir a luta do que queremos é ir para as ruas, protestar.

      • Flávio Morgenstern

        15 de junho de 2013 at 11:50

        Não vi uma única pessoa (e acompanhei umas 6, 7 mil) defender agressão policial contra não-vândalos. Não sei por que repetem isso. E, como mostra o texto, o protesto é por poder político, a desculpa da tarifa é a mais amarela já inventada para um protesto.

  171. Ronnie Sega

    14 de junho de 2013 at 01:02

    Eu tenho uma outra teoria. A teoria do copo transbordante. Quando cai uma gota no copo, ele transborda. É como um caminhão recheado de nitroglicerina. O caso é que não existe NENHUM político que lute pelo povo na prática – quando se elege, se esquece. Se as pessoas acham que o voto delas não vai valer absolutamente nada, elas não têm o que perder queimando ônibus e coisas afins. Penso que isso vai aumentar com o passar do tempo.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 01:07

      Pois então veja esse curioso texto, que mostra de quem é a culpa por ter enchido o copo:
      https://super.abril.com.br/blogs/crash/a-gota-que-faltav/

      • Thiago

        14 de junho de 2013 at 04:59

        Flávio, e nesse texto da super fala só da inflação causada pelo tal “evento”, to com paciência e tentando escrever um texto sobre os diversos fatores e como eles se desenrolaram durante anos para se chegar a situação de hoje… espero ter paciência para acabar o texto antes dos protestos acabarem, pois sabe com o é, tem muito mais coisas do que só o tal “evento” ai…

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 09:45

        Boa sorte, Thiago! Explicar o óbvio pra galera está ficando difícil…

  172. Lucas Oliveira

    14 de junho de 2013 at 00:56

    Parabéns, Flávio! Concordo com tudo, por que esses comunistas safados não apoiam a livre concorrência entre as empresas de ônibus? Tenho certeza que melhoraria a qualidade do transporte e diminuiria a tarifa. É isso que eu venho dizendo o tempo todo para o povo que apoia essas sandices.
    O que está acontecendo é vergonhoso, o povo brasileiro é tão ingênuo que até a extrema-esquerda está conseguindo conquistar a população, as pessoas mais sérias que eu conheço estão caindo nesse papo mequetrefe de abaixar as tarifas do “governo burguês”. Já está virando consenso geral por todos os lugares que passo ou vejo na internet que a polícia é fascista, o governo é burguês e os comunistas são bonzinhos. Estou ficando com receio disso ser o estopim de algo maior, porque eu nunca vi tanto idiota útil na minha vida.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 01:03

      Lucas, obrigado! A questão não é ingenuidade, é que a extrema-esquerda tem uma manobra maravilhosa para ganhar poder. Todo mundo fala que são partidos nanicos e não deveríamos nos importar com eles. Bem, eles paralisam São Paulo por quantas semanas quiserem. Eles só se manifestam com roupagens enganadoras como “tarifa de ônibus”. E vão comendo o poder. Assim, a população, que não entende dessa engenharia, acredita que é tudo por uma boa causa. E vai entregando o ouro…

  173. Rodrigo

    14 de junho de 2013 at 00:42

    O texto e bom, mas para mim, é óbvio. De qualquer forma, é sempre bom termos pessoas mostrando como a esquerda age na nossa sociedade. Reclamar de um aumento de R$0,20, numa país com inflação como o Brasil, só pode ser burrice mesmo.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 00:48

      Rodrigo, pior que tenho de concordar contigo. Achei que várias pessoas estariam explicando essa coisa platiforme de tão óbvia. Uma conta que dá pra fazer numa calculadora. Infelizmente, não foi o que aconteceu.

  174. rosana

    14 de junho de 2013 at 00:35

    Parabéns pelo texto brilhante.

  175. Marivalton

    14 de junho de 2013 at 00:35

    Se diz libertario, mas defende o estado hahuahhauahua

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 00:42

      Não me digo libertário e nem defendo o Estado.

  176. Rogerio

    14 de junho de 2013 at 00:34

    Mais um olhar facista tipo “reinaldo azevedo”.
    Pelo menos é mais esclarecido e prolixo

    Mas numa coisa você tem razão, não é pelos 20 centavos, nem é pelo valor da passagem,
    é pelo saco, que se encheu e estourou de ver tantos malfeitos na condução das cidades, Estados e do país.
    Poderia ser 100% pacifico ? duvido
    onde há conflito, há boas chances de perdas …

  177. danir

    14 de junho de 2013 at 00:28

    Esta turma está começando a brincar com fogo. Criança que brinca com fogo mija na cama; já dizia minha avó. É claro que as pessoas de bem não estão reagindo, embora estejam indignadas e enojadas com o que está acontecendo no Brasil. E estão sendo prejudicadas simplesmente pelo fato de que, quem hoje procura seguir as regras da decência, da honestidade e do bom censo, está sendo empurrado e oprimido além de roubado em sua tranquilidade e em seus valores tanto morais como materiais. Estão pagando a conta sem chiar. A pergunta que fica no ar é a seguinte: Até quando este bando de esquerdistas sem vergonha e desrespeitosos continuarão dando as cartas sem que haja uma reação? E, caso haja uma reação, com quem a força real estará? O que está reservado para nós. Quando teremos a justiça, as autoridades e as forças policiais trabalhando em conjunto para botar ordem no pedaço. Será que com a enorme possibilidade que temos de ser uma potência econômica, socialmente desenvolvida, vamos ficar nas mãos desta turba. Já está na hora da maioria silenciosa começar a fazer barulho para ser ouvida alto e em bom som. Temos que escolher entre a Civilização e a barbárie, e eventualmente pagar o preço de nossas opções. A turma da esquerda já fez a opção, e está botando o seu plano em ação. Eu pessoalmente fico enojado, com vontade mesmo de vomitar ao ver o comentário de um Sakamoto da vida, ou a atitude da imprensa em sua maioria. Hoje li um comentário do Jânio de Freitas, um verdadeiro lixo, e ainda vinha com uma descrição classificando-o como um dos mais importantes jornalistas brasileiros. Quem cara pálida? Importante porque? Será que estes cretinos não podem usar de suas liberdades civis de forma mais civilizada e decente? Querem restringir a nossa liberdade, que não usamos para fazer mal ou prejudicar ninguém e ainda usam a deles para depredar, incitar a violência, fazer a apologia das esquerdas, festejar Cuba e glorificar assassinos. Estou chegando à conclusão que a massa é muito burra, pois eu até hoje não me sensibilizei com o discurso destes criminosos (não os chamo de cretinos ou idiotas, pois não são nem uma coisa nem outra) e vejo as pessoas de bem continuarem passivas, amedrontadas e acreditando que o que acontece é uma manifestação de uma juventude interessada mas sem rumo. Ledo engano, que pode custar muito caro. Fora pt, fora psol, fora pcdoB, fora Haddad, Lula, Dilma, e toda esta chusma de aproveitadores, comunistas, terroristas, formadores de quadrilha e apologistas de ditadores assassinos e venais. Estou de saco cheio e enquanto isto estão destruindo nossa qualidade de vida, é só olhar os indicadores econômicos que foram tão laboriosamente incrementados no governo FHC. Talvez esteja aí o fator preponderante para começar a abrir os olhos de quem está dormindo acordado.

  178. Michael Nascimento

    14 de junho de 2013 at 00:24

    Concordo com passagens do seu artigo. Porém, notei um esforço para desmoralizar o movimento.

    É claro que tinha partido político la no meio. O Plínio de Arruda estava desfilando pelas ruas junto com os manifestantes.

    Mas duvido que a maioria estava lá pra defender alguma ideologia partidária. A grande maioria estava lá justamente para se sentir parte de um movimento que pode vir a ser comum, que é lutar por algo que acreditam.

    Por que você não faz um artigo tão grande e bonito como este para elogiar a mobilização?

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 00:30

      Exatamente como escrevi, as pessoas caem na esparrela e vão lá, fazer propaganda partidária sem saber. Mostrei a inconsciência do movimento: fazem uma coisa, acreditando que estão fazendo outra. Por que elogiaria isso?

      • Michael Nascimento

        14 de junho de 2013 at 00:36

        O que você deveria elogiar é o fato de que depois de muito tempo a população resolveu protestar.

        Você tem razão em falar que tem muita gente lá que não sabe nem do que se trata o protesto.

        Mas o real sentimento que tenho sobre tudo isso é que o povo está promovendo mobilização, e muito em breve vamos começar a protestar do jeito certo, pelo motivo certo.

        Teu texto é importante para para fornecer outro ponto de vista sobre o protesto. Confesso que me fez repensar em muita coisa que eu havia preconcebido.

        Mas ainda defendo que, em um portal como este, com notícias sobre política, você deva elogiar, ou pelo menos destacar, que o povo se mobilizou e iniciou uma briga pelo o que acreditam ser justo, mesmo que isso ainda não seja muito claro para o próprio manifestante.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 00:44

        Michael, obrigado pelas palavras, mas o ponto crucial para mim é que essas manifestações já nascem viciadas. Como disse no texto, se vestem de uma roupagem chamativa, mas são apenas propaganda partidária. Não posso ser favorável a uma imensa população de pessoas inconscientes de como se faz propaganda gramscista adorarem se aliar a um PSTU ou à UNE achando que estão fazendo uma “manifestação popular” ou que aquilo é o “povo”, entende?

      • Aroldo

        14 de junho de 2013 at 01:07

        O brasileiro tem mesmo necessidade patológica pela lisonja

      • danir

        14 de junho de 2013 at 01:09

        Será que você não percebeu que está sendo manipulado por pessoas que têm um projeto de poder, que quando alcançado não darão a mínima para você e para os outros que são massa de manobra? Para se aliar a esta turma, só sendo ingênuo, aproveitador, da curriola ou então burro. Nenhuma das alternativas e muito abonadora. Eu penso que se alguém quer realmente fazer algo para melhorar e colocar para fora o grito primal por um mundo melhor, deve começar não votando nas pessoas que estão destruindo as instituições democráticas e a economia deste pais. Veja os indicadores econômicos, tente se informar, não se deixe levar por palavras de ordem que sempre são vazias e trazem um componente de destruição do trabalho dos outros. Por acaso você é daquelas pessoas que dizem que como está tudo errado eu também vou agir errado para não ficar para traz? Se as manifestações de vândalos em nome de alguma causa absurda te atingirem feio, na veia mesmo, você ainda vai dizer que eles estão certos ou vai começar a reclamar? Tente se inteirar do que significam expressões como moral, direitos civis, justiça, bem comum, responsabilidade, respeito humano, civilidade e medite profundamente se existe almoço de graça. Perceba que quem se manifestou, de forma indevida, não foi o povo, como você ingenuamente está dizendo. Foi um bando de arruaceiros e inconsequentes envolvidos por um bando de manipuladores esquerdistas. A propósito, eles não ficam na linha de frente pois não são bobos e não querem se expor. Saudações.

  179. Fattard

    14 de junho de 2013 at 00:24

    Olá, tenho pego muitas opiniões sobre o ideal das manifestações, muitos dizem que a “pirraça” é proposital, pra incomodar mesmo, fazer barulho, etc.
    Não enxergo o governo/prefeitura realmente muito incomodados.

    Vejo muitos compartilhamentos dessa ideal aqui:

    == INICIO

    Não são os 20 centavos. Nunca foram. Isso foi apenas o gatilho. Algo novo surge a cada dia de manifesto. Algo que vibra, que grita, que aumenta mais e mais. É a voz de um povo que cansou de ser gado. Eram tantos gritos, entalados há tanto tempo, que agora ele sai assim, desesperado, recebendo até o nome de “vândalo”, mas sai persistente e forte, sai inconformado com os preços, com as ordens, com o stress, com a “segurança”, com a mídia, sai inconformado com o Brasil. O povo se deixou construir um Brasil governado por verdadeiros psicopatas que alimentam o mal. O povo um dia pode ter sido burro! Mas agora ele berra contra seus erros do passado. O povo quer um novo Brasil, e quer agora! Se Deus quiser, não desistirá até consegui-lo. Seja como for, enfrente o que precisar enfrentar, como precisar enfrentar.

    Que a massa perdoe o transtorno, o trânsito, a quebradeira e a sujeira. Estamos no meio de um processo que pode sim significar uma revolução, e um novo Brasil se abrindo diante de nós. Não é a violência que a mídia mostra. É a que ela não mostra, aquela violência que roda sem parar nos trilhões do impostômetro. Números dos quais nunca vimos resultado!

    Peço perdão sincero por não ter estado ao lado daqueles que se dispuseram a batalhar pelos nossos direitos, mas eu estarei lá.

    “A revolução não será televisionada.” mas “Ideias são à prova de bala.”
    O Brasil não pode desistir. Não vai!

    == FIM

    Estou muito confuso sobre o que leio e vejo. Estou sem opinião formada ainda.

    Agradeço pelo ponto de vista do seu texto. É algo lúcido que me abriu outra forma de pensar sobre.

  180. Matheus

    14 de junho de 2013 at 00:22

    Texto estupidamente gigante, e ainda sem conteúdo. Toda luta por um ideal é válida, principalmente quando vem da força da união popular. Tenho um exemplo sobre o histórico do aumento do preço da passagem do transporte público em São Paulo: https://www.terra.com.br/noticias/infograficos/tarifas-metro-onibus-sp/
    Esses “20 centavos” foram apenas o fato extinguidor do comodismo juvenil de nossa geração. Ele é um dos muitos — e longe de ser o único — motivo para tais protestos. Apoio totalmente.

    • Michael Nascimento

      14 de junho de 2013 at 00:37

      É isso que eu estou defendendo nos meus comentários. “Toda luta por um ideal é válida.”

      • Aroldo

        14 de junho de 2013 at 01:13

        E se for o ideal nacional-socialista?

      • Thiago

        14 de junho de 2013 at 05:17

        Aroldo, ai o povo acorda depois da tomada do poder e se revolta de novo… afinal, a inteligência para saber pelo que lutar e como lutar, não é o forte de muitos…

        Como alguns “movimentos” berram nesse protesto, transporte público de gratuito e de qualidade… eu não vejo nenhum serviço prestado pelo governo ser de graça e muito menos de qualidade, por que com o transporte seria diferente?

      • Cris

        14 de junho de 2013 at 22:13

        ” a inteligência para saber pelo que lutar e como lutar, não é o forte de muitos…” essa foi f***.
        TRADUZINDO: ou você pensa como eu, ou você é um completo ignorante e eu preciso te tutorar. ops, parece que já vi isso na história antes.

    • Rogério

      14 de junho de 2013 at 10:36

      Fico muito alegre pela extinção do comodismo juvenil no Brasil. Mas fico muito curiioso para saber porque não usaram esta mesma força para protestar contra o mensalão, contra os ladrões condenados pela mais alta corte do país legislando e participando da CCJ, contra as privatizações (que eram o fim da picada na época do FHC) realizadas pela presidanta…. Enfim, acho que o problema do valor da pasasgem existe, mas as causas estão muito mais embaixo do que esses movimentos tentam combater e provavelmente passam por partidos apoiados por estes mesmos movimentos.

      • Thiago

        14 de junho de 2013 at 19:08

        Rogério,

        Li uma notícia que o governo, através de financiamento pelo BNDES, dariam dinheiro para empresas brasileiras comprarem as estatais portuguesas que serão privatizadas… Assim, fiquei com uma sensação de não entender nada =/

      • Marco Aurelio

        14 de junho de 2013 at 19:57

        Perá aí quantos anos vc tem?

        quer mais baderna manifestações quando o pt era oposição? O pt parou o BRasil com suas greves, na bovespa teve sindicalista chutando a bunda de investidor literalmente, era uma greve por semana,

  181. dsor

    14 de junho de 2013 at 00:20

    Morgenstein, foste gigante nesse texto. Parabéns.

    • Andre Aragao

      14 de junho de 2013 at 10:21

      Como assim, texto estupidamente gigante??? Pelo amor de Deus! A civilização ocidental está perdida…

      • dsor

        14 de junho de 2013 at 12:38

        Caro quadrúpede, releia e verá que foi um elogio. Foi um gigante moral e intelectual.

        E concordo. Se depender de jumentos como você, a civilização ocidental está realmente perdida.

      • Joleo

        15 de junho de 2013 at 11:01

        Calma,acho que ele cometeu um erro e postou no lugar errado,pois no comentário acima verá que a resposta se encaixaria melhor…

  182. Rodrigo

    14 de junho de 2013 at 00:18

    Excelente! Pena que esses panacas protestando não sabem ler, talvez percebessem a merda que estão fazendo.

  183. Gustavo

    14 de junho de 2013 at 00:06

    Texto gigante e recheado de estupidez.
    Claro que os protestos nao tem a ver com 20 centavos. Eles tem a ver com o que anda entalado na garganta do povo. Ser pacifico ou nao, nao tem importancia nenhuma, pois a repressao sera violenta de qualquer forma.
    Protestar eh extremamente necessario, ainda mais pra um povo tao acomodado como o nosso. E ser contra um movimento desses soh pode ser considerado burrice.

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 00:09

      “Ser pacifico ou nao, nao tem importancia nenhuma” Diga isso quando o protesto vier em cima de você que eu quero ver.

      • Gabriel

        14 de junho de 2013 at 00:43

        “Diga isso quando o protesto vier em cima de você(…)”.

        Devemos levar em conta se esses fatos são casos isolados ou generalizados. Há pessoas de má índole que vão causar baderna, e outros que simplesmente estão exigindo seus direitos pacificamente. E isso não o dá direito de generalizar um caso (ou uns) para todos. Posso estar errado, mas gostaria de ver o outro lado.

        O texto que você escreveu foi generalizado demais, sensacionalista demais, tendencioso e, deveras, preconceituoso. Falta álibi e provas contundentes, além de avaliar o outro lado da historia.

        Aliás, garanto que você não usa o transporte público ruim. E, se usa, tem $ o bastante para pagá-lo sem se preocupar com outras despesas do mês.

        E, por final, não é pelos 20 centavos. Mas por toda a baderna que é a política brasileira em geral que não é punida nem investigada. Partidos parasitas sempre vão existir, mas nem todos carregam essa bandeirola ao marchar

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 00:47

        Não generalizei em momento algum, até coloquei negrito quando falei dos organizadores, com o detalhe de que ainda acreditam que, mesmo que seja feito para promover partidos, ainda assim a questão da tarifa terá alguma relevância em protestos que mudam de “motivo” tão logo a circunstância seja outra. E sim, uso. Você é que está querendo chutar o outro lado para um grupinho “inimigo”, mostrando que só se “argumenta” através de categorias pré-concebidas (geralmente “nós” e “fascistas”).

    • Aurélio

      14 de junho de 2013 at 00:32

      “Ser pacifico ou nao, nao tem importancia nenhuma, pois a repressao sera violenta de qualquer forma.”
      Manda corriculum vitae pro Zorra Total que a vaga é tua.

    • danir

      14 de junho de 2013 at 00:46

      Gustavo, se as pessoas estão entaladas, porque não protestar contra quem está no poder, que está gerindo de forma leviana e incompetente a coisa pública? O usuário dos ônibus não são os causadores dos problemas, mas são as primeiras vítimas. Fico me perguntando o que você faz na vida para ter uma opinião como esta. Você estuda? Você trabalha? Usa carro e tênis de grife? Como você reagiria se depredassem o seu patrimônio ou de sua família ( afinal de contas talvez o seu sustento venha do paizão, que precisa ser preservado) ? É uma situação que não desejo que aconteça, de todo o coração, mas fico me perguntando como você e este pessoal seria tratado se o que resta de nossa democracia fosse destruído. Como, estes mentores que usam vocês de marionetes os tratariam se realmente tivessem o poder absoluto e totalitário que tanto desejam? Ai você teria a oportunidade de saber o que é realmente estupidez em todos os seus matizes e eventualmente no próprio couro. Tente usar o que tem de inteligência e pense baseado nos fatos e por conta própria. Já seria um bom começo para melhorarmos as coisas.

  184. Ramon

    14 de junho de 2013 at 00:05

    Acho legal muitas coisas que vocês escrevem. Essa não foi uma delas.

    Provavelmente isso não faça nenhuma diferença, mas perderam um seguidor, um ouvinte do podcast, um like.

    Forte abraço, sucesso.

    • dsor

      14 de junho de 2013 at 00:25

      Que cretinice. Pode ao menos apontar onde está o equívoco? Ou é só uma sensação nas tripas contaminadas pela tática gramsciana na qual se suporta toda a manifestação?

    • Felipe Machado

      14 de junho de 2013 at 00:27

      Boa Ramon, uso de suas palavras as minhas!

      • malcan

        14 de junho de 2013 at 14:47

        Vão fazer uma falta…. SQN

    • Flavio Augusto

      14 de junho de 2013 at 15:05

      Jovem, já ouviu falar em debate de ideias? Ou você só aceita conversar quando seus interlocutores dizem o mesmo que você?
      O que você não concorda no texto? O que pode contribuir para a discussão?

  185. G.

    14 de junho de 2013 at 00:01

    Nossa que post gigantesco ein? Espero que vc esteja ganhando bem pra isso né, pq realmente, haja esforço em falar mal dos protestos. Aproveitando o belo tema vc podia comentar esse ato de vandalismo também https://www.youtube.com/watch?v=kxPNQDFcR0U

    • Flávio Morgenstern

      14 de junho de 2013 at 00:08

      O texto mostra que a esquerda, quando confrontada com argumentos, apenas troca de assunto e protege o grupinho. Seu comentário é prova dessa manobra ridícula e desonesta.

      • Michael Nascimento

        14 de junho de 2013 at 00:21

        Mas aí você escreve um texto bonito e se esconde atrás dele? Vai ignorar as evidencias de que a confusão não começou da parte dos manifestantes?

        Concordei com muita coisa que você disse, mas você ignorou muita fonte pra poder mostrar um ponto de vista que agora vai defender como se fosse o verdedairo.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 00:22

        Não começou? Os caras fecham a Paulista 3 dias e a confusão começou com quem?

      • Michael Nascimento

        14 de junho de 2013 at 00:25

        Nos dias que você estava lá, quem começou o protesto?

        Meu irmão esteve lá, e hoje temos vídeos de todos os tipos provando que o início da violência foi pelo lado da polícia.

        Alias, você foi lá pra ver de perto tudo isso antes de publicar o artigo, certo?

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 00:30

        Quem começou o protesto foram os manifestantes. Com a tática de agressão mínima que expliquei. Qual a dúvida?

      • Anny (@lobamuitocruel)

        14 de junho de 2013 at 00:38

        Michael, me desculpe, mas meu marido TRABALHA na Paulista e acompanhou desde o primeiro dia: a violência e depredação começou pelos manifestantes.

      • Thiago V

        14 de junho de 2013 at 00:54

        E não era isso, chamar atenção do Estado como ele estão descontentes com o governo? E que se alcançada ou abalar o governo pode então significar que não é só no estrangeiro que as mudanças podem acontecer? Afinal de contas, todo mundo aplaude a primavera árabe, mas é só porque não é no quintal de casa.
        E vamos lá, matemática básica, se no máximo 100 pessoas foram vândalas então são apenas 2% das pessoas. Você vai me dizer agora que todos estavam lá apenas para vandalizar?
        Depois, se não me engano, todos os partidos nunca admitem que são de direita.
        E qual a questão de receber dinheiro do incentivo a cultura?
        Ah, e achar comentários idiotas no twitter e votações esculachadas no facebook é muito simples.

      • Flávio Morgenstern

        14 de junho de 2013 at 01:01

        Não chamaram a atenção do Estado, que continuou em Paris numa nice. Chamaram a atenção da população, que foi atrapalhada morbidamente. Quem aplaude a primavera árabe, que derruba ditaduras corruptas para colocar a Irmandade Islâmica, a organização mais terrorista, totalitária e anti-Ocidente do planeta, definitivamente não sabe o que está fazendo. O que mostrei é que os protestos SERVEM para partidos: poderia ser contra a “fome no mundo”, a fome não iria mudar e o partido iria ganhar. E é feito para vandalizar, isso não é acidente de percurso. Direita não existe no Brasil e não sei mais o que você está falando que tenha alguma coisa remota a ver com o que escrevi.

      • Mário Henrique

        14 de junho de 2013 at 02:20

        Michael,

        A polícia avisou que não mais permitiria o bloqueio do trânsito nas principais avenidas. Foi noticiado isso e o movimento sabia disso. Principalmente a Av. Paulista!
        Uma decisão judicial proíbe o bloqueio do trânsito na avenida, abrindo exceções somente para a parada gay, a corrida e a festa de ano novo.
        No natal do ano retrasado, a CET chegou a fechar uma faixa da Av. Paulista e a justiça pediu para que não fizessem mais isso. O resultado foi que no ano passado, poucas empresas estavam dispostas a enfeitarem seus prédios.
        No final das contas, a polícia só cumpriu o que a justiça mandou. Quando alguns tentaram furar o bloqueio para poderem ir para a Av. Paulista, ela usou o que tem para conte-los.
        Tudo indica que na terça-feira que vem teremos mais problemas, pois eles estão marcando de se encontrarem na estação Brigadeiro, ou seja, na Paulista!
        Ordem judicial é pra ser cumprida.

      • Thiago

        14 de junho de 2013 at 05:25

        Michael,

        A PM foi a primeira a ocupar a Av Paulista no primeiro dia de protesto? … Hum… Quem começou com a violência mesmo? Tirando o sossego da população, não permitindo o ir e vir e outras coisas mais… Foi a PM né? Aham… senta lá e pensa mais um pouco!

      • Anny (@lobamuitocruel)

        14 de junho de 2013 at 00:44

        Só um adendo: o Flavio não se esconde, pelo contrário, ele diz nome e sobrenome, ao contrário de alguns manifestantes que não mostraram seus rostos com lenços paquistaneses e ainda “orientaram” vários deles a fazer o mesmo.

      • Mateus

        14 de junho de 2013 at 01:12

        o lenço no rosto é pra nao engolir fumaça das bombinhas da puliça, seu imbecil.

      • Thiago

        14 de junho de 2013 at 05:29

        Mateus,

        O lenço usado para cobrir o rosto antes da PM se posicionar é para evitar a fumaça? Caraca! Cadê o Nobel de lógica para este jovem livre pensador?

  186. marcelo santana

    13 de junho de 2013 at 23:58

    Eu li que o Alckmin na eleição do ano que vem ganharia fácil do PT qualquer candidato fosse, inclusive do Lula… e estes protestos muito coincidentemente surgem neste momento. O alvo é o governador tucano, só não ve quem não quer.
    Parabéns pela reportagem

    • Thiago

      14 de junho de 2013 at 05:30

      Marcelo,

      Bem lembrado, e eu estava me perguntando o porquê de fazerem uma pesquisa desse tipo a mais de um ano das eleições…

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Recentes

To Top