facebook
...
Blog

Agricultura: Lobista mantinha sala privativa e distribuía propina dentro do Ministério; número 2 da pasta já foi demitido

A denúncia trazida pela revista Veja desta semana já derrubou o secretário executivo do Ministério Da Agricultura. A reportagem de Rodrigo Rangel – que perdeu um dente ao ser agredido pelo lobista – revela que o “jornalista, cientista político e professor” Júlio Fróes mantinha sala na Comissão de Licitação do Ministério,  mesmo sem nenhum vínculo formal com a pasta, e de lá fazia negócios clandestinos envolvendo dinheiro público, chegando a distribuir propina abertamente aos funcionários:

Na semana passada, o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, foi ao Congresso rebater as acusações de que sua pasta se transformou em uma central de negócios, conforme  denúncia publicada por VEJA com base em uma entrevista do ex-diretor da Conab Oscar Jucá Neto, irmão do senador Romero Jucá. Depois de cinco horas de audiência, o máximo que o ministro admitiu é que, na Conab, há “imperfeições e não irregularidades”. A edição de VEJA que chega às bancas neste sábado traz reportagem com novas “imperfeições” da pasta comandada por Rossi.

A reportagem mostra a atuação de um lobista chamado Júlio Fróes, que vem operando dentro do Ministério da Agricultura. “Doutor Júlio”, como é conhecido pelos servidores, goza de privilégios. Tem acesso liberado à entrada privativa do ministério e usa uma sala com computador, telefone e secretária na sobreloja do prédio, onde está instalada a Comissão de Licitação – repartição que elabora as concorrências que, só neste ano, deverão liberar 1,5 bilhão de reais da pasta.

Em seu escritório clandestino, Julio Fróes prepara editais, analisa processos de licitação e, ao mesmo tempo, cuida dos interesses de empresas que concorrem às verbas. No ano passado, acompanhado pelo secretário executivo Milton Ortolan – braço direito do ministro Wagner Rossi – Fróes se instalou pela primeira vez na sala para redigir um documento que justificava a contratação dos serviços da Fundação São Paulo (Fundasp), mantenedora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Foram dois dias de trabalho, ao cabo dos quais o ministro Rossi autorizou a contratação da entidade, sem licitação, com pagamentos de 9 milhões de reais. O representante da fundação beneficiada? O próprio Júlio Froes. Meses mais tarde, o lobista convocou uma reunião com funcionários que o haviam auxiliado na elaboração do documento. O encontro aconteceu na sala da Assessoria Parlamentar, no oitavo andar do ministério. Cada um que chegava recebia uma pasta. As pastas continham dinheiro – uma “agendinha”, no dizer do lobista.

Froes também se apresenta como representante do Ministério da Agricultura. Funcionários disseram a VEJA que, em certa ocasião, ele lhes contou como pediu uma “gratificação” de 10% aos donos de uma gráfica – a Gráfica Brasil – em troca da renovação de um contrato com o ministério. Mais ainda: ele assegurou ter agido assim por instrução de Milton Ortolan.  “Realmente essa proposta nos foi feita por alguém que se apresentava em nome do ministro”, disse à revista um dos responsáveis pela área comercial da empresa.

Em entrevista gravada, Júlio Fróes afirmou conhecer o ministro Wagner Rossi e o secretário executivo Milton Ortolan. Enfilerou, em seguida, um rosário de negações. Negou frequentar o prédio do ministério – onde foi flagrado pela reportagem na última quarta-feira, como atesta uma série de fotos. Negou ser representante da Fundasp, enquanto até o ministério diz que ele representou a entidade. E, subitamente, indagou: “Eu tenho gravações que comprometem o Ortolan. Quanto você me paga?”

Como relata em detalhes a Carta ao Leitor de VEJA, a entrevista teve um desfecho violento. Sentindo-se acuado, Fróes agrediu o jornalista Rodrigo Rangel e se apoderou de seu bloco de anotações. A agressão foi testemunhada por diversas pessoas em um restaurante e teve registro num boletim de ocorrência.

Procurado por VEJA, Milton Ortolan negou ser amigo de Fróes – disse que o conheceu no processo de contratação da Fundasp. O ministro Wagner Rossi afirmou inicialmente nunca ter ouvido falar no lobista. Um dia depois, sua assessoria informou, em nota, que o ministro o “cumprimentou uma vez”, em 2010.

(grifos nossos)

Comentário

Apesar da rapidez em demitir o secretário executivo Ortolan, Dilma já garantiu confiar no ministro Wagner Rossi, a despeito das ligações dele com o lobista Fróes…

Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 50% OFF (com desconto máximo de R$ 20) em 3 corridas.

3 Comentários

3 Comments

  1. Ismael Pescarini

    11 de agosto de 2011 at 14:37

    Thiago, brincadeiras a parte, quando o PT deixar o poder, caso não haja mudanças profundas em nossa democracia de coalizão, pode não sobrar nada do conceito de democracia. Esse está sendo a maior “vitória” das esquerdas: desmoralizar a democracia.
    Vê-se hoje pelo papel da China, pelas mudanças em Cuba e pela postura demagógica da esquerda que o inimigo numero um deles não é o capitalismo, são as liberdades de expressão e pensamento e os direitos civis.
    São inúmeros os comentários na WEB de gente simples postulando o fim do congresso, o fim dos partidos etc.

  2. Thiago

    9 de agosto de 2011 at 14:20

    Ismael Pescarini,

    A pergunta é: Quando o PT sair do governo, vai sobrar algo para ser salvo e reconstruído ou será melhor começar tudo do zero de novo? Porque, pelo visto, não vai sobrar nada se o PT continuar por mais algumas eleições… (e pelo jeito que o povão é estúpido, aposto que em 2014 o PT ganhe mais uma “chance”)

  3. Ismael Pescarini

    8 de agosto de 2011 at 10:47

    A foto da praga de gafanhotos diz tudo sobre o Brasil do PT. Será que teremos ao final dessa hera um Moisés para nos guiar para uma nova Pindorama, ou teremos de reconstruir com sangue suor e IMPOSTOS o estado dilapidado e a democracia emasculada?

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas

To Top