facebook
...
Blog

Como era de se esperar, governo descumpre promessa, corta investimentos e aumenta custeio

A redução de gastos prometida pelo governo – logo nos primeiros meses do ano – ficou só no papel. De acordo com informações trazidas pelo jornal O Globo, o ajuste fiscal promovido pelo governo Dilma afetou principalmete os investimentos, área que a equipe econômica se comprometera a não cortar.
Leiam um trecho da reportagem de O Globo. Voltamos logo abaixo:

BRASÍLIA – Na reta final de 2011, o balanço das contas públicas mostra que o aperto fiscal de R$ 50 bilhões, anunciado em março pela equipe econômica, encolheu substancialmente, e algumas despesas que o governo prometera reduzir, como os benefícios previdenciários e o seguro-desemprego, cresceram fortemente, ao invés de caírem. O corte efetivo de despesas, segundo a última avaliação da área econômica, chegará a R$ 21,3 bilhões, e a área mais atingida é a de investimentos. Em março, o governo pretendia investir R$ 50 bilhões – já considerando um corte de R$ 18 bilhões nessas despesas – mas, até novembro, a execução estava em R$ 38,7 bilhões.

As despesas com benefícios previdenciários e com o seguro-desemprego, que o governo prometera reduzir em R$ 5 bilhões em relação à previsão da lei orçamentária, cresceram R$ 10,5 bilhões. Pela última estimativa, essas despesas chegarão a R$ 318,7 bilhões em 2011, R$ 15,5 bilhões além do previsto. Com o aumento desses gastos, a redução de R$ 15,7 bilhões nas despesas obrigatórias prometida pelo governo caiu para R$ 560 milhões, 3,6% da estimativa.

O corte de R$ 36,2 bilhões nas despesas de custeio e investimentos, adotado em março, caiu para R$ 24 bilhões com a liberação de recursos do Orçamento em novembro. A liberação concentrou-se em despesas de custeio, e os investimentos chegam ao fim do ano como a área mais afetada pelo ajuste fiscal, embora o grosso dessas despesas nem tenha sido contingenciado, pois está dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A retração nos investimentos contribuiu para a estagnação da economia brasileira no terceiro trimestre.

(…)

Arrecadação bate recorde sobre recorde este ano

Quando anunciou o corte de R$ 50 bilhões nas despesas, o governo justificou a necessidade de adequar os gastos a uma previsão mais modesta de receitas. A arrecadação ficaria R$ 18 bilhões abaixo da estimada para a lei orçamentária.

Só que, ao longo do ano, a arrecadação bateu recordes. A última previsão é que a receita fechará 2011 com um montante de R$ 21,7 bilhões acima do valor estimado pelo Congresso. Ou seja, a diferença entre o que o governo estimou e o que vai arrecadar chega a R$ 40,3 bilhões. Pesaram as receitas extraordinárias que recebeu com o Refis (renegociação de tributos atrasados) da crise e com multas.

Íntegra aqui.

Comentário:

Como vocês puderam ler, a arrecadação de impostos bateu novos recordes este ano. De acordo com a previsão da própria Receita, o Brasil arrecadará R$ 21,7 bilhões acima do esperado. Trocando em miudos: grana existe, o que não existe é competência para gerenciar os investimentos, conforme demonstramos aqui no Implicante por inúmeras vezes.

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=gb0ZDV7FA4o[/youtube]

Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 50% OFF (com desconto máximo de R$ 20) em 3 corridas.

4 Comentários

4 Comments

  1. João

    13 de dezembro de 2011 at 18h11

    Eu sei que você queria escrever muito sobre o Amaury, gozar o jeito engraçado dele falar, dizer que ele tem processo e tudo mais. Mas o partido proibiu o assunto, né? A ordem é ignorar, não é isso?

    (Gravz: Não, não tem ordem alguma. Hoje mesmo falei do livro e do autor; obviamente, do livro MESMO só de pode falar depois de ler. Os não-alfabetizados têm ligeira vantagem pois não precisam ler nada para dizer se é verdade, mentira, bom ou ruim. Já os que passaram pelo primário, feliz ou infelizmente, precisam ao menos LER para saber)

  2. João

    12 de dezembro de 2011 at 19h44

    “Não porque você quer”… Os nervos estão à flor da pele hein? De qualquer maneira estou falando do livro, e não da entrevista. Ou seja, Ricardo Sérgio, Preciado, Verônicas, Daniel Dantas, Carlos Jereissati etc etc além do próprio Serra, claro.. Será que você consegue falar do livro ou vai ficar nos ataques pessoais?

    Você pode falar sobre tudo isso e nem precisa ser porque eu quero. Basta que seja pelo compromisso com a verdade.

    Abração!

  3. João

    12 de dezembro de 2011 at 14h09

    Nenhuma palavra sobro o livro do Amaury? Não vai ter vídeo do Exilado sobre isso? Vocês são bem isentos, hein?

    • Exilado

      12 de dezembro de 2011 at 14h55

      Ôpa, claro que sim meu caro João. Não porque você quer, mas porque achamos coisas bem curiosas na entrevista que ele concedeu à blogosfera progressista. Aguarde. Abraço.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top