facebook
Blog

Conheçam Dadá, o agente de Cachoeira ligado ao PT

Já falamos dele, mas vale relembrar: Dadá colabocou com Protógenes Queiroz, atuou no tal “bunker” da pré-campanha petista por intermédio de Amaury (sim, ele). Seu nome ressurgiu de forma desabonadora quando estourou o escândalo do Cachoeira. Agora, a coisa piora: foi apontado por dois policiais que atuaram na Operação Monte Carlo de ser o PAGADOR de um “mensalão” a policiais goianos. Leiam um trecho de reportagem desta quarta (25) do Valor Econômico, voltamos em seguida:

A Justiça Federal em Goiânia dará continuidade esta manhã aos depoimentos do processo penal da operação Monte Carlo, em que Carlinhos Cachoeira e outros sete réus são acusados de formação de quadrilha armada, corrupção, peculato e violação de sigilo funcional. O depoimento de Cachoeira e dos outros acusados estava previsto para hoje, mas poderá ser adiado, já que oito testemunhas ainda devem ser ouvidas antes.

Cachoeira e os outros réus estavam presentes ontem no primeiro dia de audiência. Mais magro e abatido, Cachoeira e os demais se sentaram na primeira fila do auditório da Justiça Federal. A previsão inicial era de que ontem fossem ouvidas 14 pessoas indicadas pela acusação e pela defesa, mas só houve tempo para duas testemunhas: os policiais federais Fábio Alvarez e Luiz Carlos Pimentel, que atuaram na Monte Carlo.

Em depoimentos que duraram mais de três horas cada um, eles relataram detalhes encontrados nas investigações, como o pagamento de uma espécie de “mensalão” pelo grupo de Cachoeira a policiais para que colaborassem com o esquema de três formas: passando informações sigilosas sobre operações para fechar casas de jogos, fechando pontos de jogos não autorizados ou garantindo a segurança das casas de integrantes do grupo.

“Havia um pagamento mensal a diversos policiais civis e militares, e quem efetuava geralmente era o Dadá [o sargento aposentado da Aeronáutica Idalberto Matias de Araújo, um dos réus no processo]”, disse Fábio Alvarez. Outros pagamentos, disse, foram buscados no escritório de Lenine Araújo de Souza, acusado de ser o contador de Cachoeira, e na casa de Regina Sônia de Melo, ex-servidora da prefeitura de Luziânia (GO).

O policial enumerou episódios em que buscas foram frustradas por causa do vazamento de informações. Relatou uma ocasião em que o agente da PF Wilton Tapajós Macedo, assassinado na semana passada com dois tiros na cabeça em um cemitério em Brasília, foi abordado por policiais militares enquanto cumpria diligências da Monte Carlo. Segundo Alvarez, o agente acompanhava um encontro de supostos integrantes do grupo de Cachoeira, na casa de Regina, quando foi abordado por militares. “Ele teve que usar coberturas para garantir sua integridade e continuar o trabalho”, disse Alvarez, que teria vivido situação semelhante em sua atuação no caso.

Em seguida o policial Luiz Carlos Pimentel, que atuou na operação como chefe substituto de inteligência, detalhou esquemas de contabilidade do grupo. De acordo com ele, a PF encontrou uma planilha na qual o pagamento de propina era identificado como “assistência social”. Os beneficiários eram identificados por siglas em uma coluna específica. (…) (grifos nossos)

Em texto recente, explicamos de forma didática as ligações Amaury-Dadá-Protógenes. Segundo o próprio Amaury, Dadá teria prestado serviços no bunker da pré-campanha presidencial petista. Segundo policiais federais, em depoimento colhido de forma oficial, Dadá era o “pagador” do esquema Cachoeira. Sim, o mesmo Dadá que mantinha encontros com Protógenes, hoje deputado – e também atuou na famosa operação Satyagraha.

Seu nome também surgiu num caso de, por assim dizer, “varredura”, agora a mando do governador petista do DF, Agnelo Queiroz.

Dadá trablhava para o PT? Trabalhava para Cachoeira? Para ambos? Somam-se os relatos e as respostas são todas positivas, inclusive com base em DEPOIMENTOS OFICIAIS. E nenhuma das partes até agora negou coisa alguma. Enquanto isso, a imprensa parece não notar esse fato. Taí, fica a dica da pauta. Comecem perguntando o que exatamente fazia Dadá no bunker eleitoral petista, no governo do DF e, claro, também para Cachoeira. Seguramente, há uma boa história aí.

Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 100% OFF (com desconto máximo de R$ 10) em até 2 corridas. Após ativado, o crédito terá validade de 30 dias.

Clique para comentar

Deixe um comentário

Mais Lidas

To Top