facebook
...
Artigos

Enquanto a direita alimenta conflitos internos, Lula segue como o nome mais forte para 2018

20/07/2017- São Paulo- SP, Brasil- Ex-presidente Lula em Ato na Av. Paulista em defesa da democracia.

Ou a direita volta a se unir em torno de um objetivo, ou Lula conquistará um terceiro mandato

Foto: Roberto Parizotti

Por um bom tempo, especialistas diziam que ninguém venceria uma eleição majoritária com rejeição superior a 47%. O cálculo levava em consideração resultados históricos. Mas João Santana o ignorou em 2014. E, em vez de buscar reduzir a aversão ao nome de Dilma Rousseff, trabalhou para que o de Aécio Neves fosse à lama. Ora, com apenas dois nomes no segundo turno, venceria o menos rejeitado, ainda que por uma grossa fatia do eleitorado. E assim o publicitário conquistou a reeleição da petista.

Por peculiaridades do sistema eleitoral americano, Donald Trump subverteu ainda mais a lógica, elegendo-se presidente dos Estados Unidos mesmo rejeitado pela maior parte do eleitorado – bastou, para tanto, ser o menos odiado nos estados que mais colégios eleitorais rendiam.

Fato é que a aprovação serve ao menos para levar alguém a um segundo turno, com a desaprovação sendo primordial para definir o vencedor na rodada final. Partindo destes princípios, é preciso soar o alerta vermelho: um ano antes da campanha eleitoral de 2018, mesmo com todos os problemas acumulados com a Justiça, Lula continua sendo um dos nomes mais fortes na disputa, ou mesmo o maior.

Ao menos é o que dá para se interpretar da Pulso Brasil, pesquisa encampada pelo Instituto Ipsos desde 2005, com atualização mais recente colhida na primeira quinzena de julho de 2017. Na página quinze, o levantamento questionou ao entrevistado a aprovação de 33 “políticos”. O termo está grafado aqui entre aspas porque parte deles não integra a cena política brasileira. Excluídas algumas celebridades, juízes e até presidiários, restam 22 presidenciáveis que em algum momento foram cotados para 2018, ou mesmo para uma eleição indireta em 2017.

A primeira notícia para Lula é ruim. Ao lado de Michel Temer, é o nome com menos margem para trabalhar: apenas 3% dos entrevistados não possuem opinião formada a respeito. Neste quesito, nomes como os de Luciana Genro, Henrique Meirelles, Ciro Gomes e João Doria teriam mais o que comemorar.

A segunda leitura já favorece a candidatura do petista. É o dono da terceira maior aprovação. Ou da maior, se levar em conta as proposições que já disputaram a Presidência da República ou confessaram interesse em disputar. E isso é valiosíssimo para garantir o nome do ex-presidente num eventual segundo turno.

A desaprovação, contudo, tem se mostrado um calo no sapato do lulismo. Mas, ainda assim, ele pode celebrar algumas conquistas. Afinal, adversários como FHC, José Serra, Aécio Neves e Michel Temer já se encontram em situação pior. E mesmo Geraldo Alckmin empata na margem de erro de 3%. Metade dos nomes testados, contudo, ainda surge com rejeição inferior a 50%, o que pode ser um diferencial num segundo turno.

Entretanto, com os dados da Pulso Brasil, é possível confrontar as respostas apenas do eleitorado que já formou opinião a respeito destes presidenciáveis. E é natural acreditar que, de frente para a urna, os indecisos se dividam em proporção semelhante, ou mesmo se abstenham de uma decisão. É nesta leitura que o alerta precisa ressoar. Lula ainda tem a quarta melhor aprovação, ou a melhor dentre os nomes que já confirmaram interesse no pleito. Supera, ainda que na margem de erro, outros nomes bem cotados, como os de João Doria, Marina Silva, Geraldo Alckmin e Ciro Gomes. Em outras palavras, está ainda no cenário mais confortável, ou menos desconfortável.

O recado parece claro: ou a direita (os conservadores, os reacionários, os liberais, os governistas, os capitalistas, ou como prefiram ser chamados) volta a se unir em torno de um objetivo comum, colocando em banho-maria qualquer conflito interno, ou Lula conquistará um terceiro mandato. E, neste caso, ninguém será capaz de dizer o que será do futuro do país.

Fonte: Instituto Ipsos

Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 50% OFF (com desconto máximo de R$ 20) em 3 corridas.

Mais Lidas

To Top