facebook
...
Blog

Mensalão: João Paulo Cunha usou estrutura de gabinete para se defender

Réu no processo do mensalão, o ex-presidente da Câmara dos Deputados teve ajuda de secretário parlamentar em sua defesa no STF. Cunha também pagou empresa para defendê-lo nas redes sociais com verba do gabinete. Reportagem de O Globo:

BRASÍLIA – Ex-presidente da Câmara e atual candidato a prefeito de Osasco (SP), o deputado petista João Paulo Cunha usou parte da estrutura de seu gabinete para se defender das acusações de participação no esquema do mensalão. Ele tem como secretário parlamentar, desde 2008, o advogado Alan Emanuel Cavalcante Trajano, que recebe da Câmara salário bruto de R$ 18,4 mil. Trajano é advogado de causas do PT no Supremo Tribunal Federal (STF), foi sócio de defensor jurídico de outros dois petistas réus do mensalão — os ex-deputados Professor Luizinho e Paulo Rocha — e prestou auxílio ao advogado responsável pela defesa de João Paulo Cunha no STF.

O parlamentar gastou boa parte da verba indenizatória a que tem direito para contratar a empresa de um militante petista especializada em “ações em redes sociais”. Entre fevereiro de 2011 e maio deste ano, a MPI Comunicação Digital recebeu R$ 126,5 mil do gabinete do deputado para desenvolver “ações em redes sociais, consultoria e manutenção dos perfis do deputado federal João Paulo Cunha”. As contas pessoais do Twitter do parlamentar e do diretor da MPI, Juan Pessoa, fazem várias referências e críticas às acusações do mensalão.

A contratação da empresa é o principal gasto do gabinete de João Paulo com a chamada cota para exercício da atividade parlamentar. No site da MPI, Juan Pessoa diz já ter coordenado as campanhas presidenciais nas redes sociais de Lula, em 2006, Dilma, em 2010, e Ollanta Humala, eleito presidente do Peru em 2011.

(…)

Pedro Henry: ausência

O deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) também tem uma advogada como secretária parlamentar. Mirtes Santiago Kiss advogou para o PR e para Valdemar. Ela ocupa o cargo na Câmara desde 2007.

— Não posso falar nada, infelizmente — disse Mirtes ao GLOBO.

A advogada dá expediente em Mogi das Cruzes (SP), base eleitoral de Valdemar. Ela tem um escritório na cidade, o que é permitido pela Câmara.

O terceiro deputado réu do mensalão, Pedro Henry (PP-MT), é o menos frequente na Câmara. Ficou ausente até novembro para exercer o cargo de secretário de Saúde em Mato Grosso. Depois que retornou, não fez um único discurso em plenário, não apresentou projetos de lei e compareceu a 10% das reuniões das comissões da Casa.

A reportagem não localizou na última sexta-feira os três deputados réus do mensalão.

(grifos nossos)

Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 50% OFF (com desconto máximo de R$ 20) em 3 corridas.

Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Recentes

To Top