O dia em que Ronaldo Caiado insinuou que Lindbergh Farias estava sob efeito de drogas

Ronaldo Caiado usara o microfone para questionar o reajuste salarial do funcionalismo público. O senador lembraria ao plenário da casa que o Senado se esforçava para agradar uma categoria que não foi às ruas pedir o impeachment de Dilma Rousseff. E por isso se colocava ele contra a proposta enquanto não fosse esta melhor justificada.

Foi quando Lindbergh Farias – senador petista que pouco se importava com o futuro do país desde que as contas públicas do governo Temer entrassem em ruína e abrissem espaço para uma volta do PT à Presidência da República – interveio. E subiu o tom chamando Caiado de “cara de pau“:

Me espanta a cara de pau do senador que me antecedeu, que defendeu todas as pautas-bombas, vir agora falar de responsabilidade fiscal. Ora, a gente tem que manter o mínimo de coerência no debate político.”

O senador democrata, que não é de levar desaforo para casa, respondeu baixando ainda mais o nível. E insinuando que o petista estava trabalhando sob o efeito de drogas:

“Eu tenho sempre mantido o debate em alto nível. Eu sei me dirigir aos colegas com todo o respeito e não adjetivando-os de maneira a desqualificá-los porque sou homem preparado para o debate. Mas esse senador que me antecedeu, eu não me dirijo a ele como senador, mas como médico, porque tenho notado que ele está salivando muito ultimamente e está com as pupilas muito dilatadas. Ele deveria primeiro apresentar em que condições ele está aqui no plenário para depois entrar no debate. Ele não tem as condições mínimas para isso.”

Lindbergh manteria o nível lá em baixo e acusaria o democrata de ter relações com Carlinhos Cachoeira, mas, já com o sinal da TV Justiça cortado, Caiado concluiria: “Deveriam fazer exame antidoping aqui“.

O vídeo acima mostra a discussão até o momento em que Renan Calheiros mandou interromper a transmissão.

About Marlos Ápyus

Jornalista e músico. Siga-o no Twitter (@apyus) ou no Facebook (/apyus), ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) clicando aqui.
View all posts by Marlos Ápyus →